Text page

As peças compradas e fabricadas por manufatura aditiva

O que as características da peça devem atender? Como deve ser feita a inspeção das peças? Qual deve ser a documentação de aceitação? Quais são as informações do pedido de compra da peça? Essas dúvidas estão sendo dirimidas na NBR ISO/ASTM 52901 de 11/2019 - Manufatura aditiva — Princípios gerais — Requisitos para peças compradas, fabricadas por manufatura aditiva.

05/02/2020 - Equipe Target

NBR ISO/ASTM 52901 de 11/2019 - Manufatura aditiva — Princípios gerais — Requisitos para peças compradas, fabricadas por manufatura aditiva

A NBR ISO/ASTM 52901 de 11/2019 - Manufatura aditiva — Princípios gerais — Requisitos para peças compradas, fabricadas por manufatura aditiva define e especifica os requisitos para peças compradas, fabricadas por manufatura aditiva. Fornece as diretrizes para os elementos a serem trocados entre o cliente e o fornecedor da peça no momento do pedido de compra, incluindo as informações da solicitação do cliente, dados de definição da peça, requisitos de material de alimentação, características e propriedades da peça final, requisitos de inspeção e métodos de aceitação da peça. É aplicável ao uso como uma base para obter peças fabricadas por manufatura aditiva que atendam aos requisitos mínimos de aceitação. Requisitos mais rigorosos da peça podem ser especificados por meio da adição de um ou mais requisitos complementares no momento do pedido de compra.

Acesse algumas questões relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

O que as características da peça devem atender?

Como deve ser feita a inspeção das peças?

Qual deve ser a documentação de aceitação?

Quais são as informações do pedido de compra da peça?

Este documento abrange a definição e a comunicação de requisitos para peças compradas, fabricadas por manufatura aditiva. Ele é destinado a permitir uma comunicação eficiente e inequívoca entre os fornecedores de peças e os clientes de peças fabricadas por manufatura aditiva, assegurando que a peça resultante atenda aos requisitos do cliente.

Pretende-se que este documento seja utilizado pelos fornecedores de peças e/ou pelos clientes de peças fabricadas por manufatura aditiva. Este documento é uma norma de nível superior na hierarquia de normas de manufatura aditiva, destinado a ser aplicado às peças fabricadas por qualquer processo de manufatura aditiva e qualquer tipo de material.

Este documento permite diferentes requisitos com base na classificação da criticidade e do uso final esperado das peças fabricadas por manufatura aditiva. O pedido de compra da peça deve incluir os seguintes elementos: organização e informações de contato do cliente (de preferência com pontos de contato para pedidos de compra, pagamento e entrega); definição da (s) peça (s) a ser (em) fabricada (s); condições associadas de entrega ao cliente; outros requisitos de compra; uma identificação de referência deste documento, ou seja, NBR ISO/ASTM 52901, e outros regulamentos nacionais/internacionais pertinentes; identificação do pedido de compra da peça do cliente (número de requisição, data de requisição etc.); designação ou descrição da (s) peça (s) desejada (s) (número/identificação da peça, índice de revisão, etc.); quantidade desejada de peças; data de entrega requerida, se for um único pedido de compra; quantidade de entrega, frequência e período de duração requeridos do pedido de compra, se for um pedido com entrega programada ou múltiplos pedidos; marcação ou etiquetagem requerida das peças, incluindo, por exemplo, rótulos, número de série, número de lote, tipo de material de alimentação, referência do fornecedor da peça, identificador de inspeção, referência de rastreabilidade, etc.; requisitos da embalagem da peça para entrega ao cliente; endereço de entrega do cliente.

Os valores específicos dos elementos estão sujeitos a um acordo entre o cliente e o fornecedor da peça. A definição da peça deve incluir os seguintes elementos: geometria da peça; tolerâncias; textura superficial; orientação de fabricação, se necessário, para atender aos requisitos do cliente; material de alimentação para a peça a ser fabricada, se necessário, para atender aos requisitos do cliente; métodos de reparo (levando em consideração as categorias de ensaio definidas na NBR ISO 17296-3); imperfeições ou desvios aceitáveis; informações de controle do processo.

A divulgação de informações confidenciais está sujeita a um acordo entre o cliente e o fornecedor da peça. A definição da peça deve incluir os seguintes elementos: referência do desenho de engenharia (número, índice e versão), se aplicável; referência do arquivo digital (nome, formato, versão), se aplicável; descrição da geometria por um desenho de engenharia que defina completamente a peça, ou um arquivo digital contendo o modelo 3D ou as informações de geometria da peça.

Para troca de dados eletrônicos, o cliente e o fornecedor da peça devem assegurar que os sistemas utilizados sejam compatíveis e devem definir o método de fornecimento de arquivos digitais, incluindo o nível de confidencialidade e os métodos de proteção de dados, o formato dos dados eletrônicos, e os procedimentos para criação do arquivo digital (incluindo a fonte dos dados eletrônicos e os requisitos de conversão necessários para produzir o arquivo digital). Os documentos de descrição da geometria da peça podem ser fornecidos pelo cliente ou pelo fornecedor da peça.

O formato de arquivo STL utilizado por muitas máquinas de manufatura aditiva não contém unidades de medida como metadados. Quando somente arquivos STL forem fornecidos pelo cliente, as informações do pedido de compra especificam as unidades de medida da peça juntamente com o arquivo digital. Mais informações sobre arquivos digitais podem ser encontradas na ISO/ASTM 52915.

As tolerâncias devem ser especificadas (por exemplo, tolerâncias gerais, ver NBR ISO 2768-1 e NBR ISO 2768-2, e/ou tolerâncias específicas, ver ISO 1101), incluindo a definição de zonas funcionais (por exemplo, sobremetal para usinagem para acabamento ou retrabalho) e zonas estéticas ou cosméticas, de modo que o fornecedor da peça possa orientar a peça de acordo com os requisitos e decidir sobre a localização e o tipo de estruturas de suporte da peça, se necessário. Convém que a textura superficial (também conhecida como acabamento superficial) da peça seja especificada, se possível por referência a normas existentes (por exemplo, utilizando a ISO 1302 e/ou a ISO 25178-1).

O requisito de textura superficial pode ser especificado por um valor máximo de rugosidade/ondulação para toda a peça ou por uma rugosidade/ondulação específica para uma ou mais superfícies críticas. A textura superficial geralmente depende de diversos parâmetros do processo, incluindo a orientação da peça e a espessura de camada.

O processo de fabricação desejado para construir a peça deve ser identificado, incluindo as etapas de pós-processamento necessárias (por exemplo, tratamento térmico, acabamento superficial). A orientação de fabricação deve seguir as regras fornecidas na ISO/ASTM 52921. A orientação de fabricação geralmente é escolhida pelo fornecedor da peça para atender aos requisitos; entretanto, o cliente pode especificar a orientação de fabricação da peça, se necessário, para obter as propriedades mecânicas específicas.

O tipo e/ou os limites da composição química do material de alimentação para a peça a ser fabricada devem ser especificados por referência a normas e/ou especificações existentes do material. O pedido de compra deve mencionar ou referenciar especificações apropriadas para as características do material de alimentação para a peça a ser fabricada, os requisitos de armazenamento, manuseio e processamento para o uso adequado do material de alimentação e para o controle de suas propriedades, e se for necessário atender aos requisitos do cliente, informações sobre o uso permitido do material de alimentação reciclado (reutilizado).

Se o cliente tiver preocupações sobre o país de origem do material de alimentação ou do produtor do material de alimentação, a fonte desejada do material de alimentação pode ser especificada. Qualquer reparo deve ser comunicado ao cliente e autorizado antes de ser realizado. Os métodos de reparo autorizados (como reparo por deposição de material, soldagem, colagem ou aglutinação) e as condições de reparo correspondentes devem ser especificados, se necessário, e devem ser aprovados pelo cliente.

As tolerâncias para trincas, defeitos, descontinuidades, material estranho, inclusões, imperfeição (ões) ou desvio (s) aceitável (eis), descolorações e porosidade devem ser acordadas entre o fornecedor da peça e o cliente. Os requisitos para a repetibilidade do processo de fabricação devem ser identificados, incluindo referência a normas ou métodos de medição relevantes para avaliar a repetibilidade, particularmente para pedidos de compra de peças múltiplas ou pedidos de compra múltiplos esperados da mesma peça.

Os requisitos para documentar as informações de controle do processo durante a fabricação devem ser identificados. As informações requeridas, conforme acordado entre o fornecedor da peça e o cliente, devem ser documentadas durante a fabricação e incluídas no registro de qualidade para a peça de manufatura aditiva como retidas pelo fornecedor da peça. O período de retenção do registro de qualidade e as informações de controle do processo a serem transmitidas ao cliente devem ser acordados entre o cliente e o fornecedor.

Se prestadores de serviços externos autorizados forem requeridos (por exemplo, para pós-tratamento, inspeção, etc.), eles devem ser acordados entre o fornecedor da peça e o cliente, e devem ser documentados. O pedido de compra deve especificar se a inspeção deve ser realizada em uma ou mais peças finais ou de referência (por exemplo, em um turno completo de produção, em amostras dos turnos de produção ou em peças de referência que tenham características similares, porém geometria ou escala diferentes).

Se os resultados do ensaio especificado no pedido de compra estiverem em conformidade com os critérios de aceitação, a peça deve ser aceita. Se os resultados dos ensaios não estiverem em conformidade com os valores definidos no pedido de compra, amostras adicionais do mesmo turno de produção devem ser submetidas a ensaios adicionais para aceitação.

Qualquer peça que não esteja em conformidade com os requisitos, porém que atenda às condições para retrabalho estipuladas no pedido de compra, pode ser reparada ou aceita. Qualquer não conformidade remanescente com os requisitos do pedido de compra, se o retrabalho for realizado ou não, deve ser revisada pelo cliente para determinar se um desvio específico dos requisitos pode ser aceito. Caso contrário, as peças devem ser rejeitadas.

FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Implantes para cirurgia - Projeto de implantes fabricados por manufatura aditiva - Parte 8: Componentes de Ti-6Al-4V, com elementos intersticiais extrabaixos (ELI), obtidos por fusão em leito de pó
NBR16627-8 de 01/2020

Implantes para cirurgia - Projeto de implantes fabricados por manufatura aditiva - Parte 8: Componentes de Ti-6Al-4V, com elementos intersticiais extrabaixos (ELI), obtidos por fusão em leito de pó

Implantes para cirurgia - Projeto de implantes fabricados por manufatura aditiva - Parte 6: Orientações para a caracterização de pós metálicos
NBR16627-6 de 01/2020

Implantes para cirurgia - Projeto de implantes fabricados por manufatura aditiva - Parte 6: Orientações para a caracterização de pós metálicos

Gerenciamento de documentos - Formato eletrônico de arquivo de documento para preservação de longo prazo - Parte 1: Uso do PDF 1.4 (PDF/A-1)
NBRISO19005-1 de 01/2009

Gerenciamento de documentos - Formato eletrônico de arquivo de documento para preservação de longo prazo - Parte 1: Uso do PDF 1.4 (PDF/A-1)

Implantes para cirurgia - Projeto de implantes fabricados por manufatura aditiva - Parte 5: Orientações, informações e requisitos para comprovação da segurança e eficácia de produtos manufaturados por impressão tridimensional
NBR16627-5 de 03/2022

Implantes para cirurgia - Projeto de implantes fabricados por manufatura aditiva - Parte 5: Orientações, informações e requisitos para comprovação da segurança e eficácia de produtos manufaturados por impressão tridimensional

Manufatura aditiva - Princípios gerais - Parte 4: Visão geral de processamento de dados
NBRISO17296-4 de 02/2019

Manufatura aditiva - Princípios gerais - Parte 4: Visão geral de processamento de dados

Materiais metálicos — Ensaio de Tração - Parte 1: Método de ensaio à temperatura ambiente
NBRISO6892-1 de 04/2013

Materiais metálicos — Ensaio de Tração - Parte 1: Método de ensaio à temperatura ambiente

Manufatura aditiva - Princípios gerais - Parte 3: Características principais e métodos de ensaio correspondentes
NBRISO17296-3 de 01/2019

Manufatura aditiva - Princípios gerais - Parte 3: Características principais e métodos de ensaio correspondentes

Implantes para cirurgia — Projeto de implantes fabricados por manufatura aditiva - Parte 1: Terminologia
NBR16627-1 de 02/2020

Implantes para cirurgia — Projeto de implantes fabricados por manufatura aditiva - Parte 1: Terminologia

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos
NBRISO9001 de 09/2015

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Implantes para cirurgia — Projeto de implantes fabricados por manufatura aditiva - Parte 7: Componentes poliméricos obtidos por fusão em leito de pó
NBR16627-7 de 08/2021

Implantes para cirurgia — Projeto de implantes fabricados por manufatura aditiva - Parte 7: Componentes poliméricos obtidos por fusão em leito de pó

Terminologia-padrão para manufatura aditiva — Sistemas de coordenadas e metodologias de ensaio (ISO/ASTM 52921:2013 MOD)
NBR16798 de 11/2019

Terminologia-padrão para manufatura aditiva — Sistemas de coordenadas e metodologias de ensaio (ISO/ASTM 52921:2013 MOD)

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para a gestão de configuração
NBRISO10007 de 03/2005

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para a gestão de configuração

Manufatura aditiva - Princípios gerais - Parte 2: Visão geral de categorias de processo e de matéria-prima
NBRISO17296-2 de 01/2019

Manufatura aditiva - Princípios gerais - Parte 2: Visão geral de categorias de processo e de matéria-prima

Materiais metálicos - Ensaio de tração - Parte 2: Método de ensaio à temperatura elevada
NBRISO6892-2 de 10/2013

Materiais metálicos - Ensaio de tração - Parte 2: Método de ensaio à temperatura elevada

Gestão da qualidade - Satisfação do cliente - Diretrizes para monitoramento e medição
NBRISO10004 de 08/2013

Gestão da qualidade - Satisfação do cliente - Diretrizes para monitoramento e medição

Manufatura Aditiva - Princípios Gerais - Terminologia
NBRISO/ASTM52900 de 11/2018

Manufatura Aditiva - Princípios Gerais - Terminologia

Implantes para cirurgia — Projeto de implantes fabricados por manufatura aditiva - Parte 2: Orientações e requisitos para a avaliação de propriedades mecânicas do material de componentes metálicos
NBR16627-2 de 01/2020

Implantes para cirurgia — Projeto de implantes fabricados por manufatura aditiva - Parte 2: Orientações e requisitos para a avaliação de propriedades mecânicas do material de componentes metálicos

Manufatura aditiva — Princípios gerais — Requisitos para peças compradas, fabricadas por manufatura aditiva
NBRISO/ASTM52901 de 11/2019

Manufatura aditiva — Princípios gerais — Requisitos para peças compradas, fabricadas por manufatura aditiva