Text page

As vestimentas de proteção contra calor e chama provenientes do fogo repentino

Como deve ser o pré-tratamento e a lavagem do material têxtil? Qual a condição de ensaio de manequim instrumentado? O que constar no manual de instruções fornecido pelo fabricante? As respostas a essas perguntas podem ser conferidas na NBR 16623 de 10/2021 - Vestimentas de proteção contra calor e chama provenientes do fogo repentino - Requisitos.

03/11/2021 - Equipe Target

NBR 16623 de 10/2021 - Vestimentas de proteção contra calor e chama provenientes do fogo repentino - Requisitos

A NBR 16623 de 10/2021 - Vestimentas de proteção contra calor e chama provenientes do fogo repentino - Requisitos estabelece os requisitos de aceitabilidade para a avaliação de desempenho, das vestimentas de proteção, quando são submetidas a ensaios, sob condições controladas, contra os perigos térmicos do calor e das chamas provenientes do fogo repentino, que podem ocorrer de forma fortuita e inesperada em ambientes suscetíveis a atmosferas potencialmente explosivas oriundas de atividades industriais em plantas químicas, petroquímicas, de prospecção de hidrocarbonetos ou de poeiras inflamáveis. Não se aplica à proteção contra chamas oriundas de fogo estrutural, incêndios florestais, resgates técnicos, riscos térmicos de arcos elétricos, respingos de metais fundidos e calor convectivo e irradiado.

Acesse algumas questões relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Como deve ser o pré-tratamento e a lavagem do material têxtil?

Qual a condição de ensaio de manequim instrumentado?

O que constar no manual de instruções fornecido pelo fabricante?

Os fabricantes ou os importadores devem assegurar e comprovar que a vestimenta de proteção contra o fogo repentino possui capacidade de isolamento térmico em conformidade com os requisitos dessa norma. Os requisitos gerais de vestimentas de proteção devem estar conforme ao estabelecido na NBR ISO 13688.

Caso as vestimentas de proteção possuam dispositivos de regulagem, estes devem oferecer mecanismos de fixação que impeçam a sua alteração involuntária, após ajustados pelo usuário, desde que observadas as condições previsíveis de utilização, conforme avaliação qualitativa a ser executada pelo laboratório de ensaio. Essas vestimentas de proteção não protegem do risco, mas agem como uma das barreiras para reduzir ou eliminar a lesão ou agravo decorrente de um acidente ou exposição que o trabalhador possa sofrer, em razão dos riscos presentes no ambiente laboral.

As dimensões corporais para o dimensionamento da vestimenta de proteção para o usuário final devem atender à NBR ISO 7250. O usuário pode solicitar demandas específicas, em função da sua utilização e atividades laborais. Os aviamentos adicionados às vestimentas de proteção devem ser avaliados quanto aos requisitos térmicos e devem estar de acordo com a ISO 17493, quando estes forem aplicados externamente ou quando transpassados do interior para o exterior.

Os aviamentos não podem comprometer o desempenho de proteção das vestimentas de proteção. Os corpos de prova devem ser retirados de peças de vestimentas prontas ou montadas em painéis têxteis de mesma composição e gramatura dos tecidos utilizados nas vestimentas, de forma a representar as costuras e os aviamentos aplicados nas peças de vestimentas de proteção prontas.

Os aviamentos como velcro e zíper não podem fundir ou gotejar comprometendo a remoção da vestimenta após o ensaio de manequim instrumentado conforme as ISO 13506-1 e ISO 13506-2. As linhas de costura utilizadas na construção das vestimentas de proteção, resistentes ao calor e à chama, devem ser de fibra inerentemente resistente à chama, e devem atender ao seguinte: ser ensaiadas a uma temperatura de 260 °C, de acordo com a ISO 17493; ser ensaiadas conforme a ISO 15025 e ser aplicadas aos corpos de prova, de forma representativa às peças de vestimenta; posicionadas na vertical, na região onde ocorrerá a incidência da chama.

As faixas retrorrefletivas das vestimentas de proteção devem estar conforme a NBR 15292 e devem ser ensaiadas a 260 °C, conforme a ISO 17493. As vestimentas de proteção devem passar por uma lavagem do material têxtil para a realização dos ensaios mecânicos e químicos, conforme a ISO 6330, Método 6N, com temperatura de secagem de (60 ± 3) °C.

Para a realização desse ensaio, os corpos de prova devem ser lavados com cinco ciclos de lavagem. O usuário pode solicitar demandas específicas, em função da sua utilização e atividades laborais. A lavagem dos corpos de prova para os ensaios conforme a ISO 15025 deve ser realizada em conjuntos de corpos de prova, com cinco e 100 ciclos de lavagem, conforme a ISO 6330, Método 6N, com temperatura de secagem de (60 ± 3) °C.

Os corpos de prova de vestimentas de proteção prontas para ensaio de manequim instrumentado devem ser lavados com cinco ciclos de lavagem, conforme a ISO 6330, Método 6N, com temperatura de secagem de (60 ± 3) °C. Para o condicionamento dos corpos de prova, devem ser observadas as condições indicadas nas

A gramatura do tecido da vestimenta de proteção deve ser avaliada conforme a NBR 10591. A composição do tecido da vestimenta de proteção deve ser avaliada conforme as NBR 11914 e NBR 13538. Na impossibilidade técnica de determinação da composição quantitativa do tecido pelos ensaios citados e comprovados por laudo de laboratório de terceira parte, pode ser aceita uma declaração de primeira parte.

A medida da alteração dimensional deve ser avaliada conforme a ISO 13688. A alteração nas dimensões em virtude das lavagens do tecido da vestimenta de proteção não pode exceder ± 3% para o tecido plano, nos sentidos da trama e urdume. Para outros tecidos, o resultado do ensaio deve ser informado.

Os ensaios de resistência à tração, resistência a rasgos, resistência ao estouro para materiais em malha e costuras, calor convectivo, calor radiante e calor de contato devem ser conforme a tabela abaixo e atender aos requisitos mínimos estabelecidos. Os ensaios dos tecidos ou malhas devem atender aos requisitos estabelecidos nas tabelas abaixo.

 

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

O fabricante do EPI deve realizar o ensaio de manequim instrumentado para avaliação têxtil (maior insumo da vestimenta) e da vestimenta completa, pronta no modelo final e que identifique ser mais representativa de seu processo produtivo. Se materiais metálicos forem utilizados, estes não podem entrar em contato com a pele devido à grande probabilidade de que a condução de calor venha a provocar leões.

De acordo com a necessidade do usuário, a avaliação de modelos adicionais ou mesmo a avaliação sem a utilização de roupas sob a peça de vestuário, ou sob a vestimenta-padrão, podem ser solicitadas. Os ensaios de manequim devem ser realizados atendendo aos tamanhos fornecidos pela grade de medidas indicada pelo laboratório.

A vestimenta-padrão consiste em um macacão de mangas longas com fechamento frontal (fecho de contato, zíper ou fechamento por botões), sem bolsos, sem elástico nas costas e sem fechamento nos tornozelos. Para comprovação da proteção contra fogo repentino, os ensaios devem ser realizados na peça de vestuário completa no (s) modelo (s) escolhido (s) pelo fabricante confeccionista.

Para os ensaios em conjuntos de calça e camisa, ou de calça e jaqueta, com o objetivo de avaliar as peças da composição do vestuário (calça, camisa ou calça e jaqueta), o material e a confecção das peças de vestuário devem ser equivalentes, com mesma composição e gramatura; para mais de uma camada, a mesma ordem das camadas na composição da peça de vestuário deve ser seguida.

Os corpos de prova devem receber pré-tratamento e lavagem do material têxtil. Os ensaios devem ser realizados com camiseta interna, tipo t-shirt, 100 % algodão, com gola careca, manga curta e gramatura de (150 ± 10%) g/m², e cueca curta, no mínimo 90% algodão, tipo boxer, e com gramatura de (200 ± 10%) g/m², quando aplicável, para o tipo de vestimenta sob ensaio.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Medidas básicas do corpo humano para o projeto técnico - Parte 1: Definições de medidas corporais e pontos anatômicos
NBRISO7250-1 de 03/2010

Medidas básicas do corpo humano para o projeto técnico - Parte 1: Definições de medidas corporais e pontos anatômicos

Vestimentas de proteção contra calor e chama provenientes do fogo repentino - Requisitos
NBR16623 de 10/2021

Vestimentas de proteção contra calor e chama provenientes do fogo repentino - Requisitos

Vestimentas de proteção - Vestimentas para proteção contra calor e chama - Requisitos mínimos de desempenho
NBRISO11612 de 04/2017

Vestimentas de proteção - Vestimentas para proteção contra calor e chama - Requisitos mínimos de desempenho

Materiais têxteis - Determinação da gramatura de superfícies têxteis
NBR10591 de 07/2008

Materiais têxteis - Determinação da gramatura de superfícies têxteis

Dispositivos de proteção contra radiação X para diagnóstico médico - Parte 3: Vestimentas de proteção, óculos de proteção e blindagens de proteção para pacientes
NBRIEC61331-3 de 05/2020

Dispositivos de proteção contra radiação X para diagnóstico médico - Parte 3: Vestimentas de proteção, óculos de proteção e blindagens de proteção para pacientes

Materiais Têxteis — Determinação de certas aminas aromáticas derivadas de corantes azoicos acessíveis a agentes redutores
NBR16551 de 12/2016

Materiais Têxteis — Determinação de certas aminas aromáticas derivadas de corantes azoicos acessíveis a agentes redutores

Dispositivos de proteção contra radiação X para fins de diagnóstico médico - Parte 2: Placas de proteção translúcidas
NBRIEC61331-2 de 05/2018

Dispositivos de proteção contra radiação X para fins de diagnóstico médico - Parte 2: Placas de proteção translúcidas

Trabalho em tensão - Vestimenta de proteção contra riscos térmicos de um arco elétrico - Parte 1-2: Métodos de ensaio - Método 2: Determinação de classe de proteção ao arco elétrico de material e vestuário utilizando um arco elétrico direcionado e restringido (box test)
NBRIEC61482-1-2 de 06/2017

Trabalho em tensão - Vestimenta de proteção contra riscos térmicos de um arco elétrico - Parte 1-2: Métodos de ensaio - Método 2: Determinação de classe de proteção ao arco elétrico de material e vestuário utilizando um arco elétrico direcionado e restringido (box test)

Dispositivos de proteção contra radiação X para fins de diagnóstico médico - Parte 1: Determinação das propriedades de atenuação de materiais
NBRIEC61331-1 de 11/2018

Dispositivos de proteção contra radiação X para fins de diagnóstico médico - Parte 1: Determinação das propriedades de atenuação de materiais

Apicultura - Materiais - Vestimentas apícolas
NBR16573 de 12/2016

Apicultura - Materiais - Vestimentas apícolas

Análise quantitativa de materiais têxteis - Método de ensaio
NBR11914 de 04/1992

Análise quantitativa de materiais têxteis - Método de ensaio

Material têxtil - Análise qualitativa
NBR13538 de 11/1995

Material têxtil - Análise qualitativa

Trabalhos sob tensão — Vestimenta de proteção contra os riscos térmicos de um arco elétrico - Parte 2: Requisitos
NBRIEC61482-2 de 06/2016

Trabalhos sob tensão — Vestimenta de proteção contra os riscos térmicos de um arco elétrico - Parte 2: Requisitos

Vestimenta de proteção contra calor e chama — Método de ensaio para vestimentas completas — Previsão da queimadura utilizando um manequim instrumentado
NBRISO13506 de 06/2016

Vestimenta de proteção contra calor e chama — Método de ensaio para vestimentas completas — Previsão da queimadura utilizando um manequim instrumentado

Trabalhos em tensão — Vestimenta de proteção contra riscos térmicos de um arco elétrico - Parte 1-1: Métodos de ensaio — Método 1: Determinação da resistência ao arco elétrico (ATPV ou EBT50) de materiais resistentes à chama para vestimenta
NBRIEC61482-1-1 de 08/2017

Trabalhos em tensão — Vestimenta de proteção contra riscos térmicos de um arco elétrico - Parte 1-1: Métodos de ensaio — Método 1: Determinação da resistência ao arco elétrico (ATPV ou EBT50) de materiais resistentes à chama para vestimenta

Vestimentas de proteção - Requisitos gerais
NBRISO13688 de 04/2017

Vestimentas de proteção - Requisitos gerais

Tecido plano 100 % algodão - Denim - Requisitos e métodos de ensaio
NBR14634 de 09/2021

Tecido plano 100 % algodão - Denim - Requisitos e métodos de ensaio

Artigos confeccionados — Vestimenta de segurança de alta visibilidade
NBR15292 de 05/2013

Artigos confeccionados — Vestimenta de segurança de alta visibilidade

Trabalhos em linha viva — Vestimenta condutiva para uso em tensão nominal até 800 kV c.a. e ± 600 kV d.c. (IEC 60895:2002, MOD)
NBR16135 de 12/2012

Trabalhos em linha viva — Vestimenta condutiva para uso em tensão nominal até 800 kV c.a. e ± 600 kV d.c. (IEC 60895:2002, MOD)

Produtos têxteis para saúde - Aventais e campos cirúrgicos - Requisitos e métodos de ensaio
NBR16064 de 07/2022

Produtos têxteis para saúde - Aventais e campos cirúrgicos - Requisitos e métodos de ensaio