Text page

A conformidade das placas de aço-carbono

Qual deve ser a posição da marcação das chapas de aço? Qual é a composição química para análise final do aço líquido? Quais são as tolerâncias de forma das chapas? Essas questões estão na NBR 6333 de 10/2019 - Placas de aço-carbono — Requisitos gerais.

13/11/2019 - Equipe Target

NBR 6333 de 10/2019: a fabricação e o fornecimento de placas de aço-carbono

Utilizadas em diversas áreas de produção, a chapa de aço-carbono é encontrada na indústria automotiva, construção civil e naval, equipamentos hidráulicos, entre outros setores, por se tratar de uma peça versátil, que atende a diferenciadas demandas, seja na estrutura de um produto ou como suporte para algo. Na sua fabricação é necessário haver um rigoroso procedimento de produção que começa desde a seleção da matéria prima. Mais do que isso, esse tipo de produto deve ter certificação e atender a todos os critérios e normas de produção e especificações técnicas.

Além da garantia de um produto certificado, é possível para o cliente escolher entre a chapa de aço-carbono inteira ou a cortada sob medida, ou seja, a peça pode ser cortada conforme desenho em diversas espessuras e dimensões ou ser adquirida em tamanho bruto. A disponibilidade de corte da chapa vai desde 0,5 mm a 550 mm de profundidade.

Para realizar os procedimentos de corte com qualidade, é necessário que sejam feitas em máquinas avançadas, com tecnologia para obter excelente acabamento como é a técnica do oxicorte, que é um método utilizado para cortar a chapa de aço carbono por meio do calor e oxidação com oxigênio, fazendo com que a peça fique bem acabada, sem falhas ou arestas. Nesse processo passam os três modelos de chapa de aço-carbono: fina a frio e a quente, grossas e xadrez.

Quanto à especificação técnica, que é um documento técnico acordado entre fabricante e comprador, com os requisitos especificados para comercialização das placas, são exemplos de requisitos: composição química, tolerâncias dimensionais e de forma, identificação, qualidade interna e superficial, aplicação final, tubo comercial ou estrutural, perfil comercial ou estrutural, telha revestida, tubo para o mercado de óleo e gás, vaso de pressão, peça automotiva exposta ou não, peça automotiva estrutural, rodas, etc. A NBR 6333 de 10/2019 - Placas de aço-carbono — Requisitos gerais estabelece os requisitos para encomenda, fabricação e fornecimento de placas de aço-carbono, com espessura nominal de 80 mm a 300 mm e largura igual ou superior a 600 mm.

Acesse alguns questionamentos relacionados a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Qual deve ser a posição da marcação das chapas de aço?

Qual é a composição química para análise final do aço líquido?

Quais são as tolerâncias de forma das chapas?

A chapa de aço-carbono é uma das opções mais versáteis quando se trata de um material utilizado em um número de componentes de aço e aplicações diferentes. Embora a gama de utilizações seja influenciada pela classificação das placas de acordo com o teor de carbono, seja ele baixo ou alto, os produtos de aço de carbono são comuns em muitas configurações, incluindo itens industrializados, bem como na utilização na construção civil. As aplicações do aço carbono, inclusive, se estendem para a criação de recipientes de armazenamento duráveis que podem durar décadas, quando bem utilizados.

Em algumas configurações nos ambientes de fabricação, não é incomum para uma placa de aço-carbono servir como material de base para a criação de componentes que são utilizados em maquinários de produção. A natureza durável do aço o torna ideal para utilização em ambientes fabris de engrenagens, parafusos, porcas, e outros componentes que são submetidos a uma grande quantidade de desgaste ao longo de um dia de produção.

Ao se utilizar uma chapa de aço carbono para estes tipos de componentes, significa que as máquinas podem operar por períodos mais longos, antes que haja a necessidade de substituir uma engrenagem gasta ou um parafuso descascado, por outro, para que não haja a quebra total ou desalinhamento da máquina devido ao desgaste da peça. Também é utilizada em projetos de construção, incluindo pontes, navios e até mesmo vários tipos de edificações, como residências, comércios e unidades fabris.

Devido à força fornecida por ele, as placas podem ser utilizadas para criar todos os tipos de suportes que são utilizados na construção civil. Além disso, as placas são ideais para utilização na criação de base para as estruturas, que ajudam a proporcionar a fixação para os suportes, em última análise, são capazes de garantir à integridade e o aumento de resistência à estrutura em si.

Os tanques de armazenagem são outros exemplos da utilização deste material. Como este tipo de metal responde bem a conexões como rebites, vários tipos de solda e outros modelos de junção, as chapas de aço carbono são utilizadas para a confecção de tanques que podem ser tanto de água, como de outros produtos, devendo para isto ser hermeticamente fechado. Em algumas aplicações, a chapa é também uma opção mais rentável sem que haja a diminuição da qualidade final do local de armazenagem, desta forma, consegue-se manter os custos de material dentro do intervalo de um orçamento proposto.

Existem ainda diferentes tipos de ferramentas que são rotineiramente criadas com as chapa de aço carbono. Lâminas afiadas para facas e máquinas de corte, rotineiramente são encontradas em vários projetos e muitas vezes fazem uso do aço carbono na elaboração destas lâminas de corte.

Além disso, não é incomum a sua utilização na agricultura, pois diversos equipamentos e componentes são feitos a partir deste tipo de chapa de aço. Equipamentos utilizados na raspagem durante a reforma de fachadas de um edifício também pode ser fabricado a partir deste tipo de dispositivo, ajudando a tornar o processo de remoção de tinta e outros tipos de produtos selantes de superfícies de concreto ou de tijolo muito mais fácil.

As tolerâncias dimensionais e de forma aplicáveis às placas produzidas segundo esta norma são apresentadas na tabela abaixo. Por meio de acordo prévio entre as partes interessadas, podem ser estabelecidas tolerâncias diferentes.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

As medidas da espessura, largura e comprimento real das placas devem ser tomadas com equipamento aferido e calibrado. As medições de forma das placas devem ser tomadas nas posições indicadas no Anexo A. Salvo acordo entre as partes, as medidas dimensionais de verificação de conformidade devem ser obtidas obedecendo às seguintes orientações: espessura: deve ser tomada em qualquer região da placa, desde que distante em 150 mm das bordas laterais e distante do topo e cauda em 400 mm. Caso o valor seja enviado ao cliente, pelo menos um valor medido deve ser informado.

A largura deve ser medida na face superior da placa, em três pontos, sendo um no meio do comprimento da placa e os outros dois pontos distantes 400 mm da extremidade da placa (topo e cauda). Caso o valor seja enviado ao cliente, a menor largura medida é a que deve ser informada. O comprimento deve ser tomado no meio da largura da placa.

Nos pedidos de placas, segundo esta norma, deve constar no mínimo o seguinte: produto (placa); especificação técnica, conforme acordado entre fabricante e comprador; dimensões em milímetros, (mm) na seguinte ordem: espessura; largura; comprimento; peso do pedido, em toneladas (t) ou quilogramas (kg). As placas não podem apresentar imperfeições nas superfícies que impeçam o seu emprego para o uso previsto.

As tolerâncias admissíveis de defeitos e imperfeições devem constar na especificação técnica. As condições de sanidade interna, como nível de segregação e eventos ocorridos durante o processo de lingotamento que possam afetar a qualidade requerida à aplicação final especificada, devem ser motivo de rejeição ou separação em grau de reclassificação acordado previamente entre fabricante e comprador.

Se for do interesse do comprador acompanhar a produção, a inspeção, o recondicionamento e o processo logístico, o fabricante deve conceder-lhe todas as informações necessárias e suficientes à verificação de que a encomenda está sendo atendida de acordo com o pedido, sem que haja interrupção do processamento ou atraso na produção. A inspeção pode ser feita diretamente pelo comprador ou por inspetor credenciado.

As placas que, durante a inspeção de recebimento ou durante a utilização pelo comprador, evidenciarem falhas ou aparentemente não estiverem de acordo com o estabelecido nesta norma, devem ser segregadas. Devem ser mantidas adequadamente a sua identificação e a armazenagem, notificando-se de imediato o fabricante com evidências (por exemplo, amostras, fotografias, análises laboratoriais, etc.) para comprovação no estabelecimento do comprador, ao qual devem ser concedidas todas as informações necessárias. Os prazos para apresentação e atendimento de reclamação devem ser acordado previamente entre fabricante e comprador. Se constatada não conformidade com o pedido, este pode ser recusado, a critério do comprador.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Chapas grossas de aço-carbono para uso geral — Requisitos
NBR8300 de 11/2016

Chapas grossas de aço-carbono para uso geral — Requisitos

Produto plano laminado de aço-carbono e de aço de baixa liga e alta resistência - Embalagem - Padronização
NBR8268 de 11/1983

Produto plano laminado de aço-carbono e de aço de baixa liga e alta resistência - Embalagem - Padronização

Bobinas e chapas de aço-carbono para uso em piso — Requisitos
NBR16538 de 01/2017

Bobinas e chapas de aço-carbono para uso em piso — Requisitos

Bobinas e chapas laminadas a quente de aço-carbono para estampagem - Especificação
NBR5906 de 04/2008

Bobinas e chapas laminadas a quente de aço-carbono para estampagem - Especificação

Chapas grossas de aço carbono e de aços de baixa liga para relaminar
NBRNM169 de 10/2000

Chapas grossas de aço carbono e de aços de baixa liga para relaminar

Folhas laminadas de aço-carbono revestidas eletroliticamente com estanho ou cromo ou não revestidas — Especificação
NBR6665 de 01/2014

Folhas laminadas de aço-carbono revestidas eletroliticamente com estanho ou cromo ou não revestidas — Especificação

Bobinas e chapas grossas de aço-carbono e de aço de baixa liga e alta resistência — Requisitos
NBR11889 de 03/2013

Bobinas e chapas grossas de aço-carbono e de aço de baixa liga e alta resistência — Requisitos

Bobinas e chapas grossas de aço-carbono para uso estrutural — Especificação
NBR6648 de 01/2014

Bobinas e chapas grossas de aço-carbono para uso estrutural — Especificação

Placas de aço-carbono — Requisitos gerais
NBR6333 de 10/2019

Placas de aço-carbono — Requisitos gerais

Produtos planos laminados de aço-carbono e aço baixa liga e alta resistência, processados por centros de serviço — Requisitos gerais
NBR8269 de 01/2014

Produtos planos laminados de aço-carbono e aço baixa liga e alta resistência, processados por centros de serviço — Requisitos gerais

Chapas de aço-carbono para recipientes ou componentes submetidos à pressão
NM246 de 12/2000

Chapas de aço-carbono para recipientes ou componentes submetidos à pressão

Bobinas e chapas finas a frio e a quente de açocarbono e de aço de alta resistência e baixa liga — Requisitos gerais
NBR11888 de 04/2015

Bobinas e chapas finas a frio e a quente de açocarbono e de aço de alta resistência e baixa liga — Requisitos gerais

Bobinas e chapas finas a quente de aço-carbono para uso estrutural — Especificação
NBR6650 de 01/2014

Bobinas e chapas finas a quente de aço-carbono para uso estrutural — Especificação

Produtos siderúrgicos — Terminologia
NBR6215 de 05/2011

Produtos siderúrgicos — Terminologia

Aço-carbono — Determinação do estanho — Método iodométrico
NBR6342 de 07/2011

Aço-carbono — Determinação do estanho — Método iodométrico

Aço carbono e ligados para construção mecânica - Designação e composição química
NBRNM87 de 10/2000

Aço carbono e ligados para construção mecânica - Designação e composição química

Aço-carbono e aço microligado para barras e perfis laminados a quente para uso estrutural — Requisitos
NBR7007 de 09/2016

Aço-carbono e aço microligado para barras e perfis laminados a quente para uso estrutural — Requisitos

Chapa fina a frio de aço-carbono em bobina - Tratamento térmico de recozimento branco - Requisitos
NBR8640 de 08/2016

Chapa fina a frio de aço-carbono em bobina - Tratamento térmico de recozimento branco - Requisitos

Bobinas e chapas finas a frio de aço-carbono para uso estrutural — Especificação
NBR6649 de 11/2014

Bobinas e chapas finas a frio de aço-carbono para uso estrutural — Especificação