Text page

O ensaio para prova de carga estática para fins de fundações

O que é uma fundação direta? Como deve ser feita a execução da prova de carga? Como deve ser executado o ensaio cíclico lento? O que deve constar do relatório sobre a expressão dos resultados? Esses questionamentos estão sendo exibidos na NBR 6489 de 09/2019 - Solo - Prova de carga estática em fundação direta.

06/11/2019 - Equipe Target

NBR 6489 de 09/2019: o ensaio para prova de carga estática em solos

A NBR 6489 de 09/2019 - Solo - Prova de carga estática em fundação direta especifica um método de ensaio para prova de carga estática para fins de fundações diretas, compreendendo os requisitos para execução, registro e apresentação. Este método de ensaio possibilita traçar a curva tensão-deslocamento e estimar os parâmetros de deformabilidade (coeficiente de reação vertical e módulo de deformabilidade) e de resistência (tensão admissível) do solo em análise.

Acesse alguns questionamentos relacionados a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

O que é uma fundação direta?

Como deve ser feita a execução da prova de carga?

Como deve ser executado o ensaio cíclico lento?

O que deve constar do relatório sobre a expressão dos resultados?

Este método de ensaio consiste na aplicação de esforços estáticos axiais de compressão à placa e registro dos deslocamentos correspondentes. O ensaio deve ser levado até pelo menos o dobro da tensão admissível prevista para o terreno ou até o deslocamento máximo estabelecido pelo projetista. A configuração típica da aparelhagem de aplicação de carga é ilustrada na figura abaixo.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

A placa para aplicação das cargas ao solo deve ter rigidez equivalente à da fundação prevista (concreto armado ou aço) e deve ter diâmetro ou lado mínimo de 0,30 m. Os elementos de concreto armado e de aço devem estar de acordo com as NBR 6118 e NBR 8800, respectivamente. O dispositivo de transmissão de carga deve ser tal que ela seja aplicada verticalmente, no centro da placa, e de modo a não produzir choques ou trepidações.

O conjunto macaco-bomba-manômetro deve estar devidamente calibrado por laboratório acreditado, com intervalo de calibração de acordo com as NBR 14105-1 e NBR 14105-2 e não superior a um ano, devendo ainda ter capacidade ao menos 20% maior que o máximo carregamento previsto para o ensaio. O curso do êmbolo deve ser compatível com os deslocamentos máximos esperados entre o topo da placa e o sistema de reação.

O manômetro deve ter uma escala adequada ao carregamento, de forma que a menor carga a ser aplicada no ensaio seja representada por pelo menos duas marcas da escala. Para células de carga, o indicador deve ter resolução de 0,5% da carga máxima. A calibração deve ser feita por laboratório acreditado, com intervalo de calibração de acordo com a NBR 8197 e não superior a um ano. Os deslocamentos devem ser medidos por defletômetros ou transdutores de deslocamento, com precisão mínima de 0,01 mm e curso mínimo de 50 mm dispostos em quatro pontos, instalados em dois eixos ortogonais da placa.

Os defletômetros ou transdutores de deslocamento devem estar livres da influência do terreno circunvizinho, da cargueira ou das ancoragens. Seus apoios devem estar a uma distância igual ou maior que 1,5 vez o diâmetro ou o lado da placa (maior lado), com no mínimo 1,0 m, medida a partir do centro desta última. A estrutura para o sistema de reação deve ser conforme a seguir: plataforma carregada (cargueira) pode ser utilizada, desde que: seja sustentada por cavaletes ou fogueiras, projetadas de forma a assegurar a estabilidade do sistema. Para estruturas de madeira, seguir a NBR 7190; e de aço, seguir a NBR 8800,

Deve ser carregada com material cuja massa total permita superar a carga máxima prevista para a prova de carga em ao menos 20% e as estruturas fixadas no terreno por meio de elementos tracionados, projetados e executados em número suficiente para que o conjunto permaneça estável sob as cargas máximas do ensaio. Estes elementos tracionados podem ser: um conjunto de estacas executadas para atender à realização do ensaio, projetadas com capacidade de carga admissível à tração ao menos 20% acima da carga máxima prevista para cada estaca.

Por segurança, deve-se controlar o levantamento das estacas de reação durante todo o desenvolvimento da prova de carga, por meio de defletômetros ou leitura ótica. Deve haver um conjunto de tirantes ancorados no terreno constituído de monobarras ou cordoalhas, dimensionados conforme a NBR 5629, e projetados para suportar ao menos 20% acima da carga máxima prevista para cada tirante.

Incluir uma estrutura de reação dimensionada para todas as solicitações impostas pela prova de carga, sendo de responsabilidade da empresa contratada para sua realização. Se forem necessárias emendas nos elementos tracionados, estas devem ser feitas com luva ou solda, conforme as NBR 6118 e NBR 8548, e nunca apenas por transpasse.

Para a preparação da prova de carga, o terreno onde for instalada a prova de carga deve estar caracterizado por meio de sondagens de simples reconhecimento, no mínimo com medidas dos valores da resistência à penetração do SPT (standard penetration test), conforme a NBR 6484. O ensaio deve estar situado dentro da área de abrangência da sondagem mais próxima, determinada por um círculo centrado na placa e raio de 10 vezes o diâmetro da placa ou do seu menor lado, não excedendo 5 m.

A profundidade atingida pelas sondagens representativas deve ser superior àquela associada a 10% da tensão admissível (bulbo de tensões) a ser considerada em projeto para a fundação direta. Quando necessário, a critério do projetista, a investigação geotécnica pode ser complementada por novas sondagens ou outros ensaios de campo ou de laboratório, para melhor caracterização do perfil geológico-geotécnico local e avaliação, por exemplo, de questões de expansibilidade ou colapsibilidade do solo.

A realização da prova de carga deve ser comunicada ao solicitante do ensaio e ao projetista, devendo ser assegurado seu acesso em todas as fases da realização do ensaio. A cota da superfície carregada deve ser preferencialmente a mesma que a maioria das eventuais bases de maior importância da futura fundação. Caso não seja, o projetista deve levar em consideração esta condição.

A placa deve estar apoiada em superfície nivelada. Se necessário, para efeito de nivelamento, pode-se colocar um colchão de areia ou lastro de concreto magro sob a placa com a menor espessura necessária para formar um apoio uniforme (máximo 2,5 cm). É importante que o ensaio seja realizado com o solo sem ter passado previamente por alterações em sua composição ou estado de tensões. Caso seja necessário abrir um poço para alcançar a cota de apoio, o seu diâmetro deve ser no mínimo igual ao da placa mais 0,60 m e sua profundidade não superior a 1,2 m.

Para valores superiores a este, deve ser verificado o efeito da sobrecarga e do sistema de reação na realização do ensaio. Ao abrir-se o poço, são necessários todos os cuidados para evitar alteração do teor de umidade natural e amolgamento do solo na superfície a ser carregada. Em torno da placa de ensaio ou da boca do poço, o terreno deve ser nivelado e não podem existir sobrecargas (material solto) em uma faixa de pelo menos 1,5 vez o diâmetro ou o menor lado da placa, ou no mínimo 1,5 m do seu eixo.

Caso não haja necessidade de escavação (poço) entre o sistema de reação e o elemento ensaiado, deve haver uma distância mínima de 1,5 vez o diâmetro ou o menor lado da placa, adotando o maior valor ou ao menos 1,0 m, medida do eixo da placa ao ponto mais próximo do bulbo de tirantes ou da fogueira, das estacas de reação ou da roda do caminhão. A critério do projetista, a distância mínima especificada nessa norma e pode ser majorada, quando o processo executivo do sistema de reação e a natureza do terreno puderem influenciar o resultado do ensaio.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Projeto geotécnico - Procedimento
NBR8044 de 11/2018

Projeto geotécnico - Procedimento

Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado
NBR9062 de 03/2017

Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado

Projeto de estruturas de concreto — Procedimento
NBR6118 de 04/2014

Projeto de estruturas de concreto — Procedimento

Medidores de pressão - Parte 1: Medidores analógicos de pressão com sensor de elemento elástico — Requisitos de fabricação, classificação, ensaios e utilização
NBR14105-1 de 03/2013

Medidores de pressão - Parte 1: Medidores analógicos de pressão com sensor de elemento elástico — Requisitos de fabricação, classificação, ensaios e utilização

Estacas - Ensaios de carregamento dinâmico
NBR13208 de 06/2007

Estacas - Ensaios de carregamento dinâmico

Projeto e execução de fundações
NBR6122 de 03/2022

Projeto e execução de fundações

Programação de sondagens de simples reconhecimento do solos para fundações de edifícios - Procedimento
NBR8036 de 06/1983

Programação de sondagens de simples reconhecimento do solos para fundações de edifícios - Procedimento

Amostras de solo — Preparação para ensaios de compactação e ensaios de caracterização
NBR6457 de 03/2016

Amostras de solo — Preparação para ensaios de compactação e ensaios de caracterização

Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios
NBR8800 de 08/2008

Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios

Tirantes ancorados no terreno — Projeto e execução
NBR5629 de 10/2018

Tirantes ancorados no terreno — Projeto e execução

Grãos de pedregulho retidos na peneira de abertura 4,8 mm - Determinação da massa específica, da massa específica aparente e da absorção de água
NBR6458 de 09/2016

Grãos de pedregulho retidos na peneira de abertura 4,8 mm - Determinação da massa específica, da massa específica aparente e da absorção de água

Estacas - Prova de carga estática - Método de ensaio
NBR12131 de 09/2020

Estacas - Prova de carga estática - Método de ensaio

Estacas pré-fabricadas de concreto — Requisitos
NBR16258 de 01/2014

Estacas pré-fabricadas de concreto — Requisitos

Estabilidade de encostas
NBR11682 de 08/2009

Estabilidade de encostas

Ações e segurança nas estruturas - Procedimento
NBR8681 de 03/2003

Ações e segurança nas estruturas - Procedimento

Solo - Determinação do limite de liquidez
NBR6459 de 04/2016

Solo - Determinação do limite de liquidez

Solos e rochas - Terminologia
NBR6502 de 05/2022

Solos e rochas - Terminologia

Materiais metálicos - Calibração de instrumentos de medição de força de uso geral
NBR8197 de 04/2021

Materiais metálicos - Calibração de instrumentos de medição de força de uso geral

Solo — Sondagem de simples reconhecimento com SPT — Método de ensaio
NBR6484 de 10/2020

Solo — Sondagem de simples reconhecimento com SPT — Método de ensaio

Concreto de cimento Portland - Preparo, controle, recebimento e aceitação - Procedimento
NBR12655 de 02/2022

Concreto de cimento Portland - Preparo, controle, recebimento e aceitação - Procedimento

Medidores de pressão - Parte 2: Medidores digitais de pressão - Requisitos de fabricação, classificação, ensaios e utilização
NBR14105-2 de 12/2015

Medidores de pressão - Parte 2: Medidores digitais de pressão - Requisitos de fabricação, classificação, ensaios e utilização

Ações para o cálculo de estruturas de edificações
NBR6120 de 09/2019

Ações para o cálculo de estruturas de edificações

Solo - Prova de carga estática em fundação direta
NBR6489 de 09/2019

Solo - Prova de carga estática em fundação direta

Solo - Ensaios de palheta in situ - Método de ensaio
NBR10905 de 10/1989

Solo - Ensaios de palheta in situ - Método de ensaio

Projeto de estruturas de madeira
NBR7190 de 06/2022

Projeto de estruturas de madeira

Barras de aço destinadas a armaduras para concreto armado com emenda mecânica ou por solda - Determinação da resistência à tração - Método de ensaio
NBR8548 de 08/1984

Barras de aço destinadas a armaduras para concreto armado com emenda mecânica ou por solda - Determinação da resistência à tração - Método de ensaio