Text page

IEC 63009: os sistemas de fisioterapia por ultrassônicos

Essa norma internacional, publicada pela International Electrotechnical Commission (IEC) em 2019, trata dos equipamentos ultrassônicos projetados para fisioterapia que contém um transdutor ultrassônico que gera ultrassom na faixa de frequência de 20 kHz a 500 kHz. Este documento refere-se apenas a equipamento de fisioterapia ultrassônica que utiliza um transdutor circular de não foco plano único por cabeça de tratamento, produzindo feixes estáticos perpendiculares à face da cabeça de tratamento.

14/08/2019 - Equipe Target

Os equipamentos ultrassônicos para fisioterapia

A IEC 63009:2019 - Ultrasonics - Physiotherapy systems - Field specifications and methods of measurement in the frequency range 20 kHz to 500 kHz trata dos equipamentos ultrassônicos projetados para fisioterapia que contém um transdutor ultrassônico que gera ultrassom na faixa de frequência de 20 kHz a 500 kHz. Este documento refere-se apenas a equipamento de fisioterapia ultrassônica que utiliza um transdutor circular de não foco plano único por cabeça de tratamento, produzindo feixes estáticos perpendiculares à face da cabeça de tratamento.

Este documento especifica: os métodos de medição e a caracterização da saída de equipamentos de fisioterapia por ultrassom com base em métodos de teste de referência; as características a serem especificadas pelos fabricantes de equipamentos de fisioterapia ultrassônicos; os métodos de medição e caracterização da produção de equipamentos de fisioterapia por ultrassom com base em métodos de ensaio de rotina; os critérios de aceitação para aspectos da produção de equipamentos de fisioterapia ultrassônica.

O valor terapêutico e os métodos de uso dos equipamentos de fisioterapia ultrassônicos não estão dentro do escopo deste documento. Os equipamentos excluídos incluem, mas não estão limitados a: equipamentos nos quais as ondas de ultrassom são destinadas a destruir conglomerados (por exemplo, pedras nos rins ou na bexiga) ou tecido de qualquer tipo; equipamento no qual uma ferramenta é acionada por ultrassom (por exemplo, bisturis cirúrgicos, facoemulsificantes, raspadores dentários ou litotritoras intracorpóreas); equipamento no qual as ondas de ultrassom são destinadas a sensibilizar o tecido para outras terapias (por exemplo, radiação ou quimioterapia); equipamento no qual as ondas de ultrassom se destinam a tratar tecidos cancerígenos (ou seja, malignos) ou pré-cancerígenos, ou massas benignas, como High Intensity Focused Ultrasound (HIFU) ou High Intensity Therapeutic Ultrasound (HITU).

Conteúdo da norma

PREFÁCIO................. ........................ 4

INTRODUÇÃO............... .................. 6

1 Escopo............. ............................ 7

2 Referências normativas................ ..... 7

3 Termos e definições.................. ...... 8

4 Símbolos................... ...................... 17

5 Especificações do campo ultrassônico................ 18

6 Condições de medição e equipamento de ensaio usado para medições de campo ................ 19

6.1 Geral............. ................ 19

6.2 Recipiente de ensaio........... .......... 20

6.3 Hidrofone................................... 20

6.4 RMS ou medição de pico de sinal............ 20

7 Procedimentos e medições de referência de ensaio......... ....... 21

7.1 Geral........................... ................ 21

7.2 Potência nominal de saída............ 21

7.3 Medições dos hidrofones.................... 21

7.4 Área de irradiação efetiva............... 22

7.5 Parâmetros de ensaio do tipo de referência................ 23

7.6 Critérios de aceitação para o ensaio de tipo de referência......... 24

8 Procedimento de medição de rotina................................. 24

8.1 Geral................................................. ............... 24

8.2 Potência nominal de saída............................... 24

8.3 Área de irradiação efetiva.................................. 25

8.4 Relação de não uniformidade de feixe..................... 25

8.5 Intensidade efetiva........................................... .25

8.6 Critérios de aceitação para ensaios de rotina....................... 25

9 Determinação da amostragem e incerteza....................... 26

9.1 Medidas de ensaio do tipo de referência.................. 26

9.2 Medições de rotina.... .......................................... 26

9.3 Determinação da incerteza..................................... 26

Anexo A (informativo) Orientação para desempenho e segurança.... 27

A.1 Geral............................. ................. 27

A.2 Potência nominal de saída..................... 27

A.3 Intensidade efetiva............................. ... 27

A.4 Razão de não uniformidade do feixe.......... 27

A.4.1 Geral....................................... ......... 27

A.4.2 Justificativa por trás do uso de um valor limite para a não uniformidade da relação do feixe, RBN...................... ..... 27

Anexo B (normativo) Procedimentos de medição e análise por varredura raster............... 30

B.1 Geral.................... .................... 30

B.2 Requisitos para varreduras................. 30

B.3 Requisitos para análise de dados de varredura de varredura............... 30

B.3.1 Geral............................................... 30

B.3.2 Pressão acústica quadrada média total.. .................. 31

B.3.3 Cálculo da área da seção transversal do feixe, ABCS........... 31

Anexo C (normativo) Procedimentos de medição e análise por varrimento diametral (linha)............ 32

C.1 Geral.............. ................. 32

C.2 Requisitos para varreduras de linha............... 32

C.3 Análise de varreduras de linha.......................... 32

Bibliografia................................. ....................... 35

Tabela C.1 - Constituição da matriz transformada [B] usada para a análise do escaneamento da meia-linha.......................... 33

Enfim, o ultrassom é usado em medicina para fins de fisioterapia. Tal equipamento consiste em um gerador de energia elétrica e geralmente um hidrofone de tratamento de mão, muitas vezes referido como um aplicador. A cabeça de tratamento contém um transdutor para converter a energia elétrica para ultrassom e muitas vezes é projetado para contato com o corpo humano.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Equipamento eletromédico - Parte 1-6: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial — Norma Colateral: Usabilidade
NBRIEC60601-1-6 de 01/2022

Equipamento eletromédico - Parte 1-6: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial — Norma Colateral: Usabilidade

Equipamento eletromédico - Parte 1-8: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial - Norma colateral: Requisitos gerais, ensaios e diretrizes para sistemas de alarme em equipamentos eletromédicos e sistemas eletromédicos
NBRIEC60601-1-8 de 01/2022

Equipamento eletromédico - Parte 1-8: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial - Norma colateral: Requisitos gerais, ensaios e diretrizes para sistemas de alarme em equipamentos eletromédicos e sistemas eletromédicos

Equipamento eletromédico - Parte 1-3: Requisitos gerais para segurança e desempenho essencial - Norma Colateral: Proteção contra radiação em equipamentos para radiodiagnóstico
NBRIEC60601-1-3 de 08/2021

Equipamento eletromédico - Parte 1-3: Requisitos gerais para segurança e desempenho essencial - Norma Colateral: Proteção contra radiação em equipamentos para radiodiagnóstico

Equipamento eletromédico - Parte 2-11: Requisitos particulares para a segurança básica e desempenho essencial de equipamento de terapia por feixe gama
NBRIEC60601-2-11 de 07/2016

Equipamento eletromédico - Parte 2-11: Requisitos particulares para a segurança básica e desempenho essencial de equipamento de terapia por feixe gama

Equipamento eletromédico - Parte 1-10: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial — Norma Colateral: Requisitos para o desenvolvimento de controladores fisiológicos em malha fechada
NBRIEC60601-1-10 de 01/2022

Equipamento eletromédico - Parte 1-10: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial — Norma Colateral: Requisitos para o desenvolvimento de controladores fisiológicos em malha fechada

Equipamento eletromédico - Parte 1-9: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial — Norma Colateral: Requisitos para um projeto eco-responsável
NBRIEC60601-1-9 de 01/2022

Equipamento eletromédico - Parte 1-9: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial — Norma Colateral: Requisitos para um projeto eco-responsável

Equipamento eletromédico - Parte 1: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial
NBRIEC60601-1 de 01/2022

Equipamento eletromédico - Parte 1: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial

Equipamento eletromédico - Parte 2-1: Requisitos particulares para a segurança básica e o desempenho essencial dos aceleradores de elétrons na faixa de 1 MeV a 50 MeV - VÁLIDA A PARTIR DE 01/01/2015
NBRIEC60601-2-1 de 04/2011

Equipamento eletromédico - Parte 2-1: Requisitos particulares para a segurança básica e o desempenho essencial dos aceleradores de elétrons na faixa de 1 MeV a 50 MeV - VÁLIDA A PARTIR DE 01/01/2015

Equipamento eletromédico - Parte 2-17: Requisitos particulares para a segurança básica e desempenho essencial de equipamentos de braquiterapia por pós-carregamento controlado automaticamente
NBRIEC60601-2-17 de 05/2016

Equipamento eletromédico - Parte 2-17: Requisitos particulares para a segurança básica e desempenho essencial de equipamentos de braquiterapia por pós-carregamento controlado automaticamente

Equipamento eletromédico - Parte 2-18: Requisitos particulares para a segurança básica e o desempenho essencial dos equipamentos endoscópicos
NBRIEC60601-2-18 de 04/2014

Equipamento eletromédico - Parte 2-18: Requisitos particulares para a segurança básica e o desempenho essencial dos equipamentos endoscópicos

Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo até 20 A/250 V em corrente alternada - Padronização
NBR14136 de 09/2012

Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo até 20 A/250 V em corrente alternada - Padronização

Equipamento eletromédico - Parte 1-2: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial — Norma Colateral: Perturbações eletromagnéticas — Requisitos e ensaios
NBRIEC60601-1-2 de 01/2022

Equipamento eletromédico - Parte 1-2: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial — Norma Colateral: Perturbações eletromagnéticas — Requisitos e ensaios

Equipamento eletromédico - Parte 2-10: Requisitos particulares para segurança básica e desempenho essencial de estimuladores de nervos e músculos
NBRIEC60601-2-10 de 06/2019

Equipamento eletromédico - Parte 2-10: Requisitos particulares para segurança básica e desempenho essencial de estimuladores de nervos e músculos

Equipamento eletromédico - Parte 1-11: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial — Norma Colateral: Requisitos para equipamentos eletromédicos e sistemas eletromédicos utilizados em ambientes domésticos de cuidado à saúde
NBRIEC60601-1-11 de 01/2022

Equipamento eletromédico - Parte 1-11: Requisitos gerais para segurança básica e desempenho essencial — Norma Colateral: Requisitos para equipamentos eletromédicos e sistemas eletromédicos utilizados em ambientes domésticos de cuidado à saúde

Equipamento eletromédico - Parte 2-16: Requisitos particulares para segurança básica e desempenho essencial de equipamentos de hemodiálise, hemodiafiltração e hemofiltração
NBRIEC60601-2-16 de 05/2022

Equipamento eletromédico - Parte 2-16: Requisitos particulares para segurança básica e desempenho essencial de equipamentos de hemodiálise, hemodiafiltração e hemofiltração

Equipamento eletromédico - Parte 2-19: Requisitos particulares para a segurança básica e o desempenho essencial das incubadoras para recém-nascidos
NBRIEC60601-2-19 de 07/2019

Equipamento eletromédico - Parte 2-19: Requisitos particulares para a segurança básica e o desempenho essencial das incubadoras para recém-nascidos

Ultra-som - Sistemas de fisioterapia - Prescrições para desempenho e métodos de medição na faixa de freqüências de 0,5 MHz a 5 MHz
NBRIEC61689 de 03/1998

Ultra-som - Sistemas de fisioterapia - Prescrições para desempenho e métodos de medição na faixa de freqüências de 0,5 MHz a 5 MHz