Text page

Os requisitos para as cordoalhas de fios de aço zincados

Quais são as características das cordoalhas de fios de aço zincados? Qual o alongamento sob carga das cordoalhas de fios zincados? Qual é o número de imersões de ensaio Preece? Qual deve ser a amostragem das cordoalhas? Como deve ser executada a determinação do alongamento sob carga? Esses questionamentos estão sendo mostrados no texto sobre as cordoalhas de fios de aço zincados.

26/12/2018 - Equipe Target

NBR 16730 de 11/2018: os requisitos para cordoalhas de fios de aço zincados

A NBR 16730 de 11/2018 - Cordoalha de fios de aço zincados para eletrificação - Requisitos estabelece os requisitos para cordoalhas de fios de aço zincados, utilizadas em estais, tirantes, cabos mensageiros, cabos para-raios, contrapeso ou em aplicações similares para o segmento de transmissão e distribuição de energia elétrica.

Acesse algumas perguntas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais são as características das cordoalhas de fios de aço zincados?

Qual o alongamento sob carga das cordoalhas de fios zincados?

Qual é o número de imersões de ensaio Preece?

Qual deve ser a amostragem das cordoalhas?

Como deve ser executada a determinação do alongamento sob carga?

Pode-se definir uma cordoalha de 7 fios como sendo constituída de seis fios encoroados juntos, concentricamente, em torno de um fio central, com torção à esquerda (sentido anti-horário) e passo uniforme no máximo igual a 16 vezes o diâmetro nominal especificado para as cordoalhas sete fios. A cordoalha de 19 fios é constituída por uma cordoalha de 7 fios com torção em sentido horário, envolvida por 12 fios externos, encordoados concentricamente, com torção em sentido anti-horário e passo uniforme no máximo igual a 16 vezes o diâmetro nominal especificado.

A cordoalha de 37 fios é constituída por uma cordoalha de 19 fios com torção em sentido horário, envolvida por 18 fios externos, encordoados concentricamente, com torção em sentido anti-horário e passo uniforme no máximo igual a 16 vezes o diâmetro nominal especificado. Conforme o número de fios, as cordoalhas distinguem-se nos seguintes tipos: cordoalhas de 7 fios; cordoalhas de 19 fios; e cordoalhas de 37 fios.

Conforme a carga de ruptura mínima especificada, as cordoalhas classificam-se nas seguintes categorias: baixa resistência (BR); média resistência (MR ou SM); alta resistência (AR ou HS); extra-alta resistência (EAR ou EHS). Conforme a massa mínima da camada de zinco, as cordoalhas apresentam-se nas seguintes classes: Classe A; Classe B; Classe C.

O metal-base deve ser de aço-carbono de qualidade tal que o fio máquina, quando trefilado ao diâmetro especificado e revestido de zinco, resulte em fios de qualidade uniforme, assim como a cordoalha por eles formada, cumprindo os requisitos indicados neste documento. O zinco empregado para revestimento deve ser de lingotes de zinco primário de qualquer dos tipos especificados na ASTM B6.

Os fios de aço devem ser zincados por imersão a quente contínua de forma a assegurar o cumprimento dos requisitos deste documento. Os fios de aço zincado devem apresentar camada de zinco contínua e espessura uniforme sem imperfeições inerentes ao processo de zincagem que comprometam o desempenho do produto quanto às características especificadas neste documento. É admitida a presença de corrosão branca desde que o fio atenda aos requisitos de massa e uniformidade da camada de zinco.

Não são permitidas soldas ou quaisquer emendas nas cordoalhas acabadas. Para cordoalhas de 7 fios, com aplicações em cabos para-raios, as emendas por solda elétrica de topo são permitidas nos fios, desde que sejam feitas antes do antepenúltimo passe de trefilação. É permitida solda elétrica de topo em apenas um dos fios que constituem a cordoalha, com uma distância mínima de 50 m entre as soldas, exceto para aplicações em para-raios onde não são permitidas soldas ou quaisquer emendas nos fios acabados que constituem as cordoalhas de 7 fios.

Todas as soldas de fio devem ser revestidas de zinco ou tinta à base de zinco após a soldagem, de tal modo que a proteção contra corrosão seja equivalente à do próprio fio. Todos os fios zincados componentes de uma mesma cordoalha devem ter o mesmo diâmetro nominal. Todos os fios de cordoalha devem ser encordoados com tensão uniforme.

O encordoamento deve assegurar que os fios estejam firmemente dispostos entre si de modo que a cordoalha quando tensionada a 10 % da carga de ruptura mínima especificada não apresente uma redução visual considerável no seu diâmetro. Para comprimento até 1.500 m, inclusive, o comprimento real da cordoalha pode variar do comprimento nominal em até + 10 %.

Para comprimentos superiores a 1.500 m, admite-se uma tolerância de ± 10 %. Admite-se até 5 % do total da encomenda, em comprimentos não inferiores a 450 m para as cordoalhas com aplicações em cabos para-raios. Para as demais aplicações, os comprimentos não devem ser inferiores a 150 m. Para cordoalhas de 7 fios com aplicações em cabos para-raios, o comprimento das cordoalhas em rolo ou carretel deve estar de acordo com a tabela abaixo em pelo menos 95 % da encomenda.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

A cordoalha deve ser fornecida em: rolo; ou carretel. Devem ser estabelecidos o tipo e as dimensões da embalagem durante a encomenda e mediante acordo entre as partes. As cordoalhas acabadas devem ser designadas por: diâmetro nominal, expresso em milímetros (mm); número de fios; categoria; classe de revestimento de zinco. EXEMPLO 9,52 (3/8”) / 7 / AR / B.

Cada rolo ou carretel deve ser identificado por uma etiqueta firmemente presa, na qual devem constar de forma legível e indelével as seguintes marcações: nome ou marca do fabricante; número deste documento; comprimento real, expresso em metros (m); designação; número do rolo ou do carretel; indicações adicionais, quando solicitadas na encomenda. Cada carretel deve ter, além da etiqueta, o nome do fabricante pintado em uma das abas.

Quando houver mais de um comprimento contínuo em um mesmo rolo ou carretel, os comprimentos parciais devem ser claramente indicados. Na encomenda das cordoalhas, o comprador deve indicar: número deste documento; comprimento total da cordoalha, expresso em metros (m); diâmetro nominal, com número de fios e categoria; classe do revestimento de zinco; comprimento da cordoalha em cada rolo ou carretel; acondicionamento e embalagem; dados adicionais a este documento.

O diâmetro nominal da cordoalha interna de 7 fios é de aproximadamente três vezes o diâmetro nominal do fio. O diâmetro nominal da cordoalha de 19 fios é de aproximadamente cinco vezes o diâmetro nominal do fio. O diâmetro nominal da cordoalha de 37 fios é de aproximadamente sete vezes o diâmetro nominal do fio. Não são especificadas tolerâncias para o diâmetro da cordoalha. Essa norma estabelece as tolerâncias para o diâmetro dos fios que constituem a cordoalha.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Barras, cordoalhas e fios de aço destinados a armaduras de protensão - Método de ensaio de relaxação isotérmica
NBR7484 de 06/2020

Barras, cordoalhas e fios de aço destinados a armaduras de protensão - Método de ensaio de relaxação isotérmica

Cordoalhas de aço para estruturas de concreto protendido - Especificação
NBR7483 de 02/2021

Cordoalhas de aço para estruturas de concreto protendido - Especificação

Cordoalhas de fios de aço zincados para alma de cabos de alumínio e alumínio-liga - Requisitos e métodos de ensaio
NBR15583 de 04/2008

Cordoalhas de fios de aço zincados para alma de cabos de alumínio e alumínio-liga - Requisitos e métodos de ensaio

Terminal para cabos de aço - Parte 1: Sapatilho
NBR11900-1 de 02/2013

Terminal para cabos de aço - Parte 1: Sapatilho

Estruturas oceânicas - Amarras - Parte 4: Placa triangular
NBR13715-4 de 11/2012

Estruturas oceânicas - Amarras - Parte 4: Placa triangular

Cordoalha de cobre mole para fins elétricos em aeroportos
NBR15898 de 11/2010

Cordoalha de cobre mole para fins elétricos em aeroportos

Armazenamento, transporte e utilização de bobinas com fios, cabos ou cordoalhas de aço
NBR7310 de 01/2011

Armazenamento, transporte e utilização de bobinas com fios, cabos ou cordoalhas de aço

Cordoalha de fios de aço zincados para eletrificação - Requisitos
NBR16730 de 11/2018

Cordoalha de fios de aço zincados para eletrificação - Requisitos

Estruturas oceânicas — Amarras - Parte 5: Elo desmontável
NBR13715-5 de 11/2012

Estruturas oceânicas — Amarras - Parte 5: Elo desmontável

Carretéis de madeira para cordoalhas de fios de aço zincado - Características dimensionais e estruturais
NBR7311 de 02/2006

Carretéis de madeira para cordoalhas de fios de aço zincado - Características dimensionais e estruturais

Produto de aço e ferro fundido galvanizado por imersão a quente — Determinação da massa do revestimento por unidade de área — Método de ensaio
NBR7397 de 05/2016

Produto de aço e ferro fundido galvanizado por imersão a quente — Determinação da massa do revestimento por unidade de área — Método de ensaio

Estruturas oceânicas — Amarras - Parte 7: Manilha-sapatilho
NBR13715-7 de 09/2012

Estruturas oceânicas — Amarras - Parte 7: Manilha-sapatilho

Galvanização de produtos de aço e ferro fundido por imersão a quente - Verificação da uniformidade do revestimento - Método de ensaio
NBR7400 de 11/2015

Galvanização de produtos de aço e ferro fundido por imersão a quente - Verificação da uniformidade do revestimento - Método de ensaio

Barras, cordoalhas e fios de aço para armaduras de protensão - Ensaio de tração
NBR6349 de 11/2008

Barras, cordoalhas e fios de aço para armaduras de protensão - Ensaio de tração

Estruturas oceânicas – Amarras - Parte 6: Soquete tipo pera
NBR13715-6 de 02/2011

Estruturas oceânicas – Amarras - Parte 6: Soquete tipo pera

Estruturas oceânicas — Amarras - Parte 3: Manilha
NBR13715-3 de 10/2012

Estruturas oceânicas — Amarras - Parte 3: Manilha

Estruturas oceânicas - Amarras - Parte 1: Aprovação de fornecedor e materiais
NBR13715-1 de 05/2008

Estruturas oceânicas - Amarras - Parte 1: Aprovação de fornecedor e materiais

Arames de aço revestidos e não revestidos — Verificação da ductilidade e da aderência do revestimento
NBR6005 de 12/2011

Arames de aço revestidos e não revestidos — Verificação da ductilidade e da aderência do revestimento

Terminal para cabo de aço - Parte 5: Soquete
NBR11900-5 de 11/2015

Terminal para cabo de aço - Parte 5: Soquete

Terminal para cabo de aço - Parte 4: Grampo leve e grampo pesado
NBR11900-4 de 08/2020

Terminal para cabo de aço - Parte 4: Grampo leve e grampo pesado

Terminal para cabo de aço - Parte 3: Olhal com presilha
NBR11900-3 de 12/2018

Terminal para cabo de aço - Parte 3: Olhal com presilha

Estruturas oceânicas - Amarras - Parte 2: Requisitos e métodos de ensaio
NBR13715-2 de 10/2012

Estruturas oceânicas - Amarras - Parte 2: Requisitos e métodos de ensaio