Text page

NFPA 13: a normalização para a instalação de sistemas de sprinklers (edição de 2019)

Essa norma internacional, editada em 2018 pela National Fire Protection Association (NFPA), foi submetida a mais de 60 ciclos de revisão, refletindo mais de 120 anos de experiência em incêndios e novas tecnologias de proteção contra incêndios à base de água. De forma organizada, a norma estava pronta para uma mudança e um grupo de especialistas em proteção contra incêndios à base de água enfrentou o desafio e a edição de 2019 da NFPA 13 foi o resultado.

05/09/2018 - Equipe Target

A instalação correta de sistemas de sprinklers

A NFPA 13: Standard for the Installation of Sprinkler Systems, 2019 Edition foi submetida a mais de 60 ciclos de revisão, refletindo mais de 120 anos de experiência em incêndios e novas tecnologias de proteção contra incêndios à base de água. De forma organizada, a norma estava pronta para uma mudança e um grupo de especialistas em proteção contra incêndios à base de água enfrentou o desafio e a edição de 2019 da NFPA 13 foi o resultado.

A NFPA 13 foi reorganizada de capa a capa, criando separações claras no assunto e um fluxo mais lógico para o planejamento e projeto do sistema de sprinklers. Esta edição da NFPA 13 torna mais fácil localizar e aplicar os requisitos mais recentes para o projeto, instalação e ensaios de aceitação do sistema de sprinklers automáticos; sistemas de suspensão e contraventamento; tubulação subterrânea; e proteção sísmica.

A NFPA 13 atualizada ajuda os projetistas, engenheiros, contratados e instaladores a trabalharem de maneira mais inteligente para desenvolver a proteção contra o fogo com sprinklers em qualquer ocupação. O conteúdo foi organizado logicamente por tecnologia de sprinklers, método de armazenamento, commodity e como você executa seu trabalho. Os títulos dos capítulos passaram a ser mais descritivos e refletem a terminologia em uso atualmente.

O conteúdo duplicado foi removido para ajudar a eliminar a confusão. Uma comparação de número de seção a seção da edição de 2016 para a edição de 2019 ajuda você a navegar no norma reorganizada. A NFPA 13 continua a apoiar seu trabalho duro para ajudar a evitar mortes por incêndio e perda de propriedade.

Melhore sua capacidade de aplicar os requisitos para sprinklers automáticos contra incêndios, para o projeto, instalação, manutenção e aplicação conforme um código de forma mais eficaz. A edição de 2019 da NFPA 13 - Instalação de sistemas de sprinklers, será o próximo passo para transformar qualquer pessoa envolvida com proteção contra incêndios à base de água no mundo de hoje. (Softbound, aproximadamente 400 pp., 2019)

Conteúdo da norma

Capítulo 1 Administração

1.1 Escopo

1.2 Finalidade

1.3 Aplicação

1.4 Retroatividade

1.5 Equivalência

1.6 Unidades e símbolos

1.7 Nova tecnologia

Capítulo 2 Publicações referenciadas

2.1 Geral

2.2 Publicações da NFPA

2.3 Outras publicações

2.4 Referências para extratos em seções obrigatórias

Capítulo 3 Definições

3.1 Geral

3.2 Definições oficiais da NFPA

3.3 Definições gerais

Capítulo 4 Requisitos gerais

4.1 Nível de proteção

4.2 Certificado do proprietário

4.3 Classificação de risco

4.4 Conexões da mangueira

4.5 Limitações da área de proteção do sistema

4.6 Informação do abastecimento de água

4.7 Aditivos

4.8 Ar, nitrogênio ou outro gás aprovado

4.9 Suporte de componentes do sistema não sprinkler

4.10 Materiais não combustíveis e materiais combustíveis limitados

Capítulo 5 Abastecimento de água

5.1 Geral

5.2 Tipos.

Capítulo 6 Instalação da tubulação subterrânea

6.1 Tubulação

6.2 Acessórios

6.3 Conexão de tubulação, conexões e acessórios

6.4 Proteção de rede particular de bombeiros

6.5 Aterramento e ligação

6.6 Restrição

6.7 Grades íngremes

6.8 Requisitos de instalação

6.9 Enchimento

6.10 Ensaio e aceitação

Capítulo 7 Requisitos para componentes do sistema e hardware

7.1 Geral

7.2 Sprinklers

7.3 Tubulação na superfície

7.4 Acessórios

7.5 Junta de tubulações e conexões

7.6 Válvulas

7.7 Dispositivos de alarme de fluxo de água

7.8 Aditivos e revestimentos

Capítulo 8 Tipos de sistema e requisitos

8.1 Sistemas de tubulação umedecida

8.2 Sistemas de tubulação seca

8.3 Sistemas de pré-ação e sistemas de dilúvio

8.4 Sistemas combinados de pipe dry e preação para piers, terminais e cais

8.5 Sistemas multiciclo

8.6 Sistemas anticongelantes

8.7 Sprinklers externos para proteção contra incêndios de exposição (sistemas de proteção contra exposição a sprinklers)

8.8 Espaços refrigerados

8.9 Equipamento de cozinha e ventilação comercial

8.10 Detectores da linha piloto

Capítulo 9 Requisitos de localização do aspersor

9.1 Requisitos básicos

9.2 Locais de omissão de sprinklers permitidos

9.3 Situações especiais

9.4 Uso de sprinklers

9.5 Posição, localização, espaçamento e uso de sprinklers

Capítulo 10 Requisitos de instalação para aspersores de pulverização padrão suspensos, verticais e laterais

10.1 Geral

10.2 Sprinklers de pulverização pendente e vertical

10.3 Sprinklers de pulverização padrão de parede lateral

Capítulo 11 Requisitos de instalação para cobertura prolongada com sprinkler de pulverização vertical, pendente, vertical

11.1 Geral

11.2 Sprinklers de pulverização vertical e pendente de cobertura alargada

11.3 Sprinklers de pulverização lateral com cobertura estendida

Capítulo 12 Requisitos de instalação para sprinklers residenciais

12.1 Geral

Capítulo 13 Requisitos de instalação para sprinklers CMSA

13.1 Geral

13.2 Sprinklers CMSA

Capítulo 14 Requisitos de instalação para os sprinklers de resposta rápida de supressão precoce

14.1 Geral

14.2 Sprinklers de resposta rápida com supressão precoce

Capítulo 15 Requisitos de instalação para sprinklers especiais

15.1 Sprinklers abertos

15.2 Sprinklers especiais

15.3 Sprinklers secos

15.4 Sprinklers de modelos antigos

Capítulo 16 Instalação de tubulação, válvulas e acessórios

16.1 Requisitos básicos

16.2 Instalação do sprinkler

16.3 Instalação da tubulação

16.4 Proteção da tubulação

16.5 Proteção de tubulação sujeitas a danos mecânicos

16.6 Provisão para sistemas de descarga

16.7 Ventilação de ar

16.8 Instalação de montagem

16.9 Válvulas

16.10 Drenagem

16.11 Anexos do sistema

16.12 Conexões do Corpo de Bombeiros

16.13 Medidores

16.14 Conexões do sistema

16.15 Conexões de mangueira

16.16 Ligação elétrica e aterramento

16.17 Sinais

Capítulo 17 Requisitos de instalação para suspensão e suporte de tubulação do sistema

17.1 Geral

17.2 Componentes do suporte

17.3 Trapézios

17.4 Instalação de suporte de tubulação

17.5 Bancada de tubulações

Capítulo 18 Requisitos de instalação para proteção sísmica

18.1 Proteção da tubulação contra danos quando sujeita a terremotos

18.2 Acoplamentos flexíveis

18.3 Montagem de separação sísmica

18.4 Folga

18.5 Suporte de balanço

18.6 Restrição de ramais

18.7 Suportes e fixadores sujeitos a terremotos

18.8 Suportes de tubulações sujeitas a terremotos

Capítulo 19 Abordagens de projeto

19.1 Geral

19.2 Abordagens gerais de projeto

19.3 Abordagem de controle de incêndio de risco de ocupação para pulverizadores.

19.4 Abordagens especiais de projeto

19.5 Sistemas de dilúvio

Capítulo 20 Requisitos gerais para armazenamento

20.1 Geral

20.2 Proteção do armazenamento

20.3 Classificação de mercadorias

20.4 Classes de commodity

20.5 Arranjo de armazenamento

20.6 Construção e armazenamento em edifícios: alturas e desembaraço

20.7 Espaços ocultos não providenciados com combustível

20.8 Método de projeto de sala

20.9 Sistemas de espuma de alta expansão

20.10 Perigos adjacentes ou métodos de projeto

20.11 Conexões de mangueira

20.12 Subsídio de fluxo de mangueira e duração de abastecimento de água

20.13 Considerações sobre descarga: geral

20.14 Proteção de paletes inativos

20.15 Proteção de coluna: armazenamento de rack e de pneus

Capítulo 21: Proteção de armazenamento com pilha alta usando sprinklers da área de densidade do modo de controle (Control Mode Density Area - CMDA)

21.1 Geral

21.2 Critérios de proteção do sprinkler de densidade/área do modo de controle para armazenamento de prateleira paletizada, com caixa sólida, caixa de armazenamento, prateleira ou back-to-back da classe I a produtos de classe IV

21.3 Critérios de proteção do sprinkler da densidade/área do modo de controle para armazenamento paletizado, solid-piled, da caixa do escaninho, da prateleira, ou do Back-to-Back Armazenamento de mercadorias plásticas e de borracha

21.4 Critérios de proteção de densidade/área do modo de controle para armazenamento em rack de classe i através de commodities Classe IV

21.5 Critérios de proteção de densidade / área do modo de controle para racks de linha única, dupla e múltipla para mercadorias de plástico do grupo a armazenadas incluindo 7,6 m (25 ft) de altura

21.6 Critérios de proteção do sprinkler da densidade / área do modo de controle para pneus de borracha do armazenamento do rack

21.7 Critérios de proteção de densidade/área do modo de controle para armazenamento de papel em rolo

21.8 Projeto especial para armazenamento em rack de classe I através de commodities classe IV e plásticos do grupo a armazenados até e incluindo 25 pés (7,6 m) de altura

21.9 Critérios de projeto de sprinklers para armazenamento e exibição da classe I através de commodities da classe IV, plásticos cartonados não expandidos do grupo a e plásticos expostos expansão não expansível a em lojas de varejo

21.10 Critérios de proteção de densidade/área do modo de controle para armazenamento de algodão embalado

21.11 Critérios de proteção do sprinkler da densidade / área do modo de controle para o armazenamento de registros da caixa com acesso da passarela

21.12 Critérios de proteção de densidade/área do modo de controle para armazenamento compacto de mercadorias compostos por arquivos de papel, revistas, livros e documentos semelhantes em pastas e suprimentos diversos com plásticos não mais de 5% até 2,4 m (8 pés) de alta.

Capítulo 22 Requisitos do CMSA para aplicativos de armazenamento

22.1 Geral

22.2 Armazenamento paletizado e de empilhadeira sólida da classe i através de commodities Classe IV

22.3 Armazenamento paletizado e em pilhas sólidas de mercadorias de plástico não expandidas e expandidas do grupo A

22.4 Armazenamento de rack de linha única, dupla e múltipla para commodities Classe I a Classe IV

22.5 Racks de linha única, dupla e múltipla de mercadorias de plástico do grupo A

22.6 Pneus

22.7 Armazenamento de papel em rolo

Capítulo 23 Requisitos do Early Suppression Fast-Response (ESFR) para aplicativos de armazenamento

23.1 Geral

23.2 Critérios de projeto do ESFR

23.3 Sprinklers de resposta rápida de supressão rápida (ESFR) para armazenamento em paletes ou em sólidos da classe I através de produtos da classe IV

23.4 Sprinklers de resposta rápida de supressão precoce (ESFR) para armazenamento em palete ou em sólidos de peças plásticas do grupo A

23.5 Sprinklers de resposta rápida de supressão precoce (ESFR) para armazenamento em rack de classe I através de produtos de classe IV

23.6 Sprinklers de resposta rápida de supressão rápida (ESFR) para armazenamento em rack de mercadorias de plástico do grupo A

23.7 Proteção de plásticos expostos do Grupo A. 
23.8 Proteção ESFR de armazenamento em rack de pneus

23.9 Sprinklers de resposta rápida de supressão rápida (ESFR) para proteção do armazenamento de papel em rolo

23.10 Componentes para veículos a motor de plástico

23.11 Critérios de projeto de sprinklers para armazenamento e exibição da Classe I através de commodities da Classe IV, plásticos cartonados não expandidos do Grupo A e plásticos expostos não expansíveis a plásticos em lojas de varejo

23.12 Proteção do armazenamento de registros de alto bay

23.13 Prateleiras de ripas

Capítulo 24 Projetos alternativos de sistemas de sprinklers para os capítulos 20 a 25

24.1 Geral

24.2 Critérios de projeto de sprinklers para empilhadeiras paletizadas e sólidas, armazenamento de Classe I através de Classe IV e mercadorias de plástico

24.3 Critérios de proteção de sprinklers para armazenamento de rack de estrutura aberta de Classe I a commodities de Classe IV e plástico

24.4 Permissão de fluxo de mangueira e duração de abastecimento de água

24.5 Critérios mínimos de obstrução

Capítulo 25 Proteção do armazenamento de rack usando sprinklers no rack

25.1 Requisitos gerais dos sprinklers no rack

25.2 Critérios de projeto de sprinklers no nível do teto em combinação com sprinklers no invólucro

25.3 Características do sprinkler no rack

25.4 Espaçamento vertical e localização dos sprinklers no rack

25.5 Localização horizontal e espaçamento dos sprinklers no rack

25.6 Proteção de racks com prateleiras sólidas

25.7 Barreiras horizontais em combinação com sprinklers no rack

25.8 Opções alternativas de proteção do sprinkler no rack que são independentes do projeto do sprinkler de teto

25.9 Arranjos de sprinklers em rack em combinação com sprinklers CMDA no nível do teto

25.10 Arranjos de sprinklers em rack em combinação com sprinklers CMSA no nível do teto

25.11 Arranjos de sprinklers no rack em combinação com sprinklers ESFR no nível do teto

25.12 Critérios de projeto para sprinklers no rack em combinação com sprinklers no nível do teto

Capítulo 26 Requisitos especiais de ocupação

26.1 Geral

26.2 Líquidos inflamáveis e combustíveis

26.3 Produtos aerossóis

26.4 Aplicação de spray usando materiais inflamáveis ou combustíveis

26.5 Plantas de extração de solventes - NFPA 36

26.6 Instalação e uso de motores de combustão estacionária e turbinas a gás

26.7 Filme de nitrato

26.8 Laboratórios que usam produtos químicos

26.9 Sistemas de gás de combustível de oxigênio para processos de soldagem, corte e aliados

26.10 Centrais de carregamento de cilindros de acetileno

26.11 Gases comprimidos e código de fluidos criogênicos

26.12 Usinas de GLP de utilidade

26.13 Produção, armazenamento e manuseio de gás natural liquefeito (GNL)

26.14 Proteção de equipamentos de tecnologia da informação

26.15 Norma sobre incineradores e sistemas e equipamentos para manuseio de resíduos e linho

26.16 Norma para fornos e fornalhas

26.17 Código das instalações de saúde, câmaras hiperbáricas da Classe A

26.18 Trilhos fixos de trilhos e sistemas de trilhos de passageiros

26.19 Estúdios de produção de cinema e televisão, instalações de produção aprovadas e locais de produção

26.20 Instalações de alojamento de animais

26.21 Torres de resfriamento de água. 
26.22 Norma para a construção e proteção contra incêndio de terminais marítimos, cais e cais

26.23 Instalações de fabricação de semicondutores

26.24 Hangares de aviões

26.25 Edifícios do terminal do aeroporto, drenagem da rampa de abastecimento e passadeiras de carregamento

26.26 Instalações de teste de motores de aeronaves

26.27 Plantas geradoras de reatores de águas leves avançadas

26.28 Usinas de energia nuclear de água leve

26.29 Código para a proteção de propriedades de recursos culturais - museus, bibliotecas e locais de adoração - NFPA 909

26,30 Código Elétrico Nacional

26.31 Proteção contra incêndio de instalações de telecomunicações

26.32 Sistemas de exaustão para transporte aéreo de vapores, gases, névoas e sólidos particulados não comestíveis

26,33 Instalações hipobáricas

26.34 Minas de carvão

26.35 Instalações de mineração de metal/não-metal e processamento de minerais metálicos

26.36 Código de materiais perigosos

Capítulo 27 Planos e cálculos

27.1 Planos de Trabalho

27.2 Procedimentos de cálculo hidráulico

27.3 Subsídio de mangueira

27.4 Formulários de cálculo hidráulico

27.5 Escalas de tubulação

Capítulo 28 Aceitação de sistemas

28.1 Aprovação de sistemas de sprinklers e rede privada de incêndio

28.2 Requisitos de aceitação

28.3 Dispositivos e equipamentos de inspeção e teste automatizados

28.4 Instruções

28.5 Sinal de informações do projeto hidráulico (placa de identificação dos dados hidráulicos)

28.6 Sinal de informações gerais

Capítulo 29 Modificações existentes no sistema

29.1 Geral

29.2 Componentes

29.3 Sprinklers

29.4 Renovação de sistemas de cronograma de tubulação

29.5 Renovação de sistemas hidráulicos de projeto

29.6 Projeto do sistema

29.7 Ensaio

Capítulo 30 Sistemas marítimos

30.1 Geral

30.2 Componentes do sistema, hardware e uso

30.3 Requisitos do sistema

30.4 Requisitos de instalação

30.5 Abordagens de projeto

30.6 Planos e cálculos

30.7 Suprimentos de água

30.8 Aceitação do sistema

30.9 Instruções e manutenção do sistema

Capítulo 31 Inspeção, ensaio e manutenção do sistema

31.1 Geral

Anexo A Material explicativo

Anexo B Tópicos diversos

Anexo C Explicação dos dados e procedimentos de ensaio para armazenamento em rack

Anexo D Informações do sistema de sprinklers da edição de 2018 do Código de Segurança da Vida

Anexo E Desenvolvimento da abordagem de projeto para conformidade com ASCE/SEI 7 e conversão sugerida para ajustes de fator para locais fora dos Estados Unidos

Anexo F Referências informacionais

Pode-se dizer que o sistema de sprinklers, para fins de proteção contra incêndio, consiste de um sistema integrado de tubulações, alimentado por uma ou mais fontes de abastecimento automático de água. A parte do sistema de chuveiros automáticos acima do piso consiste de uma rede de tubulações, dimensionada por tabelas ou por cálculo hidráulico, instalada em edifícios, estruturas ou áreas, normalmente junto ao teto, à qual são conectados chuveiros segundo um padrão regular.

A válvula que controla cada coluna de alimentação do sistema deve ser instalada na própria coluna ou na tubulação que a abastece. Cada coluna de alimentação de um sistema de chuveiros automáticos deve contar com um dispositivo de acionamento de alarme. O sistema é normalmente ativado pelo calor do fogo e descarrega água sobre a área de incêndio em uma densidade adequada para extingui-lo ou controlá-lo em seu estágio inicial.

Na verdade, trata-se de um dispositivo hidráulico para extinção ou controle de incêndios que funciona automaticamente quando seu elemento termossensível é aquecido à sua temperatura de operação ou acima dela, permitindo que a água atinja uma área específica. Os chuveiros automáticos podem ser instalados em várias posições, e para cada uma delas tem um formato de defletor adequado.

As posições mais encontradas nas instalações podem ser classificadas em: pendente (pendent): quando o chuveiro é projetado para uma posição na qual o jato é dirigido para baixo para atingir o defletor e espalhar o jato; para cima (upright): normalmente utilizada em instalações onde as canalizações são expostas, como por exemplo em garagens), esse modelo faz com que o jato suba verticalmente até encontrar o defletor, que de uma certa forma reflete o jato na direção oposta, ou seja, para baixo; e lateral (sidewall): modelo projetado com defletor especial para descarregar a maior parte da água para frente e para os lados, em forma de um quarto de esfera, e uma parte mínima para trás, contra a parede.

Esses equipamentos são aprovados em graus nominais de temperatura para seus acionamentos, variando de 57°C a 343°C, determinados pelas temperaturas máximas permitidas nos ambientes, já considerando uma margem mínima de acionamento de no mínimo 20°C acima. Para que o seu acionamento fique dentro do tempo estimado previsto pelos fabricantes, vários fatores podem influenciar, sendo os principais: a altura do pé-direito: quanto maior a altura, maior o tempo de acionamento; e o afastamento chuveiro em relação ao teto: quanto maior a distância, maior o tempo de acionamento.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Tubos e conexões de poli(cloreto de vinila) clorado (CPVC) para sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos - Procedimentos de instalação
NBR15648 de 12/2008

Tubos e conexões de poli(cloreto de vinila) clorado (CPVC) para sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos - Procedimentos de instalação

Sistemas de detecção e alarme de incêndio – Projeto, instalação, comissionamento e manutenção de sistemas de detecção e alarme de incêndio – Requisitos
NBR17240 de 10/2010

Sistemas de detecção e alarme de incêndio – Projeto, instalação, comissionamento e manutenção de sistemas de detecção e alarme de incêndio – Requisitos

Conexões para união de tubos de cobre por soldagem ou brasagem capilar — Requisitos
NBR11720 de 05/2010

Conexões para união de tubos de cobre por soldagem ou brasagem capilar — Requisitos

Instalação predial de tubos e conexões de cobre e ligas de cobre — Procedimento
NBR15345 de 11/2013

Instalação predial de tubos e conexões de cobre e ligas de cobre — Procedimento

Sistemas de tubulação plástica para abastecimento de água, drenagem e esgotos sob pressão — Conexões soldáveis de polietileno (PE)
NBR15593 de 11/2021

Sistemas de tubulação plástica para abastecimento de água, drenagem e esgotos sob pressão — Conexões soldáveis de polietileno (PE)

Sistemas de proteção por extintores de incêndio
NBR12693 de 01/2021

Sistemas de proteção por extintores de incêndio

Tubos e conexões de ferro dúctil e acessórios para sistemas de adução e distribuição de água - Requisitos
NBR7675 de 06/2005

Tubos e conexões de ferro dúctil e acessórios para sistemas de adução e distribuição de água - Requisitos

Chuveiros automáticos para controle e supressão de incêndios - Especificações e métodos de ensaio
NBR16400 de 04/2018

Chuveiros automáticos para controle e supressão de incêndios - Especificações e métodos de ensaio

Conexões de ferro fundido maleável, de classes 150 e 300, com rosca NPT para tubulação
NBR6925 de 06/2016

Conexões de ferro fundido maleável, de classes 150 e 300, com rosca NPT para tubulação

Rosca NPT para tubos - Dimensões - Padronização
NBR12912 de 06/1993

Rosca NPT para tubos - Dimensões - Padronização

Rosca para tubos onde a junta de vedação sob pressão é feita pela rosca - Parte 1: Dimensões, tolerâncias e designação
NBRNM-ISO7-1 de 02/2000

Rosca para tubos onde a junta de vedação sob pressão é feita pela rosca - Parte 1: Dimensões, tolerâncias e designação

Tubo de cobre leve, médio e pesado, sem costura, para condução de fluidos – Requisitos
NBR13206 de 05/2010

Tubo de cobre leve, médio e pesado, sem costura, para condução de fluidos – Requisitos

Tubos de aço-carbono para usos comuns na condução de fluidos - Especificação
NBR5580 de 09/2015

Tubos de aço-carbono para usos comuns na condução de fluidos - Especificação

Tubos e conexões de poli(cloreto de vinila) clorado (CPVC) para sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos - Requisitos e métodos de ensaio
NBR15647 de 12/2008

Tubos e conexões de poli(cloreto de vinila) clorado (CPVC) para sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos - Requisitos e métodos de ensaio

Tubulação de polietileno PE 80 e PE 100 para transporte de água e esgoto sob pressão — Requisitos
NBR15561 de 06/2017

Tubulação de polietileno PE 80 e PE 100 para transporte de água e esgoto sob pressão — Requisitos

Junta elástica para tubos e conexões de ferro fundido dúctil
NBR7674 de 11/1982

Junta elástica para tubos e conexões de ferro fundido dúctil

Emprego de cores para identificação de tubulações industriais
NBR6493 de 11/2019

Emprego de cores para identificação de tubulações industriais

Sistemas de hidrantes e de mangotinhos para combate a incêndio
NBR13714 de 01/2000

Sistemas de hidrantes e de mangotinhos para combate a incêndio

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 3: Requisitos específicos para tubos com pressão nominal PN 0,75 MPa
NBR5647-3 de 05/2019

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 3: Requisitos específicos para tubos com pressão nominal PN 0,75 MPa

Materiais de construção - Determinação do índice de propagação superficial de chama pelo método do painel radiante
NBR9442 de 08/2019

Materiais de construção - Determinação do índice de propagação superficial de chama pelo método do painel radiante

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 4: Requisitos específicos para tubos com pressão nominal PN 0,60 MPa
NBR5647-4 de 05/2019

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 4: Requisitos específicos para tubos com pressão nominal PN 0,60 MPa

Conexões de ferro fundido maleável, com rosca ABNT NBR NM ISO 7-1, para tubulações
NBR6943 de 08/2016

Conexões de ferro fundido maleável, com rosca ABNT NBR NM ISO 7-1, para tubulações

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 2: Requisitos específicos para tubos com pressão nominal PN 1,00 MPa
NBR5647-2 de 04/2019

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 2: Requisitos específicos para tubos com pressão nominal PN 1,00 MPa

Proteção contra incêndio, por sistema de chuveiros automáticos, para áreas de armazenamento em geral - Procedimento
NBR13792 de 07/2021

Proteção contra incêndio, por sistema de chuveiros automáticos, para áreas de armazenamento em geral - Procedimento

Tubos de aço-carbono com ou sem solda longitudinal, pretos ou galvanizados — Requisitos
NBR5590 de 10/2015

Tubos de aço-carbono com ou sem solda longitudinal, pretos ou galvanizados — Requisitos

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 1: Requisitos gerais para tubos e métodos de ensaio
NBR5647-1 de 12/2021

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 1: Requisitos gerais para tubos e métodos de ensaio

Sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos — Requisitos
NBR10897 de 09/2020

Sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos — Requisitos

Sistema de iluminação de emergência
NBR10898 de 03/2013

Sistema de iluminação de emergência