Text page

NBR 14781 de 08/2017: os requisitos para o sistema de exaustão automotiva

Como deve ser feita a inspeção visual? Como deve ser feita a aplicação de massa vedante no escapamento? Essas questões estão sendo mostradas no texto sobre os requisitos para o sistema de exaustão automotiva.

13/09/2017 - Equipe Target

Os conceitos da exaustão automotiva

A NBR 14781 de 08/2017 - Veículos rodoviários automotores — Sistema de exaustão — Manutenção, inspeção, reparação e/ou substituição estabelece os requisitos de manutenção, inspeção, reparação e/ou substituição em sistema de exaustão de veículos rodoviários automotores.

Confira algumas perguntas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Como deve ser feita a inspeção visual?

Como deve ser feita a aplicação de massa vedante no escapamento?

Um sistema de exaustão pode ser definido como um conjunto de componentes compreendendo o coletor de exaustão, conversor catalítico primário, tubo de motor (primário), conversor catalítico secundário, silencioso intermediário, tubo (intermediário), silencioso traseiro e suporte. Para a sua inspeção visual, deve-se verificar a integridade do conjunto e seus componentes, buscando alterações visualmente perceptíveis no sistema de exaustão, como estado avançado de deterioração (oxidado), componentes soltos ou ausentes (interno/externo), furos causados por oxidação (exceto furos de projetos) e ressecamento de componentes flexíveis, como coxins e borrachas.

Com o motor em funcionamento e o veículo suspenso em um elevador automotivo, verificar a existência de vazamento dos gases de escapamento desde o coletor até o silencioso traseiro. Não podem existir alterações visuais provocadas por vazamentos dos gases nas emendas e junções. Para verificação de vazamentos, não pode ser obstruída a saída dos gases de escapamento.

Para o diagnóstico do conversor catalítico, com o catalisador na temperatura normal de trabalho, verificar a temperatura no cone de entrada e a temperatura no cone de saída, conforme pontos indicados. A temperatura de saída (ts) menos a temperatura de entrada (te) deve ser superior a 10 °C, conforme a figura abaixo.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

Para substituição e/ou fixação de componentes, utilizar ferramenta e/ou equipamento para aplicar os torques especificados pelos fabricantes. Para aplicação de componentes de uso universal (catalisador e junta flexível), a operação de solda deve ser realizada com o sistema de exaustão fora do veículo. Não é permitido o uso de solda em qualquer outro componente. É permitido o uso de massa vedante externamente ao tubo, em quantidade que não ocorra o transbordo para dentro do sistema de exaustão.

Em resumo, o sistema de exaustão é a parte responsável por conduzir e tratar os gases tóxicos liberados pelo motor, além de diminuir o ruído do veículo. Embora não seja o mais lembrado na hora de comprar um carro, é muito importante tanto para o bom funcionamento do veículo quanto para a preservação do meio-ambiente. Ele é composto por três peças principais, conectadas pelos tubos de escape, dispostas entre o motor e as ponteiras do veículo.

A primeira parte do sistema é o coletor. Ele é ligado diretamente ao motor do carro e, para suportar as altas temperaturas às quais é submetido, é produzido em ferro fundido ou aço inox. A peça consiste em tubos com a função de coletar as substâncias produzidas durante a queima de combustível e direcioná-las para o sistema exaustor.

Grande parte dos carros já possui o catalisador agregado ao coletor. É nessa peça onde ocorre a reação química com os gases para deixá-los menos nocivos. Ao passar pelo catalisador, os gases atravessam o miolo de cerâmica, reagindo com os metais nobres existentes. E assim, são liberados vapor d’água (H2O), dióxido de carbono (CO2) e nitrogênio (N2) no final do processo.

O silencioso intermediário é a próxima etapa. Ele é constituído por um conjunto de tubos com furos e câmeras que funcionam como uma caixa de ressonância. O objetivo é diminuir o ruído produzido pelo motor. Assim, refletem as ondas de som de alta frequência para que se anulem parcialmente.

Finalmente, a diminuição do ruído é garantida pelo silencioso traseiro localizado no final do sistema de exaustão, antes da ponteira. Ele é responsável por captar os ruídos mais agudos a partir de uma estrutura formada por algumas divisões, como uma espécie de labirinto por defletores. Quando os gases transitam de uma divisão para outra, tanto o ruído quanto as vibrações diminuem devido ao choque com as paredes da peça.

O sistema de exaustão de um carro é o principal responsável pela remoção dos gases provenientes do motor que foram gerados no momento da combustão. Ele assume uma importância extraordinária no funcionamento de um motor automóvel, na medida em que expele os gases resultantes do queimar do combustível. A eliminação destes gases deve ser efetuada rapidamente para que o motor tenha espaço para admitir uma nova mistura de ar - combustível. Todos os sistemas de exaustão têm um conversor catalítico que ajuda a suprimir os gases e a limpar outras peças automóveis.

O de saída única é composto por um tipo de tubo de escape mais comum é o de saída única e pode ser encontrado na maioria dos carros e carrinhas que são comercializadas nos stands automóveis. Como o próprio nome indica, este tubo de escape tem apenas uma saída para os gases provenientes do motor e é o mais barato de construir e de instalar. No entanto, isso não quer dizer que ele seja necessariamente o mais eficiente, apesar de ser bastante económico. O tubo de escape de saída única fica invariavelmente na traseira do veículo e encontra-se, na maioria das vezes, do lado do condutor.

O sistema de exaustão de saída dupla traseira é constituído por tubos de escape de saída dupla traseira encontram-se, maioritariamente, no segmento dos carros desportivos e são muito apreciados pelos automobilistas que querem que os seus veículos tenham um aspeto e um roncar mais agressivo e radical. A sua utilização faz com que um automóvel emita um som mais robusto, soando como se tivesse um motor de enorme potência.

Existem dois tubos de escape localizados no para-choques traseiro do carro e a remoção de gases que fazem é muito mais eficaz do que aquela que é feita por um tubo de escape de saída única. É de realçar que, ao contrário de outros sistemas, os tubos de escape não se dobram à volta das rodas.

O de saída dupla oposta tem um tubo de escape de saída dupla traseira não curva, ao passo que o sistema de escape de saída dupla oposta funciona de uma forma diferente. Eles contornam a roda e utilizam a possibilidade de curvar para acrescentar um processo de filtragem.

Este tipo de sistema é muito fácil de ser encontrado nos veículos que habitualmente rebocam cargas de grande porte. O tubo de escape de saída dupla oposta é uma variante do sistema de escape de saída dupla traseira e são mais eficazes em determinadas circunstâncias de condução.

O de saída de escape dupla lateral possui dois tubos de escape que se encontram ao lado um do outro na lateral de um automóvel. Ao estarem os dois tubos de escape juntos, a eliminação dos gases é mais eficiente e isso faz com que o motor tenha um melhor funcionamento.

Normalmente, os tubos de escape são menores do que aqueles que são utilizados no escape simples, para que o som seja mais agressivo e profundo. Este tipo de sistema parece-se com os sistemas de alta performance e oferecem muitas melhorias no desempenho de um carro na estrada.

Por fim, o sistema de exaustão de alta performance que desempenha um trabalho mais eficiente na filtragem e eliminação de gases, mas são mais dispendiosos que os demais. Na maior parte dos casos, este sistema oferece a todos os automóveis uma maior eficiência e uma performance exclusiva no asfalto.

Um tubo de escape maior pode reduzir a pressão que, por sua vez, tem o efeito de aumentar o desempenho do motor. No entanto, poucas pessoas investem na colocação de sistemas de exaustão de alta performance, pois a sua instalação obriga à realização de mudanças no bloco. A maioria dos automobilistas prefere os sistemas que apresentam um bom aspecto e têm um som ainda melhor.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Veículos rodoviários automotores - Sistema de embreagem - Verificação da patinação
NBR14593 de 09/2000

Veículos rodoviários automotores - Sistema de embreagem - Verificação da patinação

Veículos rodoviários automotores — Sistema de freio - Parte 6: Requisitos de ensaio para veículos das categorias M, N e O equipados com sistema antitravamento
NBR10966-6 de 12/2015

Veículos rodoviários automotores — Sistema de freio - Parte 6: Requisitos de ensaio para veículos das categorias M, N e O equipados com sistema antitravamento

Veículos rodoviários automotores – Acionadores energizados - Parte 2: Requisitos técnicos de acordo com a Diretiva da União Européia 74/60/EEC
NBR15875-2 de 01/2013

Veículos rodoviários automotores – Acionadores energizados - Parte 2: Requisitos técnicos de acordo com a Diretiva da União Européia 74/60/EEC

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Determinação da resistência à ação do combustível utilizado - Métod de ensaio
NBR11476 de 10/1990

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Determinação da resistência à ação do combustível utilizado - Métod de ensaio

Veículos rodoviários automotores - Manutenção em sistemas de climatização
NBR15629 de 09/2008

Veículos rodoviários automotores - Manutenção em sistemas de climatização

Veículos rodoviários automotores - Válvula injetora - Inspeção e diagnóstico em motores do ciclo Otto
NBR14753 de 01/2017

Veículos rodoviários automotores - Válvula injetora - Inspeção e diagnóstico em motores do ciclo Otto

Veículos rodoviários automotores em manutenção - Inspeção, diagnóstico, reparação e/ou substituição em sistema de suspensão
NBR14780 de 11/2001

Veículos rodoviários automotores em manutenção - Inspeção, diagnóstico, reparação e/ou substituição em sistema de suspensão

Veículos rodoviários automotores - Sensor de oxigênio - Ensaios de manutenção (ciclo Otto)
NBR14754 de 05/2017

Veículos rodoviários automotores - Sensor de oxigênio - Ensaios de manutenção (ciclo Otto)

Veículos rodoviários automotores — Bateria de partida — Remoção e instalação em veículos de combustão interna ciclo otto e diesel
NBR14482 de 07/2017

Veículos rodoviários automotores — Bateria de partida — Remoção e instalação em veículos de combustão interna ciclo otto e diesel

Acústica - Medição de ruído emitido por veículos rodoviários automotores em aceleração - Método de engenharia
NBR15145 de 10/2004

Acústica - Medição de ruído emitido por veículos rodoviários automotores em aceleração - Método de engenharia

Veículos rodoviários automotores – Acionadores energizados - Parte 3: Requisitos técnicos conforme FMVSS 118 do Governo Americano
NBR15875-3 de 09/2010

Veículos rodoviários automotores – Acionadores energizados - Parte 3: Requisitos técnicos conforme FMVSS 118 do Governo Americano

Veículos rodoviários automotores – Acessórios – Vocabulário
NBR15832 de 05/2010

Veículos rodoviários automotores – Acessórios – Vocabulário

Veículos rodoviários automotores em manutenção - Remoção e instalação de vidros
NBR14777 de 11/2001

Veículos rodoviários automotores em manutenção - Remoção e instalação de vidros

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Determinação da permeabilidade à ação do combustível utilizado - Método de ensaio
NBR11475 de 10/1990

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Determinação da permeabilidade à ação do combustível utilizado - Método de ensaio

Veículos rodoviários automotores - Número de identificação de veículos (VIN)
NBR6066 de 05/2022

Veículos rodoviários automotores - Número de identificação de veículos (VIN)

Veículos rodoviários automotores - Controles, indicadores e instrumentos ópticos ou acústicos - Terminologia
NBR12557 de 04/1992

Veículos rodoviários automotores - Controles, indicadores e instrumentos ópticos ou acústicos - Terminologia

Veículos rodoviários automotores — Sistema de exaustão — Manutenção, inspeção, reparação e/ou substituição
NBR14781 de 08/2017

Veículos rodoviários automotores — Sistema de exaustão — Manutenção, inspeção, reparação e/ou substituição

Veículos rodoviários automotores comerciais - Códigos dimensionais
NBRISO7656 de 06/2008

Veículos rodoviários automotores comerciais - Códigos dimensionais

Direção - Veículos rodoviários automotores
NBR7023 de 12/1981

Direção - Veículos rodoviários automotores

Veículos rodoviários automotores — Sistema de freio - Parte 3: Procedimentos de medição de tempo de resposta em veículos equipados com sistemasde freio pneumático das categorias M, N e O
NBR10966-3 de 12/2013

Veículos rodoviários automotores — Sistema de freio - Parte 3: Procedimentos de medição de tempo de resposta em veículos equipados com sistemasde freio pneumático das categorias M, N e O

Analisador infravermelho de monóxido de carbono (CO), hidrocarbonetos (HC) e dióxido de carbono (CO2) contidos no gás de escapamento de veículos rodoviários automotores leves
NBR13539 de 12/1995

Analisador infravermelho de monóxido de carbono (CO), hidrocarbonetos (HC) e dióxido de carbono (CO2) contidos no gás de escapamento de veículos rodoviários automotores leves

Veículos rodoviários automotores – Acionadores energizados - Parte 1: Requisitos gerais
NBR15875-1 de 09/2010

Veículos rodoviários automotores – Acionadores energizados - Parte 1: Requisitos gerais

Veículos rodoviários automotores — Amortecedor da suspensão — Verificação de desempenho e durabilidade — Método de ensaio
NBR13308 de 04/2014

Veículos rodoviários automotores — Amortecedor da suspensão — Verificação de desempenho e durabilidade — Método de ensaio

Veículos rodoviários automotores - Conjunto bomba de combustível para motores do ciclo Otto - Terminologia
NBR15703 de 05/2009

Veículos rodoviários automotores - Conjunto bomba de combustível para motores do ciclo Otto - Terminologia

Veículos rodoviários automotores – Acionadores energizados - Parte 4: Requisitos técnicos conforme ECE R-21 das Nações Unidas
NBR15875-4 de 01/2013

Veículos rodoviários automotores – Acionadores energizados - Parte 4: Requisitos técnicos conforme ECE R-21 das Nações Unidas

Veículos rodoviários automotores leves - Determinação do fator de deterioração das emissões de gases durante o acúmulo de rodagem
NBR14008 de 12/2007

Veículos rodoviários automotores leves - Determinação do fator de deterioração das emissões de gases durante o acúmulo de rodagem

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Determinação da resistência a altas temperaturas - Método de ensaio
NBR11478 de 10/1990

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Determinação da resistência a altas temperaturas - Método de ensaio

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Determinação da resistência mecânica sob pressão - Método de ensaio
NBR11474 de 10/1990

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Determinação da resistência mecânica sob pressão - Método de ensaio

Veículos rodoviários automotores - Sistema de freio - Parte 4: Disposições relativas às fontes de energia e dispositivos de armazenamento de energia (reservatórios de energia) para veículos das categorias M, N e O
NBR10966-4 de 12/2013

Veículos rodoviários automotores - Sistema de freio - Parte 4: Disposições relativas às fontes de energia e dispositivos de armazenamento de energia (reservatórios de energia) para veículos das categorias M, N e O

Veículos rodoviários automotores — Amortecedor da suspensão — Classificação, terminologia e identificação
NBR15830 de 04/2014

Veículos rodoviários automotores — Amortecedor da suspensão — Classificação, terminologia e identificação

Veículos rodoviários automotores — Sistema de freio - Parte 7: Distribuição de frenagem entre os eixos e requisitos de compatibilidade entre os veículos tratores e rebocados das categorias M, N e O
NBR10966-7 de 12/2013

Veículos rodoviários automotores — Sistema de freio - Parte 7: Distribuição de frenagem entre os eixos e requisitos de compatibilidade entre os veículos tratores e rebocados das categorias M, N e O

Veículos rodoviários automotores - Sistema de freio - Parte 2: Ensaios de frenagem e desempenho para veículos das categorias M, N e O
NBR10966-2 de 09/2019

Veículos rodoviários automotores - Sistema de freio - Parte 2: Ensaios de frenagem e desempenho para veículos das categorias M, N e O

Veículos rodoviários automotores — Sistema de freio - Parte 5: Prescrições relativas às condições específicas para sistemas de freio de mola acumuladora (spring brake) para veículos das categorias M, N e O
NBR10966-5 de 12/2013

Veículos rodoviários automotores — Sistema de freio - Parte 5: Prescrições relativas às condições específicas para sistemas de freio de mola acumuladora (spring brake) para veículos das categorias M, N e O

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Determinação da resistência ao impacto
NBR11473 de 06/2016

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Determinação da resistência ao impacto

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Especificação
NBR11472 de 10/1990

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Especificação

Veículos rodoviários automotores leves - Medição da concentração de monóxido de carbono no gás de escapamento em regime de marcha lenta - Ensaio de laboratório
NBR10972 de 06/2010

Veículos rodoviários automotores leves - Medição da concentração de monóxido de carbono no gás de escapamento em regime de marcha lenta - Ensaio de laboratório

Veículos rodoviários automotores — Sistema de freio - Parte 1: Disposições uniformes relativas à aprovação quanto à frenagem para veículos das categorias M, N e O
NBR10966-1 de 12/2015

Veículos rodoviários automotores — Sistema de freio - Parte 1: Disposições uniformes relativas à aprovação quanto à frenagem para veículos das categorias M, N e O

Veículos rodoviários automotores - sistema da embreagem - Avaliação da trepidação
NBR14783 de 12/2001

Veículos rodoviários automotores - sistema da embreagem - Avaliação da trepidação