Text page

NBR ISO 22112 de 01/2017: dentes artificiais para próteses dentárias

Como deve ser feito o lixamento das amostras? Como deve ser o procedimento de ancoragem dos dentes cerâmicos ao polímero da base da prótese? Como devem ser feitas a marcação, a rotulagem e a embalagem dos dentes? Como deve ser feito o condicionamento das amostras de ensaio? Essas questões estão sendo mostradas no texto sobre os requisitos dos dentes artificiais para próteses dentárias.

01/03/2017 - Equipe Target

Os requisitos dos dentes de polímeros sintéticos e cerâmica

A NBR ISO 22112 de 01/2017 - Odontologia — Dentes artificiais para próteses dentárias especifica a classificação, os requisitos e os métodos de ensaio para dentes de polímeros sintéticos e cerâmica que são fabricados para uso em próteses usadas na odontologia.

Acesse algumas perguntas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Como deve ser feito o lixamento das amostras?

Como deve ser o procedimento de ancoragem dos dentes cerâmicos ao polímero da base da prótese?

Como devem ser feitas a marcação, a rotulagem e a embalagem dos dentes?

Como deve ser feito o condicionamento das amostras de ensaio?

Os dentes artificiais são agrupados de acordo com a seguinte classificação: Tipo 1: dentes anteriores; Tipo 2: dentes posteriores. Os requisitos específicos qualitativos e quantitativos para ausência de risco biológico não estão inclusos nesta norma, mas se recomenda a consulta à NBR ISO 10993-1 e à NBR ISO 7405 para a avaliação de possíveis riscos biológicos ou toxicológicos.

As dimensões dos dentes, quando examinados de acordo com 7.2, não podem diferir em mais que 5 % para dentes de polímero sintético e 7 % para dentes cerâmicos dos valores mostrados na carta-molde do fabricante. Quanto à cor e combinação de tonalidades, quando ensaiados, conjuntos de dentes anteriores e posteriores não podem exibir diferenças perceptíveis na cor, se comparados com a escala de cor do fabricante ou na escala de cor indicada. Os dentes com combinação de tonalidades não podem exibir linhas de demarcação entre as porções incisal e cervical nos aspectos vestibulares dos dentes. Este requisito não se destina a desautorizar demarcações especialmente projetadas para simular bordas de restaurações ou imperfeições do esmalte encontradas nos dentes naturais.

Para o acabamento superficial, quando inspecionados visualmente, os dentes recebidos (com exceção das áreas de retenção) devem ter uma superfície lisa, lustrosa e não porosa. Quando dentes cerâmicos forem ensaiados, o processamento não pode prejudicar o acabamento original dos dentes, e os dentes devem poder ser lixados e polidos. Quando dentes de polímero sintético forem ensaiados, os dentes devem poder ser polidos para restaurar o acabamento original.

Em relação à ausência de porosidade e de outros defeitos, os dentes cerâmicos não podem ter mais que um total de 16 poros de diâmetro maior que 30 μm nas quatro superfícies de ensaio. No máximo seis destes poros devem ter diâmetros na faixa de ≥ 40 μm e ≤ 150 μm. Não pode haver poros de diâmetro maior que 150 μm. Os dentes de polímero sintético, quando examinados, não podem exibir porosidade ou defeitos, como rebarbas, acabamento áspero ou impurezas visíveis nas superfícies coronárias.

Quando ensaiados, os dentes cerâmicos devem ter uma concentração de atividade de no máximo 1,0 Bq.g–1 de urânio–238. Todos os dentes diatóricos cerâmicos, examinados de acordo com 7.9, devem fornecer um meio para retenção positiva e ter cavidades que devem ser abertas e não seladas.

Para a resistência ao choque térmico, os dentes cerâmicos não podem mostrar sinais de trinca. Todos os dentes de polímero sintético devem ser capazes de se unir aos materiais da base da prótese termopolimerizados (Tipo 1), o que está em conformidade com a ISO 1567:1999. Para cinco das seis amostras de ensaio, a união formada entre a base dos dentes e a base polimérica da prótese deve ser aprovada no ensaio descrito em 7.11.

Para a resistência a manchamento, deformação e rachaduras, quando ensaiados, nenhum dente pode exibir manchas ou deformações. Nenhum dente pode exibir rachaduras, com exceção das superfícies da base e da porção cervical dos dentes até a linha cervical. Para a estabilidade da cor, quando ensaiados, não pode haver alteração perceptível de cor entre o dente não exposto e as metades exposta e não exposta do dente.

Para a estabilidade dimensional, quando ensaiado, a alteração dimensional de um dente deve estar dentro de ± 2 % de sua dimensão mésio-distal original. Para avaliação, selecionar um incisivo central maxilar para todas as tonalidades disponíveis para dentes anteriores e/ou um dente pré-molar maxilar (ver Seção 6) para cada uma das cinco diferentes tonalidades para dentes posteriores. Avaliar de acordo com a ISO 7491:2000, 3.2.3. Comparar as superfícies labiais de cada dente a ser ensaiado à escala de cores, segurando o dente junto ao dente correspondente na escala de cores e no mesmo plano, posicionando o dente de ensaio primeiramente em um lado da escala de cores e, posteriormente, no outro lado. O dente estará em conformidade se não houver diferença perceptível de cor.

Após a demuflagem usando o equipamento de laboratório e as técnicas odontológicas, remover qualquer material da base da prótese excedente das superfícies dos dentes que são normalmente expostas. Polir os dentes com equipamento de laboratório odontológico, tomando o cuidado de manter as ferramentas de polimento umedecidas, conforme apropriado. Após o polimento, examinar visualmente os dentes para verificar conformidade e para evidências de danos sofridos no processamento, com exceção de danos acidentais causados pelo equipamento usado no processamento.

A amostragem para a resistência ao manchamento, deformação e rachaduras dos dentes de polímero sintético, selecionar dois grupos de dentes, sendo um dos grupos o controle para o outro grupo. Um dente de cada um dos cinco conjuntos diferentes, de cinco tonalidades diferentes, conforme definido na Seção 6, devem compor um grupo; os dentes homólogos de cada um dos mesmos cinco conjuntos devem compor o outro grupo. Este procedimento envolve a exposição de ambos os grupos de ensaio e o grupo-controle ao monômero, mas o grupo-controle é usado na condição “conforme recebido” e o grupo de ensaio é usado após o ciclo de condicionamento. Antes da exposição ao monômero ou ao condicionamento, examinar cada dente, procurando por manchas, deformações ou rachaduras, seguindo o procedimento de 7.12.5.

Os dentes que exibirem manchas, deformações ou rachaduras neste estágio devem ser identificados como reprovados. Usar os equipamento e materiais: tubo de ensaio grande, com um suporte para imersão no banho de água; banho de água, capaz de ser mantido na temperatura de ebulição da água (100 ± 1) °C; temporizador, com precisão de ± 1 s; papel não absorvente; dessecador, carregado com uma solução capaz de manter uma umidade relativa de (50 ± 5) %, de acordo com a ISO 483.

As condições requeridas podem ser alcançadas com uma solução de nitrato de cálcio [Ca(NO3)2] no dessecador fechado, ao qual foi adicionado um excesso do hidrato [Ca(NO3)2.4H2O], pelo menos 24 h antes do ensaio, e mantido à temperatura ambiente. Uma sala ou laboratório condicionado com umidade relativa controlada (50 ± 5) % pode ser usado como alternativa ao dessecador e o monômero de metacrilato de metila (sem agente de ligação cruzada).

Deve-se incluir, ainda: folhas de papéis absorventes; unidade de inspeção de fibra óptica flexível com luz branca; unidades de iluminação projetadas como auxiliares para a microscopia óptica são adequadas; instrumento, com capacidade de ampliação de 8x a 10x. Para o condicionamento das amostras de ensaio, submergir o segundo grupo de cinco dentes (ver 7.12.1) no tubo de ensaio preenchido com água (7.12.2.1) e colocar no banho-maria (7.12.2.2), de forma que o tudo de ensaio não entre em contato com as laterais do banho-maria.

Aquecer o banho-maria da temperatura ambiente até a temperatura de ebulição da água durante um período entre 5 min e 20 min e manter nesta temperatura por (3 h ± 5 min) (7.12.2.3). Para controlar a perda de água das superfícies dos dentes, deixar que as amostras resfriem gradualmente em água a (23 ± 2) °C; após, retirar os dentes, retirar a água da superfície com papel não absorvente (7.12.2.4), colocá-los no dessecador (7.12.2.5) em um prato perfurado e fechar imediatamente o dessecador. Armazenar os dentes no dessecador por (60 ± 5) min.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Curetas periodontais, removedores de tártaro e escavadores odontológicos - Parte 4: Escavadores odontológicos - Tipo discóide
NBRISO13397-4 de 03/2000

Curetas periodontais, removedores de tártaro e escavadores odontológicos - Parte 4: Escavadores odontológicos - Tipo discóide

Odontologia — Instrumentos de diamante rotatórios - Parte 3: Granulometria, designação e código de cores
NBRISO7711-3 de 08/2012

Odontologia — Instrumentos de diamante rotatórios - Parte 3: Granulometria, designação e código de cores

Odontologia — Instrumentos odontológicos rotatórios - Parte 2: Brocas de acabamento
NBRISO3823-2 de 10/2013

Odontologia — Instrumentos odontológicos rotatórios - Parte 2: Brocas de acabamento

Odontologia — Sistema de código numérico para instrumentos rotatórios - Parte 6: Características específicas de instrumentos abrasivos
NBRISO6360-6 de 08/2012

Odontologia — Sistema de código numérico para instrumentos rotatórios - Parte 6: Características específicas de instrumentos abrasivos

Pinças odontológicas - Parte 3: Tipo college
NBRISO15098-3 de 06/2002

Pinças odontológicas - Parte 3: Tipo college

Odontologia - Auxiliares elastoméricos para uso em ortodontia
NBRISO21606 de 09/2014

Odontologia - Auxiliares elastoméricos para uso em ortodontia

Odontologia – Métodos de ensaio para instrumentos rotatórios
NBRISO8325 de 07/2011

Odontologia – Métodos de ensaio para instrumentos rotatórios

Odontologia - Cadeira odontológica para paciente
NBRISO6875 de 03/2014

Odontologia - Cadeira odontológica para paciente

Curetas periodontais, removedores de tártaro e escavadores odontológicos - Parte 1: Requisitos gerais
NBRISO13397-1 de 12/1999

Curetas periodontais, removedores de tártaro e escavadores odontológicos - Parte 1: Requisitos gerais

Instrumentos odontológicos rotatórios - Instrumentos de diamante - Parte 1: Dimensões, requisitos, marcação e embalagem
NBRISO7711-1 de 11/2009

Instrumentos odontológicos rotatórios - Instrumentos de diamante - Parte 1: Dimensões, requisitos, marcação e embalagem

Pinças odontológicas - Parte 1: Requisitos gerais
NBRISO15098-1 de 07/2000

Pinças odontológicas - Parte 1: Requisitos gerais

Odontologia — Ensaio de torção do corpo do implante/junções das partes conectoras dos sistemas de implantes dentários endósseos
ABNT ISO/TS13498 de 08/2013

Odontologia — Ensaio de torção do corpo do implante/junções das partes conectoras dos sistemas de implantes dentários endósseos

Odontologia — Sistema de código numérico para instrumentos rotatórios - Parte 4: Características específicas dos instrumentos de diamante
NBRISO6360-4 de 03/2012

Odontologia — Sistema de código numérico para instrumentos rotatórios - Parte 4: Características específicas dos instrumentos de diamante

Odontologia — Dentes artificiais para próteses dentárias
NBRISO22112 de 01/2017

Odontologia — Dentes artificiais para próteses dentárias

Odontologia - Hastes para instrumentos rotatórios - Parte 1: Hastes feitas de metais
NBRISO1797-1 de 12/2017

Odontologia - Hastes para instrumentos rotatórios - Parte 1: Hastes feitas de metais

Equipamento odontológico - Conexões para suprimento e rede de esgoto
NBRISO11144 de 12/2017

Equipamento odontológico - Conexões para suprimento e rede de esgoto

Odontologia - Implantes - Ensaio dinâmico de fadiga para implantes odontológicos endósseos
NBRISO14801 de 04/2012

Odontologia - Implantes - Ensaio dinâmico de fadiga para implantes odontológicos endósseos

Odontologia — Sistema de código numérico para instrumentos rotatórios - Parte 3: Características específicas de brocas e cortadores
NBRISO6360-3 de 08/2012

Odontologia — Sistema de código numérico para instrumentos rotatórios - Parte 3: Características específicas de brocas e cortadores

Odontologia – Sistema de código numérico para instrumentos rotatórios - Parte 1: Características gerais
NBRISO6360-1 de 06/2010

Odontologia – Sistema de código numérico para instrumentos rotatórios - Parte 1: Características gerais

Odontologia – Métodos de ensaio para instrumentos rotatórios – Ensaio de capacidade de corte das pontas diamantadas
NBR15967 de 07/2011

Odontologia – Métodos de ensaio para instrumentos rotatórios – Ensaio de capacidade de corte das pontas diamantadas

Curetas periodontais, removedores de tártaro e escavadores odontológicos - Parte 3: Removedores de tártaro - Tipo H
NBRISO13397-3 de 03/2000

Curetas periodontais, removedores de tártaro e escavadores odontológicos - Parte 3: Removedores de tártaro - Tipo H

Pinças odontológicas - Parte 2: Tipo Meriam
NBRISO15098-2 de 12/2000

Pinças odontológicas - Parte 2: Tipo Meriam

Odontologia - Materiais cerâmicos
NBRISO6872 de 08/2016

Odontologia - Materiais cerâmicos

Equipamentos médicos para aplicação na odontologia - Requisitos
NBR15351 de 04/2006

Equipamentos médicos para aplicação na odontologia - Requisitos

Instrumentos odontológicos rotatórios — Brocas - Parte 1: Brocas de carboneto de tungstênio e aço
NBRISO3823-1 de 10/2013

Instrumentos odontológicos rotatórios — Brocas - Parte 1: Brocas de carboneto de tungstênio e aço

Odontologia — Materias implantáveis para preenchimento e aumento ósseo nas cirurgias orais e maxilofaciais — Conteúdo de um arquivo técnico
NBRISO22794 de 06/2012

Odontologia — Materias implantáveis para preenchimento e aumento ósseo nas cirurgias orais e maxilofaciais — Conteúdo de um arquivo técnico

Odontologia - Avaliação da biocompatibilidade de produtos para a saúde utilizados em odontologia
NBRISO7405 de 09/2015

Odontologia - Avaliação da biocompatibilidade de produtos para a saúde utilizados em odontologia

Odontologia – Materiais membranosos para regeneração tecidual guiada nas cirurgias orais e maxilofaciais – Conteúdo de um arquivo técnico
NBRISO22803 de 06/2013

Odontologia – Materiais membranosos para regeneração tecidual guiada nas cirurgias orais e maxilofaciais – Conteúdo de um arquivo técnico

Restauração dentária — Cera — Requisitos e ensaios
NBR11773 de 12/2015

Restauração dentária — Cera — Requisitos e ensaios

Odontologia — Sistema de código numérico para instrumentos rotatórios - Parte 2: Formatos
NBRISO6360-2 de 03/2012

Odontologia — Sistema de código numérico para instrumentos rotatórios - Parte 2: Formatos

Odontologia — Bráquetes e tubos para uso ortodôntico
NBRISO27020 de 03/2014

Odontologia — Bráquetes e tubos para uso ortodôntico

Odontologia — Implantes — Desempenho clínico de instrumentos de torque manual
NBRISO11953 de 08/2012

Odontologia — Implantes — Desempenho clínico de instrumentos de torque manual