Text page

NBR 12727: os requisitos para os medidores de gás tipo diafragma

Essa norma estabelece os requisitos mínimos, especificação, métodos de ensaio e princípios dos medidores do tipo diafragma, para instalações residenciais, com vazão máxima de 10 m³/h e pressão máxima de trabalho de até 100 kPa. Esse tipo de medidor tem uma parede da câmara de medição que incorpora um material flexível, deslocando quantidades determinadas de volume.

17/09/2014 - Equipe Target

Medidores de gás tipo diafragma

A NBR 12727 de 09/2014 - Medidor de gás tipo diafragma para instalações residenciais - Requisitos e métodos de ensaios estabelece os requisitos mínimos, especificação, métodos de ensaio e princípios dos medidores do tipo diafragma, para instalações residenciais, com vazão máxima de 10 m³/h e pressão máxima de trabalho de até 100 kPa. Esse tipo de medidor tem uma parede da câmara de medição que incorpora um material flexível, deslocando quantidades determinadas de volume.

A condição base de temperatura deve ser de 20 °C. A condição base de pressão deve ser de 101325 Pa, absoluta. O medidor deve ter um dispositivo que impeça a totalização do volume, quando o sentido do escoamento for inverso ao indicado.

Os materiais utilizados na construção do medidor devem ter resistências mecânica e química que suportem as condições de trabalho. O medidor deve suportar uma pressão interna de uma vez e meia a pressão máxima de trabalho indicada no mostrador, sem apresentar vazamentos.

A carcaça deve ser construída em alumínio ou chapa de aço e deve ter uma resistência que suporte os requisitos indicados nesta norma, mantendo as características metrológicas durante o seu uso. A carcaça deve ser projetada para suportar uma carga mínima de 800 N, aplicada sobre uma área de 100 mm² na parte superior da carcaça, durante 1 min, sem deformação permanente.

A carcaça deve suportar uma pressão interna estática de 200 kPa em relação à pressão atmosférica, sem deformação ou ruptura. A eficácia do sistema de proteção, tratamento superficial e pintura deve ser comprovada aplicando-se ensaio de exposição à névoa salina em conformidade com a NBR 8094 para um tempo de exposição de 500 h sendo que o critério de aceitação deve estar baseado na inexistência de corrosão da NBR 5770 e conforme os parâmetros de grau de empolamento definidos na NBR 5841.

As conexões devem resistir a um momento torsor especificado conforme Tabela 1 (disponível na norma), com uma deformação permanente máxima de 2°. Este ensaio deve ser executado com o medidor fixo nas duas extremidades da carcaça. A designação da rosca SAE 5/8” deve ser conforme a NBR 11720.

As conexões devem suportar um momento fletor especificado conforme Tabela 2, com uma deformação permanente máxima de 5° para carcaças em chapa de aço e 2° para carcaças em alumínio. O medidor deve estar fixo por uma das conexões, aplicando o momento fletor durante 2 min, repetindo o ensaio sobre a outra conexão. A designação da rosca SAE 5/8” deve ser conforme NBR 11720.

Todo medidor de gás deve possuir um dispositivo que indique diretamente o volume de gás medido em metros cúbicos. O totalizador deve ser isolado do gás medido e do ambiente externo. O medidor, quando mergulhado em água, não pode apresentar sinais de penetração de umidade no interior do visor do totalizador, conforme grau de proteção, código IP 67, da NBR IEC 60529.

O diafragma deve ser confeccionado com material resistente à ação dos gases utilizados e de seus condensados. As características de flexibilidade do diafragma devem ser mantidas quando este for exposto à temperatura entre - 5 °C e 60 °C. O diafragma deve suportar 500 000 ciclos de flexão, com frequência de 100 ciclos/min sem alterar suas características.

A perda de pressão em Qmáx deve ser menor ou igual a 200 Pa durante a verificação inicial e menor ou igual a 220 Pa quando em serviço, quando em funcionamento com ar de massa específica de 1,2 kg/m3. A oscilação da perda de pressão em Qmáx, durante um ciclo de trabalho, não pode exceder 40 Pa.

A marcação do medidor deve ser feita no mostrador, de forma clara, indelével e sem ambiguidade, com no mínimo as seguintes marcações: número de portaria de aprovação de modelo e logomarca do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro); símbolo ou marca do fabricante; ano de fabricação; número de série; pressão máxima de trabalho (Pmáx.), em pascais, kilopascais ou megapascais (Pa, kPa ou Mpa…) e/ou a classe de pressão nominal; vazão máxima (Qmáx), em metros cúbicos por hora (m³/h); vazão mínima (Qmín) em metros cúbicos por hora (m³/h); volume cíclico nominal (Vn), em decímetros cúbicos (dm³); a designação G; país de origem; código de barras, conforme esta norma; e temperaturas máxima e mínima de trabalho (Tmáx) e (Tmin), em graus celsius (°C) – opcional.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Material metálico revestido e não revestido - Corrosão por exposição à névoa salina - Método de ensaio
NBR8094 de 07/1983

Material metálico revestido e não revestido - Corrosão por exposição à névoa salina - Método de ensaio

Rosca para tubos onde a vedação não é feita pela rosca – Designação, dimensões e tolerâncias
NBR8133 de 11/2010

Rosca para tubos onde a vedação não é feita pela rosca – Designação, dimensões e tolerâncias

Inspeção de rede de distribuição interna de gases combustíveis em instalações residenciais e instalação de aparelhos a gás para uso residencial — Procedimento
NBR15923 de 02/2011

Inspeção de rede de distribuição interna de gases combustíveis em instalações residenciais e instalação de aparelhos a gás para uso residencial — Procedimento

Qualificação de pessoas no processo construtivo de edificações – Perfil profissional do operador de medidores de gás
NBR15904 de 11/2010

Qualificação de pessoas no processo construtivo de edificações – Perfil profissional do operador de medidores de gás

Graus de proteção providos por invólucros (Códigos IP)
NBRIEC60529 de 04/2017

Graus de proteção providos por invólucros (Códigos IP)

Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
NBR5426 de 01/1985

Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos

Guia para utilização da norma NB 309-01 - Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
NBR5427 de 01/1985

Guia para utilização da norma NB 309-01 - Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos

Bombas dosadoras de diafragma - Especificação
NBR12560 de 04/1992

Bombas dosadoras de diafragma - Especificação

Determinação do grau de enferrujamento de superfícies pintadas
NBR5770 de 05/2015

Determinação do grau de enferrujamento de superfícies pintadas

Dimensões dos anéis de vedação à base de elastômeros "o-rings"
NBR5898 de 12/2008

Dimensões dos anéis de vedação à base de elastômeros "o-rings"

Medidor de gás tipo diafragma, para instalações residenciais - Especificação
NBR13127 de 09/2014

Medidor de gás tipo diafragma, para instalações residenciais - Especificação

Determinação do grau de empolamento de superfícies pintadas
NBR5841 de 08/2015

Determinação do grau de empolamento de superfícies pintadas

Identificação, localização, impressão e marcação do Código Nacional de Produtos - Padrão EAN - Procedimento
NBR10174 de 01/1988

Identificação, localização, impressão e marcação do Código Nacional de Produtos - Padrão EAN - Procedimento

Guia para inspeção por amostragem no controle e certificação de qualidade
NBR5425 de 01/1985

Guia para inspeção por amostragem no controle e certificação de qualidade

Conexões para união de tubos de cobre por soldagem ou brasagem capilar — Requisitos
NBR11720 de 05/2010

Conexões para união de tubos de cobre por soldagem ou brasagem capilar — Requisitos