Text page

O projeto de aspectos automatizados das máquinas e tratores agrícolas

Quais os riscos em relação ao funcionamento do motor? Quando realizar a inicialização do movimento geral das rodas? Quando fazer a interrupção da operação altamente automatizada? Por que deve ser fornecido um sistema de percepção? Essas perguntas estão sendo respondidas na NBR ISO 18497 de 03/2022 - Máquinas e tratores agrícolas - Segurança de máquinas agrícolas altamente automatizadas - Princípios de projeto.

06/07/2022 - Equipe Target

NBR ISO 18497 de 03/2022 - Máquinas e tratores agrícolas - Segurança de máquinas agrícolas altamente automatizadas - Princípios de projeto

A NBR ISO 18497 de 03/2022 - Máquinas e tratores agrícolas - Segurança de máquinas agrícolas altamente automatizadas - Princípios de projeto especifica princípios para o projeto de aspectos altamente automatizados de máquinas e veículos altamente automatizados (por exemplo, tratores agrícolas, sistemas de implementos do trator, implementos e máquinas autopropelidas), durante as operações agrícolas no campo. Além disso, este documento fornece orientações sobre o tipo de informação de práticas de trabalho seguras (incluindo informações sobre riscos residuais) a serem fornecidas pelo fabricante.

A sua finalidade é auxiliar no fornecimento de requisitos de segurança, meios de verificação e informações de uso, para assegurar um nível apropriado de segurança para os tratores agrícolas e florestais e para as máquinas autopropelidas com funções que permitam operações altamente automatizadas. Este documento trata de todos os perigos, situações perigosas e eventos perigosos significativos (conforme listados no Anexo A), pertinentes para os tratores agrícolas e florestais e para as máquinas autopropelidas, permitindo operações de campo altamente automatizadas, quando utilizados conforme o previsto e nas condições não adequadas razoavelmente estimadas pelo fabricante durante a operação e o serviço normais.

Embora este documento forneça princípios para o projeto, verificação, validação e fornecimento de informações de uso de uma máquina agrícola altamente automatizada (HAAM), a especificação detalhada de requisitos para uma aplicação específica dependerá da máquina e de suas condições operacionais. Portanto, os princípios de projeto fornecidos precisam ser estendidos para a HAAM específica pelo uso de normas específicas relevantes (tipo C), quando disponíveis, ou pelo fabricante da máquina, utilizando avaliação de risco. Essa especificação adicional de requisitos, para projeto, verificação, validação ou informações de uso, está fora do escopo deste documento.

Os requisitos de segurança para máquinas específicas não relacionadas às operações altamente automatizadas podem estar disponíveis em normas tipo C específicas da máquina. Este documento não se aplica a: aplicações florestais; máquinas móveis, semimóveis ou estacionárias utilizadas em operações em instalações agrícolas ou celeiros; operações em vias públicas, incluindo requisitos relevantes para sistemas de frenagem e direção.

Com relação aos implementos (por exemplo, seu projeto e funções específicos) e à comunicação entre tratores e implementos, riscos adicionais podem ser relevantes e podem requerer medidas adicionais. Essas medidas adicionais estão fora do escopo deste Documento e são de responsabilidade do fabricante. Este documento não é aplicável a tratores agrícolas e florestais, sistemas de implementos do trator, implementos e máquinas autopropelidas fabricados antes da data de sua publicação.

Acesse algumas dúvidas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais os riscos em relação ao funcionamento do motor?

Quando realizar a inicialização do movimento geral das rodas?

Quando fazer a interrupção da operação altamente automatizada?

Por que deve ser fornecido um sistema de percepção?

Este documento é uma norma do tipo B1, baseada na NBR ISO 12100, sendo relevante, especificamente, para os seguintes grupos de partes interessadas que representam os agentes de mercado com relação à segurança de máquinas: fabricantes de máquinas (pequenas, médias e grandes empresas); órgãos de saúde e segurança (reguladores, organizações de prevenção de acidentes, vigilância de mercado, etc.).

Outros podem ser afetados pelo nível de segurança de máquinas alcançado com os meios do documento pelos grupos de partes interessadas mencionados acima, como os usuários de máquinas/empregadores (pequenas, médias e grandes empresas); os usuários de máquinas/funcionários (por exemplo, sindicatos, organizações para pessoas com necessidades especiais); os prestadores de serviços, por exemplo, para manutenção (pequenas, médias e grandes empresas); os consumidores (no caso de máquinas destinadas a uso pelos consumidores). Os grupos de partes interessadas mencionados acima tiveram a possibilidade de participar do processo de elaboração deste documento.

Além disso, ele é destinado aos organismos de normalização que elaboram normas tipo C. Os seus requisitos podem ser complementados ou modificados por uma norma tipo C. Para máquinas que são abrangidas pelo escopo de uma norma tipo C e que foram projetadas e construídas de acordo com os requisitos daquela norma, os requisitos daquela norma tipo C têm prioridade.

A estrutura das normas de segurança no campo das máquinas é a seguinte. As normas tipo A (normas básicas) fornecem conceitos básicos, princípios de projeto e aspectos gerais que podem ser aplicados às máquinas e as normas tipo B (normas de segurança genéricas) tratam de um ou mais aspectos de segurança ou um ou mais tipos de dispositivo de segurança que podem ser utilizados em uma ampla gama de máquinas.

Isso inclui as normas tipo B1 sobre aspectos de segurança específicos (por exemplo, distâncias de segurança, temperatura da superfície, ruído); as normas tipo B2 sobre dispositivos de segurança (por exemplo, dispositivos de controle acionados pelas duas mãos, dispositivos de travamento, dispositivos sensíveis à pressão, proteções); as normas tipo C (normas de segurança de máquinas) tratam dos requisitos de segurança detalhados para uma máquina específica ou um grupo de máquinas. As operações de máquinas agrícolas altamente automatizadas são uma tecnologia avançada.

Os benefícios ao cliente são aumentados; a produtividade é aumentada e o conforto do operador é melhorado. A operação altamente automatizada é um afastamento das aplicações de máquinas tradicionais nos setores de máquinas agrícolas e de equipamentos móveis que até agora requeriam um operador a bordo para realizar o trabalho. As operações altamente automatizadas requerem considerações de segurança exclusivas.

O objetivo deste documento é especificar princípios para o projeto de operações de máquinas agrícolas altamente automatizadas para alcançar uma operação segura. Recomenda-se que os requisitos deste documento para operação altamente automatizada sejam diferentes daqueles que são declarados em uma norma de máquina específica que trata de operação altamente automatizada, os requisitos da norma de máquina específica têm prioridade sobre os requisitos deste documento.

A máquina agrícola altamente automatizada (HAAM) deve atender às partes pertinentes das normas de segurança de máquinas específicas [por exemplo, NBR ISO 4254 (todas as partes pertinentes), NBR ISO 26322 (todas as partes pertinentes)] e aos requisitos de segurança e medidas de proteção ou redução de riscos. Além disso, a HAAM deve ser projetada de acordo com os princípios da NBR ISO 12100 para perigos relevantes, porém não significativos, que não são tratados por este documento.

Os requisitos com base nos princípios de projeto fornecidos neste Documento podem depender do tipo de máquina e das condições de operação necessárias. Quando isto se aplica, a especificação de requisitos e os procedimentos de verificação correspondentes devem ser determinados utilizando a avaliação de riscos.

As normas de máquinas específicas tipo C, quando disponíveis, podem fornecer os requisitos específicos da máquina. A aplicação da avaliação de riscos pelo fabricante é relevante para a aplicação deste documento em geral, para desenvolver os princípios de projeto fornecidos nos requisitos específicos da máquina. Exemplos específicos são dados em pré-partida e tempo total de advertência, estado seguro, estado seguro e duração da perda de comunicação, pré-partida e tempo de advertência), retardo de tempo e estado seguro, estado seguro e ativação de operação altamente automatizada subsequente), retardo de tempo entre a perda de comunicação e o estado seguro, estado seguro.

Para assegurar um nível apropriado de segurança: a HAAM deve ser fornecida com um sistema de percepção capaz de detectar e localizar pessoas ou outros obstáculos em relação à máquina; a HAAM deve ser fornecida com um sistema de percepção capaz de localizar e posicionar a HAAM conforme requerido para as operações envolvidas, evitando deslocamentos involuntários além dos limites da área de trabalho; antes de cada movimento da HAAM, deve ser assegurado pelo sistema de segurança que não haja obstáculo algum na área de perigo; durante a realização de operações altamente automatizadas, a HAAM deve, quando um obstáculo for detectado ou penetrar na área de perigo, acionar um alarme sonoro ou visual e entrar em seu estado seguro especificado; a HAAM deve ser fornecida com meios para proporcionar que um operador local ou remoto pare ou inicie uma operação altamente automatizada; a HAAM deve permitir uma supervisão adequada por um operador local ou remoto.

A HAAM deve estar equipada com um meio para ativar e desativar operações altamente automatizadas. O meio fornecido deve ser: facilmente identificável; facilmente acessível pelo operador; instalado na HAAM ou na cabine (se houver) ou no compartimento do operador (se houver) ou disponível ao operador remoto. Os símbolos devem atender às NBR ISO 3767-1 e NBR ISO 3767-2.

Os indicadores de estado da HAAM devem ser inequívocos e facilmente identificáveis. Os estados de controle disponíveis devem incluir sistema altamente automatizado desativado e sistema altamente automatizado ativado.

No estado desativado, todas as operações da máquina altamente automatizada devem ser interrompidas e desativadas. No estado ativado, as operações altamente automatizadas devem ser permitidas.

Somente o operador local deve ser capaz de ativar a máquina altamente automatizada. Deve ser sempre possível desativar a operação altamente automatizada na posição do operador local e, para supervisão remota, na posição de operação remota.

Não pode haver possibilidade de iniciar uma operação altamente automatizada sem o sistema de percepção confirmar que a área de perigo está livre de obstáculos. Além disso, o início de operação altamente automatizada deve requerer a confirmação por um operador local, a menos que seja demonstrado por avaliação de risco que não surgirão perigos significativos.

Quando uma operação altamente automatizada for interrompida (seja qual for o motivo), o procedimento para reiniciar a operação altamente automatizada deve requerer a inicialização pelo operador. O controle automatizado do motor somente deve ser permitido quando operações altamente automatizadas estiverem ativadas.

Os requisitos de partida do motor também se aplicam ao acoplamento da fonte de energia da máquina, como, por exemplo, fechamento do contato principal em um sistema alimentado por bateria. A HAAM deve permitir somente a partida do motor em resposta a uma solicitação do operador para dar partida no motor.

Antes da partida do motor, um alarme sonoro deve ser iniciado e permanecer ativo durante o período de advertência. O retardo entre o início do aviso sonoro e a partida do motor e a duração do aviso após a partida do motor deve ser suficiente para evitar a exposição aos perigos, levando em consideração as características da máquina e o seu ambiente de operação deve ser protegido contra o acionamento involuntário.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Combinações permissíveis de conexão mecânica entre veículos agrícolas rebocados e veículos de rebocamento
NBRISO22471 de 08/2021

Combinações permissíveis de conexão mecânica entre veículos agrícolas rebocados e veículos de rebocamento

Tratores, máquinas agrícolas e florestais e equipamentos motorizados para manutenção de grama e jardim - Símbolos para controles do operador e outros mostradores - Parte 1: Símbolos comuns
NBRISO3767-1 de 11/2020

Tratores, máquinas agrícolas e florestais e equipamentos motorizados para manutenção de grama e jardim - Símbolos para controles do operador e outros mostradores - Parte 1: Símbolos comuns

Segurança de máquinas — Princípios gerais de projeto — Apreciação e redução de riscos
NBRISO12100 de 12/2013

Segurança de máquinas — Princípios gerais de projeto — Apreciação e redução de riscos

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 12: Roçadoras rotativas a disco e a tambor e trituradores
NBRISO4254-12 de 03/2022

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 12: Roçadoras rotativas a disco e a tambor e trituradores

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 14: Controle sequencial
NBRISO11783-14 de 11/2015

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 14: Controle sequencial

Máquinas agrícolas — Segurança - Parte 7: Colhedoras de grãos, colhedoras de forragem, colhedoras de algodão e colhedoras de cana-de-açúcar
NBRISO4254-7 de 10/2020

Máquinas agrícolas — Segurança - Parte 7: Colhedoras de grãos, colhedoras de forragem, colhedoras de algodão e colhedoras de cana-de-açúcar

Tratores, máquinas agrícolas e florestais e equipamentos motorizados para manutenção de grama e jardim — Símbolos para controles do operador e outros mostradores - Parte 3: Símbolos para equipamentos motorizados para manutenção de grama e jardim
NBRISO3767-3 de 11/2020

Tratores, máquinas agrícolas e florestais e equipamentos motorizados para manutenção de grama e jardim — Símbolos para controles do operador e outros mostradores - Parte 3: Símbolos para equipamentos motorizados para manutenção de grama e jardim

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 4: Camada de rede
NBRISO11783-4 de 05/2017

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 4: Camada de rede

Tratores e máquinas agrícolas e florestais — Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 3: Camada de enlace de dados
NBRISO11783-3 de 12/2021

Tratores e máquinas agrícolas e florestais — Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 3: Camada de enlace de dados

Máquinas e tratores agrícolas - Segurança de máquinas agrícolas altamente automatizadas - Princípios de projeto
NBRISO18497 de 03/2022

Máquinas e tratores agrícolas - Segurança de máquinas agrícolas altamente automatizadas - Princípios de projeto

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 12: Serviços de diagnóstico
NBRISO11783-12 de 03/2021

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 12: Serviços de diagnóstico

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 14: Embaladoras de fardos
NBRISO4254-14 de 07/2018

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 14: Embaladoras de fardos

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 5: Equipamentos motorizados para trabalho do solo
NBRISO4254-5 de 03/2022

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 5: Equipamentos motorizados para trabalho do solo

Tratores e máquinas agrícolas — Interface de sensores montados no trator — Especificações
NBRISO11786 de 03/2022

Tratores e máquinas agrícolas — Interface de sensores montados no trator — Especificações

Tratores agrícolas e florestais — Segurança - Parte 1: Tratores convencionais
NBRISO26322-1 de 05/2011

Tratores agrícolas e florestais — Segurança - Parte 1: Tratores convencionais

Segurança de máquinas - Partes de sistemas de comando relacionadas à segurança - Parte 1: Princípios gerais de projeto
NBRISO13849-1 de 03/2019

Segurança de máquinas - Partes de sistemas de comando relacionadas à segurança - Parte 1: Princípios gerais de projeto

Tratores agrícolas e florestais — Segurança - Parte 2: Tratores pequenos e de bitola estreita
NBRISO26322-2 de 02/2013

Tratores agrícolas e florestais — Segurança - Parte 2: Tratores pequenos e de bitola estreita

Tratores, máquinas agrícolas e florestais e equipamentos motorizados para manutenção de grama e jardim - Símbolos para controles do operador e outros mostradores - Parte 2: Símbolos para tratores e máquinas agrícolas
NBRISO3767-2 de 04/2018

Tratores, máquinas agrícolas e florestais e equipamentos motorizados para manutenção de grama e jardim - Símbolos para controles do operador e outros mostradores - Parte 2: Símbolos para tratores e máquinas agrícolas

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 11: Enfardadeiras
NBRISO4254-11 de 03/2022

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 11: Enfardadeiras

Tratores e máquinas agrícolas e florestais — Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 1: Padrão geral para comunicação de dados móveis
NBRISO11783-1 de 08/2019

Tratores e máquinas agrícolas e florestais — Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 1: Padrão geral para comunicação de dados móveis

Segurança de máquinas - Partes de sistemas de comando relacionadas à segurança - Parte 2: Validação
NBRISO13849-2 de 03/2019

Segurança de máquinas - Partes de sistemas de comando relacionadas à segurança - Parte 2: Validação

Tratores, máquinas agrícolas e florestais e equipamentos motorizados para manutenção de grama e jardim - Símbolos para controles do operador e outros mostradores - Parte 4: Símbolos para máquinas florestais
NBRISO3767-4 de 11/2020

Tratores, máquinas agrícolas e florestais e equipamentos motorizados para manutenção de grama e jardim - Símbolos para controles do operador e outros mostradores - Parte 4: Símbolos para máquinas florestais

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 1: Requisitos gerais
NBRISO4254-1 de 02/2022

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 1: Requisitos gerais

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 13: Servidor de arquivos
NBRISO11783-13 de 10/2015

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 13: Servidor de arquivos

Tratores e máquinas agrícolas e florestais — Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 11: Dicionário de elementos de dados móveis
NBRISO11783-11 de 04/2012

Tratores e máquinas agrícolas e florestais — Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 11: Dicionário de elementos de dados móveis

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 10: Espalhadores e ancinhos enleiradores rotativos
NBRISO4254-10 de 02/2021

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 10: Espalhadores e ancinhos enleiradores rotativos

Tratores, máquinas agrícolas e florestais e equipamentos motorizados para manutenção de grama e jardim - Símbolos para controles do operador e outros mostradores - Parte 5: Símbolos para máquinas florestais portáteis manuais
NBRISO3767-5 de 11/2020

Tratores, máquinas agrícolas e florestais e equipamentos motorizados para manutenção de grama e jardim - Símbolos para controles do operador e outros mostradores - Parte 5: Símbolos para máquinas florestais portáteis manuais

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 2: Camada física
NBRISO11783-2 de 01/2021

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 2: Camada física

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 10: Controlador de tarefas e intercâmbio de dados do sistema de informações de gestão
NBRISO11783-10 de 08/2018

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 10: Controlador de tarefas e intercâmbio de dados do sistema de informações de gestão

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 6: Pulverizadores e distribuidores de fertilizante líquido
NBRISO4254-6 de 10/2018

Máquinas agrícolas - Segurança - Parte 6: Pulverizadores e distribuidores de fertilizante líquido