Text page

A conformidade de fabricação dos tanques aéreos atmosféricos de aço

Quais são os tipos de juntas de fundo para tanques cilíndricos verticais? Como devem ser as conexões de topo e costado? Qual deve ser o comprimento mínimo da rosca para conexões de tubo com rosca? Quais são as dimensões da boca de visita no costado? Essas dúvidas estão sendo mostradas na NBR 15461 de 12/2021 - Tanque aéreo atmosférico de aço - Requisitos de fabricação e métodos de ensaios.

11/05/2022 - Equipe Target

NBR 15461 de 12/2021 - Tanque aéreo atmosférico de aço - Requisitos de fabricação e métodos de ensaios

A NBR 15461 de 12/2021 - Tanque aéreo atmosférico de aço - Requisitos de fabricação e métodos de ensaios estabelece os requisitos de fabricação e métodos de ensaios para tanques de aço com contenções primária e secundária, e bacia acoplada, utilizados para armazenamento de líquidos não corrosivos, inflamáveis estáveis e combustíveis com massa específica não superior a 1.000 kg/m³. Estes requisitos se referem aos tanques aéreos de aço, com contenções primária e secundária, bacia acoplada, utilizados para armazenamento de líquidos não corrosivos, inflamáveis, estáveis e combustíveis com massa específica não superior a 1.000 kg/m³. Esta norma foi elaborada com base na UL 142, edição 2019.

Acesse algumas dúvidas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais são os tipos de juntas de fundo para tanques cilíndricos verticais?

Como devem ser as conexões de topo e costado?

Qual deve ser o comprimento mínimo da rosca para conexões de tubo com rosca?

Quais são as dimensões da boca de visita no costado?

O tanque aéreo é aquele usado para armazenamento e instalado acima do nível do solo, podendo ser de superfície, elevado ou horizontal. As capacidades em litros, por comprimento, em tanques horizontais, ou altura, no costado para tanques verticais, estão estabelecidas na tabela abaixo, para checagem da capacidade dos tanques cilíndricos de vários diâmetros.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

A capacidade total do tanque não pode ser menor que o volume nominal e maior que 105% da capacidade nominal. Cada tipo de tanque pode ser fabricado em uma combinação de vários formatos (cilíndrico, retangular ou oval) e orientações (horizontal, vertical) com ou sem compartimentos múltiplos conforme esta norma.

Estes tanques são projetados para instalações e uso de acordo com o código de líquidos combustíveis e inflamáveis, conforme a NFPA 30 e o padrão para instalação de equipamentos queimadores de óleo, conforme a NFPA 31; as instalações de distribuição de combustível e as oficinas de reparação, conforme a NFPA 30A; instalação e utilização de motores de combustão estacionários e turbinas a gás, conforme a NFPA 37; o código de fogo uniforme, conforme a NFPA1. Estes requisitos não cobrem avaliações especiais para resistência a furacões, tornados, terremotos, inundações, ou outro desastre natural; ou impacto de veículos.

Estes requisitos não cobrem tanques portáteis utilizados para transporte de combustíveis líquidos e inflamáveis (como contêiner de transporte), ou para aplicações móveis (como montados em um reboque). Estes requisitos se referem aos tanques aéreos de aço, com contenções primária e secundária e bacia acoplada, utilizados para armazenamento de líquidos não corrosivos, inflamáveis, estáveis e combustíveis com massa específica não superior a 1.000 kg/m³.

Os taques que armazenam líquidos com massa específica superior a 1.000 kg/m³, devem estar de acordo com a Seção 12. Os tanques cobertos por esses requisitos são fabricados, inspecionados e ensaiados para vazamentos antes do embarque da fábrica como tanques completamente montados.

Os tanques em aço carbono possuem costado, tampo, teto, topo, fundo, divisória, anel de reforço, suportes e acessórios, exceto a tampa da boca de visita, em aço-carbono, conforme uma das seguintes especificações: ASTM A36, ASTM A283 Graus C e D e ASTM A 1011/A 1001M, Grau 36 tipo 2. Luvas, conforme aplicação do tanque. Parafusos e prisioneiros, de acordo com a ASTM A307, Grau B, porcas, de acordo com a ASTM A563, Grau B, e arruelas em aço-carbono; parafusos, prisioneiros, porcas e arruelas devem ser galvanizados, de acordo com a ASTM A633, tipo II SC-3, aspecto bicromatizado.

As vedações devem ser compatíveis com o líquido a ser armazenado. O tubo de sucção ou tubos internos, compatíveis com o líquido a ser armazenado. A tampa da boca de visita e respectivos acessórios em aço-carbono, conforme uma das seguintes especificações: ASTM A36, ASTM A283 Graus C e D, ASTM A1011/A 1011M, Grau 36, tipo 2, ou em ferro fundido, conforme especificação SAE J434, Grau D 5506.

Os tanques em aço inox devem ter costado, tampo, teto, topo, fundo, divisória, anel de reforço, luvas, parafusos, tubo de sucção e acessórios, conforme uma das seguintes especificações: aço inox nas ligas 304 ou 316.

As vedações, compatíveis com o líquido a ser armazenado. A soldagem slip-on do cubo e um flange do pescoço de solda devem atender aos requisitos dimensionais e de material para flanges de aço carbono forjados, conforme especificado no padrão para flanges de tubulação e conexões flangeadas, ASME B16.5.

O tipo de junta específica para cada tipo de geometria de tanque deve ser selecionado da tabela abaixo e, salvo indicação contrária, todas as soldas devem ser de filete completo, com raio mínimo de 3,2 mm. Para tanques com previsão de revestimento interno, devem ser considerados os padrões de junta de solda adequados ao padrão do revestimento.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

Se for utilizado um acoplamento de soldagem, ele deve atender ao padrão para conexões de aço forjado, solda de soquete e rosqueada, ASME B16.11, ou a especificação-padrão para acoplamentos roscados, aço, revestidos com zinco ou galvanizados ou semitransparentes, para uso em juntas de tubos de aço, ASTM A865. Todas as aberturas de conexões de tubulação em um tanque devem ser protegidas com tampões de plásticos, de metal ou seus equivalentes, para proteger as roscas no armazenamento ou em trânsito.

Quando se utilizar o bocal de teto para fins de ventilação, este deve ser cortado em nível com a chapa de reforço ou com a linha do teto. O eixo das conexões deve ser vertical. Todas as soldas devem ser de filete completo. Caso sejam utilizadas chapas de reforço, estas devem ter espessura igual à espessura do teto ou maior.

Cada tanque deve ter aberturas normais e de emergência para ventilação. Essas aberturas de ventilação devem ser adicionadas às aberturas de abastecimento de nível de enchimento e de líquido, e devem terminar verticalmente acima do topo do tanque. Cada tanque de contenção primário, incluindo cada comparação de um tanque de compartimento, deve ter provisões para ventilação normal e de emergência.

As aberturas de penetração do tanque devem ser colocadas no topo do tanque. Os tanques cilíndricos horizontais devem centrar essas aberturas ao longo da parte superior do tanque. O espaço intersticial ou um tanque secundário de contenção devem ter provisões para ventilação de emergência.

A abertura de penetração do tanque para este respiradouro deve estar localizada na parte superior do tanque, ou próximo ao topo, desde que a abertura de penetração esteja acima do nível do líquido de vazamento no tanque primário com capacidade nominal no espaço intersticial. A ventilação normal deve ser instalada de acordo com essa norma e deve ser pelo menos tão grande quanto a conexão de enchimento ou de retirada, o que for maior, mas não com menos de 30 mm de diâmetro nominal.

A provisão para ventilação de emergência deve ser uma abertura que esteja em conformidade com os requisitos dessa norma e seja fornecida somente para esse fim. Uma abertura de ventilação que forneça ventilação de emergência deve ter uma capacidade não inferior à especificada nessa norma. Uma abertura de ventilação que forneça ventilação de emergência e normal também deve ter uma capacidade de ventilação total, além do especificado, além dos requisitos dessa norma. As aberturas de emergência não são proibidas para ventilação normal dos tanques primários.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Plano de emergência — Requisitos e procedimentos
NBR15219 de 04/2020

Plano de emergência — Requisitos e procedimentos

Tanque de consumo aéreo para grupos geradores alimentados por diesel ou biodiesel - Parte 3: Construção de tanques rotomoldados em polietileno
NBR16684-3 de 05/2018

Tanque de consumo aéreo para grupos geradores alimentados por diesel ou biodiesel - Parte 3: Construção de tanques rotomoldados em polietileno

Vagão-tanque - Classificação
NBR11688 de 06/2015

Vagão-tanque - Classificação

Tanque de consumo aéreo para grupos geradores alimentados por diesel ou biodiesel - Parte 1: Requisitos de instalação e segurança em edificações
NBR16684-1 de 05/2018

Tanque de consumo aéreo para grupos geradores alimentados por diesel ou biodiesel - Parte 1: Requisitos de instalação e segurança em edificações

Tanque de consumo aéreo para grupos geradores alimentados por diesel ou biodiesel - Parte 2: Construção de tanques metálicos
NBR16684-2 de 05/2018

Tanque de consumo aéreo para grupos geradores alimentados por diesel ou biodiesel - Parte 2: Construção de tanques metálicos

Tanque estacionário rotomoldado em polietileno (PE) para acondicionamento de substâncias químicas líquidas - Requisitos e métodos de ensaio
NBR15762 de 09/2009

Tanque estacionário rotomoldado em polietileno (PE) para acondicionamento de substâncias químicas líquidas - Requisitos e métodos de ensaio

Tanque aéreo atmosférico de aço - Requisitos de fabricação e métodos de ensaios
NBR15461 de 12/2021

Tanque aéreo atmosférico de aço - Requisitos de fabricação e métodos de ensaios

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis — Fabricação de tanque aéreo rotomoldado com contenção secundária metálica
NBR16443 de 08/2017

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis — Fabricação de tanque aéreo rotomoldado com contenção secundária metálica

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis — Entrada em espaço confinado em tanques subterrâneos e em tanques de superfície
NBR14606 de 09/2013

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis — Entrada em espaço confinado em tanques subterrâneos e em tanques de superfície

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Parte 2: Armazenamento em tanques, em vasos e em recipientes portáteis com capacidade superior a 3 000 L
NBR17505-2 de 07/2015

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Parte 2: Armazenamento em tanques, em vasos e em recipientes portáteis com capacidade superior a 3 000 L

Cores para segurança
NBR7195 de 07/2018

Cores para segurança

Equipamentos de proteção respiratória - Classificação
NBR12543 de 05/2017

Equipamentos de proteção respiratória - Classificação

Implementos rodoviários — Tanque — Formato geométrico
NBR14324 de 09/2012

Implementos rodoviários — Tanque — Formato geométrico

Implementos rodoviários - Tanque para transporte rodoviário de produtos líquidos a granel - Requisitos
NBR14980 de 04/2019

Implementos rodoviários - Tanque para transporte rodoviário de produtos líquidos a granel - Requisitos

Vagão-tanque - Desgaseificação - Procedimento
NBR12781 de 02/1993

Vagão-tanque - Desgaseificação - Procedimento

Emprego de cores para identificação de tubulações industriais
NBR6493 de 11/2019

Emprego de cores para identificação de tubulações industriais

Tanque estacionário de superfície, rotomoldado em polietileno (PE), para armazenamento de combustíveis líquidos com volume entre 1 000 L e 10 000 L — Projeto, requisitos e métodos de ensaio
NBR15931 de 03/2011

Tanque estacionário de superfície, rotomoldado em polietileno (PE), para armazenamento de combustíveis líquidos com volume entre 1 000 L e 10 000 L — Projeto, requisitos e métodos de ensaio

Tanque estacionário rotomoldado em polietileno (PE) para acondicionamento de águas - Requisitos e métodos de ensaio
NBR15682 de 02/2009

Tanque estacionário rotomoldado em polietileno (PE) para acondicionamento de águas - Requisitos e métodos de ensaio

Tanques de preparação de solução de produtos químicos - Dimensões e elementos construtivos - Padronização
NBR13235 de 12/1994

Tanques de preparação de solução de produtos químicos - Dimensões e elementos construtivos - Padronização

Indústrias de petróleo, petroquímica e gás natural — Alívio de tanques de armazenamento atmosféricos e de baixa pressão
NBRISO28300 de 06/2020

Indústrias de petróleo, petroquímica e gás natural — Alívio de tanques de armazenamento atmosféricos e de baixa pressão

Requisitos gerais para a competência de laboratórios de ensaio e calibração
NBRISO/IEC17025 de 12/2017

Requisitos gerais para a competência de laboratórios de ensaio e calibração