Text page

A Qualidade das madeiras serradas de coníferas para a construção civil

Como deve ser feita a classificação visual das madeiras? Quais são as classes de resistência da madeira serrada de coníferas? Qual é a variação das propriedades de resistência da madeira? Como deve ser calculada a umidade de equilíbrio para as capitais do Brasil? Essas perguntas estão sendo respondidas na NBR 16996-1 de 09/2021 - Madeira serrada - Construção civil - Parte 1: Coníferas.

20/10/2021 - Equipe Target

NBR 16996-1 de 09/2021 - Madeira serrada - Construção civil - Parte 1: Coníferas

A NBR 16996-1 de 09/2021 - Madeira serrada - Construção civil - Parte 1: Coníferas estabelece os requisitos e os procedimentos para a classificação geral de madeira serrada de coníferas, destinada ao uso na construção civil. A madeira serrada bruta são as peças de madeiras resultantes do desdobro de toras, por meio de cortes longitudinais por serra ou outro equipamento equivalente, não aplainadas

Confira algumas perguntas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Como deve ser feita a classificação visual das madeiras?

Quais são as classes de resistência da madeira serrada de coníferas?

Qual é a variação das propriedades de resistência da madeira?

Como deve ser calculada a umidade de equilíbrio para as capitais do Brasil?

Para os efeitos desta parte da NBR 16996, a madeira serrada destinada à construção civil deve estar vinculada à suas medidas nominais, a um teor de umidade de 12%, seca mecanicamente em estufa (KD - Kiln-Drying) e 20 % seca ao ar (AD – Air-Dried). Pode haver variação destes limites em até 2%.

Para a padronização das dimensões, com base no estabelecido na Seção 4, as dimensões padronizadas de peças de madeira serrada de coníferas, para efeitos de comercialização, devem ser conforme o estabelecido na tabela abaixo.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

Os acordos de comercialização de peças de madeira serrada de coníferas, de padrões que não contemplem os estabelecidos na tabela acima, devem ser acordados e especificados em contrato. Para as tolerâncias, a um teor de umidade igual a 12%, é permitida sobremedida. A um teor de umidade superior a 20%, as variações e redução das medidas nominais de largura e espessura devem seguir as recomendações para a madeira seca mecanicamente, a 12%, a fim de compensarem as contrações decorrentes do processo de secagem.

Quando a madeira for comercializada a um teor de umidade maior que os teores determinados nessa parte da NBR 16996, convém que sejam seguidas as recomendações apresentadas no Anexo A. Quando a madeira for comercializada a um teor de umidade diferente do estabelecido nesta parte da NBR 16996, as dimensões nominais das peças e respectivas tolerâncias devem ser especificadas em contrato.

A madeira deve ser serrada de modo a atender às medidas nominais, conforme especificado em contrato, no entanto, alguns desbitolamentos são permitidos em no máximo 5% das peças de um lote e de acordo com as tolerâncias apresentadas nessa norma.

O desbitolamento das peças de madeira serrada de coníferas deve ser medido conforme a NBR 16864-2. 5.2.6 Não são permitidas peças com dimensões inferiores à nominal. Todas as peças que não atenderem a este requisito devem ser consideradas rejeitadas.

Em um lote podem ocorrer no máximo 5% de peças fora das tolerâncias estabelecidas na tabela acima. Caso contrário, o lote deve ser rejeitado. Caso a inspeção tenha sido realizada por amostragem e o lote tenha sido rejeitado, pode ser realizada uma segunda inspeção. Caso persista a rejeição, o lote deve ser considerado não aceito e não conforme.

Para o preparo da madeira, a qualidade de um lote de madeira serrada deve estar diretamente relacionada com o nível de controle das operações sucessivas nas fases de preparo da madeira. Na industrialização e esquadrejamento, a madeira serrada, quando obtidas as dimensões nominais e o seu teor de umidade, deve ser 12% seca mecanicamente em estufa ou 20% seca ao ar.

As extremidades (topos) devem ser transversais ao eixo longitudinal da peça. Para o tratamento preventivo contra o ataque de fungos e insetos, a madeira, como todo material construtivo orgânico, dependendo da condição de uso, pode necessitar de realização de tratamento específico para obtenção do melhor desempenho quanto à resistência aos agentes biodeterioradores, como fungos e insetos xilófagos.

Deve-se consultar a NBR 16143 para a tomada de decisão quanto ao tratamento preservativo para aumento da durabilidade da peça. Para a padronização dos lotes, em um mesmo lote devem ser permitidas peças com comprimentos diferentes. Quando um lote possuir peças com comprimentos e/ou larguras nominais diferentes, pode-se especificar em contrato as dimensões (comprimento e/ou largura nominais) médias desse lote, que devem ser calculadas da seguinte forma: o comprimento médio é a soma dos comprimentos nominais de todas as peças, dividida pelo número total de peças; a largura média é a soma das larguras nominais de todas as peças, dividida pelo número total de peças.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Madeira - Determinação da densidade aparente de cavacos
NBR14984 de 09/2003

Madeira - Determinação da densidade aparente de cavacos

Chapa dura de fibra de madeira — Requisitos e métodos de ensaio
NBR10024 de 09/2012

Chapa dura de fibra de madeira — Requisitos e métodos de ensaio

Projeto de estruturas de madeira
NBR7190 de 06/2022

Projeto de estruturas de madeira

Madeira serrada de coníferas provenientes de reflorestamento para uso geral - Classificação
NBR11700 de 12/1991

Madeira serrada de coníferas provenientes de reflorestamento para uso geral - Classificação

Painéis de fibras de média densidade - Parte 2: Requisitos e métodos de ensaio
NBR15316-2 de 02/2019

Painéis de fibras de média densidade - Parte 2: Requisitos e métodos de ensaio

Madeira compensada - Classificação pela aparência superficial - Parte 3: Coníferas
NBRISO2426-3 de 12/2006

Madeira compensada - Classificação pela aparência superficial - Parte 3: Coníferas

Máquinas para trabalhar madeira — Segurança - Parte 5: Serra dimensional
NBRISO19085-5 de 07/2020

Máquinas para trabalhar madeira — Segurança - Parte 5: Serra dimensional

Madeira serrada - Construção civil - Parte 1: Coníferas
NBR16996-1 de 09/2021

Madeira serrada - Construção civil - Parte 1: Coníferas

Preservação de madeiras — Sistema de categorias de uso
NBR16143 de 01/2013

Preservação de madeiras — Sistema de categorias de uso

Peças roliças preservadas de eucalipto para construções rurais - Requisitos
NBR9480 de 05/2009

Peças roliças preservadas de eucalipto para construções rurais - Requisitos

Peças de madeira serrada - Dimensões
NBR14807 de 02/2002

Peças de madeira serrada - Dimensões

Madeira serrada de coníferas provenientes de reflorestamento, para uso geral - Inspeção e recebimento
NBR11869 de 04/2017

Madeira serrada de coníferas provenientes de reflorestamento, para uso geral - Inspeção e recebimento

Madeira - Determinação do teor de umidade de cavacos - Método por secagem em estufa
NBR14929 de 04/2017

Madeira - Determinação do teor de umidade de cavacos - Método por secagem em estufa

Portas de madeira para edificações - Parte 2: Requisitos
NBR15930-2 de 07/2018

Portas de madeira para edificações - Parte 2: Requisitos

Madeira - Determinação do material solúvel em hidróxido de sódio a 1%
NBR7990 de 02/2010

Madeira - Determinação do material solúvel em hidróxido de sódio a 1%

Dormentes de madeira — Requisitos e métodos de ensaio
NBR7511 de 04/2013

Dormentes de madeira — Requisitos e métodos de ensaio

Madeira serrada - Terminologia
NBR12551 de 02/2002

Madeira serrada - Terminologia

Portas de madeira para edificações - Parte 3: Requisitos de desempenho adicionais
NBR15930-3 de 01/2022

Portas de madeira para edificações - Parte 3: Requisitos de desempenho adicionais

Madeira compensada - Classificação pela aparência superficial - Parte 2: Folhosas
NBRISO2426-2 de 12/2006

Madeira compensada - Classificação pela aparência superficial - Parte 2: Folhosas

Manuseio, movimentação, transporte externo e estocagem de embalagens de madeira para isoladores — Procedimento
NBR8604 de 03/2011

Manuseio, movimentação, transporte externo e estocagem de embalagens de madeira para isoladores — Procedimento

Madeira compensada - Classificação pela aparência superficial - Parte 1: Geral
NBRISO2426-1 de 12/2006

Madeira compensada - Classificação pela aparência superficial - Parte 1: Geral

Painéis de fibras de média densidade - Parte 1: Terminologia
NBR15316-1 de 04/2014

Painéis de fibras de média densidade - Parte 1: Terminologia

Madeira - Determinação do material solúvel em etanol-tolueno e em diclorometano e em acetona
NBR14853 de 02/2010

Madeira - Determinação do material solúvel em etanol-tolueno e em diclorometano e em acetona

Madeira serrada de folhosas — Defeitos — Classificação
NBRISO2299 de 09/2010

Madeira serrada de folhosas — Defeitos — Classificação

Madeira serrada de eucalipto - Requisitos
NBR14806 de 02/2002

Madeira serrada de eucalipto - Requisitos

Madeira serrada de coníferas — Defeitos — Medição
NBRISO1030 de 09/2010

Madeira serrada de coníferas — Defeitos — Medição

Madeira serrada e beneficiada
NBR7203 de 02/1982

Madeira serrada e beneficiada

Madeira serrada de coníferas provenientes de reflorestamento, para uso geral - Medição e quantificação de defeitos - Procedimento
NBR12297 de 10/1991

Madeira serrada de coníferas provenientes de reflorestamento, para uso geral - Medição e quantificação de defeitos - Procedimento

Máquinas para trabalhar madeira - Segurança - Parte 1: Requisitos comuns
NBRISO19085-1 de 10/2018

Máquinas para trabalhar madeira - Segurança - Parte 1: Requisitos comuns

Madeira - Determinação da densidade básica
NBR11941 de 03/2003

Madeira - Determinação da densidade básica

Máquinas para trabalhar madeira — Segurança - Parte 2: Máquinas de serra circular com mesa horizontal
NBRISO19085-2 de 03/2020

Máquinas para trabalhar madeira — Segurança - Parte 2: Máquinas de serra circular com mesa horizontal

Madeira serrada de coníferas provenientes de reflorestamento, para uso geral - Requisitos
NBR12498 de 08/2017

Madeira serrada de coníferas provenientes de reflorestamento, para uso geral - Requisitos

Portas de madeira para edificações - Parte 1: Terminologia e simbologia
NBR15930-1 de 11/2011

Portas de madeira para edificações - Parte 1: Terminologia e simbologia