Text page

O ensaio por correntes parasitas para as descontinuidades em materiais metálicos

Qual é o exemplo de padrão de referência para detecção e dimensionamento de trinca em material ferrítico revestido? Como executar a medição de espessura de revestimentos? Como deve ser feita a detecção de descontinuidades subsuperficiais? Para a execução do ensaio, como deve ser a condição da superfície? Essas perguntas estão sendo respondidas na NBR 16979 de 06/2021 - Ensaios não destrutivos - Correntes parasitas - Detecção e dimensionamento de descontinuidades superficiais e subsuperficiais em materiais metálicos.

25/08/2021 - Equipe Target

NBR 16979 de 06/2021 - Ensaios não destrutivos - Correntes parasitas - Detecção e dimensionamento de descontinuidades superficiais e subsuperficiais em materiais metálicos

A NBR 16979 de 06/2021 - Ensaios não destrutivos - Correntes parasitas - Detecção e dimensionamento de descontinuidades superficiais e subsuperficiais em materiais metálicos estabelece as técnicas para a execução do ensaio por correntes parasitas para a detecção e dimensionamento de descontinuidades superficiais e subsuperficiais (próximo da superfície) em materiais metálicos, inclusive suas juntas soldadas. Essas técnicas podem ser aplicadas sobre superfícies não revestidas e revestidas (não condutoras e não magnéticas), durante a fabricação e também para ensaio de equipamentos em uso. Essa norma também estabelece o procedimento para medição da espessura de camadas não condutoras e não magnéticas.

Confira algumas perguntas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Qual é o exemplo de padrão de referência para detecção e dimensionamento de trinca em material ferrítico revestido?

Como executar a medição de espessura de revestimentos?

Como deve ser feita a detecção de descontinuidades subsuperficiais?

Para a execução do ensaio, como deve ser a condição da superfície?

O procedimento deve ser concebido e qualificado para atender ao requerido pela seção do código de referência ou para detecção e dimensionamento das descontinuidades esperadas em equipamentos em uso. O ensaio por correntes parasitas deve ser executado conforme o procedimento escrito que deve no mínimo conter os requisitos listados na tabela abaixo. O procedimento escrito deve estabelecer valores ou faixas de valores para cada um dos requisitos.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

Os procedimentos devem ser qualificados por demonstração, para atender aos requisitos de um código de referência, ou para detecção e dimensionamento de descontinuidades em equipamentos em uso. Uma alteração de variável no procedimento requer uma revisão ou adendo. No caso de alteração de uma variável essencial, o procedimento deve ser requalificado.

O usuário é responsável por atribuir o ensaio por correntes parasitas a profissionais qualificados de acordo com os requisitos das normas e códigos aplicáveis à situação. A qualificação de pessoal deve estar de acordo com a NBR NM ISO 9712 ou com uma norma equivalente apropriada ao nível requerido nos setores industriais relevantes.

O procedimento deve ser demonstrado nos corpos de prova e padrões de referência adotados para detecção e dimensionamento das descontinuidades reais esperadas. Se a execução do ensaio derivar da exigência de um código, o procedimento deve ser demonstrado de acordo com os requisitos da seção correspondente do código referenciado.

O aparelho de correntes parasitas deve possuir as seguintes características principais: armazenar, medir e apresentar a fase e a amplitude do sinal no plano de impedância; ter faixa de frequência do aparelho que permita uma adequada penetração no material que está sendo ensaiado; incluir recursos de congelamento do sinal na tela até que seja apagado pelo operador; ter sinal claramente visível em qualquer condição de iluminação esperada durante o ensaio; possuir controle de rotação de fase do sinal, em degraus não maiores que 10° e permitir a rotação total do sinal de 0º a 360º.

As sondas selecionadas para o ensaio devem ser capazes de no mínimo atender ao seguinte: detectar e dimensionar todas as descontinuidades artificiais dos padrões de referência e corpos de prova, representativas das descontinuidades esperadas no ensaio; ser capaz, junto com o cabo e o aparelho, na frequência definida, de apresentar a descontinuidade de menor profundidade, com altura correspondente a pelo menos 10% da altura da tela, com a mesma configuração; a amplitude do sinal correspondente à descontinuidade mais profunda deve ocupar pelos menos 50% da tela e ter relação sinal-ruído maior que 3; considerar a geometria do local a ser ensaiado e as dimensões da sonda, permitindo o acoplamento adequado a todas as superfícies a serem ensaiadas.

Os cabos que conectam o aparelho e a sonda devem ser projetados e montados para operar com estes componentes. Os cabos extensores podem ser utilizados entre a sonda e o aparelho, se a função sensibilidade e resolução do sistema como um todo for preservada.

Os itens do sistema de medição que devem ser periodicamente calibrados são os padrões de referência realizados por laboratórios que atendem aos requisitos da NBR ISO/IEC 17025. A periodicidade de calibração dos instrumentos de medição e dos padrões de referências depende da frequência e das condições de utilização. Recomenda-se que a periodicidade de calibração atenda ao especificado na NBR ISO 10012.

Qualquer avaria observada nos padrões de referência implica na necessidade de nova calibração, independentemente da periodicidade estabelecida. Os padrões de referência devem atender ao seguinte: ser fabricados com o mesmo tipo de material (propriedades eletromagnéticas) do componente a ser ensaiado; ser representativos das condições do ensaio (material, descontinuidades, geometria, etc.); possuir descontinuidades naturais ou artificiais representativas daquelas que são esperadas.

A forma do componente e o acesso da sonda às áreas de interesse sendo ensaiadas podem influenciar a sensibilidade do ensaio. Geometrias complexas, como juntas cruciformes ou chapas de reforço, devem ser ensaiadas considerando, além do acesso às superfícies de interesse, também a orientação relativa das descontinuidades.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Ensaios não destrutivos - Exame por correntes parasitas de produtos tubulares de aço, usando saturação magnética
NM263 de 11/2001

Ensaios não destrutivos - Exame por correntes parasitas de produtos tubulares de aço, usando saturação magnética

Ensaios não destrutivos — Correntes parasitas — Tubos não ferromagnéticos instalados em trocadores de calor
NBR15193 de 08/2020

Ensaios não destrutivos — Correntes parasitas — Tubos não ferromagnéticos instalados em trocadores de calor

Requisitos gerais para a competência de laboratórios de ensaio e calibração
NBRISO/IEC17025 de 12/2017

Requisitos gerais para a competência de laboratórios de ensaio e calibração

Ensaios não destrutivos - Correntes parasitas - Procedimento para inspeção de tubos de aço utilizando saturação magnética
NBR8860 de 11/2008

Ensaios não destrutivos - Correntes parasitas - Procedimento para inspeção de tubos de aço utilizando saturação magnética

Ensaios não destrutivos - Correntes parasitas - Procedimento de ensaio para o setor aeronáutico
NBR15548 de 01/2008

Ensaios não destrutivos - Correntes parasitas - Procedimento de ensaio para o setor aeronáutico

Ensaios não destrutivos - Correntes parasitas - Terminologia
NBRNM316 de 06/2007

Ensaios não destrutivos - Correntes parasitas - Terminologia

Ensaios não destrutivos — Correntes parasitas — Ensaio por campo remoto em tubos ferromagnéticos instalados em trocadores de calor
NBR15246 de 07/2012

Ensaios não destrutivos — Correntes parasitas — Ensaio por campo remoto em tubos ferromagnéticos instalados em trocadores de calor

Ensaios não destrutivos - Correntes parasitas - Detecção e dimensionamento de descontinuidades superficiais e subsuperficiais em materiais metálicos
NBR16979 de 06/2021

Ensaios não destrutivos - Correntes parasitas - Detecção e dimensionamento de descontinuidades superficiais e subsuperficiais em materiais metálicos

Ensaios não-destrutivos - Correntes parasitas - Detecção de descontinuidades por correntes parasitas (Eddy Current) de tubos de aço inoxidável austenítico e ligas similares
NBR8861 de 05/2009

Ensaios não-destrutivos - Correntes parasitas - Detecção de descontinuidades por correntes parasitas (Eddy Current) de tubos de aço inoxidável austenítico e ligas similares