Text page

A conformidade das chapas cimentícias reforçadas com elementos não metálicos

Quais são os símbolos, abreviaturas e unidades usadas nessa norma? Quais são os ensaios de aceitação das chapas cimentícias? Quais são os ensaios de tipo das chapas cimentícias? Como deve ser executada a medida do esquadro das chapas? Essas dúvidas estão sendo dirimidas na NBR 15498 de 05/2021 - Chapas cimentícias reforçadas com fios, fibras, filamentos ou telas - Requisitos e métodos de ensaio.

16/06/2021 - Equipe Target

NBR 15498 de 05/2021 - Chapas cimentícias reforçadas com fios, fibras, filamentos ou telas - Requisitos e métodos de ensaio

A NBR 15498 de 05/2021 - Chapas cimentícias reforçadas com fios, fibras, filamentos ou telas - Requisitos e métodos de ensaio estabelece os requisitos e os métodos de ensaio, assim como os critérios de aceitação das chapas cimentícias reforçadas com elementos não metálicos como fios, fibras, filamentos ou telas. Não se aplica a produtos contendo amianto, gesso ou concreto. A chapa cimentícia é um produto resultante de processamento industrial de cimento Portland ou outros ligantes hidráulicos, agregados, adições ou aditivos com reforço de fibras, fios, filamentos ou telas, com exceção de fibras de amianto.

Confira algumas questões relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais são os símbolos, abreviaturas e unidades usadas nessa norma?

Quais são os ensaios de aceitação das chapas cimentícias?

Quais são os ensaios de tipo das chapas cimentícias?

Como deve ser executada a medida do esquadro das chapas?

As chapas cimentícias contempladas por esta norma são classificadas conforme a descrição a seguir. Independentemente da categoria, as chapas cimentícias devem ser armazenadas, manuseadas e instaladas conforme instruções do fabricante.

O fabricante deve indicar no produto sua categoria. As categorias indicadas são referentes ao uso interno ou externo. Para especificação de projeto o projetista deve levar em conta todos os requisitos da chapa cimentícia.

As chapas da categoria A podem ser fornecidas revestidas ou não revestidas. Os materiais utilizados para revestimento das chapas cimentícias não estão no escopo desta norma. A categoria A envolve as chapas para aplicações externas, sujeitas à ação direta das intempéries, como sol, chuva, congelamento ou neve. A da categoria B envolve as chapas para aplicações externas, não expostas à ação direta de intempéries, podendo ficar expostas à umidade, calor e eventual congelamento. Na categoria C são incluídas as chapas para aplicações internas, como paredes internas, pisos, forros e substratos, podendo ficar exposta ao calor e à umidade, mas não ao congelamento. A tabela abaixo apresenta exemplos de aplicações conforme categoria.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

As dimensões de comprimento e largura devem ser declaradas pelo fabricante. As chapas cimentícias são fornecidas em espessuras nominais de até 40 mm. As espessuras superiores não são abrangidas por esta norma. As características mecânicas e físicas são determinadas no produto pronto.

O estado de equilíbrio é obtido mantendo os corpos de prova em atmosfera controlada com temperatura de (23 ± 5) °C e umidade relativa de (50 ± 20) %, estocados de modo que todas as faces sejam corretamente ventiladas. Os produtos devem ser mantidos nesta condição até que se obtenha duas medições sucessivas, com intervalo de 24 h, com variação de massa inferior a 5% entre elas.

A resistência à tração na flexão das chapas, obtida por meio do ensaio indicado nessa norma, deve atender aos valores indicados na tabela abaixo. Essa resistência é a média dos valores obtidos das amostras ensaiadas nas duas direções. A resistência à tração na flexão das chapas na direção de menor resistência não pode ser menor que 70% do valor especificado na tabela abaixo.

As especificações das resistências das chapas das categorias A e B correspondem à condição saturada e as amostras devem ser ensaiadas saturadas. As especificações das resistências das chapas da categoria C correspondem à condição de equilíbrio e as amostras devem ser ensaiadas na condição de equilíbrio.

O fabricante deve indicar as resistências médias à tração na flexão de cada uma das direções principais da chapa, determinadas de acordo com o método indicado nessa norma. Os métodos de amostragem e de controle são os mesmos utilizados para a classificação da tabela abaixo.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

A densidade aparente e a absorção de água das chapas devem ser especificadas na documentação do fabricante e determinadas conforme essa norma. Os ensaios de tipo devem ser executados sobre produtos prontos para utilização. Se o ensaio ocorrer sobre produtos revestidos, isto deve ser mencionado no relatório.

Os ensaios de tipo devem ser realizados para demonstrar a conformidade das chapas cimentícias com os requisitos desta norma, no caso de aprovação de um novo produto ou quando uma mudança fundamental for feita na formulação ou no método de fabricação, cujos efeitos não podem ser previstos de acordo em experiências anteriores. Entende-se como mudança fundamental: introdução ou supressão de insumos; alteração relevante de dosagem de insumos da formulação; alteração relevante do processo de manufatura. O ensaio de tipo não é aplicável para aceitação de lote de produção.

Quanto à resistência à tração na flexão, quando as chapas forem ensaiadas como indicado nessa norma, no estado de equilíbrio e no estado saturado, as resistências à tração na flexão conforme 6.2.2 de cada produto pronto devem atender aos valores especificados na tabela acima para a classe apropriada. Os valores de módulo de elasticidade em chapas devem ser informados pelo fabricante nas especificações do produto, conforme método de ensaio indicado nessa norma.

Para a permeabilidade, nas chapas ensaiadas como indicado em 9.2.2, podem aparecer traços de umidade na face inferior das chapas, mas em nenhum caso deve haver formação de gotas de água nessa face. Isto não se aplica para chapas com acabamento ou revestidas. Para o envelhecimento acelerado por imersão em água quente, nas chapas ensaiadas como indicado em 9.2.3, o limite Li do resultado médio indicado em 9.2.3.4 deve ser superior a 0,70.

No envelhecimento acelerado por imersão/secagem, nas chapas ensaiadas como indicado em 9.2.4, o limite Li do resultado médio indicado em 9.2.4.4, deve ser superior a 0,70. No caso da categoria A devem ser realizados 50 ciclos e para categoria B e C 25 ciclos.

Para o ensaio de reação ao fogo, as chapas cimentícias devem ser ensaiadas conforme a ISO 1182 para a verificação de sua incombustibilidade. Se o resultado conforme a ISO 1182 mostrar que são combustíveis, as chapas devem ser ensaiadas conforme a NBR 9442, para determinação do índice superficial de propagação de chamas, e conforme ASTM E662, para determinação da densidade ótica específica de fumaça. Esses resultados devem ser disponibilizados pelo fabricante.

Os valores de variação dimensional por umidade medidos em chapas submetidas a saturação por imersão e secas em estufas devem ser informados pelo fabricante nas especificações do produto, conforme método de ensaio indicado nessa norma. Os ensaios de tipo devem ser efetuados sobre o produto pronto. Os ensaios de tipo devem demonstrar a conformidade do produto às prescrições, mas não são requisitos de aceitação para cada lote.

Quando os ensaios de tipo forem efetuados, os produtos devem ser igualmente submetidos aos ensaios de aceitação, a fim de observar a conformidade aos requisitos desta norma. Recomenda-se a realização dos ensaios de tipo a cada cinco anos, mesmo que não se verifiquem modificações nos insumos ou no processo produtivo.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Edificações habitacionais - Desempenho - Parte 1-1: Base-padrão de arquivos climáticos para a avaliação do desempenho térmico por meio do procedimento de simulação computacional
TR15575-1-1 de 03/2021

Edificações habitacionais - Desempenho - Parte 1-1: Base-padrão de arquivos climáticos para a avaliação do desempenho térmico por meio do procedimento de simulação computacional

Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos
NBR9050 de 08/2020

Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 6: Requisitos para os sistemas hidrossanitários
NBR15575-6 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 6: Requisitos para os sistemas hidrossanitários

Desempenho térmico de edificações - Parte 2 – Componentes e elementos construtivos das edificações — Resistência e transmitância térmica — Métodos de cálculo (ISO 6946:2017 MOD)
NBR15220-2 de 02/2022

Desempenho térmico de edificações - Parte 2 – Componentes e elementos construtivos das edificações — Resistência e transmitância térmica — Métodos de cálculo (ISO 6946:2017 MOD)

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 5: Requisitos para os sistemas de coberturas
NBR15575-5 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 5: Requisitos para os sistemas de coberturas

Treinamento on-line da versão comentada da Norma para Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos, com mais de 400 minutos em vídeo aulas e 91 páginas de comentários elaborados pelo engenheiro Eduardo Daniel
NBRISO9001 - CURSO E COMENTADA de 09/2015

Treinamento on-line da versão comentada da Norma para Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos, com mais de 400 minutos em vídeo aulas e 91 páginas de comentários elaborados pelo engenheiro Eduardo Daniel

Ensaio de reação ao fogo em pisos — Determinação do comportamento com relação à queima utilizando uma fonte radiante de calor
NBR8660 de 02/2013

Ensaio de reação ao fogo em pisos — Determinação do comportamento com relação à queima utilizando uma fonte radiante de calor

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 3: Requisitos para os sistemas de pisos
NBR15575-3 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 3: Requisitos para os sistemas de pisos

Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
NBR5426 de 01/1985

Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos

Desempenho térmico de edificações - Parte 5: Medição da resistência térmica e da condutividade térmica pelo método fluximétrico
NBR15220-5 de 04/2005

Desempenho térmico de edificações - Parte 5: Medição da resistência térmica e da condutividade térmica pelo método fluximétrico

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 1: Requisitos gerais
NBR15575-1 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 1: Requisitos gerais

Exigências de resistência ao fogo de elementos construtivos de edificações - Procedimento
NBR14432 de 11/2001

Exigências de resistência ao fogo de elementos construtivos de edificações - Procedimento

Desempenho térmico de edificações - Parte 4: Medição da resistência térmica e da condutividade térmica pelo princípio da placa quente protegida
NBR15220-4 de 04/2005

Desempenho térmico de edificações - Parte 4: Medição da resistência térmica e da condutividade térmica pelo princípio da placa quente protegida

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 2: Requisitos para os sistemas estruturais
NBR15575-2 de 02/2013

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 2: Requisitos para os sistemas estruturais

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 4: Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas — SVVIE
NBR15575-4 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 4: Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas — SVVIE

Materiais de construção - Determinação do índice de propagação superficial de chama pelo método do painel radiante
NBR9442 de 08/2019

Materiais de construção - Determinação do índice de propagação superficial de chama pelo método do painel radiante

Desempenho térmico de edificações - Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social
NBR15220-3 de 04/2005

Desempenho térmico de edificações - Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social

Desempenho térmico de edificações - Parte 1: Definições, símbolos e unidades
NBR15220-1 de 04/2005

Desempenho térmico de edificações - Parte 1: Definições, símbolos e unidades

Chapas cimentícias reforçadas com fios, fibras, filamentos ou telas - Requisitos e métodos de ensaio
NBR15498 de 05/2021

Chapas cimentícias reforçadas com fios, fibras, filamentos ou telas - Requisitos e métodos de ensaio