Text page

A amostragem dos líquidos isolantes

O que é um amostrador manual a vácuo? Como podem ser os frascos de amostragem? Como deve ser feita a limpeza dos dispositivos e recipientes de amostragem? Quais são os recipientes de amostragem apropriados para ensaios em líquidos isolantes? Essas indagações estão sendo exibidas na NBR 8840 de 04/2021 - Amostragem de líquidos isolantes - Requisitos.

12/05/2021 - Equipe Target

NBR 8840 de 04/2021 - Amostragem de líquidos isolantes – Requisitos

A NBR 8840 de 04/2021 - Amostragem de líquidos isolantes - Requisitos especifica os requisitos para amostragem de líquidos isolantes elétricos, estando estes em tambores, tanques, em bolsas flexíveis ou em equipamentos elétricos isolados a óleo.

Acesse algumas indagações relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

O que é um amostrador manual a vácuo?

Como podem ser os frascos de amostragem?

Como deve ser feita a limpeza dos dispositivos e recipientes de amostragem?

Quais são os recipientes de amostragem apropriados para ensaios em líquidos isolantes?

Os procedimentos de amostragem de líquidos isolantes são muito importantes para assegurar a confiabilidade dos ensaios e, por consequência, a emissão de laudos confiáveis. Uma retirada de amostra de líquido isolante realizada sem os devidos cuidados implica em retrabalhos, maiores custos, etc.

Esta norma abrange todas as etapas, desde a limpeza e esterilização dos materiais utilizados na retirada, até os tipos de frascos, seringas e outros dispositivos utilizados, bem como os procedimentos adequados para a garantia da confiabilidade das análises das amostras no laboratório. No caso em que o transporte de líquidos isolantes seja realizado por meio de tambores, tanques e carretas-tanque, as amostras de líquido isolante devem ser retiradas, preferencialmente, da parte inferior, onde há a possibilidade de haver contaminação, provavelmente mais concentrada. Na tabela abaixo estão representados os dispositivos de amostragem a serem utilizados em cada tipo de local de amostragem, bem como o tipo de amostragem que deve ser realizado em cada caso.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

Durante a retirada das amostras, todas as precauções possíveis devem ser tomadas para não contaminar os líquidos isolantes com umidade e materiais particulados. A amostragem de líquidos isolantes em locais com umidade relativa superior a 70% deve ser evitada.

Quando a amostragem for realizada ao ar livre, a retirada das amostras deve ser evitada em dias chuvosos. Em caso de ventania, deve ser utilizado um anteparo ou dispositivo similar para proteger a retirada da amostra de contaminações externas.

Para amostragem em locais que apresentem muita sujidade, os cuidados no momento da amostragem devem ser redobrados, com a finalidade de evitar o risco de contaminação por materiais particulados, podendo afetar os resultados finais no momento das análises do líquido isolante. Para evitar qualquer tipo de condensação, deve ser assegurado que os dispositivos de amostragem a serem utilizados para as retiradas das amostras estejam na temperatura ambiente ou superior.

Antes do início da amostragem, os dispositivos devem ser lavados com o próprio líquido isolante a ser amostrado. O operador não pode tocar a superfície dos dispositivos de amostragem sem o uso de luvas nitrílicas, bem como deve evitar o contato da pele com os líquidos isolantes a serem retirados.

As amostras de líquidos isolantes devem ser protegidas contra a exposição à luz durante o transporte e a armazenagem. O procedimento de limpeza do frasco com o líquido isolante pode ser desconsiderado caso os responsáveis pela amostragem garantam a integridade da limpeza do recipiente de retirada.

As amostras de gás do relé Buchholz, para realização de análise cromatográfica, devem ser coletadas com o equipamento desenergizado. Devido ao fato de que os resultados dos ensaios são afetados pelas impurezas contidas nas amostras, as seguintes precauções devem ser observadas: os dispositivos de amostragem utilizados para retirada de amostras devem ser destinados exclusivamente a cada tipo de líquido isolante; deve ser assegurado que as vedações e as mangueiras dos dispositivos de amostragem utilizados sejam compatíveis com os tipos de líquidos isolantes a serem retirados; os dispositivos de amostragem devem ser limpos e secos, conforme descrito na Seção 5.

Particular atenção deve ser dada para evitar a presença de impurezas sólidas nos dispositivos, como poeira, fibras, etc. Dois tipos de sondas para a retirada de amostras estão descritos e ilustrados nas Figuras 1 e 2 na norma. Aço inoxidável e alumínio são materiais adequados para estes dispositivos de amostragem.

O amostrador de profundidade, mostrado na Figura 1 da norma, é indicado para a retirada de amostras do fundo de um tanque distante 1 cm a 2 cm do fundo. Este dispositivo deve ser confeccionado com tubos e conexões de aço inoxidável ou de alumínio, usinados em toda a sua extensão. Deve também ser suficientemente pesado para afundar no líquido, suspenso por um cabo ou corrente de aço.

Não podem ser utilizados cordas ou outros materiais fibrosos. Este tipo de amostrador possui uma haste no eixo da válvula que abre automaticamente quando a haste atinge o fundo do tanque. A amostra entra no recipiente pela válvula de fundo e o ar é liberado simultaneamente pela abertura da válvula de topo. As válvulas se fecham quando o amostrador é removido. O amostrador de superfície é indicado para a retirada de amostras da parte superior de um tanque ou tambor.

Este dispositivo deve ser confeccionado com tubos e conexões de aço inoxidável ou de alumínio, usinados em toda a sua extensão. Não podem ser utilizados cordas ou outros materiais fibrosos. A amostragem de líquido isolante em equipamentos elétricos deve ter atenção particular, e devem ser seguidos os cuidados relacionados à segurança durante a retirada da amostra.

Recomenda-se que seja feita a leitura da ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) antes da amostragem. No caso de equipamento elétrico energizado, verificar se o líquido isolante no interior deste equipamento não está sob pressão negativa, antes da retirada da amostra. Durante a amostragem, a pressão negativa pode introduzir bolhas de ar no líquido isolante, podendo provocar falha no equipamento elétrico, e colocar em perigo o profissional que está coletando a amostra.

Durante a retirada de amostra, cuidados devem ser tomados para assegurar a proteção contra a liberação súbita de líquido isolante, evitando acidentes e derramamentos. A retirada de amostra representativa é de fundamental importância para se obter uma avaliação confiável da condição operacional do equipamento elétrico. No caso de uma amostragem inadequada, até mesmo os métodos analíticos mais modernos não são capazes de fornecer resultados que indiquem com segurança a qualidade do líquido isolante do equipamento.

As retiradas de amostras devem ser sempre realizadas por profissionais devidamente capacitados. Todos os equipamentos de proteção individual (EPI) que constam na FISPQ do líquido isolante devem ser utilizados. Os métodos de retirada de amostras descritos nesta norma são indicados para os equipamentos com grandes volumes de líquido isolante, como transformadores de força.

Mesmo assim é sempre muito importante observar o nível de líquido isolante no equipamento antes de realizar a amostragem, pois em caso de nível abaixo do mínimo existe o risco de, entre outras coisas, atuação indevida do relé de proteção do equipamento. No caso de equipamentos com pequenos volumes de líquido isolante, é essencial assegurar que o volume de líquido isolante coletado não coloque em risco a operação do equipamento

No caso da amostragem do líquido isolante de buchas, transformadores de instrumentos, transformadores de corrente (TC), transformadores de potencial (TP) ou cabos, as instruções do fabricante do equipamento devem ser seguidas com cuidado. Caso contrário, sérios danos ou falhas podem ser provocados nos equipamentos.

A retirada de amostras de líquido isolante nestes equipamentos elétricos deve ser realizada somente com os equipamentos desenergizados. Durante a amostragem, cuidados devem ser tomados para evitar uma possível liberação súbita de líquido isolante. Para a determinação do teor de água no líquido isolante, a retirada da amostra deve ser realizada, preferencialmente, nos dias com umidade relativa do ar inferior a 70%, para evitar a condensação de umidade sobre a superfície dos dispositivos de amostragem e a possível contaminação da amostra.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Óleo mineral isolante - Determinação da tensão interfacial de óleo-água pelo método do anel - Método de ensaio
NBR6234 de 01/2015

Óleo mineral isolante - Determinação da tensão interfacial de óleo-água pelo método do anel - Método de ensaio

Líquidos isolantes elétricos — Determinação do teor de passivador em óleo mineral isolante
NBR16270 de 01/2020

Líquidos isolantes elétricos — Determinação do teor de passivador em óleo mineral isolante

Líquidos isolantes elétricos - Determinação do teor de bifenilas policloradas (PCB)
NBR13882 de 09/2021

Líquidos isolantes elétricos - Determinação do teor de bifenilas policloradas (PCB)

Líquidos isolantes elétricos - Determinação de enxofre corrosivo
NBR10505 de 05/2017

Líquidos isolantes elétricos - Determinação de enxofre corrosivo

Líquidos isolantes elétricos - Determinação do conteúdo de partículas
NBR14275 de 01/2021

Líquidos isolantes elétricos - Determinação do conteúdo de partículas

Líquido isolante elétrico - Determinação do teor de água - Método coulométrico de Karl Fischer
NBR10710 de 06/2022

Líquido isolante elétrico - Determinação do teor de água - Método coulométrico de Karl Fischer

Líquidos isolantes elétricos - Determinação da rigidez dielétrica (eletrodos de disco)
NBR6869 de 12/1989

Líquidos isolantes elétricos - Determinação da rigidez dielétrica (eletrodos de disco)

Líquidos isolantes sintéticos à base de hidrocarbonetos aromáticos para equipamentos elétricos
NBR16446 de 10/2015

Líquidos isolantes sintéticos à base de hidrocarbonetos aromáticos para equipamentos elétricos

Líquidos isolantes elétricos - Determinação do fator de perdas dielétricas e da permissividade relativa (constante dielétrica) - Método de ensaio
NBR12133 de 12/1991

Líquidos isolantes elétricos - Determinação do fator de perdas dielétricas e da permissividade relativa (constante dielétrica) - Método de ensaio

Amostragem de líquidos isolantes - Requisitos
NBR8840 de 04/2021

Amostragem de líquidos isolantes - Requisitos

Líquidos isolantes — Determinação da rigidez dielétrica à frequência industrial — Método de ensaio
NBRIEC60156 de 08/2019

Líquidos isolantes — Determinação da rigidez dielétrica à frequência industrial — Método de ensaio

Líquidos isolantes elétricos - Determinação do teor de água em materiais celulósicos impregnados com líquidos isolantes
NBR16611 de 08/2017

Líquidos isolantes elétricos - Determinação do teor de água em materiais celulósicos impregnados com líquidos isolantes

Recebimento, armazenagem, instalação e manutenção de transformadores de distribuição até a classe de tensão de 36,2 kV, imersos em líquido isolante
NBR7036 de 02/2022

Recebimento, armazenagem, instalação e manutenção de transformadores de distribuição até a classe de tensão de 36,2 kV, imersos em líquido isolante