Text page

As baterias chumbo-ácido para uso em veículos

Como deve ser as características das amostras e amostragem das baterias? Como deve ser executada a sequência de ensaios? Como deve ser feito o ensaio do consumo de água na bateria regulada por válvula (VRLA)? Como deve ser executado o ensaio de retenção de eletrólito em bateria ventilada ou inundada? Essas indagações estão sendo exibidas na NBR 15940 de 11/2019 - Baterias chumbo-ácido para uso em veículos rodoviários automotores de quatro ou mais rodas - Especificação e métodos de ensaio.

18/12/2019 - Equipe Target

NBR 15940 de 11/2019: as especificações das baterias chumbo-ácido para uso em veículos rodoviários automotores de quatro ou mais rodas

A NBR 15940 de 11/2019 - Baterias chumbo-ácido para uso em veículos rodoviários automotores de quatro ou mais rodas - Especificação e métodos de ensaio é aplicável aos acumuladores chumbo-ácido com tensão nominal de 12 V e 6 V, utilizados principalmente como fonte de energia para partida de iluminação, assim como aos equipamentos auxiliares de veículos com motor de combustão interna. Esses acumuladores são comumente chamados de baterias de arranque ou partida. É aplicável às baterias utilizadas em automóveis, utilitários, caminhões, ônibus, tratores, máquinas agrícolas, terraplenagem, entre outras, exceto trens. Aplica-se também às motocicletas, triciclos e quadriciclos que utilizam baterias com capacidade nominal superior a 30 Ah, em regime de 20 h (C20).

Acesse algumas dúvidas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Como deve ser as características das amostras e amostragem das baterias?

Como deve ser executada a sequência de ensaios?

Como deve ser feito o ensaio do consumo de água na bateria regulada por válvula (VRLA)?

Como deve ser executado o ensaio de retenção de eletrólito em bateria ventilada ou inundada?

As baterias devem ser fornecidas novas e sem uso. As baterias seco-carregado devem ser fornecidas com eletrólito separados em recipiente apropriado. Para baterias fornecidas com eletrólito são consideradas como novas aquelas com tempo máximo de 90 dias a partir da data de fabricação, e para bateria seco-carregada aquelas com tempo máximo de 180 dias a partir da data de fabricação.

Para o produto de fabricação nacional, a bateria deve apresentar, em língua portuguesa e em áreas facilmente visíveis e legíveis, no mínimo as seguintes informações, gravadas em seu corpo ou impressas em rótulos indeléveis, com resistências mecânicas suficientes para suportar o manuseio e intempéries durante toda a sua vida útil: razão social do fabricante; CNPJ do fabricante; endereço do fabricante; denominação comercial (marca); data de fabricação (dia/mês/ano ou semana/ano); tensão nominal, expressa em volts (V); capacidade nominal, expressa em ampères-hora (Ah), a 25 °C, em regime de descarga de 20 h; reserva de capacidade, expressa em minutos (min), a 25°C; corrente de partida a frio (CCA), expressa em ampères (A), a –18 °C; classificação da tecnologia das baterias reguladas por válvulas ou, se for ventilada, usando os seguintes termos claramente expressos: livre de manutenção, baixa manutenção ou com manutenção; advertências sobre riscos à saúde humana e ao meio ambiente; peso líquido, expresso em quilogramas (kg), na forma como a bateria é comercializada, excetuando-se a sua embalagem. No caso de bateria seco-carregada, o peso deve ser verificado na forma como ela é comercializada, ou seja, não ativada e sem eletrólito;

Para o produto de fabricação estrangeira, a bateria deve apresentar, em língua portuguesa e em áreas facilmente visíveis e legíveis, no mínimo as seguintes informações, gravadas em seu corpo ou impressas em rótulos indeléveis, com resistências mecânicas suficientes para suportar o manuseio e intempéries durante toda a sua vida útil: razão social do importador; CNPJ do importador; país de origem; identificação do fabricante; endereço do fabricante; denominação comercial (marca); data de fabricação (dia/mês/ano ou semana/ano); tensão nominal, expressa em volts (V); capacidade nominal, expressa em ampères-hora (Ah), a 25 °C, no regime de descarga de 20 h; reserva de capacidade, expressa em minutos (min), a 25°C; corrente de partida a frio (CCA), expressa em ampères (A) a –18°C; classificação da tecnologia das baterias reguladas por válvulas ou, se for ventilada, usando os seguintes termos claramente expressos: livre de manutenção, baixa manutenção ou com manutenção; advertências sobre riscos à saúde humana e ao meio ambiente; peso líquido, expresso em quilogramas (kg), na forma como a bateria é comercializada, excetuando-se a sua embalagem. No caso de bateria seco-carregada, o peso deve ser verificado na forma como ela é comercializada, ou seja, não ativada e sem eletrólito.

A bateria deve apresentar em seu corpo, gravados de forma impressa ou em rótulos indeléveis em áreas facilmente visíveis, todos os símbolos de segurança citados na NBR 15914. O fabricante ou importador deve fornecer as seguintes informações: instruções de ativação, para o caso de baterias seco carregadas; densidade e volume do eletrólito a ser utilizado para a ativação, no caso de baterias seco carregadas; indicações de manuseio e cuidados especiais; tempo máximo de armazenamento; tensão mínima de circuito aberto para recarga; especificações de recarga.

As seguintes informações são opcionais: tensão-limite de recarga, expressa em volts (V); intervalo de tensão de operação, expressa em volts (V); corrente e tempo de recarga, expressa em ampères (A) e horas (h). As baterias devem ser armazenadas em condições de uso, em local coberto, devidamente protegidas dos raios solares. É recomendado que, no período de armazenamento da bateria, a temperatura média não seja superior a 35°C.

As baterias devem ser dispostas no local de armazenamento de tal forma que não sofram danos ou irregularidades que venham a afetar posteriormente seu desempenho e segurança. A rotatividade do estoque deve ser tal que as primeiras baterias que entrem sejam as primeiras a saírem. A tensão da bateria em estoque deve ser verificada mensalmente.

Em fábrica, a tensão deve ser verificada em uma amostragem previamente determinada. A periodicidade da checagem da tensão da bateria, ou de sua amostragem, e os seus valores devem ser de acordo com o recomendado pelo fabricante. Na ausência das informações acima, a bateria ou amostragem que apresentar tensão inferior a 12,40 V, para baterias ventiladas e 12,60 V, para baterias reguladas por válvulas (VRLA), deve ser considerada como não estando pronta para uso e não pode ser comercializada, devendo ser recarregada.

Para as baterias com tensão nominal de 6 V, os valores de tensão citados em qualquer trecho desta norma devem ser divididos por 2 para a correta adequação do ensaio ou requisito. A capacidade nominal da bateria no regime de 20 h é a quantidade de carga elétrica em ampères-hora (Ah) que a bateria pode fornecer com o seguinte valor de corrente até a tensão final de 10,5 V l20=C20/20, onde l20 é o valor da corrente, expresso em ampères (A); C20 é o valor da capacidade nominal, expresso em ampères-hora (Ah).

A reserva de capacidade é o tempo, expresso em minutos (min), que a bateria deve permanecer em uma descarga de 25 A, até uma tensão final de 10,5 V (ver 8.3). O valor da corrente de partida a frio é a corrente que a bateria deve fornecer a uma temperatura de –18°C por um tempo mínimo de 30 s até uma tensão maior ou igual a 7,2 V (ver 8.4). O consumo de água é determinado por uma razão entre a variação de peso da bateria e a sua capacidade, em gramas por ampères-hora (g/Ah), após a bateria ter sido submetida a um regime de carga, conforme especificado em 8.5.

As baterias devem ser designadas como seco-carregadas se elas ficarem prontas para uso após serem preenchidas com seu eletrólito apropriado, conforme especificado em 7.3 ou segundo o processo de ativação especificado pelo fabricante. Plena carga de bateria regulada por válvulas (VRLA) sob corrente e tensão constantes. A bateria deve ser carregada à tensão constante de (14,40 ± 0,05) V por 20 h, limitando o valor da corrente inicial a um máximo de cinco vezes o valor da corrente utilizada no ensaio de capacidade em regime de 20 h.

Após esta etapa, a bateria deve continuar sendo carregada com um valor de corrente constante igual à metade do valor utilizado no ensaio de capacidade em regime de 20 h por um período de 4 h. A temperatura da bateria deve ser mantida a (25 ± 10) °C. A medição da temperatura deve ser efetuada o mais próximo possível da região central de uma das superfícies laterais externas da caixa.

Se a quantidade de carga elétrica retirada em ampères-hora (Ah) for conhecida, é permitida a recarga de 120% a 130% do valor de carga retirada sob o mesmo regime de carga especificado. O processo de ativação deve ser feito de acordo com o especificado pelo fabricante. O fabricante deve fornecer a solução ou especificar o valor da sua densidade a uma dada temperatura. Cada vaso da bateria deve ser preenchido com o eletrólito que acompanha o produto ou que seja recomendado pelo fabricante.

Frente a nenhuma destas opções, recomenda-se utilizar uma solução de ácido sulfúrico com densidade de (1,28 ± 0,01) kg/L, a 25°C. Deve-se aguardar um período mínimo de 20 min para o uso da bateria, certificando-se que a temperatura esteja abaixo de 30°C. O intervalo de medição para os instrumentos utilizados deve ser apropriado para a magnitude dos parâmetros a serem medidos. A precisão mínima dos equipamentos é aquela especificada na tabela abaixo.


Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

Para o ensaio de consumo de água em bateria ventilada ou inundada, que não se aplica às baterias de tecnologias ventiladas ou inundadas convencionais designadas pelo termo com manutenção. A bateria deve estar à plena carga, conforme 7.2 e com conhecimento prévio do valor de capacidade real em regime de 20 h. A bateria, após ter sido levada à plena carga, deve ser limpa, seca e pesada, registrando seu peso inicial (P1).

O instrumento a ser utilizado neste ensaio deve ter precisão de ± 0,05 % do peso da bateria, ou melhor. A bateria deve ser colocada durante toda a duração do ensaio em um dispositivo que permita manter a temperatura de (40 ± 2) °C. Se a bateria for colocada em um banho de água com temperatura controlada, o nível da água deve estar no mínimo a 15 mm e no máximo a 25 mm abaixo da base dos terminais. Se várias baterias forem colocadas no mesmo banho, a distância entre elas e a parede do banho deve ser no mínimo de 25 mm.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Bateria chumbo-ácida estacionária ventilada - Manutenção
NBR16487 de 12/2016

Bateria chumbo-ácida estacionária ventilada - Manutenção

Células e baterias secundárias contendo eletrólitos alcalino ou outro não-ácido — Guia para designação da corrente em normas de células e baterias secundárias alcalinas
NBRIEC61434 de 01/2016

Células e baterias secundárias contendo eletrólitos alcalino ou outro não-ácido — Guia para designação da corrente em normas de células e baterias secundárias alcalinas

Bateria chumbo-ácida estacionária ventilada - Requisitos de instalação e montagem
NBR16404 de 06/2015

Bateria chumbo-ácida estacionária ventilada - Requisitos de instalação e montagem

Veículos rodoviários automotores — Bateria de partida — Remoção e instalação em veículos de combustão interna ciclo otto e diesel
NBR14482 de 07/2017

Veículos rodoviários automotores — Bateria de partida — Remoção e instalação em veículos de combustão interna ciclo otto e diesel

Baterias chumbo-ácido de pequeno porte do tipo reguladas por válvula — Requisitos gerais, características funcionais e métodos de ensaio
NBR16659 de 04/2020

Baterias chumbo-ácido de pequeno porte do tipo reguladas por válvula — Requisitos gerais, características funcionais e métodos de ensaio

Baterias tipo chumbo-ácido para uso em motocicletas, triciclos e quadriciclos — Simbologia e requisitos de segurança
NBR15916 de 11/2018

Baterias tipo chumbo-ácido para uso em motocicletas, triciclos e quadriciclos — Simbologia e requisitos de segurança

Baterias chumbo-ácido para uso em veículos rodoviários automotores de quatro ou mais rodas - Especificação e métodos de ensaio
NBR15940 de 11/2019

Baterias chumbo-ácido para uso em veículos rodoviários automotores de quatro ou mais rodas - Especificação e métodos de ensaio

Células de lítio-íon secundárias para propulsão de veículos elétricos rodoviários - Parte 2: Ensaios de confiabilidade e abuso
NBRIEC62660-2 de 07/2022

Células de lítio-íon secundárias para propulsão de veículos elétricos rodoviários - Parte 2: Ensaios de confiabilidade e abuso

Baterias chumbo-ácido para veículos automotores - Terminologia
NBR15745 de 08/2009

Baterias chumbo-ácido para veículos automotores - Terminologia

Bateria chumbo-ácida estacionária regulada por válvula - Instalação e montagem
NBR15389 de 08/2006

Bateria chumbo-ácida estacionária regulada por válvula - Instalação e montagem

Acumulador chumbo-ácido estacionário ventilado — Ensaios
NBR14199 de 11/2018

Acumulador chumbo-ácido estacionário ventilado — Ensaios

Baterias chumbo - ácido para motocicletas, triciclos e quadriciclos — Especificação e métodos de ensaios
NBR15941 de 04/2019

Baterias chumbo - ácido para motocicletas, triciclos e quadriciclos — Especificação e métodos de ensaios

Células de lítio-íon secundárias para propulsão de veículos elétricos rodoviários - Parte 1: Ensaios de desempenho
NBRIEC62660-1 de 07/2022

Células de lítio-íon secundárias para propulsão de veículos elétricos rodoviários - Parte 1: Ensaios de desempenho

Baterias tipo chumbo-ácido para uso em veículos automotores de quatro ou mais rodas - Simbologia e requisitos de segurança
NBR15914 de 10/2018

Baterias tipo chumbo-ácido para uso em veículos automotores de quatro ou mais rodas - Simbologia e requisitos de segurança

Acumulador chumbo-ácido estacionário ventilado — Especificação
NBR14197 de 11/2018

Acumulador chumbo-ácido estacionário ventilado — Especificação

Acumulador chumbo-ácido estacionário - Diretrizes para dimensionamento
NBR15254 de 08/2005

Acumulador chumbo-ácido estacionário - Diretrizes para dimensionamento