Text page

Os elementos de vedação com base elastomérica

Como deve ser feito o ensaio de envelhecimento acelerado ao ar? Como deve ser realizada a determinação da deformação por compressão em água quente? Quais são os ensaios para qualificação de elementos de vedação de elastômero para sistemas de abastecimento de água fria? Quais são os ensaios de recebimento de lotes de elementos de vedação de elastômero para instalações e sistemas de abastecimento de água quente? Como deve ser executada a determinação do alívio de tensões sob tração? Esses questionamentos estão sendo mostrados no texto sobre os requisitos dos elementos de vedação com base elastomérica.

22/05/2019 - Equipe Target

NBR 7676 de 04/2019: os requisitos dos elementos de vedação com base elastomérica

A NBR 7676 de 04/2019 - Elementos de vedação com base elastomérica termofixa para tubos, conexões, equipamentos, componentes e acessórios para água, esgotos, drenagem e águas pluviais e água quente - Requisitos especifica os requisitos para fabricação, inspeção e recebimento de elementos de vedação com base elastomérica termofixa, destinados a tubos, conexões, acessórios, componentes e equipamentos para: abastecimento de água potável (até 50 °C); abastecimento de água quente potável e não potável (até 110 °C); sistemas de drenagem, de esgotos e de águas pluviais (regime contínuo até 45 °C e regime intermitente até 95 °C). Os elementos de vedação fabricados com vazios internos, como parte de sua concepção, e elastômeros com alma metálica integrada, fazem parte desta norma.

Acesse algumas perguntas relacionadas com essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Como deve ser feito o ensaio de envelhecimento acelerado ao ar?

Como deve ser realizada a determinação da deformação por compressão em água quente?

Quais são os ensaios para qualificação de elementos de vedação de elastômero para sistemas de abastecimento de água fria?

Quais são os ensaios de recebimento de lotes de elementos de vedação de elastômero para instalações e sistemas de abastecimento de água quente?

Como deve ser executada a determinação do alívio de tensões sob tração?

As classes de dureza padronizadas estão indicadas na tabela abaixo. A dureza do elastômero deve ser especificada nos valores indicados nas faixas de valores de dureza em Shore A, indicados na tabela.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

O fabricante deve manter os registros de exames e ensaios e um controle permanente do processo de fabricação, conforme indicado no Anexo C, que envolva os fornecedores de componentes e de matérias-primas, capaz de assegurar que os produtos fabricados estão de acordo com esta norma e satisfazem as expectativas do comprador. São especificados nesta norma os requisitos gerais de vedantes para juntas acabadas.

Quaisquer requisitos adicionais necessários para uma determinada aplicação são especificados nas normas dos respectivos produtos, considerando que o desempenho das juntas para tubulações é uma função das propriedades dos materiais vedantes, da geometria do elemento de vedação e da concepção da junta. Os elementos de vedação devem ter forma, dimensões e respectivas tolerâncias, de acordo com o desenho do fabricante de tubos, conexões, equipamentos, componentes e acessórios, para promover uma adequada compressão ou aderência, conforme o caso, entre as superfícies, garantindo uma perfeita estanqueidade.

Esta norma deve ser utilizada com as normas correspondentes dos tubos, conexões, equipamentos, componentes e acessórios de todos os tipos de materiais, incluindo: aço, cerâmica, concreto, ferro fundido, ferro maleável, latão e plásticos reforçados com fibra de vidro, onde são estabelecidos os requisitos de sua aplicação ou, em particular, o desempenho de suas juntas ou da vedação. No caso de elementos de vedação especificados com durezas entre 76 Shore A e 95 Shore A, os requisitos de alongamento na ruptura, deformação sob compressão e alívio de tensões aplicam-se somente quando os materiais atuam na função de vedação, ou na estabilidade e durabilidade do elemento de vedação.

Os materiais empregados na fabricação de elementos de vedação para saneamento, águas pluviais e drenagem devem atender ao indicado em 4.3.1 e 4.3.2. Os materiais empregados na fabricação dos elementos de vedação devem ser isentos de substâncias que possam produzir efeitos deletérios sobre o fluido conduzido, sobre a vida útil do elemento de vedação ou sobre os tubos, conexões, equipamentos, componentes e acessórios.

Vedantes de elastômero sem contato com o fluido não necessitam atender ao indicado em 4.3.2. Os elementos de vedação de elastômero devem ser obtidos por vulcanização de borracha natural ou sintética. Não pode ser empregado qualquer componente elastomérico recuperado ou regenerado.

Para aplicações em tubulações de água potável fria e quente, os materiais não podem alterar a qualidade da água conduzida e as condições de uso. Os materiais devem atender aos requisitos estabelecidos na legislação em vigor e devem ser de acordo com os valores máximos indicados na tabela abaixo.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

Os elementos de vedação de elastômero devem ter forma, dimensões e respectivas tolerâncias conforme desenho do fabricante, que deve compatibilizá-los com as tolerâncias dimensionais prescritas para as respectivas pontas, bolsas ou alojamentos e perfis de tubos, conexões, equipamentos, componentes ou acessórios para saneamento, drenagem e água pluvial, de acordo com as respectivas normas dos produtos a que se aplicam, de forma a promover compressão e vedação adequadas entre as superfícies externas das pontas e internas das bolsas ou dos alojamentos dos componentes de vedação, ou do dispositivo ou equipamento revestido com elastômero, para garantir uma perfeita estanqueidade das tubulações, equipamentos, componentes ou acessórios.

Os elementos de vedação de elastômero devem apresentar superfícies sem porosidades ou materiais estranhos e defeitos visíveis, sendo permitidos apenas eventuais sinais da eliminação de rebarbas. Os elementos de vedação devem estar livres de quaisquer defeitos ou irregularidades, pois isto pode afetar o seu desempenho. A classificação das imperfeições deve ser efetuada de acordo com a ISO 9691, conforme indicado a seguir.

As imperfeições em zonas de vedação conforme indicado na ISO 9691:1992, 4.1.1, devem ser consideradas defeitos; as imperfeições superficiais em zonas não envolvidas com vedação, conforme indicado na ISO 9691:1992, 4.1.2.1-b), não podem ser consideradas defeitos. Imperfeições superficiais importantes, em zonas não envolvidas na vedação, como indicado na ISO 9691:1992, 4.1.2.1-a), podem ser consideradas defeitos.

Isto deve ser acordado entre as partes interessadas, os critérios de aceitação dependem respectivamente do tipo ou da concepção dos elementos de vedação de elastômero. Imperfeições internas, conforme indicado na ISO 9691:1992, 4.2, podem ser consideradas defeitos.

As classes de durezas e os valores de durezas estão indicados na Seção 3 e na tabela acima. Com o valor da dureza, especificado pelo fabricante ou de acordo com exigências do comprador, determina-se, juntamente com as demais características, a classe de dureza do material. Qualquer que seja a dureza especificada, a sua faixa de tolerância é de ± 5.

Após acordo prévio entre fabricante e comprador, a tolerância da dureza nominal pode ser de ± 3 Shore A em relação ao valor especificado. Durante a avaliação da dureza, o elastômero ou o produto final deve apresentar valor dentro da faixa de tolerância correspondente. Quando determinada de acordo com o método de microensaio especificado na ISO 7619-1 (leitura em um período de 3 s), a dureza deve satisfazer aos requisitos indicados nas Tabelas 3, 4, 5, 6, 7, ou 8 desta norma (confira no texto da norma), conforme o caso.

Se as dimensões do componente de vedação forem adequadas, pode ser utilizado o método de ensaio normal especificado na ISO 7619-1. Para os casos em que os elementos de vedação apresentarem dimensões inferiores a 6,0 mm, a dureza pode ser verificada em um corpo de prova retirado de uma manta (placa) confeccionada a partir da mesma matéria-prima empregada durante a fabricação do respectivo lote a ser fornecido.

Para o mesmo elemento de vedação ou ao longo do comprimento maior de um perfil extrudado utilizado para sua fabricação, a diferença entre as durezas mínima e máxima deve ser inferior a 5 Shore A em relação ao valor nominal especificado. Para controle da regularidade da vulcanização, deve ser efetuada a verificação da dureza dos anéis da amostra, efetuando-se quatro medidas em pontos distintos e equidistantes entre si.

A resistência à tração e o alongamento à ruptura devem ser verificados conforme especificado na ISO 37. Devem ser utilizados corpos de prova em formato de gravata (dumb bell) dos tipos 1, 2, 3 ou 4. Utilizar preferencialmente os corpos de prova do tipo 1. O relatório de ensaio deve indicar o tipo de gravata (dumb bell) sempre que não forem utilizados os corpos de prova do tipo 1.

A resistência à tração deve estar em conformidade com os requisitos indicados na Tabela 3, 5 ou 7 (disponíveis na norma), conforme o caso. O alongamento à ruptura deve estar em conformidade com os requisitos indicados na Tabela 3, 5 ou 7 (disponíveis na norma), conforme o caso. O ensaio de relaxamento do estresse por compressão deve ser determinado pelo método A da ISO 3384-1:2011, utilizando-se o corpo de prova cilíndrico pequeno depois do condicionamento mecânico e térmico.

As medições devem ser efetuadas depois de decorridos os períodos de 3 h, 24 h, 72 h e 168 h para o ensaio com duração de 168 h. O ensaio com um período de duração de 100 dias (2.400 h) pode ser adotado como Ensaio Tipo, para qualificação dos produtos elastoméricos. Durante a realização do ensaio de 100 dias (2.400 h), as medições devem ser efetuadas depois de decorridos os períodos de 3 h, 24 h, 72 h, 168 h, 720 h e 2.400 h.

A melhor linha reta adaptada deve ser determinada pela análise da regressão, empregando-se uma escala de tempo logarítmica. Os coeficientes de correlação derivados destas análises não podem ser inferiores a 0,93, para o ensaio de 168 h, ou inferiores a 0,83, quando adotado o ensaio de 2 400 h. Os requisitos para o ensaio de 168 h e de tipo de 2.400 h indicado na Tabela 3, 5 ou 7 (disponíveis na norma), conforme o caso, são os derivados destas linhas retas.

A inspeção de recebimento do produto final deve ser efetuada nas unidades fabris ou outro local em data a ser estabelecida em comum acordo entre fabricante e comprador. A critério do comprador dos produtos que empregam os elementos de vedação, ele pode realizar seu próprio controle de recebimento dos anéis de elastômero ou solicitar os relatórios de ensaios realizados pelo fabricante de tubos, conexões, equipamentos, componentes ou acessórios.

A critério do comprador, a inspeção de recebimento de elementos de vedação, cujo composto de elastômero seja qualificado previamente, deve ser efetuada em pelo menos um anel de uma amostra, que deve ser coletada aleatoriamente, composta de três anéis, de mesmos tipo e diâmetro e de cada lote inspecionado, para a verificação dos requisitos indicados na Tabela 4, 6 ou 8 (disponíveis na norma), conforme o caso.

Se o primeiro anel apresentar conformidade em relação ao material qualificado, de acordo com os requisitos da Tabela 4, 6 ou 8 (disponíveis na norma), conforme o caso, o lote é considerado aprovado. Se o primeiro anel for reprovado, deve ser efetuada a avaliação de um segundo anel da mesma amostra, no prazo de até dez dias após a data da emissão do relatório de ensaio do primeiro anel.

Se o segundo anel avaliado não apresentar conformidade com os requisitos da Tabela 4, 6 ou 8 (disponíveis na norma), conforme o caso, ou não for solicitada a avaliação do segundo anel no prazo estabelecido, o lote é considerado reprovado. Se o segundo anel avaliado apresentar conformidade, o terceiro anel da amostra deve ser avaliado imediatamente. O lote é considerado aprovado se o segundo e o terceiro anéis da amostra apresentarem conformidade aos requisitos desta norma.

A avaliação do material (matéria prima) tem validade de acordo com estabelecido no controle de processo de fabricação, sendo revalidada periodicamente. Uma nova avaliação do material (matéria prima) deve ser providenciada sempre que houver alteração das técnicas de manufatura ou da formulação. A inspeção de recebimento do produto final deve ser efetuada nas unidades fabris ou outro local em data a ser estabelecida em comum acordo entre fabricante e comprador.

A critério do comprador dos produtos que empregam os elementos de vedação, ele pode realizar seu próprio controle de recebimento dos anéis de elastômero ou solicitar os relatórios de ensaios realizados pelo fabricante de tubos, conexões, equipamentos, componentes ou acessórios. A critério do comprador, a inspeção de recebimento de elementos de vedação, cujo composto de elastômero seja qualificado previamente, deve ser efetuada em pelo menos um anel de uma amostra, que deve ser coletada aleatoriamente, composta de três anéis, de mesmos tipo e diâmetro e de cada lote inspecionado, para a verificação dos requisitos indicados na Tabela 4, 6 ou 8 (disponíveis na norma), conforme o caso.

Se o primeiro anel apresentar conformidade em relação ao material qualificado, de acordo com os requisitos da Tabela 4, 6 ou 8 (disponíveis na norma), conforme o caso, o lote é considerado aprovado. Se o primeiro anel for reprovado, deve ser efetuada a avaliação de um segundo anel da mesma amostra, no prazo de até dez dias após a data da emissão do relatório de ensaio do primeiro anel.

Se o segundo anel avaliado não apresentar conformidade com os requisitos da Tabela 4, 6 ou 8 (disponíveis na norma), conforme o caso, ou não for solicitada a avaliação do segundo anel no prazo estabelecido, o lote é considerado reprovado. Se o segundo anel avaliado apresentar conformidade, o terceiro anel da amostra deve ser avaliado imediatamente. O lote é considerado aprovado se o segundo e o terceiro anéis da amostra apresentarem conformidade aos requisitos desta norma.

A avaliação do material (matéria prima) tem validade de acordo com estabelecido no controle de processo de fabricação, sendo revalidada periodicamente. Uma nova avaliação do material (matéria prima) deve ser providenciada sempre que houver alteração das técnicas de manufatura ou da formulação.

FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Registro — Requisitos e métodos de ensaio - Parte 2: Registros com mecanismos de vedação não compressíveis
NBR15704-2 de 08/2015

Registro — Requisitos e métodos de ensaio - Parte 2: Registros com mecanismos de vedação não compressíveis

Conexões injetadas de PVC rígido com junta elástica para redes e adutoras de água - Especificação
NBR10351 de 07/1988

Conexões injetadas de PVC rígido com junta elástica para redes e adutoras de água - Especificação

Tubos de concreto, de seção circular, para cravação - Requisitos e métodos de ensaio
NBR15319 de 05/2007

Tubos de concreto, de seção circular, para cravação - Requisitos e métodos de ensaio

Elementos de vedação com base elastómérica termofixa para tubos, conexões, equipamentos, componentes e acessórios para água, esgotos, drenagem e águas pluviais e água quente - Requisitos
NBR7676 de 04/2019

Elementos de vedação com base elastómérica termofixa para tubos, conexões, equipamentos, componentes e acessórios para água, esgotos, drenagem e águas pluviais e água quente - Requisitos

Tubos de aço com ponta e bolsa, para juntas elásticas, diâmetro nominal (DN) de 700 mm a 1200 mm - Especificação
NBR13061 de 08/2019

Tubos de aço com ponta e bolsa, para juntas elásticas, diâmetro nominal (DN) de 700 mm a 1200 mm - Especificação

Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Policloreto de vinila clorado (CPVC) - Parte 2: Conexões - Requisitos
NBR15884-2 de 10/2011

Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Policloreto de vinila clorado (CPVC) - Parte 2: Conexões - Requisitos

Conexões de ferro fundido dúctil para tubos de PVC 6,3 e polietileno PE — Requisitos
NBR15880 de 08/2010

Conexões de ferro fundido dúctil para tubos de PVC 6,3 e polietileno PE — Requisitos

Colar de tomada de polipropileno, para tubos de PVC rígido - Especificação
NBR11821 de 04/1991

Colar de tomada de polipropileno, para tubos de PVC rígido - Especificação

Tubos de PVC rígido - Colar de tomada de PVC
NBR10930 de 03/2016

Tubos de PVC rígido - Colar de tomada de PVC

Sistemas para adução de água, coletores-tronco, emissários de esgoto sanitário e águas pluviais - Tubos e conexões de plástico reforçado de fibra de vidro (PRFV) - Parte 1: Tubos e juntas para adução de água
NBR15536-1 de 11/2007

Sistemas para adução de água, coletores-tronco, emissários de esgoto sanitário e águas pluviais - Tubos e conexões de plástico reforçado de fibra de vidro (PRFV) - Parte 1: Tubos e juntas para adução de água

Instalações em saneamento - Registro de gaveta PN 16 em liga de cobra - Requisitos e métodos de ensaio
NBR14580 de 09/2000

Instalações em saneamento - Registro de gaveta PN 16 em liga de cobra - Requisitos e métodos de ensaio

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 1: Requisitos gerais para tubos e métodos de ensaio
NBR5647-1 de 12/2021

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 1: Requisitos gerais para tubos e métodos de ensaio

Tubos e conexões de PVC rígido com junta elástica para coletor predial e sistema condominial de esgoto sanitário - Tipos e dimensões - Padronização
NBR10570 de 12/1988

Tubos e conexões de PVC rígido com junta elástica para coletor predial e sistema condominial de esgoto sanitário - Tipos e dimensões - Padronização

Sistemas para adução de água, coletores-tronco, emissários de esgoto sanitário e águas pluviais - Tubos e conexões de plastico reforçado de fibra de vidro (PRFV) - Parte 2: Tubos e juntas para coletores-tronco, emissários de esgoto sanitário e água pluviais
NBR15536-2 de 11/2007

Sistemas para adução de água, coletores-tronco, emissários de esgoto sanitário e águas pluviais - Tubos e conexões de plastico reforçado de fibra de vidro (PRFV) - Parte 2: Tubos e juntas para coletores-tronco, emissários de esgoto sanitário e água pluviais

Válvula-gaveta de ferro fundido nodular
NBR12430 de 01/1998

Válvula-gaveta de ferro fundido nodular

Instalações em saneamento - Registro de pressão em ligas de cobre - Requisitos
NBR14119 de 06/1998

Instalações em saneamento - Registro de pressão em ligas de cobre - Requisitos

Sistemas de tubulação plástica subterrânea não pressurizada para drenagem e esgoto - Sistemas de tubulação com parede estruturada de policloreto de vinila não plastificado (PVC-U), polipropileno (PP) e polietileno (PE) - Parte 3: Tubos e conexões com a superfície externa não lisa, Tipo B
NBRISO21138-3 de 06/2021

Sistemas de tubulação plástica subterrânea não pressurizada para drenagem e esgoto - Sistemas de tubulação com parede estruturada de policloreto de vinila não plastificado (PVC-U), polipropileno (PP) e polietileno (PE) - Parte 3: Tubos e conexões com a superfície externa não lisa, Tipo B

Sistemas para adução de água, coletores-tronco, emissários de esgoto sanitário e plástico pluviais - Tubos e conexões de plástico reforçado de fibra de vidro (PRFV) - Parte 4: Anéis de borracha
NBR15536-4 de 11/2007

Sistemas para adução de água, coletores-tronco, emissários de esgoto sanitário e plástico pluviais - Tubos e conexões de plástico reforçado de fibra de vidro (PRFV) - Parte 4: Anéis de borracha

Sistemas enterrados para condução de esgoto - Parte 2: Requisitos para tubos de PVC com parede maciça
NBR7362-2 de 01/1999

Sistemas enterrados para condução de esgoto - Parte 2: Requisitos para tubos de PVC com parede maciça

Sistema de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Policloreto de vinila clorado (CPVC) - Parte 3: Montagem, instalação, armazenamento e manuseio
NBR15884-3 de 10/2010

Sistema de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Policloreto de vinila clorado (CPVC) - Parte 3: Montagem, instalação, armazenamento e manuseio

Sistemas de tubulação plástica subterrânea não pressurizada para drenagem e esgoto - Sistemas de tubulação com parede estruturada de policloreto de vinila não plastificado (PVC-U), polipropileno (PP) e polietileno (PE) - Parte 1: Especificação de materiais e critérios de desempenho para tubos, conexões e sistemas
NBRISO21138-1 de 06/2021

Sistemas de tubulação plástica subterrânea não pressurizada para drenagem e esgoto - Sistemas de tubulação com parede estruturada de policloreto de vinila não plastificado (PVC-U), polipropileno (PP) e polietileno (PE) - Parte 1: Especificação de materiais e critérios de desempenho para tubos, conexões e sistemas

Sistemas para adução e distribuição de água — Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 5: Requisitos para conexões
NBR5647-5 de 03/2020

Sistemas para adução e distribuição de água — Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 5: Requisitos para conexões

Sistemas de tubulação plástica subterrânea não pressurizada para drenagem e esgoto - Sistemas de tubulação com parede estruturada de policloreto de vinila não plastificado (PVC-U), polipropileno (PP) e polietileno (PE) - Parte 2: Tubos e conexões com a superfície externa lisa, Tipo A
NBRISO21138-2 de 06/2021

Sistemas de tubulação plástica subterrânea não pressurizada para drenagem e esgoto - Sistemas de tubulação com parede estruturada de policloreto de vinila não plastificado (PVC-U), polipropileno (PP) e polietileno (PE) - Parte 2: Tubos e conexões com a superfície externa lisa, Tipo A

Tubulações de PVC-O (cloreto de polivinila não plastificado orientado) para sistemas de transporte de água ou esgoto sob pressão — Requisitos e métodos de ensaios
NBR15750 de 04/2020

Tubulações de PVC-O (cloreto de polivinila não plastificado orientado) para sistemas de transporte de água ou esgoto sob pressão — Requisitos e métodos de ensaios

Sistemas enterrados para condução de esgotos - Tubos e conexões cerâmicos com junta elástica - Requisitos
NBR14208 de 12/2005

Sistemas enterrados para condução de esgotos - Tubos e conexões cerâmicos com junta elástica - Requisitos

Registro - Requisitos e métodos de ensaio - Parte 1: Registros de pressão
NBR15704-1 de 03/2011

Registro - Requisitos e métodos de ensaio - Parte 1: Registros de pressão

Tubo de poliéster reforçado com fibras de vidro, com junta elástica, para esgoto sanitário - Especificação
NBR10845 de 06/1988

Tubo de poliéster reforçado com fibras de vidro, com junta elástica, para esgoto sanitário - Especificação

Tubo de poliéster reforçado com fibras de vidro, com junta elástica, para condução de água sob pressão - Especificação
NBR10846 de 06/1988

Tubo de poliéster reforçado com fibras de vidro, com junta elástica, para condução de água sob pressão - Especificação

Sistemas móveis de irrigação - Tubos de PVC rígido com junta de engate rápido PN 80
NBR15282 de 10/2005

Sistemas móveis de irrigação - Tubos de PVC rígido com junta de engate rápido PN 80

Sistemas para adução de água, coletores-tronco, emissários de esgoto sanitário e águas pluviais - Tubos e conexões de plástico reforçado de fibra de vidro (PRFV) - Parte 3: Conexões
NBR15536-3 de 11/2007

Sistemas para adução de água, coletores-tronco, emissários de esgoto sanitário e águas pluviais - Tubos e conexões de plástico reforçado de fibra de vidro (PRFV) - Parte 3: Conexões

Sistemas enterrados para condução de esgoto - Parte 1: Requisitos para tubos de PVC com junta elástica
NBR7362-1 de 07/2005

Sistemas enterrados para condução de esgoto - Parte 1: Requisitos para tubos de PVC com junta elástica

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 4: Requisitos específicos para tubos com pressão nominal PN 0,60 MPa
NBR5647-4 de 05/2019

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 4: Requisitos específicos para tubos com pressão nominal PN 0,60 MPa

Válvula-borboleta de ferro fundido nodular para saneamento
NBR15768 de 10/2009

Válvula-borboleta de ferro fundido nodular para saneamento

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 2: Requisitos específicos para tubos com pressão nominal PN 1,00 MPa
NBR5647-2 de 04/2019

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 2: Requisitos específicos para tubos com pressão nominal PN 1,00 MPa

Instalações em saneamento - Registro de pressão em ligas de cobre - Dimensões
NBR14120 de 06/1998

Instalações em saneamento - Registro de pressão em ligas de cobre - Dimensões

Anel de borracha para junta elástica tipo "O" de tubos e conexões cerâmicos - Especficação
NBR14214 de 10/1998

Anel de borracha para junta elástica tipo "O" de tubos e conexões cerâmicos - Especficação

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 3: Requisitos específicos para tubos com pressão nominal PN 0,75 MPa
NBR5647-3 de 05/2019

Sistemas para adução e distribuição de água - Tubos e conexões de PVC-U 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais até DN 100 - Parte 3: Requisitos específicos para tubos com pressão nominal PN 0,75 MPa

Juntas de ferro fundido dúctil tipo 'Gibault' - Requisitos
NBR14243 de 11/1998

Juntas de ferro fundido dúctil tipo 'Gibault' - Requisitos

Válvula-gaveta de ferro fundido nodular com cunha emborrachada - Requisitos
NBR14968 de 07/2003

Válvula-gaveta de ferro fundido nodular com cunha emborrachada - Requisitos

Irrigação e drenagem - Tubos de PVC rígido com junta soldável ou elástica PN 40 e PN 80 para sistemas permanentes de irrigação
NBR14312 de 05/1999

Irrigação e drenagem - Tubos de PVC rígido com junta soldável ou elástica PN 40 e PN 80 para sistemas permanentes de irrigação

Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Policloreto de vinila clorado (CPVC) - Parte 1: Tubos - Requisitos
NBR15884-1 de 10/2010

Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Policloreto de vinila clorado (CPVC) - Parte 1: Tubos - Requisitos

Irrigação e drenagem - Tubos de PVC rígido DEFOFO PN 60,80 e 125 com junta elástica, para sistemas permanentes de irrigação
NBR14311 de 05/1999

Irrigação e drenagem - Tubos de PVC rígido DEFOFO PN 60,80 e 125 com junta elástica, para sistemas permanentes de irrigação