Text page

API SPEC 6A: as especificações de equipamentos para o setor petrolífero

Essa norma internacional, editada em 2018 pela American Petroleum Institute (API), identifica os requisitos e fornece as recomendações para o desempenho, dimensional e intercambiabilidade funcional, projeto, materiais, ensaios, inspeção, soldagem, marcação, manuseio, armazenamento, expedição e compra de equipamentos de cabeça de poço e árvore de natal para uso nas indústrias de petróleo e gás natural.

26/12/2018 - Equipe Target

Os equipamentos para as indústrias de petróleo e gás natural

A API SPEC 6A:2018 - Specification for Wellhead and Tree Equipment, Twenty-First Edition identifica os requisitos e fornece as recomendações para o desempenho, dimensional e intercambiabilidade funcional, projeto, materiais, ensaios, inspeção, soldagem, marcação, manuseio, armazenamento, expedição e compra de equipamentos de cabeça de poço e árvore para uso nas indústrias de petróleo e gás natural. Esta norma não se aplica ao uso de campo ou ensaio de campo. Também não se aplica ao reparo de equipamentos de cabeça de poço e árvore de natal, exceto para reparo de solda em conjunto com a fabricação.

As ferramentas usadas para instalação e serviço (por exemplo, ferramentas de operação, ferramentas de ensaio, ferramentas de lavagem, buchas de desgaste e lubrificadores) estão fora do escopo desta norma. Esta nova edição fornece atualizações que refletem a missão do programa de padrões da API de fornecer um fórum para o desenvolvimento de normas de mercado baseados em consenso e cooperação técnica para melhorar o desempenho de segurança e a competitividade do setor.

Houve algumas mudanças nessa revisão. Uma reorganização completa do documento: os requisitos de qualidade agora são agrupados por atividade específica e não por product specification levels (PSL), facilitando a determinação dos requisitos específicos de todos os PSL em um único local e não distribuídos em todo o documento. Foi feita a uniformidade no layout da seção específica do produto e uma revisão total de todas as tabelas de dimensionamento, incluindo figuras associadas, para permitir uma compreensão mais clara dos requisitos.

As tabelas existem como um conjunto completo em unidades SI (métricas) e como um conjunto exato separado em unidades USC (imperial). Houve o uso uniforme de termos do produto em todo o documento. Ocorreu uma revisão dos anexos.

Ocorreu a incorporação de anexos no corpo do documento (antigo Anexo L e Anexo O) e o antigo Anexo J foi publicado como um novo documento, 6AR; o antigo Anexo H foi publicado no TR6RT; e o antigo Anexo I foi eliminado em lugar de referenciar totalmente o 6AV1. O antigo Anexo E e o Anexo N foram retirados porque não são mais necessários e nem aplicáveis ao documento.

Houve a adição de um novo produto (proposto para monograma), válvulas de fechamento de embarque, desenvolvido com apoio da comunidade reguladora. A linha de produtos de cabides e tubulações é melhor definida para cabides de deslizamento e mandril, dois produtos separados. Então, na verdade, haverá três novos produtos.

Houve a remoção de dispositivos de amostragem de fluidos, a integração dos requisitos do adaptador da cabeça de poço da tubulação nos requisitos gerais para um produto mais integrado e do PSL mínimo requerido, dependendo da classificação de pressão e da classe de material.

Foi revisado o PSL 4 para direcionar o equipamento de serviço crítico e os requisitos de tratamento térmico ficaram agora normativos. Houve a remoção do PR1 do anexo de validação do projeto, a adição de requisitos de qualificação de limite de pressão e a criação de uma nova seção sobre registros e controle de registros.

O ensaio de aceitação de fábrica (Factory acceptance testing - FAT) foi removido da seção de qualidade; a seção foi reorganizada e os requisitos apresentados em uma ordem mais lógica. Os requisitos de marcação agora têm como alvo produtos específicos e não famílias de produtos para melhor atender a necessidades específicas de marcação. O mínimo exigido 20E e 20F BSL para aparafusar.

O Sistema Internacional de Unidades (SI) é usado nesta norma. No entanto, os tamanhos nominais são mostrados como frações no sistema de polegadas. As frações e seus equivalentes decimais são iguais e intercambiáveis. As conversões métricas e polegadas das dimensões nesta norma são baseadas nos projetos originais de polegadas fracionárias.

As dimensões funcionais foram convertidas para o sistema métrico para assegurar a intercambiabilidade dos produtos fabricados em sistemas de polegada; ver também o anexo C. Um símbolo “-”, quando usado em tabelas, significa que o tamanho, o valor ou a dimensão aplicável não se aplicam.

É necessário que os usuários desta norma estejam cientes de que os requisitos adicionais ou diferentes podem ser necessários para aplicações individuais. Esta norma não pretende inibir a oferta de um fornecedor ou o comprador de aceitar equipamentos alternativos ou soluções de engenharia para a aplicação individual.

Isso pode ser particularmente aplicável quando existe tecnologia inovadora ou em desenvolvimento. Onde uma alternativa é oferecida, é de responsabilidade do fornecedor identificar quaisquer variações desta norma e fornecer detalhes.

Em resumo, pode-se dizer que essa norma é aplicável ao equipamento identificado em 4.1 e Seção 14. Ela estabelece os requisitos para quatro níveis de especificação de produto (PSL): PSL 1, PSL 2, PSL 3 e PSL 4. Uma designação suplementar de PSL 3G aplica-se aos produtos PSL 3 que satisfizerem os requisitos adicionais de ensaios de gás. As designações PSL definem diferentes níveis de qualidade técnica e de requisitos.

Se o produto for fornecido com o logotipo da API e fabricado em uma instalação licenciada pela API, os requisitos do anexo A são aplicáveis. O assunto dos Anexos B, C, D, E, F, G, H, I, J, K, L e M foi organizado de uma forma que minimiza o impacto das alterações nos usuários deste documento.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Curvas por indução para sistema de transporte de petróleo, derivados e gás natural por dutos
NBR15273 de 06/2021

Curvas por indução para sistema de transporte de petróleo, derivados e gás natural por dutos

Indústrias de petróleo e gás natural — Tubulação de compósito - Parte 1: Vocabulário, símbolos, aplicações e materiais
NBR15921-1 de 11/2021

Indústrias de petróleo e gás natural — Tubulação de compósito - Parte 1: Vocabulário, símbolos, aplicações e materiais

Indústrias de petróleo e gás natural – Tubulação de compósito - Parte 4: Fabricação, montagem e operação
NBR15921-4 de 11/2021

Indústrias de petróleo e gás natural – Tubulação de compósito - Parte 4: Fabricação, montagem e operação

Indústrias de petróleo e gás natural - Requisitos para estruturas oceânicas
NBRISO19900 de 05/2021

Indústrias de petróleo e gás natural - Requisitos para estruturas oceânicas

Tubulação para a indústria de petróleo e gás natural
NBRISO15649 de 09/2004

Tubulação para a indústria de petróleo e gás natural

Cabos de aço - Requisitos
NBRISO2408 de 09/2019

Cabos de aço - Requisitos

Indústrias de petróleo e gás natural - Coleta e intercâmbio de dados de confiabilidade e manutenção para equipamentos
NBRISO14224 de 10/2011

Indústrias de petróleo e gás natural - Coleta e intercâmbio de dados de confiabilidade e manutenção para equipamentos

Indústrias de petróleo e gás natural — Tubulação de compósito - Parte 3: Projeto do sistema
NBR15921-3 de 11/2021

Indústrias de petróleo e gás natural — Tubulação de compósito - Parte 3: Projeto do sistema

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 5: Perfis estruturais
NBR15708-5 de 11/2011

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 5: Perfis estruturais

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 2: Guarda-corpo
NBR15708-2 de 11/2015

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 2: Guarda-corpo

Indústrias do petróleo e gás natural - Perfis pultrudados - Parte 1: Materiais, métodos de ensaio e tolerâncias dimensionais
NBR15708-1 de 09/2021

Indústrias do petróleo e gás natural - Perfis pultrudados - Parte 1: Materiais, métodos de ensaio e tolerâncias dimensionais

Indústrias de petróleo e gás natural - Requisitos específicos para estruturas oceânicas - Parte 5: Controle de peso durante o projeto e a construção
NBRISO19901-5 de 03/2022

Indústrias de petróleo e gás natural - Requisitos específicos para estruturas oceânicas - Parte 5: Controle de peso durante o projeto e a construção

Indústrias do petróleo e gás natural - Fluidos e materiais de completação - Parte 2: Medição das propriedades de propantes usados em operações de fraturamento hidráulico e gravel-packing
NBRISO13503-2 de 03/2011

Indústrias do petróleo e gás natural - Fluidos e materiais de completação - Parte 2: Medição das propriedades de propantes usados em operações de fraturamento hidráulico e gravel-packing

Sistemas de selagem de eixos para bombas centrífugas e rotativas
NBR16676 de 08/2018

Sistemas de selagem de eixos para bombas centrífugas e rotativas

Indústrias do petróleo e gás natural - Sistemas de bombas de cavidades progressivas para elevação artificial - Cabeçotes de acionamento
NBR16304 de 07/2014

Indústrias do petróleo e gás natural - Sistemas de bombas de cavidades progressivas para elevação artificial - Cabeçotes de acionamento

Indústrias de petróleo e gás natural — Tubulação de compósito - Parte 2: Qualificação e fabricação
NBR15921-2 de 11/2021

Indústrias de petróleo e gás natural — Tubulação de compósito - Parte 2: Qualificação e fabricação

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 4: Sistema de bandejamento
NBR15708-4 de 01/2014

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 4: Sistema de bandejamento

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 6: Escada tipo marinheiro
NBR15708-6 de 04/2014

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 6: Escada tipo marinheiro

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 3: Grade de piso
NBR15708-3 de 01/2014

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 3: Grade de piso