Text page

NBR ISO 7216 de 10/2017: a medição de ruído em tratores agrícolas e florestais

Quais as unidades de medidas e tolerâncias a ser medidos? Como deve ser feita a designação da agência de manutenção? Essas dúvidas estão sendo mostradas no texto sobre a medição de ruído em tratores agrícolas e florestais.

22/11/2017 - Equipe Target

Os riscos dos ruídos em tratores agrícolas e florestais

A NBR ISO 7216 de 10/2017 - Tratores agrícolas e florestais - Medição de ruído emitido quando em movimento especifica um método para a medição do nível de pressão sonora ponderado A do ruído emitido por tratores agrícolas e florestais enquanto o veículo estiver em movimento. As condições especificadas para a operação dos tratores agrícolas e florestais durante as medições são estabelecidas para fornecer uma avaliação realista e repetível do ruído máximo emitido quando o veículo estiver em movimento. Aplica-se aos tratores agrícolas e florestais equipados com pneus elásticos ou esteiras de borracha. Não se aplica às máquinas florestais especiais, por exemplo, carregador-transportador de toras, arrastador de toras, etc., conforme definido na NBR ISO 6814, e tratores agrícolas e florestais equipados com esteiras de aço. O método de ensaio requer um ambiente acústico que somente pode ser obtido em um amplo espaço aberto.

Confira algumas perguntas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais as unidades de medidas e tolerâncias a ser medidos?

Como deve ser feita a designação da agência de manutenção?

A harmonização técnica com a OECD (Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico - Organisation for economic cooperation and development) é assegurada pela Agência de Manutenção que opera conforme especificado no Anexo A. Pode-se definir um trator agrícola como o veículo agrícola autopropelido que possui pelo menos dois eixos e rodas, ou esteiras contínuas, especialmente projetado para tracionar reboques agrícolas e tracionar, empurrar, transportar e operar implementos utilizados para o trabalho agrícola (incluindo o trabalho florestal), que pode ser fornecido com uma plataforma de carregamento removível.

O veículo agrícola possui uma velocidade máxima de projeto não inferior a 6 km/h e pode ser equipado com um ou mais assentos. Como instrumentação, deve ser utilizado um medidor de nível sonoro (decibelímetro) com qualidade de precisão que atenda ou exceda os requisitos da IEC 61672-1 para um instrumento de classe 1. Se um equipamento de medição alternativo for utilizado, as tolerâncias não podem exceder as fornecidas nas Seções pertinentes da IEC 61672-1 para um instrumento de classe 1. A medição deve ser realizada com uma rede de ponderação de frequência de acordo com a curva A e ajustada para fornecer resposta rápida conforme descrito na publicação da IEC.

A calibração do equipamento no momento da medição deve estar de acordo, em todos os aspectos, com as especificações da IEC 61672-1 para um instrumento de classe 1. A checagem da calibração deve ser realizada em intervalos adequados e pelo menos antes e após cada sessão de medição, utilizando um calibrador acústico de acordo com as especificações da IEC 60942 para um instrumento de classe 1. O calibrador deve ser checado anualmente para verificar a sua potência, e a sua calibração deve ser rastreável a um laboratório de normas nacionais. As medições devem ser realizadas em uma área suficientemente silenciosa, plana e aberta.

Esta área deve ser um espaço aberto com 50 m de raio, cuja parte central de pelo menos 20 m de raio deve estar praticamente nivelada e ser fabricada em concreto, asfalto ou material similar, e não pode estar coberta com neve em pó, grama alta, solo solto ou cinzas. A superfície da pista de ensaio deve ser de um tipo onde os pneumáticos ou esteiras de borracha não provoquem um ruído excessivo. A superfície deve estar limpa e seca tanto quanto possível (por exemplo, livre de cascalho, folhas, neve etc.).

As medições devem ser realizadas com boas condições climáticas e com pouco ou nenhum vento. O nível de ruído de fundo e o nível de ruído do vento no local do microfone deve ser pelo menos de 10 dB(A) abaixo do nível de ruído medido durante o ensaio. Qualquer ruído estranho que ocorra durante a leitura, que não esteja relacionado à medição geral do nível sonoro, não pode ser levado em consideração.

Não podem ser realizadas correções nos resultados do ensaio para as condições atmosféricas ou outros fatores. A pressão atmosférica não pode ser inferior a 96,6 kPa. Se isto não for possível devido às condições de altitude, pode ser que uma regulagem modificada da bomba de injeção tenha que ser realizada, cujos detalhes serão incluídos no relatório.

Para o leiaute da área de ensaio, a linha de centro da pista (CC), uma linha (PP) perpendicular a ela e que passa pelo centro da área de ensaio e duas linhas (AA e BB) paralelas à linha PP e a 10 m dela devem ser marcadas na pista (ver figura abaixo). O microfone deve ser posicionado a 1,2 m acima do solo e a uma distância de 7,5 m do eixo de movimento avante do trator, medido ao longo da linha perpendicular PP ao eixo (ver figura). O microfone deve ser orientado em um sentido perpendicular à linha de centro da trajetória na pista.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

A medição deve ser efetuada no trator sem lastro, sem carga e sem reboque ou semirreboque. Imediatamente antes do ensaio, o motor deve ser levado à sua temperatura normal de operação. A velocidade efetiva estabilizada a ser utilizada deve ser igual a três quartos da máxima atingível na caixa de transmissão ou regulagem que forneça a maior velocidade utilizada para vias públicas.

Pelo menos duas medições devem ser realizadas em cada lado do trator. Medições preliminares para estabelecer a regulagem do controle do governador de velocidade podem ser efetuadas, porém não podem ser levadas em consideração. Os tratores devem ser conduzidos na velocidade efetiva estabilizada, nas condições especificadas na Seção 8, no que se refere à linha AA. Neste momento, a alavanca de controle do governador de velocidade rapidamente deve ser totalmente aberta.

A alavanca deve ser mantida nesta posição até que o trator tenha atravessado a linha BB e, em seguida, trazida para a posição mínima o mais rapidamente possível. As medições devem ser consideradas válidas se a diferença entre duas medições consecutivas no mesmo lado do trator não exceder 2 dB(A). O nível sonoro medido mais elevado deve constituir o resultado do ensaio.

O relatório de ensaio deve incluir os seguintes detalhes: referência a esta norma; nome e endereço do fabricante; tipo de trator, número de série do modelo e tipo de transmissão; tipo e rotação nominal do motor; uma breve descrição do sistema de silencioso (se fornecido); se o trator possui tração nas duas ou nas quatro rodas; detalhes do local do ensaio, condições do piso de ensaio e condições meteorológicas; medidor de nível sonoro, marca, modelo, tipo; número de medições e os níveis de pressão sonora registrados; resultados gerais do ensaio; data e local do ensaio e assinatura da pessoa que realizou o ensaio.

Pode-se dizer que os tratores agrícolas e florestais são veículos com motor suscetível de fornecer um elevado esforço de tração, relativamente ao seu peso, mesmo em pisos com fracas condições de aderência. Construídos principalmente para puxar, empurrar, levantar e acionar máquinas e equipamentos destinados aos trabalhos agrícolas e florestais (exemplo: charrua, fresa, semeador, reboque, etc.), os tratores agrícolas e florestais têm, de um modo geral, como órgãos de propulsão, as rodas (podendo ser de duas ou de quatro rodas motrizes) ou lagartas.

O trator é, por si só, uma máquina perigosa, dado ter aproximadamente 65% do peso no eixo traseiro, distribuindo-se os restantes 35% pelo eixo dianteiro. Esta diferença de peso significativa entre os dois eixos possibilita o capotamento do veículo. As máquinas e os tratores são responsáveis pela maioria dos acidentes de trabalho agrícola e florestal.

Entre as principais causas dos acidentes com tratores agrícolas e florestais estão o cansaço, a rotina, excesso de confiança, falta de proteção anticapotamento, antiguidade do veículo e o consumo de álcool. A grande maioria das vítimas de tratores pertencem a microempresas, maioritariamente do sexo masculino. As causas mais comuns são a perda total ou parcial do controle da máquina (73%), ocorrendo o sinistro por esmagamento.

São identificados entre os riscos mais frequentes, para além do esmagamento causado pela perda parcial ou total do controle da máquina, os seguintes:

reviramento lateral do trator ou do conjunto trator máquina agrícola/florestal;

o empinamento traseiro, quando o trator fica descompensado com o peso da máquina colocada na sua traseira; a queda em altura: acesso ao trator ou à máquina agrícola/florestal; corte/cisalhamento/choque ou impacto: em material cortante, no fecho dos taipais laterais e/ou posteriores; enrolamento: nos veios de transmissão de cardans, nas partes móveis das máquinas (carretos, correias, correntes, etc.); atropelamento: durante a circulação de tratores, durante o engate das máquinas, presença de crianças e idosos; projeção: projeção de peças partidas, pedras, material cortante; inércia: nas máquinas que tenham volantes de inércia onde o tempo de paragem é superior.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Tratores agrícolas e florestais - Estruturas de proteção na queda de objetos - Procedimentos de ensaio e requisitos de desempenho
NBRISO27850 de 04/2015

Tratores agrícolas e florestais - Estruturas de proteção na queda de objetos - Procedimentos de ensaio e requisitos de desempenho

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 13: Servidor de arquivos
NBRISO11783-13 de 10/2015

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 13: Servidor de arquivos

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 4: Camada de rede
NBRISO11783-4 de 05/2017

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 4: Camada de rede

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 14: Controle sequencial
NBRISO11783-14 de 11/2015

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 14: Controle sequencial

Tratores e máquinas agrícolas e florestais — Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 8: Definição de mensagens do veículo
NBRISO11783-8 de 07/2011

Tratores e máquinas agrícolas e florestais — Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 8: Definição de mensagens do veículo

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 2: Camada física
NBRISO11783-2 de 01/2021

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 2: Camada física

Tratores agrícolas e florestais – Estruturas de proteção na capotagem (EPC) em tratores de rodas de bitola estreita - Parte 2: EPC montada na traseira
NBRISO12003-2 de 03/2011

Tratores agrícolas e florestais – Estruturas de proteção na capotagem (EPC) em tratores de rodas de bitola estreita - Parte 2: EPC montada na traseira

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 9: ECU do trator
NBRISO11783-9 de 01/2017

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 9: ECU do trator

Tratores agrícolas e florestais - Estruturas de proteção na capotagem (EPC) - Método de ensaio estático e condições de aceitação
NBRISO5700 de 12/2015

Tratores agrícolas e florestais - Estruturas de proteção na capotagem (EPC) - Método de ensaio estático e condições de aceitação

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 6: Terminal virtual
NBRISO11783-6 de 08/2021

Tratores e máquinas agrícolas e florestais - Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 6: Terminal virtual

Tratores e máquinas agrícolas e florestais — Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 11: Dicionário de elementos de dados móveis
NBRISO11783-11 de 04/2012

Tratores e máquinas agrícolas e florestais — Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 11: Dicionário de elementos de dados móveis

Tratores agrícolas e florestais — Segurança - Parte 1: Tratores convencionais
NBRISO26322-1 de 05/2011

Tratores agrícolas e florestais — Segurança - Parte 1: Tratores convencionais

Tratores agrícolas e florestais — Segurança - Parte 2: Tratores pequenos e de bitola estreita
NBRISO26322-2 de 02/2013

Tratores agrícolas e florestais — Segurança - Parte 2: Tratores pequenos e de bitola estreita

Tratores e máquinas agrícolas e florestais — Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 5: Gerenciamento de rede
NBRISO11783-5 de 02/2021

Tratores e máquinas agrícolas e florestais — Rede serial para comunicação de dados e controle - Parte 5: Gerenciamento de rede

Tratores agrícolas e florestais - Medição de ruído emitido quando em movimento
NBRISO7216 de 10/2017

Tratores agrícolas e florestais - Medição de ruído emitido quando em movimento

Tratores agrícolas e florestais - Medição de ruído na posição do operador - Método de avaliação
NBRISO5131 de 01/2017

Tratores agrícolas e florestais - Medição de ruído na posição do operador - Método de avaliação

Tratores agrícolas e florestais – Estruturas de proteção na capotagem (EPC) em tratores de rodas de bitola estreita - Parte 1: EPC montada na dianteira
NBRISO12003-1 de 03/2011

Tratores agrícolas e florestais – Estruturas de proteção na capotagem (EPC) em tratores de rodas de bitola estreita - Parte 1: EPC montada na dianteira