Text page

NBR 16544 de 12/2016: os requisitos para as conexões com terminais de compressão para uso com tubos plásticos

Quais os tipos de cobre e ligas de cobre usados? Quais os requisitos e ensaios para elementos de vedação não metálicos? Qual a área mínima de passagem da seção transversal do suporte interno das conexões? Quais os parâmetros para ensaio de resistência a tração? Essas questões estão sendo mostradas no texto sobre as conexões com terminais de compressão para uso com tubos plásticos.

11/01/2017 - Equipe Target

Conexões com terminais de compressão para uso com tubos plásticos

A NBR 16544 de 12/2016 - Cobre e ligas de cobre - Conexões com terminais de compressão para uso com tubos plásticos e multicamada – Requisitos estabelece os requisitos e ensaios dos materiais para conexões de cobre e suas ligas com terminais de compressão radial para tubos plásticos e multicamada. Esta norma especifica conexões de compressão com ou sem revestimento superficial, com diâmetros entre 10 mm até 110 mm, com o propósito de unir tubos plásticos e multicamada, para uso em sistemas de água quente e fria, assim como sistemas de aquecimento e resfriamento ou sistemas a gás, incluindo sistemas de gases combustíveis.

As conexões podem compreender uma combinação de tipos de terminais, especificados nesta norma, nas NBR 11720, NBR 15277, NBR 15978, ou outras normas, verificando se são adequadas ao fluído/gás que está sendo conduzido. A norma estabelece a designação de sistemas para as conexões e é aplicável para conexões de compressão para união dos seguintes tubos plásticos e multicamadas: NBR 15939-1, Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria – Polietileno reticulado (PE-X) – Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio; ISO 21003, Multilayer piping systems for hot and cold water installations inside buildings; ISO 22391, Plastics piping systems for hot and cold water installations – Polyethylene of raised temperature resistance (PE-RT); ISO 17484-1, Plastics piping systems – Multilayer pipe systems for indoor gas installations with a maximum operating pressure up to and including 5 bar (500 kPa) – Part 1: Specifications for systems.

Acesse algumas perguntas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais os tipos de cobre e ligas de cobre usados?

Quais os requisitos e ensaios para elementos de vedação não metálicos?

Qual a área mínima de passagem da seção transversal do suporte interno das conexões?

Quais os parâmetros para ensaio de resistência a tração?

As conexões, incluindo reduções, aplicáveis em sistemas de água quente e água fria, assim como sistemas de aquecimento e resfriamento ou sistemas a gás, incluindo sistemas de gases combustíveis, devem ser conforme especificado nos itens 4.2 a 4.14. Adicionalmente, as conexões, incluindo reduções, aplicáveis em sistemas de gases combustíveis devem ser conforme 4.15.

Detalhes de aplicações e classes de condições de serviço são especificadas nas normas de sistemas de tubulações plásticas referenciadas nesta norma. Conexões para aplicação com gases devem incluir luva de apoio. As luvas de apoio, ou conexões que possuam a luva de apoio incorporada à conexão, devem ser selecionadas adequadamente em função do tipo de material e das dimensões do tubo a que se destinam.

As luvas de apoio são específicas ao tipo de tubo que se destinam e a cada fabricante de conexões. Estes podem não ser intercambiáveis. Para promover a união entre o tubo e a conexão, mediante a operação de compressão radial, convém que seja utilizado ferramental adequado, normalmente associado ao tipo específico da conexão, do perfil de compressão, das características de construção e do dimensional do tubo.

As conexões são fabricadas normalmente com um batente para limitar a profundidade de inserção do tubo. As conexões podem ser fabricadas para propósitos especiais, por exemplo, para reparos, onde o terminal da conexão não possua um limite para profundidade de inserção do tubo, permitindo que a conexão deslize ao longo do tubo. As conexões devem ser livres de rebarbas, deformações e arestas cortantes.

Requisitos para revestimento das superfícies das conexões devem ser acordados entre o comprador e fabricante e não podem interferir no desempenho da conexão. Cobre e ligas de cobre não possuem requisito a ser atendido para resistência à alta temperatura em função de sua temperatura de fusão.

As propriedades mecânicas dos produtos fabricados em cobre e ligas de cobre, utilizados em redes que conduzem fluídos aquecidos, não são reduzidas significativamente. Outros componentes presentes nas conexões utilizadas em instalações de gases combustíveis e instalações de água quente, particularmente com função de vedação, devem ter suas características de resistência à alta temperatura verificada.

A área mínima de passagem da seção transversal de cada conexão deve estar de acordo com a Tabela 5, excetuando-se adaptadores especificados em outras normas. O menor diâmetro aplicado deve ser tal que não restrinja outras saídas. As conexões fabricadas com ligas de cobre contendo mais que 10 % de zinco devem ser resistentes à corrosão sob tensão e não podem apresentar fissuras quando ensaiadas conforme ISO 6957, usando-se uma solução para a realização do ensaio com pH 9,5.

As conexões fundidas, após a sua usinagem, devem ser submetidas a um ensaio de pressão hidrostático ou pneumático para verificação de integridade após fabricação. No caso do ensaio de pressão pneumática, as conexões devem ser submetidas a uma pressão interna de 5 ± 0,5 bar, e devem ser imersas inteiramente em água, sem apresentar vazamentos, conforme a NBR 15757.

No caso do ensaio de pressão hidrostática, as conexões devem ser submetidas a uma pressão interna de (24 ± 1) bar à temperatura ambiente, sem apresentar vazamento, conforme NBR 15757. Cobre e ligas de cobre são produtos que não necessitam ser ensaiados para reação ao fogo em função de sua temperatura de fusão.

Referências podem ser identificadas como, por exemplo, classificação de materiais (classe A1) de acordo com a decisão da comissão europeia 96/603/EC, e adendo 2000/605/EC. Outros componentes presentes nas conexões utilizadas em instalações de gases combustíveis, particularmente com função de vedação, devem ter suas características de resistência ao fogo verificadas.

Ensaios de tipo devem ser realizados uma vez para aprovar o projeto do produto em conformidade com os requisitos desta norma. Ensaios de tipo adicionais devem ser realizados quando for realizada alteração no projeto, material ou processo, que possa afetar as características de desempenho. Todos os ensaios de tipo devem ser repetidos para as características alteradas.

Todos os diâmetros das conexões devem ser submetidos aos ensaios de tipo, porém combinações de diâmetros são permitidos dentro de um equipamento de ensaio. Novas conexões são necessárias para cada ensaio.Ensaios de rotina devem ser realizados para garantir que cada lote de produção atenda aos requisitos desta Norma (requisitos que estão normalmente vinculados ao processo de produção).

As conexões a serem ensaiadas devem ser montadas com os respectivos tubos, de acordo com as instruções dos fabricantes. As conexões devem ser montadas e ensaiadas com os tubos especificados pelo fabricante. Os ensaios devem contemplar toda a faixa, entre a mínima e a máxima espessura de parede dos tubos.

São permitidas combinações de dimensões das conexões dentro de um equipamento de ensaio. A distância mínima entre conexões em ensaio e cada conjunto deve ser de 100 mm. Os ensaios devem ser realizados a uma temperatura de (23 ± 5) °C, exceto quando indicado de outra forma.

As conexões devem ser marcadas de forma legível e indelével de forma permanente com o nome ou marca comercial do fabricante. No caso de conexões produzidas com ligas suscetíveis à dezincificação (ver Tabela 1), deve ser marcado o símbolo *d.

Outras informações podem ser marcadas, a critério do fabricante, como, por exemplo:diâmetro nominal da conexão; identificação da aplicação (água ou gás); informação de rastreabilidade; perfil de prensagem; número desta norma. As conexões para aplicação em instalações de gases combustíveis devem possuir identificação específica de uso por meio de uma das seguintes formas: inscrição indelével da palavra “gás”, ou conexão identificada na cor “amarela”, ou conexão identificada com anel de proteção externo na cor “amarela”.

As conexões devem ser separadas segundo dimensões e tipo, e ser acondicionadas de tal maneira que não sofram danos durante o manuseio e o transporte, podendo também ser acondicionadas conforme acordo entre comprador e fornecedor. Cada embalagem deve conter no mínimo as seguintes indicações: nome ou marca do fabricante; diâmetro nominal da conexão; tipo da conexão. Outras informações podem ser acrescentadas, a critério do fabricante ou comprador, como, por exemplo: número do pedido de compra; material da conexão (liga); quantidade por diâmetro nominal, em peças; número desta norma.

FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Conexões para união de tubos de cobre por soldagem ou brasagem capilar — Requisitos
NBR11720 de 05/2010

Conexões para união de tubos de cobre por soldagem ou brasagem capilar — Requisitos

Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Polietileno reticulado (PE-X) - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio
NBR15939-1 de 04/2011

Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Polietileno reticulado (PE-X) - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio

Instalações em saneamento - Registro de pressão em ligas de cobre - Dimensões
NBR14120 de 06/1998

Instalações em saneamento - Registro de pressão em ligas de cobre - Dimensões

Conexões com terminais de compressão para uso com tubos de cobre — Requisitos
NBR15277 de 08/2012

Conexões com terminais de compressão para uso com tubos de cobre — Requisitos

Tubos e conexões de cobre — Métodos de ensaio
NBR15757 de 08/2009

Tubos e conexões de cobre — Métodos de ensaio

Produtos e ligas de cobre - Terminologia
NBR5019 de 04/2001

Produtos e ligas de cobre - Terminologia

Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Polietileno reticulado (PE-X) - Parte 2: Procedimentos para projeto
NBR15939-2 de 04/2011

Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Polietileno reticulado (PE-X) - Parte 2: Procedimentos para projeto

Conexões de cobre e ligas de cobre com terminais de engate rápido para união de tubos
NBR15978 de 09/2011

Conexões de cobre e ligas de cobre com terminais de engate rápido para união de tubos

Têmpera do cobre e das suas ligas
NBR6363 de 03/1982

Têmpera do cobre e das suas ligas

Cobre e ligas de cobre - Conexões com terminais de compressão para uso com tubos plásticos e multicamada - Requisitos
NBR16544 de 12/2016

Cobre e ligas de cobre - Conexões com terminais de compressão para uso com tubos plásticos e multicamada - Requisitos

Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Polietileno reticulado (PE-X) - Parte 3: Procedimentos para instalação
NBR15939-3 de 04/2011

Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Polietileno reticulado (PE-X) - Parte 3: Procedimentos para instalação