Text page

NBR 13705 de 12/2016: os aditivos concentrados para arrefecimento de motor endotérmico

Quais os requisitos das características dos aditivos para arrefecimento de motor endotérmico? Como deve ser a preparação de solvente de titulação? Como deve ser feito o método do ponto de congelamento? Como deve ser feito o ensaio da ação corrosiva de soluções de aditivo? Essas questões estão sendo apresentadas no texto sobre os aditivos concentrados para arrefecimento de motor endotérmico.

04/01/2017 - Equipe Target

Aditivos concentrados para arrefecimento de motor endotérmico

A NBR 13705 de 12/2016 - Veículos rodoviários automotores - Aditivos concentrados para arrefecimento de motor endotérmico, tipos A, B e C - Requisitos e métodos de ensaio especifica os requisitos e os métodos de ensaio para a determinação das características dos aditivos concentrados dos tipos monoetilenoglicol, monopropilenoglicol e glicerina, tipos A, B e C, destinados à preparação da solução refrigerante, para promover o arrefecimento do motor endotérmico e conferir proteção adequada contra o congelamento, fervura, cavitação e corrosão.

Acesse algumas perguntas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais os requisitos das características dos aditivos para arrefecimento de motor endotérmico?

Como deve ser a preparação de solvente de titulação?

Como deve ser feito o método do ponto de congelamento?

Como deve ser feito o ensaio da ação corrosiva de soluções de aditivo?

Os requisitos gerais dos produtos incluem: o aditivo deve apresentar aspecto homogêneo e límpido e não mostrar materiais estranhos em suspensão ou sedimentados; a unidade legal de medida é o litro (L); aminas, exceto azóis, não são permitidas na formulação do líquido de arrefecimento; o aditivo descrito nesta norma pode sofrer a adição de corantes de acordo com a conveniência do fabricante, desde que não deteriore as propriedades listadas na Tabela 1; o aditivo tipo A deve ser formulado utilizando um monoetilenoglicol que atenda aos requisitos do Anexo E; o aditivo tipo B deve ser formulado utilizando um monopropilenoglicol que atenda aos requisitos do Anexo E; o aditivo tipo C deve ser formulado utilizando uma glicerina que atenda aos requisitos do Anexo C.

Na embalagem, devem constar as seguintes informações: aditivo para arrefecimento tipos A, B ou C, conforme o caso; orgânico, inorgânico ou híbrido, conforme o caso; número desta norma (a menção ao atendimento desta norma deve ser integral e não somente parcial); a inscrição: “Este produto deve ser diluído de acordo com a recomendação do fabricante”.

Na ausência desta recomendação, preparar uma solução de no mínimo 33 % v/v do produto com água limpa. Não descartar no meio ambiente (solo, esgoto, redes pluviais etc.). O lançamento em redes de esgoto ou corpos hídricos está condicionado ao atendimento à legislação vigente.

O ensaio de cloretos envolve a determinação de íons cloreto em líquidos de arrefecimento na faixa de 5 × 10-6 a 200 × 10-6 na presença de até 0,6 % em peso de mercaptobenzotiazol e baseia-se no princípio da titulação potenciométrica. Substâncias químicas de grau reagente devem ser utilizadas em todos os ensaios. Outros graus podem ser utilizados, contanto que seja antes averiguado que o reagente possui uma pureza suficientemente alta para permitir seu uso sem reduzir a precisão da determinação.

Considerar como água reagente a que possuir as seguintes características: material particulado e dissolvido: total de 2,0 mg/L no máximo; pH a 25 °C de 5,0 a 8,0; condutividade elétrica a 25 °C de 5,0 μΩ/cm no máximo; tempo mínimo de retenção de cor de permanganato de potássio de 10 min.

Para a corrosão, o método consiste em avaliar a ação corrosiva de soluções de aditivo para arrefecimento sobre corpos de prova de metal em condições controladas de laboratório. Este ensaio é empregado para a determinação da ação corrosiva entre duas ou mais amostras de aditivo, apontando aquela de melhor resultado e selecionando-a para ensaio de campo ou desempenho simulado.

Neste método, corpos de prova de metais típicos, presentes em sistemas de arrefecimento, são imersos em solução de aditivo para arrefecimento de motores, durante 336 h, a 88 °C, e submetidos a um fluxo de aeração de 100 mL/min. Após as 336 h, os corpos de prova de metal são devidamente tratados (limpos) e verifica-se, então, a variação de massa dos corpos de prova de metal.

Diluir em 1 000 mL de água destilada, de acordo com a NBR 7353:2014, 5.1.5, as seguintes quantidades dos sais de sódio anidros (grau analítico): sulfato de sódio: 148 mg; cloreto de sódio: 165 mg; bicarbonato de sódio: 138 mg. Se grande volume de água corrosiva for necessário, preparar uma solução concentrada dez vezes e, antes de utilizar, fazer a diluição adequada, diluindo uma parte da solução concentrada para nove partes de água desmineralizada.

Para espuma e tempo de quebra, o ensaio consiste em passar fluxo de ar controlado por uma amostra aquecida à temperatura predeterminada. Uma amostra do aditivo de arrefecimento para motores endotérmicos é submetida à temperatura e ao fluxo de ar, sendo medidos o volume de espuma formado e o seu tempo de quebra após a interrupção do fluxo de ar.

Como reagente e material, água destilada, conforme a NBR 7353:2014, 5.1.2. A aparelhagem necessária à execução do ensaio é a seguinte: proveta graduada de 500 mL, resistente ao aquecimento, com diâmetro de 45 mm a 50 mm e comprimento de 380 mm; banho de água com capacidade para 4 L; fonte de aquecimento; tubo aerador – pedra difusora esférica de 25,4 mm de diâmetro, conforme ASTM D1881; termômetro ASTM 1C ou 1F, de imersão parcial, com escala de – 17,8 °C a 150 °C, conforme ASTM E1; fonte de ar – alimentação de ar limpo e seco, livre de graxas e outros contaminantes, com rotâmetro ou equipamento capaz de manter o fluxo descrito através do aerador; cronômetro com mostrador graduado em divisões não maiores do que 0,2 s; válvula de três vias.

Para o desempenho simulado para determinação das taxas de corrosão, o ensaio consiste em avaliar o efeito de um aditivo de arrefecimento para motor endotérmico circulando em corpos de prova de metal e em componentes de sistema de arrefecimento sob condições laboratoriais controladas e essencialmente isotérmicas. O ensaio consiste em colocar em circulação durante 1 064 h, a 88 °C, e a uma velocidade de 1,3 L/s a 1,6 L/s, um aditivo em um circuito de fluxo constituído de um reservatório de metal, uma bomba, um radiador e mangueiras de conexão de borracha. Corpos de prova de ensaio representando os metais utilizados no sistema de arrefecimento são montados dentro do reservatório, que simula um bloco de cilindros do motor.

Ao término do tempo especificado, as propriedades de inibição da corrosão devem ser determinadas pela medição da variação de massa dos corpos de prova de metal e pelo exame visual das superfícies internas dos componentes. As mudanças ocorridas nas condições dos aditivos de arrefecimento para motores endotérmicos devem ser determinadas pelo exame das amostras colhidas de tempo em tempo durante o período de ensaio.

O Anexo A apresenta o significado e a interpretação do ensaio de desempenho simulado. O ensaio de desempenho simulado permite avaliar o aditivo de uma maneira mais aprimorada e seletiva do que o ensaio em vidraria de laboratório.

As peculiaridades do ensaio de desempenho simulado que contribuem para uma discriminação mais perfeita são: a utilização de componentes do sistema automotivo de arrefecimento; uma proporção maior de área da superfície dos metais em relação ao aditivo; a circulação de aditivo, simulando a circulação que ocorre em um sistema de arrefecimento automotivo convencional. Embora o ensaio de desempenho simulado permita fazer uma avaliação mais aperfeiçoada quando comparado aos métodos de ensaio em vidraria de laboratório, ele não leva em consideração os efeitos de rejeição de calor do motor, quilometragem extensiva, excesso de inatividade, depósitos residuais de corrosão, etc.

Portanto, é recomendável que se realizem ensaios mais rigorosos de escala completa de motores e operação real para se obterem evidências adicionais da estabilidade da composição de aditivo, eficácia do inibidor e tempo de operação. É essencial que se tenham dados de referência substanciosos antes que se possa fazer uma interpretação significativa dos resultados dos ensaios.

Os dados de referência devem incluir informações comparáveis de ensaios sobre um aditivo cujas características do desempenho em operação sejam conhecidas. Informações comparáveis de ensaios sobre um aditivo cujo desempenho em ensaios em dinamômetro de motor seja conhecido também podem ser úteis.

A correlação entre os resultados dos ensaios em vidraria de laboratório, desempenho simulado, dinamômetro de motor e ensaios em campo deve fornecer uma valiosa contribuição para determinar a eficiência de uma dada composição de aditivo. Os pesquisadores devem ser bem alertados sobre o desenvolvimento de dados correlacionados, a fim de obter o máximo do ensaio no desempenho simulado.

O operador também deve estabelecer os limites satisfatórios de repetibilidade e reprodutibilidade que se referem ao seu programa de ensaios. O equipamento e o procedimento que diferirem substancialmente dos especificados neste método, mesmo que por necessidade de representar corretamente as características de um sistema específico de arrefecimento de motores, devem ser considerados atípicos em relação à prática automotiva atual e estão, portanto, fora do objetivo traçado por este método.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Veículos rodoviários automotores - Aditivos concentrados para arrefecimento de motor endotérmico, tipos A, B e C - Requisitos e métodos de ensaio
NBR13705 de 12/2016

Veículos rodoviários automotores - Aditivos concentrados para arrefecimento de motor endotérmico, tipos A, B e C - Requisitos e métodos de ensaio

Derivados de petróleo - Determinação dos pontos de fulgor e de combustão em vaso aberto Cleveland
NBR11341 de 10/2014

Derivados de petróleo - Determinação dos pontos de fulgor e de combustão em vaso aberto Cleveland

Veículos rodoviários automotores - Manutenção em sistema de transmissão - Parte 1: Caixa de mudanças mecânica
NBR15760-1 de 09/2009

Veículos rodoviários automotores - Manutenção em sistema de transmissão - Parte 1: Caixa de mudanças mecânica

Veículos rodoviários automotores — Amortecedor da suspensão — Verificação de desempenho e durabilidade — Método de ensaio
NBR13308 de 04/2014

Veículos rodoviários automotores — Amortecedor da suspensão — Verificação de desempenho e durabilidade — Método de ensaio

Soluções aquosas - Determinação do pH com eletrodos de vidro
NBR7353 de 12/2019

Soluções aquosas - Determinação do pH com eletrodos de vidro

Petróleo e derivados de petróleo — Determinação da massa específica, densidade relativa e °API — Método do densímetro
NBR7148 de 11/2013

Petróleo e derivados de petróleo — Determinação da massa específica, densidade relativa e °API — Método do densímetro

Veículos rodoviários automotores - Motores
NBR6047 de 07/1990

Veículos rodoviários automotores - Motores

Veículos rodoviários automotores — Bomba elétrica de combustível para motores do ciclo Otto — Requisitos técnicos
NBR15754 de 10/2017

Veículos rodoviários automotores — Bomba elétrica de combustível para motores do ciclo Otto — Requisitos técnicos

Líquidos e sólidos orgânicos e inorgânicos — Determinação do teor de água — Método geral por reagente Karl Fischer
NBR5758 de 04/2010

Líquidos e sólidos orgânicos e inorgânicos — Determinação do teor de água — Método geral por reagente Karl Fischer

Compostos orgânicos — Determinação do ponto de ebulição
NBR12014 de 08/2013

Compostos orgânicos — Determinação do ponto de ebulição

Destilados de petróleo e óleos viscosos — Determinação da massa específica e da densidade relativa pelo densímetro digital
NBR14065 de 05/2013

Destilados de petróleo e óleos viscosos — Determinação da massa específica e da densidade relativa pelo densímetro digital

Veículos rodoviários automotores - Manutenção em sistema de transmissão - Parte 2: Caixa de mudanças automática
NBR15760-2 de 09/2009

Veículos rodoviários automotores - Manutenção em sistema de transmissão - Parte 2: Caixa de mudanças automática

Veículos rodoviários automotores - Líquido para freios hidráulicos, tipos 3, 4, 4 LV e 5.1 - Requisitos e métodos de análise
NBR9292 de 07/2022

Veículos rodoviários automotores - Líquido para freios hidráulicos, tipos 3, 4, 4 LV e 5.1 - Requisitos e métodos de análise

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Determinação da resistência a altas temperaturas - Método de ensaio
NBR11478 de 10/1990

Reservatório do combustível de plástico para veículos rodoviários automotores - Determinação da resistência a altas temperaturas - Método de ensaio

Veículos rodoviários automotores - Velas de ignição e seus assentos de cabeçote - Características básicas e dimensões
NBRISO28741 de 12/2016

Veículos rodoviários automotores - Velas de ignição e seus assentos de cabeçote - Características básicas e dimensões

Veículos rodoviários automotores - Sistema de embreagem - Verificação da patinação
NBR14593 de 09/2000

Veículos rodoviários automotores - Sistema de embreagem - Verificação da patinação