Text page

NFPA 52: código para os sistemas de gás natural veicular (GNV)

Essa norma, editada em 2016 pela National Fire Protection Association (NFPA), é um código que busca garantir a segurança de pessoas e instalações com os requisitos que mitiguem os riscos de incêndio e explosão associados ao gás natural veicular para veículos e instalações de abastecimento.

14/09/2016 - Equipe Target

Sistema de gás natural veicular

A NFPA 52: Vehicular Natural Gas Fuel Systems Code, 2016 Edition descreve os requisitos para o projeto, instalação, operação e manutenção de sistemas de gás natural veicular para todos os tipos de veículos, além de sua respectiva compressão, armazenamento e sistemas de distribuição. Este código se aplica a todas as instalações com armazenamento de gás natural veicular e gás natural liquefeito em recipientes de 70.000 litros ou menos.

Por causa da vantagem de custo do gás natural sobre os combustíveis líquidos à base de petróleo, um número crescente de veículos movidos a gás natural estão sendo colocados em serviço. Como resultado, essa norma pode ser referenciada mais do que nunca pelos gestores de projetos, engenheiros, instaladores, prestadores de serviços, profissionais de manutenção, instalações e autoridades competentes.

Renomeada e completamente reorganizada, a edição de 2016 apresenta um formato mais amigável no seu uso e uma maior coerência com a CSA Group NGV 5.1 Standard e com o International Fuel Gas Code (IFGC).

Conteúdo da norma

Capítulo 1 Administração

1.1 Escopo

1.2 Objetivo

1.3 Retroatividade

1.4 Disposições alternativas

1.5 Unidades

1.6 Aplicação

1.7 Treinamento

Capítulo 2 Publicações referenciadas

2.1 Geral

2.2 Publicações NFPA

2.3 Outras publicações

2.4 Referências obrigatórias para as seções

Capítulo 3 Definições

3.1 Geral

3.2 Definições oficiais da NFPA

3.3 Definições gerais

Capítulo 4 Gestão das instalações

4.1 Geral

4.2 Materiais de construção

4.3 Qualificações

4.4 Equipamentos de segurança

4.5 Operações e manutenção

4.6 Treinamento em gás natural veicular

4.7 Treinamento em gás natural liquefeito

4.8 Requisitos dos riscos particulares

Capítulo 5 Proteção contra incêndios em instalações

5.1 Geral

5.2 Gás natural veicular (requisitos suplementares)

5.3 Gás natural liquefeito (requisitos suplementares)

6 Detecção de gás, alarme e sistemas de emergência em instalações

6.1 Geral

6.2 Requisitos do gás natural veicular (suplementar)

6.3 Requisitos do gás natural liquefeito (suplementar)

Capítulo 7 Qualidade do combustível

7.1 Geral

7.2 Gás natural liquefeito

7.3 Gás natural veicular

Capítulo 8 Equipamentos nas instalações

8.1 Escopo

8.2 Aplicação

8.3 Geral

8.4 Sistemas de gás natural veicular

Capítulo 9 Armazenamento ao ar livre

9.1 Escopo

9.2 Geral

9.3 Requisitos suplementares do gás natural veicular

9.4 Requisitos suplementares do gás natural liquefeito

Capítulo 10 Armazenamento em ambientes fechados

10.1 Escopo

10.2 Geral

10.3 Requisitos suplementares do gás natural veicular

10.4 Requisitos suplementares do gás natural liquefeito

Capítulo 11 Abastecimento de gás natural veicular

11.1 Aplicação

11.2 Geral

11.3 Distribuição do gás natural veicular

Capítulo 12 Abastecimento gás natural liquefeito em residências

12.1 Aplicação

12.2 Qualificações dos componentes do sistema

12.3 Requisitos gerais de segurança

12.4 Instalação

12.5 Instalação de válvulas reguladoras de pressão

12.6 Instalação de medidores de pressão

12.7 Regulação de pressão

12.8 Canalização e mangueira

12.9 Teste

12.10 Instalação de equipamento de desligamento de emergência

12.11 Operação

12.12 Manutenção e inspeção.

Capítulo 13 Abastecimento gás natural veicular

13.1 Aplicação

13.2 Geral

13.3 Distribuição de gás natural veicular

13,4 Armazenamento de gás natural veicular

13.5 Sistemas de tubulação e componentes

Capítulo 14 Equipamentos automotivos

14.1 Escopo

14.2 Aplicação

14.3 Geral

14.4 Gás natural veicular (requisitos suplementares)

14.5 Requisitos suplementares para o gás natural liquefeito

Capítulo 15 Combustíveis automotivos e sistemas de segurança

15.1 Aplicação

15.2 Geral

15.3 Motor para sistemas de combustível veicular

15.4 Engenharia de sistemas de combustível veicular

Capítulo 16 Requisitos de instalação de Tanques ASME para gás natural combustível

16.1 Aplicação

16.2 Geral

16.3 Recipientes

16.4 Fundações dos recipiente e suportes

16.5 Contêiner e instalação

16.6 Válvulas de retenção para os produtos

16.7 Inspeção

16.8 Teste e purga de contêineres de gás natural veicular

16,9 Tubulações

16.10 Instrumentação do contêiner

16.11 Calibração de pressão e controle

Capítulo 17 Reservado

Capítulo 18 Reservado

Anexo A Materiais explicativos

Anexo B Regulamento para amostragem usando a NFPA 52

Anexo C Dispositivos de alívio de pressão

Anexo D Referências informativas

O veículo a ser adaptado para o uso de GNV deve estar em perfeito estado de conservação e operação, tanto no conjunto motopropulsor, como também em sua estrutura. A estrutura do veículo a ser adaptado para o uso de GNV deve permitir a instalação segura dos suportes necessários à fixação dos componentes de GNV.

Os elementos da suspensão devem estar em condições de operação regular conforme as especificações e recomendações do fabricante do veículo. O funcionamento do conjunto motor considerando as partes fixas e móveis e todos os elementos de vedação e complementos do conjunto.

O aspecto do bloco do motor, cabeçote, tampa do cárter e tampa do cabeçote quanto à existência de trincas e vazamentos de óleo lubrificante e/ou líquido de arrefecimento. O aspecto da ponteira do escapamento quanto à formação de borra de óleo queimado ou lavagem por vapor d'água, sintomas clássicos de desgaste ou defeito grave de funcionamento do motor.

O catalisador e os abafadores do sistema de escapamento quanto a entupimentos e/ou vazamentos de gases de combustão. A pressão de compressão dos cilindros, certificando-se de que há equilíbrio entre eles e conforme as especificações do fabricante.

A maior diferença de pressão entre cilindros não deve ser superior a 10 % da pressão dinâmica efetiva. Consultar o manual do instrumento de medição utilizado. E as condições do óleo lubrificante, filtro de óleo lubrificante e funcionamento geral do sistema de lubrificação.

Os componentes do sistema GNV devem ser fixados dentro do perímetro do veículo, com exceção do compartimento de passageiros ou cabine, para-choques, nas regiões de atuação e nos componentes móveis ou de deformação. Não aplicável aos componentes eletrônicos específicos.

Os componentes do sistema de GNV devem ser fixados ao chassi ou à carroçaria do veículo, de tal forma que ofereçam rigidez de fixação e segurança aos usuários do veículo e à sua da carga. Quando os componentes do sistema de GNV forem instalados sob o veículo, a altura livre e os ângulos de entrada e de saída e de rampa do veículo devem ser verificados e mantidos conforme a configuração do veículo original.

Quando identificado o risco de um componente do sistema GNV ser atingido por objetos lançados ou atingir obstáculos decorrentes do tráfego do veículo, devem ser instalados anteparos rigidamente fixados que o protejam de impactos e ou danos. Caso haja a remoção de pintura ou proteção superficial de parte ou peça do veículo, ou ainda do componente do sistema de GNV durante a instalação, deve-se aplicar esmalte automotivo e ou produto equivalente ou superior para proteção contra corrosão.

A fixação dos componentes do sistema de GNV em local que demonstre possível acúmulo de umidade e ou condensação deve ser evitada. Caso não seja possível evitá-la, deve ser instalado um sistema de renovação de ar e/ou de drenagem de condensados.

Os componentes do sistema de GNV devem ser instalados de forma que todo e qualquer vazamento produzido por falhas de vedação e/ou atuação dos dispositivos de segurança seja liberado para a atmosfera exterior ao veículo. Os dispositivos de alívio de pressão instalados nos cilindros devem receber invólucros específicos dotados de dutos que conduzam o GNV liberado para a atmosfera exterior ao veículo.

Toda conexão e, ou componente instalado no interior do veículo, compartimentos de passageiros, de bagagens e/ou de carga deve ter a estanqueidade garantida e devem ser verificados os riscos de contenção indevida de GNV no interior do veículo. O Quando o componente do sistema de GNV for instalado próximo a fontes de calor que possam gerar temperaturas superiores a 120 ºC ou fontes de frio que possam gerar temperaturas inferiores a -20 ºC, que possam comprometer o funcionamento do componente ou colocá-lo em risco de dano permanente, devem ser instalados protetores térmicos com resistência térmica e dimensionamento suficientes para atender aos limites de temperaturas mencionados.

A aplicação de isolantes térmicos não deve comprometer o funcionamento de quaisquer sistemas vinculados à configuração original do veículo. Os dispositivos de segurança que operam com elementos termossensíveis não devem ser isolados ou protegidos termicamente.

Todo e qualquer componente eletrônico ou elétrico do sistema de GNV deve receber isolamento térmico permanente quando houver o risco de sofrer calor radiante. Quando instalados sistemas GNV policombustível em veículos rodoviários e veículos automotores, deve-se tomar os cuidados necessários para que o sistema de alimentação do combustível original do veículo, incluindo o sistema de gerenciamento eletrônico, quando pertinente, opere conforme as especificações originais do veículo, quando solicitado.

Todos os componentes, dispositivos e peças do acabamento do sistema GNV devem ser dimensionados, construídos, posicionados e fixados em conformidade com as normas de aplicação na indústria automobilística. Em nenhuma hipótese qualquer componente do sistema de GNV pode ter seu projeto alterado sem a aprovação formal do fabricante.

O suporte de cilindro a ser instalado deve ser compatível com o cilindro a ser suportado e ao veículo no qual será fixado. A instalação do suporte deve ser feita dentro do perímetro definido por outros componentes do veículo, em local adequado e o mais distante possível de suas extremidades, não comprometendo a ergonomia, a dirigibilidade e a movimentação do veículo.

Utilizando os furos existentes na base do suporte como referência, marcar os pontos a serem furados na carroçaria, de tal forma que coincidam com as longarinas ou nervuras existentes na estrutura. Executar as furações com brocas de diâmetros equivalentes às furações previstas para fixação existentes no suporte.

Recomenda-se a realização de pré-furo com broca de diâmetro menor, para que sirva de guia para a furação definitiva. Após a execução dos furos na carroçaria do veículo as regiões afetadas devem ser protegidas contra corrosão.

O suporte de cilindro de GNV deve ser posicionado e fixado no veículo através dos parafusos, porcas, arruelas e elementos de reforço auxiliares fornecidos pelo fabricante ou que possuam as mesmas especificações de resistência e proteção superficial. Antes de instalar o cilindro no veículo, devem ser verificadas ocorrências de deformações, quaisquer danos na pintura, pontos de corrosão e quaisquer outras anormalidades que possam comprometer sua integridade. Também, devem ser verificadas condições de tal forma que o cilindro não sofra trações ou torções e que este não se constitua em elemento estrutural do veículo.

O cilindro deve ser posicionado no suporte de fixação de tal forma que: os cilindros instalados sob o veículo devem estar posicionados antes do eixo dianteiro e não devem interferir com a região de fixação do para-choque traseiro; os cilindros instalados sob o veículo não devem interferir com as regiões abrangidas pela movimentação da suspensão e/ou do sistema de freios; permita fácil acesso à válvula de cilindro; ofereça proteção à válvula de cilindro e esta esteja protegida de sujeira e distante do sistema de alta voltagem e do coletor de escapamento; ofereça proteção à válvula de cilindro contra danos decorrentes de quaisquer impactos e ou de substâncias que possam comprometer sua operação; os cilindros, quando instalados sob o veículo, estejam protegidos com batentes, revestidos de borracha ou material equivalente, com a finalidade de oferecer proteção contra impactos e/ou de objetos lançados decorrentes do deslocamento do veículo; permita a instalação e o manuseio dos dispositivos de abertura e fechamento da válvula de cilindro do sistema de ventilação.

As cintas principais e auxiliares e os batentes ou cintas limitadoras devem ser revestidos com elementos de proteção constituídos de borracha antideslizante ou material equivalente. As cintas de fixação do cilindro ao suporte devem ser posicionadas de forma equidistante, no corpo do cilindro de GNV, a uma distância mínima de 50 mm das calotas do cilindro.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Veículos rodoviários- Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 5 - Válvula manual do cilindro (ISO 15500-5:2001, IDT)
NM-ISO15500-5 de 01/2009

Veículos rodoviários- Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 5 - Válvula manual do cilindro (ISO 15500-5:2001, IDT)

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 5: Suportes em geral
NBR11353-5 de 08/2020

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 5: Suportes em geral

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Parte 6: Operação e manutenção — Lavagem automotiva
NBR15594-6 de 03/2021

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Parte 6: Operação e manutenção — Lavagem automotiva

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 2: Indicadores, injetores, misturadores, dosadores, injeção e controle
NBR11353-2 de 08/2020

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 2: Indicadores, injetores, misturadores, dosadores, injeção e controle

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 13 - Dispositivo de alívio de pressão (PRD) (ISO 15500-13:2001, ID1)
NM-ISO15500-13 de 01/2009

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 13 - Dispositivo de alívio de pressão (PRD) (ISO 15500-13:2001, ID1)

Cilindros para gases — Cilindros de alta pressão para o armazenamento de gás natural como combustível a bordo de veículos automotores
NBRNM-ISO11439 de 01/2019

Cilindros para gases — Cilindros de alta pressão para o armazenamento de gás natural como combustível a bordo de veículos automotores

Veículos rodoviários automotores leves — Combustíveis para ensaio — Requisitos
NBR8689 de 08/2012

Veículos rodoviários automotores leves — Combustíveis para ensaio — Requisitos

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás Natural Comprimido (GNC) - Parte 2 - Desempenho e métodos gerais de ensaio (ISO 15500-2:2001, IDT)
NM-ISO15500-2 de 01/2009

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás Natural Comprimido (GNC) - Parte 2 - Desempenho e métodos gerais de ensaio (ISO 15500-2:2001, IDT)

Junta giratória para mangueira de unidade abastecedora — Requisitos construtivos e de desempenho
NBR15706 de 06/2020

Junta giratória para mangueira de unidade abastecedora — Requisitos construtivos e de desempenho

Gases e misturas gasosas para utilização em laboratório de emissão veicular — Requisitos
NBR12857 de 03/2016

Gases e misturas gasosas para utilização em laboratório de emissão veicular — Requisitos

Critérios de projeto, montagem e operação de postos de gás combustível comprimido - Procedimento
NBR12236 de 02/1994

Critérios de projeto, montagem e operação de postos de gás combustível comprimido - Procedimento

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás Natural Comprimido (GNC) - Parte 6 - Válvula automática (ISO 15500-6:2001, IDT)
NM-ISO15500-6 de 01/2009

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás Natural Comprimido (GNC) - Parte 6 - Válvula automática (ISO 15500-6:2001, IDT)

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 4: Cilindro, válvulas, sistema de ventilação, linha de alta pressão e conexões
NBR11353-4 de 08/2020

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 4: Cilindro, válvulas, sistema de ventilação, linha de alta pressão e conexões

Critério de projeto, montagem e operação de sistema de suprimento de gás natural veicular (GNV) a partir de gás natural liquefeito (GNL)
NBR15244 de 07/2005

Critério de projeto, montagem e operação de sistema de suprimento de gás natural veicular (GNV) a partir de gás natural liquefeito (GNL)

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 1: Terminologia
NBR11353-1 de 08/2020

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 1: Terminologia

Gás natural comprimido - Estação de armazenagem e descompressão - Projeto, construção e operação
NBR15600 de 02/2022

Gás natural comprimido - Estação de armazenagem e descompressão - Projeto, construção e operação

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Posto revendedor de combustível veicular (serviços) - Parte 3: Procedimento de manutenção
NBR15594-3 de 04/2021

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Posto revendedor de combustível veicular (serviços) - Parte 3: Procedimento de manutenção

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 3: Redutores de Pressão
NBR11353-3 de 08/2020

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 3: Redutores de Pressão

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 6: Instalação
NBR11353-6 de 08/2020

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 6: Instalação

Posto revendedor de combustível automotivo (PRC) - Parte 1: Operação e procedimentos de inspeção e manutenção
NBR15594-1 de 04/2021

Posto revendedor de combustível automotivo (PRC) - Parte 1: Operação e procedimentos de inspeção e manutenção

Gases e misturas gasosas utilizados em laboratório de emissão veicular — Determinação da concentração, grau de pureza mínima e contaminantes
NBR12858 de 03/2016

Gases e misturas gasosas utilizados em laboratório de emissão veicular — Determinação da concentração, grau de pureza mínima e contaminantes

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 12 - Válvula de alívio de pressão (PRV) (ISO 15500-12:2001, 101)
NM-ISO15500-12 de 01/2009

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 12 - Válvula de alívio de pressão (PRV) (ISO 15500-12:2001, 101)

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 14 - Válvula de excesso de fluxo (ISO 15500-14:2002, 101)
NM-ISO15500-14 de 01/2009

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 14 - Válvula de excesso de fluxo (ISO 15500-14:2002, 101)

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 15· Carcaça estanque ao gás e mangueira da ventilação(ISO 15500:2001, 101)
NM-ISO15500-15 de 01/2009

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 15· Carcaça estanque ao gás e mangueira da ventilação(ISO 15500:2001, 101)

Bico automático para uso em unidade abastecedora de combustível em veículos automotores - Requisitos construtivos e de desempenho
NBR15474 de 02/2019

Bico automático para uso em unidade abastecedora de combustível em veículos automotores - Requisitos construtivos e de desempenho

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás Natural Comprimido (GNC) - Parte 1 - Requisitos gerais e definições (ISO 155-00-1 :2000, IDT)
NM-ISO15500-1 de 01/2009

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás Natural Comprimido (GNC) - Parte 1 - Requisitos gerais e definições (ISO 155-00-1 :2000, IDT)

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Visor de fluxo para unidade de abastecimento de combustíveis líquidos
NBR15707 de 05/2009

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Visor de fluxo para unidade de abastecimento de combustíveis líquidos