Text page

NBR 15793 de 05/2016: ensaios e requisitos dos tubos de aço de grande diâmetro, com solda

Como deve ser a fabricação do tubo? Como devem ser fabricadas as extremidades do tubo? Quais as dimensões e tolerâncias do tubo? Quais as características dos tubos? Essas perguntas estão sendo respondidas no texto sobre os ensaios e requisitos dos tubos de aço de grande diâmetro, com solda.

08/06/2016 - Equipe Target

Tubos de aço de grande diâmetro

A NBR 15793 de 05/2016 - Tubos de aço de grande diâmetro, com solda, para revestimento de poços de petróleo — Requisitos e método de ensaio estabelece os requisitos e os métodos de ensaio para o fornecimento de tubos de aço com solda de diâmetro nominal (externo) igual ou maior que 457 mm (18”). Os tubos de aço podem ser fornecidos com extremidades lisas, biseladas, roscadas ou soldadas a acessórios.

Acesse algumas questões relacionadas com essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Como deve ser a fabricação do tubo?

Como devem ser fabricadas as extremidades do tubo?

Quais as dimensões e as tolerâncias do tubo?

Quais as características dos tubos?

Os tubos devem ser fornecidos conforme a ISO 3183, complementados pelos requisitos especificados em 4.1 a 4.9. Os tubos devem ser fabricados com solda longitudinal. Para dimensões onde não seja possível a formação de apenas um tramo de 12 m, é permitida a solda circunferencial, limitada ao máximo de quatro tramos por tubo.

As soldas longitudinais entre tramos adjacentes devem ser defasadas em no mínimo cinco vezes a espessura nominal da chapa ou 150 mm, o que for maior. Os tubos devem ser fornecidos nos diâmetros e espessuras de parede indicados na Tabela 1 (disponível na norma).

Os diâmetros externos e internos devem ser dimensionados de modo que permitam a passagem dos calibradores externo e interno especificados na Tabela 1. O calibrador externo deve ser circular, sem rasgo para o cordão de solda, e deve passar até 1 m de cada uma das extremidades.

O cálculo da dimensão do calibrador deve ser: o diâmetro nominal externo acrescido de 3,2 mm (1/8”) para diâmetro até 508 mm (20”), e 4,8 mm (3/16”) para os diâmetros acima de 508 mm (20”), conforme Tabela 1. O calibrador interno deve ser circular, sem rasgo para o cordão de solda, com comprimento mínimo de 300 mm, em condições de passar por toda a extensão do tubo. O cálculo da dimensão do calibrador deve considerar o estabelecido na ISO 11960, conforme Tabela 1.

Os tubos devem ser fornecidos no comprimento de 12 m ± 1 m e a média dos comprimentos de cada fornecimento deve estar compreendida entre 12 m ± 0,3 m. A ovalização máxima, medida nas extremidades até 100 mm deve ser 0,5 % do diâmetro nominal.

As demais tolerâncias dimensionais devem atender ao especificado na ISO 3183. A marcação dos tubos deve ser feita internamente, em pelo menos uma extremidade, a uma distância de 200 mm do bisel, conforme a sequência a seguir: marca ou logotipo do fabricante; diâmetro × espessura × comprimento; número desta norma; grau de aço; e número de série do tubo. Requisitos adicionais podem ser estabelecidos mediante acordo entre fabricante e comprador.

Um exemplo de marcação: marca ou logotipo do fabricante - 20” × 0,625” × 12 000 mm - ABNT NBR 15793 - Grau ISO 3183 L390 PSL 1 - número de série do tubo (o diâmetro e a espessura de parede dos tubos são dados em polegadas, por ser o padrão utilizado pelo setor). Low die stamping é permitida, desde que esteja no bisel ou no máximo 150 mm da extremidade do tubo.

As medições de ortogonalidade devem ser realizadas utilizando o diâmetro externo do tubo como superfície de referência, a uma distância superior a 50,8 mm da solda, sendo medidos pelo menos dois pontos com diferença de 90º entre eles, sendo o desvio máximo permitido de 3,6 mm por 305 mm. A solda circunferencial externa na ponta do conector tipo caixa deve ser controlada por calibrador externo. O cálculo da medida do calibrador é: diâmetro mínimo do elevador (conforme API Spec 8C) menos 0,5 mm.

Demais tolerâncias dimensionais devem estar conforme API RP 5C6. As dimensões e tolerâncias indicadas no 4.8.2 referem-se à soldagem de acessórios. Para a soldagem de tramos, ver o item 4.4.

A marcação interna do tubo original da fábrica deve ser mantida. Caso constem na marcação interna a massa e o comprimento do tubo de origem, ambas as informações devem ser removidas.

Devem ser feitas duas marcações externas no tubo, uma em cada extremidade, a uma distância de 200 mm da solda circunferencial: marcação no lado A: marca ou logotipo do fabricante do tubo; diâmetro × espessura × grau do tubo; norma de fabricação do tubo; número do tubo; tipo, dimensão e grau do conector/acessório lado A; massa e comprimento do conjunto; marcação no lado B: tipo, dimensão e grau do conector/acessório lado B.

Para a solda longitudinal e interseções de solda, os ensaios não destrutivos devem ser conforme DNV OS F101. Para a solda circunferencial, os ensaios não destrutivos devem ser conforme: ensaio radiográfico: ASME Section VIII, Division 1, Part UW-51 ; ultrassom, DNV OS F101 – Appendix E; visual, DNV OS F101.

Os critérios de aceitação dos ensaios para solda longitudinal devem ser conforme DNV OS F101. O critério de aceitação para solda circunferencial para ensaio radiográfico deve ser conforme ASME Section VIII, Division 1, Part UW-51. O critério de aceitação para solda circunferencial para ensaio por ultrassom deve ser conforme ASME Section VIII, Division 1, Part UW-53, onde nenhuma indicação deve exceder o limite de disparo, e não podem ser caracterizadas indicações de trinca, falta de fusão ou falta de penetração.

A inspeção visual deve ser conforme API RP 5C6. A inspeção e o critério de aceitação para ensaios radiográficos devem ser conforme ASME Section VIII, Division 1, Part UW-51. A inspeção por ultrassom deve ser conforme DNV OS F101:2013 – Appendix E. Já o critério de aceitação deve ser conforme ASME Section VIII, Division 1, Part UW-51, onde nenhuma indicação deve exceder o limite de disparo, e não podem ser caracterizadas indicações de trinca, falta de fusão ou falta de penetração

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Tubos de aço-carbono soldados por resistência elétrica para caldeiras e superaquecedores para serviços de alta pressão
NM121 de 01/1997

Tubos de aço-carbono soldados por resistência elétrica para caldeiras e superaquecedores para serviços de alta pressão

Tubos de aço-carbono e ligado, sem costura, para aplicações mecânicas
NM70 de 01/1996

Tubos de aço-carbono e ligado, sem costura, para aplicações mecânicas

Tubos de aço-carbono e ligados, soldados por resistência elétrica, para aplicações mecânicas
NM123 de 01/1997

Tubos de aço-carbono e ligados, soldados por resistência elétrica, para aplicações mecânicas

Tubos de aço inoxidável ferrítico e martensítico com e sem costura para usos gerais
NM157 de 01/1998

Tubos de aço inoxidável ferrítico e martensítico com e sem costura para usos gerais

Tubos de aço carbono, aço ligado ferrítico e aço ligado austenítico, com e sem costura - Requisitos gerais
NM160 de 01/1998

Tubos de aço carbono, aço ligado ferrítico e aço ligado austenítico, com e sem costura - Requisitos gerais

Tubos de aço carbono, aço ligado, aço ligado ferrítico e aço ligado austenítico, com e sem costura, para condução - Requisitos gerais
NBRNM151 de 10/2000

Tubos de aço carbono, aço ligado, aço ligado ferrítico e aço ligado austenítico, com e sem costura, para condução - Requisitos gerais

Tubos de aço-carbono, com e sem solda, de seção circular, quadrada ou retangular para usos estruturais - Requisitos
NBR8261 de 03/2019

Tubos de aço-carbono, com e sem solda, de seção circular, quadrada ou retangular para usos estruturais - Requisitos

Tubos de aço inoxidável, austenítico, soldados e sem costura
NM276 de 01/2002

Tubos de aço inoxidável, austenítico, soldados e sem costura

Tubos de aço de parede dupla, para condução de fluidos
NBR5443 de 01/1977

Tubos de aço de parede dupla, para condução de fluidos

Tubos de aço carbono, sem costura e soldados por resistência elétrica, para altas temperaturas de serviço, conforme o Código ISO para construção de caldeiras - Requisitos complementares
NM170 de 01/1998

Tubos de aço carbono, sem costura e soldados por resistência elétrica, para altas temperaturas de serviço, conforme o Código ISO para construção de caldeiras - Requisitos complementares

Tubos de aço de precisão sem costura
NM185 de 01/1999

Tubos de aço de precisão sem costura

Tubos de aço-carbono de precisão com costura
NM186 de 01/1999

Tubos de aço-carbono de precisão com costura

Tubo de aço-carbono eletricamente soldado para condução de água de abastecimento - Especificação
NBR9797 de 04/1987

Tubo de aço-carbono eletricamente soldado para condução de água de abastecimento - Especificação

Tubos de aço - Revestimento anticorrosivo externo - Parte 3: Epóxi em pó termicamente curado
NBR15221-3 de 09/2015

Tubos de aço - Revestimento anticorrosivo externo - Parte 3: Epóxi em pó termicamente curado

Tubos de aço de seção circular — Ensaio de alargamento
NBR16261 de 01/2014

Tubos de aço de seção circular — Ensaio de alargamento

Tubos de aço sem costura resistentes ao calor - Condições técnicas de fornecimento
NM199 de 12/1999

Tubos de aço sem costura resistentes ao calor - Condições técnicas de fornecimento

Tubos de aço - Ensaio de dureza
NBRNM171 de 10/2000

Tubos de aço - Ensaio de dureza

Tubos de aço de grande diâmetro, com solda, para revestimento de poços de petróleo — Requisitos e método de ensaio
NBR15793 de 05/2016

Tubos de aço de grande diâmetro, com solda, para revestimento de poços de petróleo — Requisitos e método de ensaio

Tubos de aço carbono sem costura para caldeiras em serviços de alta pressão
NM150 de 01/1998

Tubos de aço carbono sem costura para caldeiras em serviços de alta pressão

Tubos de aço - Revestimento anticorrosivo externo - Parte 1: Polietileno em três camadas
NBR15221-1 de 09/2015

Tubos de aço - Revestimento anticorrosivo externo - Parte 1: Polietileno em três camadas

Tubos de aço - Revestimento anticorrosivo externo - Parte 2: Polipropileno em três camadas
NBR15221-2 de 09/2015

Tubos de aço - Revestimento anticorrosivo externo - Parte 2: Polipropileno em três camadas

Tubos de aço com ponta e bolsa, para juntas elásticas, diâmetro nominal (DN) de 700 mm a 1200 mm - Especificação
NBR13061 de 08/2019

Tubos de aço com ponta e bolsa, para juntas elásticas, diâmetro nominal (DN) de 700 mm a 1200 mm - Especificação