Text page

BS 9991: a segurança contra incêndios em projeto, gestão e utilização de edifícios residenciais

Editada em 2015 pelo BSI, essa norma especifica as medidas adequadas de segurança contra incêndios em edifícios residenciais, incluindo a detecção contra o fogo, sistema de alarmes e de combate às chamas. A revisão de 2015 fornece uma atualização técnica completa, para ter em conta os avanços tecnológicos desde a sua última publicação em 2011.

30/03/2016 - Equipe Target

A segurança contra em incêndios em edifícios residenciais

A BS 9991:2015 - Fire safety in the design, management and use of residential buildings. Code of practice foi idealizada para ajudar as pessoas a colocar as medidas adequadas de segurança contra incêndio em edifícios residenciais. Isso inclui detecção de incêndio e sistemas de alarme e de combate às chamas. Essa revisão de 2015 fornece uma atualização técnica completa, levando em conta as atualizações tecnológicas sobre o assunto desde a sua última publicação, em 2011.

A norma fornece recomendações e orientações sobre o projeto, a gestão e a utilização dos edifícios residenciais para que eles tenham requisitos razoáveis de segurança contra incêndio para todas as pessoas que estão dentro e ao redor deles. Isso inclui habitações (casas unifamiliares de habitação e apartamentos independentes), apartamentos duplex; blocos de alojamento residenciais (por exemplo, para estudantes ou funcionários de empresas ou hospitais), com quartos individuais e cozinha/instalações sanitárias e habitação especializada.

A norma aplica-se ao projeto de novos edifícios e alterações relevantes, extensões e alterações dos materiais de uso em edifícios existentes. Não abrange hotéis, hospitais, casas de repouso, locais de detenção ou presídios e albergues.

Também fornece as orientações sobre a gestão da segurança contra incêndio em um edifício durante todo o seu ciclo de vida. Isso inclui a orientação para os projetistas garantirem as melhores práticas na segurança contra incêndios. As recomendações e orientações fornecidas destinam-se a salvaguardar a vida dos ocupantes dos edifícios e dos bombeiros.

A BS 9991:2015 apresenta algumas mudanças importantes, que incluem: a mudança de "habitação protegidas ou com cuidado extra" para "habitação especializada"; a expansão das recomendações relacionadas; as recomendações expandidas para escapar de caves; a atualização das recomendações a respeito dos elevadores; novas recomendações para fontes de alimentação de chamas; novas recomendações para alojamento tipo conjunto; nova orientação sobre a gestão das necessidades e deficiências adicionais. Esta norma foi desenvolvida para arquitetos, engenheiros de segurança contra incêndio, serviço de incêndio e salvamento, avaliadores de risco de incêndio, agentes de controle de edifício, instaladores de alarmes de incêndio e fumaça, certificação e instalação de esquema de inspeção.

Para que um edifício seja seguro contra incêndio, deve-se de antemão saber quais os objetivos dessa segurança e os requisitos funcionais, estabelecidos através de leis, decretos e normas técnicas. As ações adotadas para se alcançar uma segurança adequada em um edifício devem ser coerentes e implantadas de maneira conjunta.

Essas ações constituem o sistema global de segurança contra incêndio, o qual é particular para cada edifício, e sua concepção e desenvolvimento cabem a uma equipe de profissionais habilitados e capacitados, devido ao grande número de aspectos abordados. O edifício seguro contra incêndio pode ser definido como aquele em que há alta probabilidade de que todos os ocupantes sobrevivam a um incêndio sem sofrer qualquer ferimento e no qual os danos à propriedade serão confinados às vizinhanças imediatas ao local em que o fogo se iniciou.

Para prevenção de acidentes na edificação, considerando o sistema de prevenção e combate a incêndio, deve existir plano de manutenção e de treinamento dos usuários (moradores, funcionários e colaboradores), para implantar consciência pró-ativa e transmitir aspectos previstos na legislação em vigor, nas normas técnicas e nas instruções técnicas do Corpo de Bombeiros local. A princípio, todos são responsáveis.

Esse conceito objetiva criar atitudes que possam prevenir riscos de incêndio e segurança de operação. Os incêndios, em sua maioria, são causados por curtos-circuitos nas instalações elétricas, muitas vezes com origem no uso indevido, sobrecargas, envelhecimento de componentes, etc.

Como todo sistema construtivo, há sinais dessas falhas e da perda de funcionalidade e segurança, o que pode ser constatado na inspeção predial em caráter preventivo. Alguns dos sintomas, falhas ou indicativos, normalmente, apresentam-se como quedas de energia; luzes piscando; aquecimento de fios e conectores; emendas antigas e aquecidas; choques elétricos; desarme de proteção (disjuntores); odor de queimado ou presença de fumaça, dentre outros.

Toda edificação coletiva deve possuir plano de emergência elaborado por profissional habilitado. Esse plano deve conter o dimensionamento da brigada contra incêndio.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 1: Princípios de projeto
NBR13434-1 de 09/2020

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 1: Princípios de projeto

Execução de sistemas fixos automáticos de proteção contra incêndio com gás carbônico (CO2) em transformadores e reatores de potência contendo óleo isolante
NBR12232 de 01/2015

Execução de sistemas fixos automáticos de proteção contra incêndio com gás carbônico (CO2) em transformadores e reatores de potência contendo óleo isolante

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 7: Detectores pontuais de fumaça utilizando dispersão de luz ou ionização
NBRISO7240-7 de 01/2015

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 7: Detectores pontuais de fumaça utilizando dispersão de luz ou ionização

Viaturas de combate a incêndio — Requisitos de desempenho, fabricação e métodos de ensaio
NBR14096 de 04/2016

Viaturas de combate a incêndio — Requisitos de desempenho, fabricação e métodos de ensaio

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 3: Dispositivos de alarme sonoro
NBRISO7240-3 de 01/2022

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 3: Dispositivos de alarme sonoro

Brigada de incêndio e emergência - Requisitos e procedimentos
NBR14276 de 04/2020

Brigada de incêndio e emergência - Requisitos e procedimentos

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores
NBR13434-2 de 09/2020

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 5: Detectores pontuais de temperatura
NBRISO7240-5 de 01/2014

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 5: Detectores pontuais de temperatura

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 1: Generalidades e definições
NBRISO7240-1 de 11/2017

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 1: Generalidades e definições

Sistemas de detecção e alarme de incêndio – Projeto, instalação, comissionamento e manutenção de sistemas de detecção e alarme de incêndio – Requisitos
NBR17240 de 10/2010

Sistemas de detecção e alarme de incêndio – Projeto, instalação, comissionamento e manutenção de sistemas de detecção e alarme de incêndio – Requisitos

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 11: Acionadores manuais
NBRISO7240-11 de 05/2012

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 11: Acionadores manuais

Instalações e equipamentos para treinamentos de combate a incêndio e resgate técnico - Requisitos e procedimentos
NBR14277 de 02/2021

Instalações e equipamentos para treinamentos de combate a incêndio e resgate técnico - Requisitos e procedimentos

Sistema de combate a incêndio por espuma – Espuma de baixa expansão
NBR12615 de 02/2020

Sistema de combate a incêndio por espuma – Espuma de baixa expansão

Extintores de incêndio portáteis
NBR15808 de 02/2017

Extintores de incêndio portáteis

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 3: Requisitos e métodos de ensaio
NBR13434-3 de 09/2020

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 3: Requisitos e métodos de ensaio

Extintores de incêndio sobre rodas
NBR15809 de 02/2017

Extintores de incêndio sobre rodas

Extintores de incêndio — Inspeção e manutenção
NBR12962 de 12/2016

Extintores de incêndio — Inspeção e manutenção

Pó para extinção de incêndio
NBR9695 de 01/2012

Pó para extinção de incêndio

Mangueira de incêndio - Inspeção, manutenção e cuidados
NBR12779 de 01/2009

Mangueira de incêndio - Inspeção, manutenção e cuidados

Sistemas de proteção por extintores de incêndio
NBR12693 de 01/2021

Sistemas de proteção por extintores de incêndio

Manutenção de terceiro nível (vistoria) em extintores de incêndio
NBR13485 de 12/2016

Manutenção de terceiro nível (vistoria) em extintores de incêndio

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 2: Equipamentos de controle e de indicação de detecção de incêndio
NBRISO7240-2 de 10/2021

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 2: Equipamentos de controle e de indicação de detecção de incêndio

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 4: Fontes de alimentação
NBRISO7240-4 de 05/2022

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 4: Fontes de alimentação

Sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos — Requisitos
NBR10897 de 09/2020

Sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos — Requisitos