Text page

NBR ISO 188 de 01/2016: os ensaios em borracha vulcanizada ou termoplástica

Qual o tipo de estufa que deve ser utilizada no ensaio? Como devem ser os corpos de prova para o ensaio de envelhecimento acelerado? Qual deve ser o intervalo de tempo entre a vulcanização e o ensaio? Quais as condições do envelhecimento (duração e temperatura)? Essas questões estão sendo respondidas no texto sobre os ensaios em borracha vulcanizada ou termoplástica.

24/02/2016 - Equipe Target

Borracha vulcanizada ou termoplástica

A NBR ISO 188 de 01/2016 - Borracha, vulcanizada ou termoplástica — Ensaios de envelhecimento acelerado e resistência ao calor especifica os ensaios de envelhecimento acelerado ou resistência ao calor em borrachas vulcanizadas ou termoplásticas.Dois métodos são indicados: o Método A: método utilizando estufa tipo célula ou tipo gabinete com baixa velocidade de ar e uma ventilação de 3 a 10 trocas por hora; e o Método B: método utilizando estufa tipo gabinete com circulação forçada de ar por meio de um ventilador e uma ventilação de 3 a 10 trocas por hora.

Acesse algumas questões relacionadas com essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Qual o tipo de estufa que deve ser utilizada no ensaio?

Como devem ser os corpos de prova para o ensaio de envelhecimento acelerado?

Qual deve ser o intervalo de tempo entre a vulcanização e o ensaio?

Quais as condições do envelhecimento (duração e temperatura)?

Os ensaios de envelhecimento acelerado e resistência ao calor são planejados para estimar a resistência relativa da borracha à deterioração com a passagem do tempo. Para este propósito, a borracha é submetida a influências de deterioração controladas por períodos definidos, depois de as propriedades apropriadas serem medidas e comparadas com as propriedades correspondentes da borracha não envelhecida.

No envelhecimento acelerado, a borracha é submetida a um ambiente de ensaio com a intenção de produzir o efeito do envelhecimento natural em um menor tempo. No caso de ensaios de resistência ao calor, a borracha é submetida por períodos prolongados à mesma temperatura que a borracha estará exposta em serviço.

Dois métodos são indicados nesta norma, sendo um método em estufa usando uma baixa velocidade de ar e outro método usando ventilação de ar forçada para alta velocidade de ar. A seleção do tempo, temperatura e atmosfera em que os corpos de prova são expostos e o tipo de estufa a ser utilizada dependerá do propósito do ensaio e do tipo de polímero.

Para métodos utilizando estufa, a deterioração é acelerada elevando a temperatura. O grau de aceleração produzido deste modo varia de um tipo de borracha para outra e de uma propriedade para outra. A degradação também pode ser acelerada pela velocidade do ar.

Consequentemente, o envelhecimento com estufas diferentes pode fornecer resultados diferentes. As consequências destes efeitos são: o envelhecimento acelerado não reproduz exatamente em todas as circunstâncias as mudanças produzidas pelo envelhecimento natural; o envelhecimento acelerado às vezes deixa de indicar com precisão a vida relativa natural ou de serviço de borrachas diferentes.

Deste modo, o envelhecimento em temperaturas muito acima de temperaturas ambiente ou de serviço pode tender a equalizar as vidas aparentes das borrachas, que deterioram em taxas diferentes no armazenamento ou serviço. O envelhecimento em uma ou mais temperaturas intermediárias é útil na avaliação da confiabilidade do envelhecimento acelerado em altas temperaturas. Os ensaios de envelhecimento acelerado envolvendo propriedades diferentes podem não fornecer concordância na avaliação das vidas relativas de borrachas diferentes e podem até prepará-las em ordens diferentes de mérito. Portanto, convém que deterioração seja medida pelas mudanças nas propriedades que são de importância prática, desde que elas possam ser razoavelmente medidas com precisão.

Não convém que o envelhecimento em estufa seja usado para simular o envelhecimento natural que ocorre na presença de luz ou ozônio quando as borrachas são esticadas. Para estimar a vida útil ou temperatura máxima de uso, os ensaios podem ser realizados em várias temperaturas e os resultados podem ser avaliados usando o mapa de Arrhenius ou a equação de Williams Landel Ferry (WLF), conforme descrito na ISO 113462, resistência ao calor.

Convém que as pessoas que usam esta norma estejam familiarizadas com as práticas normais de laboratório. Esta norma não pretende tratar de todos os problemas de segurança, se for o caso, associados com seu uso. É de responsabilidade do usuário estabelecer práticas apropriadas de saúde e segurança e assegurar a conformidade com quaisquer condições regulatórias nacionais.

Os corpos de prova são submetidos à deterioração controlada por ar em uma temperatura elevada e pressão atmosférica e, subsequentemente, as propriedades especificadas são medidas e comparadas com aquelas de corpos de prova não envelhecidos. Convém que as propriedades físicas envolvidas na aplicação dos serviços sejam utilizadas para determinar o grau de deterioração, porém, na ausência de qualquer indicação destas propriedades, é recomendado que sejam medidos o limite de resistência à tração, a tensão no alongamento intermediário, o alongamento na ruptura (de acordo com a NBR ISO 37) e a dureza (em conformidade com a ISO 48).

Para o envelhecimento acelerado por aquecimento no ar, os corpos de prova são submetidos a uma temperatura mais alta que aquela em que a borracha seria exposta em serviço, a fim de produzir os efeitos de envelhecimento natural em um menor tempo. O período requerido para obter um determinado grau de deterioração dos corpos de prova dependerá do tipo de borracha submetido a exame.

Convém que o período de envelhecimento usado preferencialmente seja tal que a deterioração dos corpos de prova não seja tão grande a ponto de prevenir a determinação dos valores finais das propriedades físicas. O uso de altas temperaturas no envelhecimento pode resultar em mecanismos de degradação diferentes daqueles que acontecem em temperaturas de serviço, deste modo invalidando os resultados.

É crucial para os melhores resultados que a temperatura seja mantida tão estável quanto possível. As tolerâncias de temperatura na NBR ISO 23529 são de ± 1 °C até e inclusive 100 °C e ± 2 °C para 125 °C até e inclusive 300 °C. Porém, estudos tem mostrado que uma mudança de 1 °C na temperatura corresponde a uma diferença de 10 % no tempo de envelhecimento em um fator Arrhenius de 2, ou 15 % em um fator de 2,5.

Isto significa que dois laboratórios executando o envelhecimento em 125 °C podem ter tempos de envelhecimento que diferem em 60 % de um ao outro e ainda ficar dentro da especificação. Para obter resultados precisos, manter a temperatura tão precisa quanto possível, colocando um sensor de temperatura calibrado próximo dos corpos de prova, e usar este sensor para graduar a estufa de forma que a temperatura nesta posição esteja correta.

Usar o fator de correção do certificado de calibração para chegar, tão próximo quanto possível, à temperatura exata. Para o procedimento, aquecer a estufa à temperatura operacional e colocar os corpos de prova. Quando usar uma estufa tipo célula, somente uma borracha ou composto deve ser colocado em cada célula.

Os corpos de prova devem estar isentos de tensão, livremente expostos ao ar, de todos os lados e não expostos à luz. Quando o período de aquecimento estiver concluído, remover os corpos de prova da estufa e condicioná-los por não menos que 16 h e não mais que seis dias, em uma condição livre de esforço em atmosfera determinada no método de ensaio apropriado, para a propriedade particular que está sendo estudada.

O relatório do ensaio deve incluir as seguintes informações: detalhes da amostra: 1) uma descrição completa da amostra e sua origem, 2) detalhes dos compostos e sua condição de cura, se conhecidos, 3) o intervalo de tempo entre a formação e o ensaio, 4) o método usado para preparar os corpos de prova (por exemplo, moldagem, corte da amostra) e o local dos corpos de prova na amostra; método de ensaio:1) uma referência a esta norma, 2) o método utilizado (A ou B), 3) as propriedades determinadas e o tipo de corpo de prova utilizado; detalhes do ensaio: 1) o tipo de estufa utilizada, 2) o número de corpos de prova utilizado, 3) se o envelhecimento acelerado ou o ensaio de resistência ao calor foi executado, 4) a temperatura e a duração do envelhecimento, 5) detalhes de quaisquer procedimentos não especificados nesta norma; resultados do ensaio: 1) os valores individuais antes e depois do envelhecimento, expressos de acordo com as normas internacionais, para os ensaios de propriedade apropriada, 2) as mudanças nos valores de propriedade, expressas como uma porcentagem ou, para a dureza, como a diferença entre os valores; e a data do ensaio.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Borracha natural crua e borracha sintética crua – Procedimentos para amostragem e preparação
NBRISO1795 de 06/2010

Borracha natural crua e borracha sintética crua – Procedimentos para amostragem e preparação

Borracha - Procedimentos gerais para preparação e condicionamento de corpos deprova para ensaios físicos
NBRISO23529 de 12/2014

Borracha - Procedimentos gerais para preparação e condicionamento de corpos deprova para ensaios físicos

Borracha, vulcanizada ou termoplástica — Ensaios de envelhecimento acelerado e resistência ao calor
NBRISO188 de 01/2016

Borracha, vulcanizada ou termoplástica — Ensaios de envelhecimento acelerado e resistência ao calor

Borrachas vulcanizadas ou termoplásticas - Determinação das propriedades de tensão - deformação e tração
NBRISO37 de 12/2014

Borrachas vulcanizadas ou termoplásticas - Determinação das propriedades de tensão - deformação e tração

Borracha natural - Diretrizes para especificação de borracha especificada tecnicamente (TSR)
NBRISO2000 de 06/2010

Borracha natural - Diretrizes para especificação de borracha especificada tecnicamente (TSR)

Borracha natural crua - Determinação do teor de sujidade
NBRISO249 de 06/2010

Borracha natural crua - Determinação do teor de sujidade