Text page

NEMA 250: os requisitos para os gabinetes para equipamentos elétricos até 1.000 V

Publicada pela National Electrical Manufacturers Association (NEMA) em 2014, essa norma especifica os requisitos para gabinetes para equipamentos elétricos, abrangendo os gabinetes para equipamentos elétricos nominal não superior a 1.000 V e inclui os requisitos para fornecer proteção para equipamentos fechados contra as condições ambientais específicas.

04/02/2015 - Equipe Target

Gabinetes para equipamentos elétricos até 1.000 V

A NEMA 250-2014 - Enclosures for Electrical Equipment (1000 Volts Maximum) abrange gabinetes para equipamentos elétricos com tensão nominal não superior a 1.000 V e destinados a ser instalados e utilizados da seguinte forma: Não perigosos (não classificados) locais: Cercas para locais fechados, tipos 1, 2, 5, 12, 12K e 13; e caixas para locais fechados ou ao ar livre, Tipos 3, 3X, 3R, 3RX, 3S, 3SX, 4, 4X, 6, e 6P. Locais perigosos (classificados): Cercas para locais fechados, Tipos 7 e 9; Cercas para locais fechados ou ao ar livre, tipo 8; e caixas para aplicações de mineração, Type 10.

A norma abrange os requisitos para fornecer proteção para equipamentos fechados contra as condições ambientais específicas. Ela complementa os requisitos para gabinetes que estão contidos em normas de produtos individuais. A norma não abrange os requisitos de proteção do equipamento fechado contra condições como condensação, congelamento, corrosão ou contaminação, que pode ocorrer dentro do gabinete ou que podem entrar via eletroduto ou aberturas sem lacre.

Um produto que contém funcionalidades, características, componentes, materiais ou sistemas novos ou diferentes daqueles em uso quando o padrão foi desenvolvido, e que envolve um risco de incêndio, choque elétrico ou ferimentos a pessoas, deve ser avaliado usando os requisitos de componentes adicionais e de produtos finais adequados. Tudo isso em função da necessidade de se manter o nível de segurança para o usuário do produto, como inicialmente previsto pela intenção desta norma. Esta edição inclui errata da versão anterior e clarificação dos requisitos de drenagem e ventilação de gabinetes. Uma emenda para NEMA 250-2014 será publicada no final de 2015.

Os gabinetes para equipamentos elétricos são fabricados conforme a necessidade de uso. Por exemplo, compartimentos à prova de fogo fornecem uma solução para proteção de componentes elétricos em ambientes potencialmente explosivos quando a selagem hermética é impraticável ou impossível. Embora alguns tipos de equipamentos elétricos possam ser hermeticamente fechados para protegê-los dos perigos externos, a maioria dos sistemas industriais de energia elétrica não pode ser protegida desta forma.

Um aparelho colocado dentro de um gabinete que não é hermético, muitas vezes, puxa o ar atmosférico, quando ele está desligado e frio. As flutuações de temperatura interna também podem permitir a infiltração de elementos externos, e isso pode representar um risco grave para os sistemas que operam em ambientes contendo substâncias inflamáveis na atmosfera.

Os aparelhos de iluminação são particularmente propensos a este problema, porque eles têm variação grande de temperatura entre “liga” e o “desliga”, enquanto os motores elétricos enfrentam um risco similar, devido ao espaçamento necessário para a movimentação de seus eixos. Recintos à prova de fogo permitem que equipamentos elétricos mantenham seu desempenho sem sacrificar os requisitos de segurança.

Os princípios do gabinete elétrico à prova de fogo não se concentram somente em impedir os efeitos de um fogo em sua volta, mas sim em primeiro lugar impedir a propagação de sustâncias inflamáveis. Caixas a prova de fogo envolvem a colocação de equipamentos elétricos dentro de um gabinete que não necessite ser lacrado, mas mesmo assim é capaz de minimizar os riscos de inflamar gases explosivos ou outros materiais combustíveis, antes, durante e após a operação.

Além disso, este tipo de gabinete destina-se também a evitar que uma mistura inflamada se propague para além do recinto prejudicando outras máquinas. Em essência, as caixas a prova de fogo funcionam como uma espécie de reservatório de pressão em que as aberturas ou buracos na vedação podem efetivamente captar as chamas antes que elas cresçam e se espalhem em uma ameaça mais significativa.

Há vários modelos de caixas à prova de fogo. Para cada necessidade e função existe um modelo adequado, podendo variar de acordo com a sua aplicação e dos parâmetros dimensionais e operacionais do dispositivo a ser protegido. No entanto, certos princípios básicos são compartilhados pela maioria dos sistemas à prova de fogo no gabinete industrial, incluindo: os cabos e conectores não têm entrada direta para o gabinete à prova de fogo; a flange externa na superfície de exposição mostrará a ligação firme de metal para metal ou forma um conjunto ventilado que não exceda uma permissão máxima de abertura; a borracha ou outros materiais que possam sofrer deterioração não são usados para selar as articulações; todas as juntas e flanges viradas para o exterior são fabricadas e instaladas com uma distância mínima, pré-definida, entre os lados externo e interno dos gabinetes; qualquer parafuso utilizado para fixar as tampas é encapuzado; e manter um comprimento mínimo do rolamento de eixo e do eixo, um afastamento radial máximo de acordo com exigências de aplicação.

As especificações para cada uma dessas características variam, dependendo do projeto da caixa à prova de fogo. Testes rigorosos e cuidados são sempre usados para determinar a eficácia do compartimento.

Um dos testes exigidos envolve identificar à pressão máxima que poderia ser produzida a partir de uma explosão de gás no interior da caixa, e depois expor a mesma a uma pressão um pouco maior a fim de avaliar seus níveis de proteção. Um teste similar é usado para verificar se há ou não risco de uma explosão dentro do gabinete, incendeia-se uma atmosfera inflamável e verifica se o fogo se espalhou para os sistemas externos.

Uma das características mais importantes na eficácia da caixa à prova de fogo é a integridade estrutural, tornando-se importante um recinto ser à prova de falsificação e ser totalmente confiável. A instalação e a reparação um gabinete requer treinamento especial e certificação, e o processo deve seguir de perto todos os protocolos de segurança e as recomendações do fabricante dos componentes.

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Equipamentos elétricos para utilização em presença de poeira combustível - Parte 1: Proteção por invólucros "tD"
NBRIEC61241-1 de 10/2011

Equipamentos elétricos para utilização em presença de poeira combustível - Parte 1: Proteção por invólucros "tD"

Equipamentos elétricos para utilização em presença de poeira combustível - Parte 0: Requisitos gerais
NBRIEC61241-0 de 06/2013

Equipamentos elétricos para utilização em presença de poeira combustível - Parte 0: Requisitos gerais

Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas - Parte 10: Classificação de áreas
NBRIEC60079-10 de 06/2009

Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas - Parte 10: Classificação de áreas

Atmosferas explosivas - Parte 14: Projeto, seleção e montagem de instalações elétricas
NBRIEC60079-14 de 11/2016

Atmosferas explosivas - Parte 14: Projeto, seleção e montagem de instalações elétricas

Equipamentos elétricos para uso na presença de poeiras combustíveis - Parte 10: Classificação de áreas onde poeiras combustíveis estão ou podem estar presentes
NBRIEC61241-10 de 03/2013

Equipamentos elétricos para uso na presença de poeiras combustíveis - Parte 10: Classificação de áreas onde poeiras combustíveis estão ou podem estar presentes

Atmosferas explosivas - Parte 10-1: Classificação de áreas - Atmosferas explosivas de gás
NBRIEC60079-10-1 de 11/2018

Atmosferas explosivas - Parte 10-1: Classificação de áreas - Atmosferas explosivas de gás

Atmosferas explosivas - Parte 0: Equipamentos - Requisitos gerais
NBRIEC60079-0 de 11/2020

Atmosferas explosivas - Parte 0: Equipamentos - Requisitos gerais

Caixas e invólucros para acessórios elétricos para instalações eletricas fixas domésticas e análogas - Dimensões
NBR5431 de 04/2008

Caixas e invólucros para acessórios elétricos para instalações eletricas fixas domésticas e análogas - Dimensões

Atmosferas explosivas - Parte 1: Proteção de equipamento por invólucro à prova de explosão “d”
NBRIEC60079-1 de 06/2016

Atmosferas explosivas - Parte 1: Proteção de equipamento por invólucro à prova de explosão “d”

Atmosferas explosivas - Parte 15: Proteção de equipamento por tipo de proteção “n”
NBRIEC60079-15 de 12/2019

Atmosferas explosivas - Parte 15: Proteção de equipamento por tipo de proteção “n”

Atmosferas explosivas - Parte 11: Proteção de equipamento por segurança intrínseca “i”
NBRIEC60079-11 de 11/2013

Atmosferas explosivas - Parte 11: Proteção de equipamento por segurança intrínseca “i”

Isoladores ocos com ou sem pressão interna, de cerâmica, para uso em equipamentos elétricos com tensão nominal acima de 1 000 V
NBR15829 de 10/2017

Isoladores ocos com ou sem pressão interna, de cerâmica, para uso em equipamentos elétricos com tensão nominal acima de 1 000 V

Aparelhagem elétrica para utilização em presença de poeira combustível - Parte 2: Métodos de ensaio - Seção 3: Método para determinação da energia mínima de ignição de misturas de poeira com o ar
NBRIEC61241-2-3 de 12/2017

Aparelhagem elétrica para utilização em presença de poeira combustível - Parte 2: Métodos de ensaio - Seção 3: Método para determinação da energia mínima de ignição de misturas de poeira com o ar

Atmosferas explosivas - Parte 2: Proteção de equipamento por invólucro pressurizado “p”
NBRIEC60079-2 de 10/2016

Atmosferas explosivas - Parte 2: Proteção de equipamento por invólucro pressurizado “p”

Atmosferas explosivas - Parte 17: Inspeção e manutenção de instalações elétricas
NBRIEC60079-17 de 10/2014

Atmosferas explosivas - Parte 17: Inspeção e manutenção de instalações elétricas

Graus de proteção providos por invólucros (Códigos IP)
NBRIEC60529 de 04/2017

Graus de proteção providos por invólucros (Códigos IP)

Equipamentos elétricos para utilização em presença de poeira combustível - Parte 4: Tipo de proteção
NBRIEC61241-4 de 09/2017

Equipamentos elétricos para utilização em presença de poeira combustível - Parte 4: Tipo de proteção

Atmosferas explosivas - Parte 13: Proteção de equipamentos por ambiente pressurizado “p” e por ambiente artificialmente ventilado “v”
NBRIEC60079-13 de 08/2019

Atmosferas explosivas - Parte 13: Proteção de equipamentos por ambiente pressurizado “p” e por ambiente artificialmente ventilado “v”

Atmosferas explosivas - Parte 10-2: Classificação de áreas — Atmosferas de poeiras explosivas
NBRIEC60079-10-2 de 06/2016

Atmosferas explosivas - Parte 10-2: Classificação de áreas — Atmosferas de poeiras explosivas