Text page

NBR 15280-2: a construção e a montagem de dutos terrestres

Essa parte 2 dessa norma estabelece os requisitos mínimos exigíveis para construção, montagem, condicionamento, teste e aceitação de dutos terrestres. Aplica-se a dutos terrestres novos de aço carbono, seus componentes e complementos, e também às modificações de dutos existentes.

26/11/2014 - Equipe Target

Dutos terrestres

A NBR 15280-2 de 11/2014 - Dutos terrestres - Parte 2: Construção e montagem estabelece os requisitos mínimos exigíveis para construção, montagem, condicionamento, teste e aceitação de dutos terrestres. Aplica-se à construção, montagem, condicionamento, teste e aceitação de dutos terrestres novos de aço carbono, seus componentes e complementos, e também às modificações de dutos existentes, destinados ao transporte, transferência e escoamento da produção de: hidrocarbonetos líquidos, incluindo petróleo, derivados líquidos de petróleo, gás liquefeito de petróleo (GLP) e álcool - oleodutos; gás natural processado e não processado – gasodutos.

As características, o alto valor do empreendimento e as necessidades operacionais exigem que os trabalhos executados durante a construção e montagem de um duto sejam de alta qualidade. Os gerentes das empresas contratante e contratada devem dar grande atenção a todas as fases da obra, com eficiente coordenação.

Os profissionais, em todos os níveis, devem ser cuidadosamente selecionados e bem orientados. Os equipamentos de construção e montagem devem atender, qualitativa e quantitativamente, às necessidades da obra. A construção e a montagem de duto terrestre devem ser executadas considerando os seguintes aspectos básicos gerais, além do seu projeto: estar em consonância com as leis do município ou estado em que se localiza; dispor de todas as permissões das autoridades competentes com jurisdição sobre a faixa de domínio do duto; ter critérios estabelecidos para a garantia da qualidade da sua execução.

A construção e a montagem de duto terrestre devem ser executadas de acordo com procedimentos executivos específicos, emitidos previamente ao início de cada atividade da obra, elaborados em conformidade com os documentos de projeto e com esta norma, e contemplando no mínimo os seguintes elementos: inspeção de recebimento, armazenamento e preservação de materiais; locação e marcação da faixa de domínio e da pista em área rural, incluindo: sinalização da obra e demarcações das interferências; locação e marcação da faixa de trabalho em área urbana; abertura da pista em área rural, incluindo: acessos, terraplenagem (corte e aterro), supressão vegetal e desmonte de rocha; compactação de reaterro, com controle tecnológico; implantação da faixa de trabalho em área urbana; abertura e preparação da vala, incluindo desmonte de rocha; transporte, distribuição e manuseio (incluindo carga e descarga) de tubos e outros materiais; curvamento de tubos; revestimento externo com concreto de tubos e juntas de campo; soldagem, incluindo: ajustagem, alinhamento e fixação dos tubos e acessórios para soldagem e respectivos registros de qualificação, guarda, preservação e tratamento dos insumos de soldagem; inspeção por ensaios não destrutivos após soldagem; revestimento externo anticorrosivo e isolamento térmico – tubos, juntas de campo, trechos de afloramento da tubulação e reparos; abaixamento na vala e cobertura; proteção da vala, restauração e limpeza; sinalização dos dutos e da faixa de domínio; montagem e instalação de componentes e complementos; cruzamentos e travessias; limpeza, enchimento e calibração; teste hidrostático; condicionamento do duto; inspeção do revestimento externo anticorrosivo após a cobertura; instalação de sistemas de proteção catódica; documentos “como construídos” – organização e execução do livro de projeto (data book), incluindo documentos de rastreabilidade dos materiais utilizados (tubos, acessórios, eletrodos, etc.), desenhos de fabricantes, manuais, desenhos “como construídos”, planilhas de distribuição de tubos; inspeção dimensional interna do duto.

Nos procedimentos devem estar indicadas as características dos equipamentos a serem utilizados nas diferentes fases da construção e montagem. Nos procedimentos devem estar indicados os critérios de segurança, meio ambiente e saúde ocupacional a serem seguidos, em cada uma das atividades de sua abrangência.

Os serviços devem ser executados de acordo com os parâmetros de segurança, meio ambiente e saúde, estabelecidos pelas autoridades competentes com jurisdição sobre a faixa de trabalho ou de servidão do duto. Os serviços devem ser executados dentro dos níveis máximos de ruído estabelecidos pela autoridade competente. Em caso de proximidade com comunidades, medidas para atenuação de ruídos podem vir a ser necessárias em determinadas fases do trabalho.

Todo trabalhador deve ser previamente treinado no tocante aos aspectos de segurança, meio ambiente e saúde, consoante os requisitos estabelecidos para a sua atividade, antes de ingressar pela primeira vez na faixa de dutos. Todos os equipamentos estacionários devem ser instalados de modo a evitar contaminação do solo e dos cursos d’água.

A movimentação de qualquer máquina deve ser precedida de autorização do supervisor encarregado pelos serviços a serem realizados e deve-se certificar a não existência de qualquer pessoa, animal ou equipamento dentro do raio de ação da máquina. Veículos de transporte e máquinas somente devem cruzar o raio de ação de uma máquina em serviço mediante contato visual e autorização direta do operador da máquina.

Toda máquina ou veículo que transite na pista de dutos deve ser prévia e periodicamente inspecionado, verificando: a existência dos EPI e demais equipamentos de segurança recomendados para sua atividade; o estado funcional do equipamento; a existência de vazamentos de combustíveis ou lubrificantes; a habilitação do operador ou condutor; a verificação do nível mínimo nos tanques de combustível e lubrificante, antes do início de operação em terreno íngreme, a fim de que seja evitada pane seca ou travamento do equipamento. Nos serviços realizados em trechos com riscos de deslizamento de equipamento, como escavadeiras, side booms e outros, deve estar prevista a amarração por guincho ou outro método que impeça o tombamento ou deslizamento destes equipamentos.

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Avaliação da conformidade — Requisitos gerais para organismos que certificam pessoas
NBRISO/IEC17024 de 11/2013

Avaliação da conformidade — Requisitos gerais para organismos que certificam pessoas

Guia para inspeção por amostragem no controle e certificação de qualidade
NBR5425 de 01/1985

Guia para inspeção por amostragem no controle e certificação de qualidade

Tubos — Estocagem em área descoberta
NBR16212 de 08/2013

Tubos — Estocagem em área descoberta

Soldagem - Critérios para a qualificação e certificação de inspetores para o setor de petróleo e gás, petroquímico, fertilizantes, naval e termogeração (exceto nuclear)
NBR14842 de 05/2015

Soldagem - Critérios para a qualificação e certificação de inspetores para o setor de petróleo e gás, petroquímico, fertilizantes, naval e termogeração (exceto nuclear)

Segurança de escavação a céu aberto
NBR9061 de 09/1985

Segurança de escavação a céu aberto

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis — Entrada em espaço confinado em tanques subterrâneos e em tanques de superfície
NBR14606 de 09/2013

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis — Entrada em espaço confinado em tanques subterrâneos e em tanques de superfície

Tubos de aço - Revestimento anticorrosivo externo - Parte 2: Polipropileno em três camadas
NBR15221-2 de 09/2015

Tubos de aço - Revestimento anticorrosivo externo - Parte 2: Polipropileno em três camadas

Emprego de cores para identificação de tubulações industriais
NBR6493 de 11/2019

Emprego de cores para identificação de tubulações industriais

Curvas por indução para tubulações de processo - Requisitos
NBR16165 de 01/2017

Curvas por indução para tubulações de processo - Requisitos

Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
NBR5426 de 01/1985

Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos

Curvas por indução para sistema de transporte de petróleo, derivados e gás natural por dutos
NBR15273 de 06/2021

Curvas por indução para sistema de transporte de petróleo, derivados e gás natural por dutos

Sistemas de tubulações plásticas para fornecimento de gases combustíveis - Sistemas de tubos de poliamida não plastifi cada (PA-U) com união por solda e união mecânica - Parte 5: Adequação para a finalidade do sistema
NBRISO16486-5 de 01/2014

Sistemas de tubulações plásticas para fornecimento de gases combustíveis - Sistemas de tubos de poliamida não plastifi cada (PA-U) com união por solda e união mecânica - Parte 5: Adequação para a finalidade do sistema

Guia para utilização da norma NB 309-01 - Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
NBR5427 de 01/1985

Guia para utilização da norma NB 309-01 - Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos

Dutos terrestres - Qualificação e certificação de pessoas - Inspetores
NBR16049 de 04/2012

Dutos terrestres - Qualificação e certificação de pessoas - Inspetores

Sistemas de tubulações plásticas para fornecimento de gases combustíveis — Sistemas de tubos de poliamida não plastificada (PA-U) com união por solda e união mecânicas - Parte 6: Código de práticas para projeto, manuseio e instalação
NBRISO16486-6 de 07/2014

Sistemas de tubulações plásticas para fornecimento de gases combustíveis — Sistemas de tubos de poliamida não plastificada (PA-U) com união por solda e união mecânicas - Parte 6: Código de práticas para projeto, manuseio e instalação

Tubos de aço - Revestimento anticorrosivo externo - Parte 1: Polietileno em três camadas
NBR15221-1 de 09/2015

Tubos de aço - Revestimento anticorrosivo externo - Parte 1: Polietileno em três camadas

Tubos de aço - Revestimento anticorrosivo externo - Parte 3: Epóxi em pó termicamente curado
NBR15221-3 de 09/2015

Tubos de aço - Revestimento anticorrosivo externo - Parte 3: Epóxi em pó termicamente curado

Projeto de sistemas de transmissão e distribuição de gás combustível
NBR12712 de 04/2002

Projeto de sistemas de transmissão e distribuição de gás combustível

Dutos terrestres - Parte 1: Projeto
NBR15280-1 de 06/2017

Dutos terrestres - Parte 1: Projeto

Indústrias de petróleo, petroquímica e gás natural - Proteção catódica de sistemas de transporte por dutos - Parte 1: Dutos terrestres
NBRISO15589-1 de 12/2016

Indústrias de petróleo, petroquímica e gás natural - Proteção catódica de sistemas de transporte por dutos - Parte 1: Dutos terrestres

Sistemas de dutos de polietileno (PE) para infraestrutura de cabos de energia e telecomunicações - Parte 1: Requisitos para dutos de parede externa lisa
NBR15155-1 de 11/2013

Sistemas de dutos de polietileno (PE) para infraestrutura de cabos de energia e telecomunicações - Parte 1: Requisitos para dutos de parede externa lisa

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Seleção dos componentes do combustível (SASC) e sistema de armazenamento subterrâneo de óleo lubrificante usado e contaminado (OLUC)
NBR13786 de 12/2019

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Seleção dos componentes do combustível (SASC) e sistema de armazenamento subterrâneo de óleo lubrificante usado e contaminado (OLUC)

Recebimento, armazenagem e manuseio de materiais e equipamentos para proteção catodica
NBR10183 de 11/2010

Recebimento, armazenagem e manuseio de materiais e equipamentos para proteção catodica