Text page

NFPA 59A: uma norma para a produção, armazenamento e manuseio de gás natural liquefeito (GNL)

Esta norma fornece a proteção mínima ao fogo, segurança e requisitos relacionados para a localização, concepção, construção, segurança, operação e manutenção de plantas de gás natural liquefeito (GNL), aplicando-se às instalações que manuseiam gás natural e à formação de todo o pessoal envolvido com o GNL.

24/09/2014 - Equipe Target

O gás natural liquefeito

A NFPA 59A:2013 - Standard for the production, storage, and handling of liquefied natural gas (LNG) fornece a proteção mínima ao fogo, segurança e requisitos relacionados para a concepção, construção, segurança, operação e manutenção de plantas de gás natural liquefeito (GNL). As disposições aplicam-se às instalações que liquefazem gás natural, às instalações que armazenam, manuseiam e transferem o gás natural liquefeito, para a formação de todo o pessoal envolvido com o GNL, e na concepção, localização, construção, manutenção e operação de todas as instalações de GNL.

Entre os tópicos específicos abrangidos estão os equipamentos de processo; o armazenamento de GNL estacionário; as instalações de vaporização; os sistemas e os componentes de tubulação; os serviços de instrumentação e de eletricidade; os sistemas de transferência; a proteção contra incêndio e segurança contra riscos; as aplicações estacionárias, utilizando recipientes ASME; e a localização da planta de GNL com base no desempenho.

O GNL é o gás natural liquefeito por meio da redução da sua temperatura a -162 ºC à pressão atmosférica normal. Em volume, nas condições métricas padrão (15ºC e 1,013 25 bar), o GNL ocupa cerca de 1/600 do GN em estado gasoso.

A bordo do veículo, o GNL é armazenado a baixa pressão em tanques isolados termicamente e com capacidades que podem variar entre 174 a 511 litros (ver tabela ). O reabastecimento do veículo deve ocorrer pelo menos uma vez por semana, para prevenir diminuição de capacidade de armazenagem devido à evaporação.

O isolamento dos reservatórios, por muito eficaz que seja, por si só não pode manter a temperatura baixa. O GNL é armazenado como produto criogênico, ou seja, em estado liquido à temperatura de evaporação. No caso da água em ebulição (100ºC) a temperatura mantém-se constante durante a mudança de fase de líquida para gasosa mesmo que se continue a fornecer calor. Isto acontece devido à evaporação. De forma análoga, o GNL mantém-se praticamente a temperatura constante (-162ºC) se for mantido a uma mesma pressão e desde que o vapor (GN na fase gasosa) seja libertado do reservatório. Se isso não se verificar, a pressão e a temperatura no interior do reservatório aumentarão. No entanto, mesmo a cerca de 7 bar, a temperatura do GNL não será superior a cerca de -128ºC.

As plantas de GNL devem atender aos requisitos da NFPA 59A: a norma mais confiável em todo o mundo para a a escolha do local, projeto, construção e proteção contra incêndio de instalações de GNL. A edição de 2013 mudou o anexo E, que passou a ser baseado na gestão de risco. Esta opção com base no desempenho requer a análise dos riscos para pessoas e bens na área em torno da fábrica de GNL proposta com base em técnicas de mitigação de risco incorporados ao projeto de instalações.

A análise e a implantação do plano devem ser aprovadas pelas autoridades com jurisdição locais. As tabelas e as figuras do novo capítulo 15 foram feitas para ajudar os projetistas a identificar os riscos e a determinar se eles são toleráveis.

Ocorreram outras mudanças importantes nessa edição de 2013: os requisitos da mesa de desenho spill foram revisadas quanto ao projeto de derramamento, aos recipientes de enchimento/abstinência, aos outros recipientes e para as áreas de processo; o âmbito declarações foram adicionados a cada capítulo; e o prazo de fluxo de calor radiante substituiu a radiação térmica ao longo do documento.

A tecnologia para liquefação do gás foi desenvolvida na primeira metade do Século XX, com o intuito de extrair hélio do ar. Na década de 40, esta tecnologia foi adaptada pela indústria americana de gás natural, inicialmente para armazenar quantidades substanciais de gás em espaço pequeno, tendo em vista as variações diárias e sazonais da demanda. Em 1959, a primeira carga de gás natural liquefeito (GNL) foi transportada dos Estados Unidos para a Inglaterra em navio especialmente preparado para este produto. O êxito desta viagem conduziu à construção da primeira unidade de GNL na Argélia, no início da década de 60.

A partir da Argélia, o GNL chegou inicialmente à Inglaterra, depois à França e outros países europeus. No final da década, uma unidade construída no Alasca iniciou o abastecimento do Japão, que se tornou ao longo do tempo o maior importador da GNL, absorvendo 60% da produção mundial, que chegou a 112,9 milhões de toneladas em 2000. O mercado americano, por outro lado, que era inicialmente considerado o maior consumidor potencial de GNL, não se desenvolveu : hoje apenas 2% da produção mundial fluem para aquele país, mas esta situação está mudando rapidamente. Com o crescimento do consumo acelerado pelo uso em geração elétrica, e esgotamento das reservas americanas de gás natural, o GNL está em fase de retomada nos Estados Unidos, havendo perspectiva de que, nos próximos quinze anos, atinja 20% do consumo do país.

Hoje, há 11 países importadores de GNL, e outros 12 que são produtores (Indonésia, Argélia, Malásia, Catar, Austrália, Brunei, Nigéria, Abu Dabi, Trinidad e Tobago, Oman, Alaska (US) e Líbia). Neles estão operando cerca de 20 plantas, várias delas em ampliação, abastecendo a Europa e o Extremo Oriente (Japão, Coréia e Taiwan), e já agora iniciando o abastecimento da costa leste americana.

FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Cilindros para gases — Cilindros de alta pressão para o armazenamento de gás natural como combustível a bordo de veículos automotores
NBRNM-ISO11439 de 01/2019

Cilindros para gases — Cilindros de alta pressão para o armazenamento de gás natural como combustível a bordo de veículos automotores

Odoração do gás natural canalizado
NBR15616 de 09/2008

Odoração do gás natural canalizado

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás Natural Comprimido (GNC) - Parte 6 - Válvula automática (ISO 15500-6:2001, IDT)
NM-ISO15500-6 de 01/2009

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás Natural Comprimido (GNC) - Parte 6 - Válvula automática (ISO 15500-6:2001, IDT)

Fator de conversão do volume de gás natural
NBR16107 de 10/2017

Fator de conversão do volume de gás natural

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 2: Guarda-corpo
NBR15708-2 de 11/2015

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 2: Guarda-corpo

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás Natural Comprimido (GNC) - Parte 2 - Desempenho e métodos gerais de ensaio (ISO 15500-2:2001, IDT)
NM-ISO15500-2 de 01/2009

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás Natural Comprimido (GNC) - Parte 2 - Desempenho e métodos gerais de ensaio (ISO 15500-2:2001, IDT)

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 12 - Válvula de alívio de pressão (PRV) (ISO 15500-12:2001, 101)
NM-ISO15500-12 de 01/2009

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 12 - Válvula de alívio de pressão (PRV) (ISO 15500-12:2001, 101)

Critério de projeto, montagem e operação de sistema de suprimento de gás natural veicular (GNV) a partir de gás natural liquefeito (GNL)
NBR15244 de 07/2005

Critério de projeto, montagem e operação de sistema de suprimento de gás natural veicular (GNV) a partir de gás natural liquefeito (GNL)

Gás natural — Determinação do ponto de orvalho de água através de higrômetros de condensação em superfície resfriada
NBR15912 de 01/2011

Gás natural — Determinação do ponto de orvalho de água através de higrômetros de condensação em superfície resfriada

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 13 - Dispositivo de alívio de pressão (PRD) (ISO 15500-13:2001, ID1)
NM-ISO15500-13 de 01/2009

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 13 - Dispositivo de alívio de pressão (PRD) (ISO 15500-13:2001, ID1)

Indústrias de petróleo e gás natural — Tubulação de compósito - Parte 2: Qualificação e fabricação
NBR15921-2 de 11/2021

Indústrias de petróleo e gás natural — Tubulação de compósito - Parte 2: Qualificação e fabricação

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Manuseio e instalação de tanque subterrâneo
NBR13781 de 06/2019

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Manuseio e instalação de tanque subterrâneo

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 4: Sistema de bandejamento
NBR15708-4 de 01/2014

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 4: Sistema de bandejamento

Indústrias de petróleo e gás natural - Coleta e intercâmbio de dados de confiabilidade e manutenção para equipamentos
NBRISO14224 de 10/2011

Indústrias de petróleo e gás natural - Coleta e intercâmbio de dados de confiabilidade e manutenção para equipamentos

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 3: Redutores de Pressão
NBR11353-3 de 08/2020

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 3: Redutores de Pressão

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 1: Terminologia
NBR11353-1 de 08/2020

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 1: Terminologia

Gás natural e outros combustíveis gasosos - Determinação do teor de vapor de água através de analisadores eletrônicos de umidade
NBR15765 de 10/2009

Gás natural e outros combustíveis gasosos - Determinação do teor de vapor de água através de analisadores eletrônicos de umidade

Veículos rodoviários- Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 5 - Válvula manual do cilindro (ISO 15500-5:2001, IDT)
NM-ISO15500-5 de 01/2009

Veículos rodoviários- Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 5 - Válvula manual do cilindro (ISO 15500-5:2001, IDT)

Tubulação para a indústria de petróleo e gás natural
NBRISO15649 de 09/2004

Tubulação para a indústria de petróleo e gás natural

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 15· Carcaça estanque ao gás e mangueira da ventilação(ISO 15500:2001, 101)
NM-ISO15500-15 de 01/2009

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 15· Carcaça estanque ao gás e mangueira da ventilação(ISO 15500:2001, 101)

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 5: Perfis estruturais
NBR15708-5 de 11/2011

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 5: Perfis estruturais

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 3: Grade de piso
NBR15708-3 de 01/2014

Indústrias do petróleo e gás natural — Perfis pultrudados - Parte 3: Grade de piso

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 6: Instalação
NBR11353-6 de 08/2020

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 6: Instalação

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 14 - Válvula de excesso de fluxo (ISO 15500-14:2002, 101)
NM-ISO15500-14 de 01/2009

Veículos rodoviários - Componentes de sistema de combustível a Gás NaturalComprimido (GNC) - Parte 14 - Válvula de excesso de fluxo (ISO 15500-14:2002, 101)

Indústrias de petróleo e gás natural — Tubulação de compósito - Parte 1: Vocabulário, símbolos, aplicações e materiais
NBR15921-1 de 11/2021

Indústrias de petróleo e gás natural — Tubulação de compósito - Parte 1: Vocabulário, símbolos, aplicações e materiais

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 2: Indicadores, injetores, misturadores, dosadores, injeção e controle
NBR11353-2 de 08/2020

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 2: Indicadores, injetores, misturadores, dosadores, injeção e controle

Gás natural e outros combustíveis gasosos - Cálculo do poder calorífico, densidade absoluta, densidade relativa e índice de Wobbe a partir da composição
NBR15213 de 09/2008

Gás natural e outros combustíveis gasosos - Cálculo do poder calorífico, densidade absoluta, densidade relativa e índice de Wobbe a partir da composição

Gás natural comprimido - Estação de armazenagem e descompressão - Projeto, construção e operação
NBR15600 de 02/2022

Gás natural comprimido - Estação de armazenagem e descompressão - Projeto, construção e operação

Indústrias de petróleo e gás natural – Tubulação de compósito - Parte 4: Fabricação, montagem e operação
NBR15921-4 de 11/2021

Indústrias de petróleo e gás natural – Tubulação de compósito - Parte 4: Fabricação, montagem e operação

Gás natural - Determinação de compostos sulfurados utilizando cromatografia em fase gasosa
NBR15631 de 10/2008

Gás natural - Determinação de compostos sulfurados utilizando cromatografia em fase gasosa

Indústrias de petróleo, petroquímica e gás natural - Proteção catódica de sistemas de transporte por dutos - Parte 1: Dutos terrestres
NBRISO15589-1 de 12/2016

Indústrias de petróleo, petroquímica e gás natural - Proteção catódica de sistemas de transporte por dutos - Parte 1: Dutos terrestres

Indústrias de petróleo e gás natural — Tubulação de compósito - Parte 3: Projeto do sistema
NBR15921-3 de 11/2021

Indústrias de petróleo e gás natural — Tubulação de compósito - Parte 3: Projeto do sistema

Gás natural — Determinação da composição química por cromatografia em fase gasosa
NBR14903 de 03/2014

Gás natural — Determinação da composição química por cromatografia em fase gasosa

Indústrias do petróleo, gás natural e petroquímica - Sistemas de gestão da qualidade específicos do setor - Requisitos para organizações de fornecimento de produtos e serviços
ABNT ISO/TS29001 de 10/2010

Indústrias do petróleo, gás natural e petroquímica - Sistemas de gestão da qualidade específicos do setor - Requisitos para organizações de fornecimento de produtos e serviços

Sistemas de tubulações plásticas para fornecimento de gases combustíveis — Sistemas de tubos de poliamida não plastificada (PA-U) com união por solda e união mecânicas - Parte 6: Código de práticas para projeto, manuseio e instalação
NBRISO16486-6 de 07/2014

Sistemas de tubulações plásticas para fornecimento de gases combustíveis — Sistemas de tubos de poliamida não plastificada (PA-U) com união por solda e união mecânicas - Parte 6: Código de práticas para projeto, manuseio e instalação

Indústrias do petróleo e gás natural - Perfis pultrudados - Parte 1: Materiais, métodos de ensaio e tolerâncias dimensionais
NBR15708-1 de 09/2021

Indústrias do petróleo e gás natural - Perfis pultrudados - Parte 1: Materiais, métodos de ensaio e tolerâncias dimensionais

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 5: Suportes em geral
NBR11353-5 de 08/2020

Veículos rodoviários e veículos automotores — Sistemas de gás natural veicular (GNV) - Parte 5: Suportes em geral