Text page

NBR 16035: os requisitos obrigatórios para as caldeiras e vasos de pressão

Publicada em três partes, essa norma especifica os requisitos mínimos que devem ser adotados para a construção de caldeiras e vasos de pressão baseados em normas ou códigos de construção que estão em conformidade com a NBR ISO 16528.


08/11/2012 - Equipe Target

Caldeiras e vasos de pressão

A NBR 16035 é uma norma que especifica os requisitos mínimos para caldeiras e vasos de pressão e foi publicada em 2012, em três partes: Parte 1: Geral; Parte 2: Conforme ASME Code, Section I; e Parte 3: Conforme ASME Code, Section VIII, Division 1. Além dessas partes, estão em elaboração: a Parte 4: Vasos de pressão - Conforme ASME, Code, Section VIII, Division 2; a Parte 5: Vasos de pressão - Conforme EN-286 Part 1; a Parte 6: Vasos de pressão - Conforme EN-13445; e a Parte 7: Vasos de pressão - Conforme AD 2000 Merkblatter. Na verdade, a NBR ISO 16528 foi elaborada para definir os requisitos mínimos que os fabricantes, usuários e organismos normativos devem atender para a construção de caldeiras e vasos de pressão.

A NBR ISO 16528-1 estabelece os requisitos mínimos de desempenho e tem como público-alvo os fabricantes e os usuários. A NBR ISO 16528-2 estabelece os procedimentos que os organismos normativos devem demonstrar para comprovar a adequação de seus códigos e normas aos requisitos da NBR ISO 16528-1. A NBR ISO 16528-2 utiliza tabelas padronizadas que devem ser preenchidas pelos organismos normativos, para que estes possam demonstrar que seus códigos e normas atendem aos requisitos de desempenho para caldeiras e vasos de pressão.

A NBR 16035 foi baseada nas tabelas de conformidade, previstas na NBR ISO 16528-2, as quais foram elaboradas pelos diversos organismos normativos e estão publicadas na página oficial da Comissão ISO/TC11 - Boilers and pressure vessels na internet. A NBR 16035-1 estabelece os requisitos técnicos para atendimento aos códigos e normas de construção de caldeiras e vasos de pressão mais utilizados no Brasil. Os equipamentos sob pressão têm o potencial de causar sérios danos ao meio ambiente e às plantas industriais, além de causar prejuízos e acidentes muitas vezes fatais.

Deste modo, ao construir tais equipamentos, deve-se utilizar normas, códigos e procedimentos que, comprovadamente, mantenham o risco em níveis aceitáveis. A adoção de uma norma ou código para construção de equipamentos pressurizados pressupõe que todos os requisitos definidos nestes documentos sejam atendidos. Os requisitos de tais normas e códigos são elaborados presumindo que todos os exames e os ensaios requeridos durante a fabricação sejam executados.

Deve-se ressaltar, ainda, que nenhuma norma ou código de projeto e fabricação consegue ser escrito com detalhes suficientes que possam garantir todas as boas práticas de fabricação. Cada fabricante de equipamentos pressurizados é responsável por adotar todas as medidas necessárias, para garantir que boas práticas de fabricação e de projeto sejam usadas para assegurar a qualidade da construção destes equipamentos. Esta parte da NBR 16035 especifica os requisitos mínimos que devem ser adotados para a construção de caldeiras e vasos de pressão baseados em normas ou códigos de construção que estão em conformidade com a ABNT NBR ISO 16528-1.

Estes requisitos são estabelecidos para assegurar que os equipamentos pressurizados sejam construídos do modo mais uniforme possível, qualquer que seja a norma ou código de construção adotado. A NBR 16035-1 não especifica os requisitos complementares contidos nas normas de construção de caldeiras e vasos de pressão que estão em conformidade com a NBR ISO 16528, as quais são estabelecidas em outras partes da NBR 16035.

Com relação à geometria de partes pressurizadas para caldeiras e vasos de pressão, o escopo dessa norma cobre os seguintes limites: vasos de pressão: a extremidade da conexão para a primeira junta circunferencial, para as conexões soldadas; a primeira junta roscada para conexões rosqueadas; a face do primeiro flange para conexões flangeadas aparafusadas; a primeira superfície de vedação para as ligações ou conexões padronizadas por terceiros; acessórios de segurança, onde necessário; caldeiras: conexão de alimentação de água (incluindo a válvula de entrada) até a saída de vapor (incluindo a válvula de saída), incluindo todas as ramificações que podem ser expostas a risco de superaquecimento e não podem ser isoladas do sistema principal; os acessórios de segurança associados; conexões para serviço, como drenos, respiros, sistemas de de superaquecimento (desuperheating), etc. Não se aplica aos componentes de produtos da indústria aeronáutica, automobilística, bélica, ferroviária, naval (incluindo equipamentos construídos para serem instalados em estruturas offshore) , equipamentos para área nuclear, cilindros transportáveis, extintores de incêndio, sistemas de tubulação e seus acessórios e equipamentos mecânicos, como câmara de combustão ou compressão que façam parte integrante de máquinas rotativas ou alternativas, como bombas, compressores, turbinas, geradores, motores, cilindros pneumáticos e hidráulicos e que não possam ser caracterizados como equipamentos independentes. Não é intenção dessa norma atender à operação, manutenção e inspeção em serviço de caldeiras e vasos de pressão.

Enfim, o objetivo da NBR 16035 e suas partes é estabelecer prescrições mínimas para a construção de equipamentos pressurizados de acordo com códigos e normas em conformidade com a NBR ISO 16528-1. Para atingir este objetivo, esta parte define os requisitos mínimos que as demais partes devem descrever ou complementar.

Para efeito de entendimento da NBR 16035 e suas partes, entende-se por construção todos os estágios principais para o fornecimento de um equipamento pressurizado. Esses estágios incluem todas as tarefas requeridas para fazer e entregar um equipamento pressurizado, excluindo a especificação técnica e incluindo (mas não se limitando): projeto; seleção e suprimento de materiais ou componentes; controle de recebimento de materiais; fabricação; execução de ensaios e exames requeridos; serviços de garantia da conformidade, como a qualificações de processos de soldagem, soldadores, inspetores de ensaios não destrutivos, fornecedores, etc.; e inspeção final com respectivo ensaio de retenção de pressão.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Caldeiras e vasos de pressão - Parte 1: Requisitos de desempenho
NBRISO16528-1 de 05/2008

Caldeiras e vasos de pressão - Parte 1: Requisitos de desempenho

Caldeiras e vasos de pressão - Parte 2: Procedimentos para atendimento integral da ABNT NBR ISO 16528-1
NBRISO16528-2 de 05/2008

Caldeiras e vasos de pressão - Parte 2: Procedimentos para atendimento integral da ABNT NBR ISO 16528-1

Chapas grossas de aço-carbono para caldeiras e outros vasos de pressão para trabalho em média e alta temperatura
NBR5002 de 12/2014

Chapas grossas de aço-carbono para caldeiras e outros vasos de pressão para trabalho em média e alta temperatura