Text page

Curso: Fatos e Mitos na Proteção de Instalações e de Equipamentos Sensíveis contra Descargas Atmosféricas

Esse curso capacita os engenheiros e técnicos, projetistas e instaladores para lidar com esses equipamentos, além de atualizá-los quanto aos requisitos da NBR 14039 e NR 10 sobre manutenção das instalações de média tensão e condições de segurança de trabalho.


03/08/2012 - Equipe Target

A proteção contra surtos internos ou por descargas atmosféricas

A energia fornecida pela concessionária de serviços de eletricidade possui certas características, como tensão, corrente e frequência, que podem sofrer perturbações eletromagnéticas. Uma perturbação eletromagnética é todo fenômeno eletromagnético, notadamente um ruído, um sinal indesejado ou a modificação não planejada do próprio meio de transmissão, suscetível de criar problemas de funcionamento em equipamentos ou sistemas de comunicação. Essas perturbações podem tomar a forma de variações na tensão, variações na corrente, variações na frequência e ruído elétrico.

As perturbações eletromagnéticas devem-se aos fenômenos de diferentes tipos e origens. O conhecimento desses fenômenos facilita a classificação das perturbações e a busca por soluções contra os seus efeitos. Neste contexto, os principais fenômenos de perturbação eletromagnética que interferem no funcionamento de redes de computadores são: harmônicos; inter-harmônicos; flutuações de tensão; quedas de tensão e cortes momentâneos; desequilíbrios na tensão trifásica; transmissão de sinais pela rede elétrica; desvios de frequência; perturbações transitórias e sobretensões; descargas eletrostáticas; e campos eletromagnéticos.

Infelizmente, nem sempre tais problemas são de fácil localização e solução, demandando um cuidadoso trabalho de pesquisa. Todavia, eles requerem uma atenção imediata do gestor da rede, sob pena de sérios prejuízos ao funcionamento dos sistemas. Por exemplo, as instalações das redes de computadores atuais são vítimas de fenômenos aparentemente inexplicáveis, como o aquecimento excessivo de transformadores que alimentam cargas inferiores à sua potência nominal, o disparo errático de dispositivos de proteção, assim como o excessivo aquecimento dos condutores das instalações elétricas. O problema se deve às frequências harmônicas, que se manifestam especialmente onde há grande concentração de equipamentos eletrônicos, como computadores, acionamentos de velocidade regulável, etc. Matematicamente, podemos descrever os harmônicos como formas de ondas periódicas decompostas em uma série de senoides, conhecida como série de Fourier e que, somadas, recompõem a forma de onda original.

A senoide que possui a mesma frequência da onda original é chamada de frequência fundamental, e as outras senoides da série, de frequências múltiplas da fundamental, são chamadas de frequências harmônicas. As cargas tradicionais das instalações elétricas, como motores elétricos, iluminação incandescente e equipamentos de aquecimento resistivo, são chamadas de lineares e estão sujeitas a pouca ou nenhuma distorção por frequências. A rede elétrica, a rede pública de telefonia e as redes de TV a cabo são vítimas potenciais de eventos de descarga atmosférica. Um raio, quando atinge o solo, pode descarregar centenas de kV, o que o torna um fenômeno altamente destrutivo, principalmente se esta energia penetra nas redes públicas.

Com o advento das redes de computadores nas empresas, residências e em escritórios, praticamente todos os equipamentos estão interligados via sinais de telefonia, sinais advindos de uma conexão de TV a cabo ou receptores de satélite e, obviamente, todos conectados à rede elétrica. Interligar equipamentos com sinais provenientes de fontes diferentes amplia os efeitos das descargas atmosféricas. Um aterramento adequado destas redes, seja elétrica, telefônica ou de TV a cabo, é essencial para que o excesso de corrente circulante nos cabos de conexão seja desviado para o potencial de terra. Filtros adequadamente projetados e instalados nas caixas de conexões de entrada em prédios e residências também são providências a serem tomadas.

Uma grande parcela dos equipamentos de condicionamento de energia inclui nos filtros de EMI/RFI, alguns componentes eletrônicos denominados supressores de transientes ou varistores, como são mais conhecidos. Nos circuitos elétricos com grande concentração de equipamentos, como computadores, fotocopiadoras, impressoras etc., é comum o disparo imprevisto de protetores, o que pode significar, em muitos casos, problemas na rede elétrica ou falha em algum equipamento, e também pode acarretar corte da alimentação elétrica com a perda de trabalhos em andamento na rede. Nestes casos, é recomendável prever circuitos elétricos separados para impressoras, fotocopiadoras, computadores, etc.

Além disso, não devem ser instaladas muitas estações de trabalho no mesmo circuito, evitando, assim, uma sobrecarga e perda de operação simultânea de muitas máquinas por desligamento acidental dos dispositivos de proteção. Embora existam procedimentos e recomendações que estabeleçam limites para os harmônicos injetados na rede, os sistemas de geração e distribuição de energia elétrica, antes capazes de absorver os efeitos destes harmônicos, rapidamente esgotam esta capacidade devido à quantidade cada vez maior de cargas não lineares nos ambientes industriais, comerciais e mesmo residenciais.

Para mais informações sobre o curso e inscrições, clique no link:

Curso: Aterramento: Fatos e Mitos na Proteção de Instalações e de Equipamentos Sensíveis contra Descargas Atmosféricas

Publico Alvo: O curso é destinado a Engenheiros e Técnicos que estejam envolvidos em projetos, execuções e manutenção de instalações elétricas, especificamente aqueles com interesse em sistemas de proteção de equipamentos sensíveis contra os efeitos de surtos.

Professores: Antônio Roberto Panicali

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Haste de aterramento aço-cobreada e acessórios - Especificação
NBR13571 de 02/1996

Haste de aterramento aço-cobreada e acessórios - Especificação

Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície do solo em sistemas de aterramento
NBR15749 de 08/2009

Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície do solo em sistemas de aterramento

Sistemas de aterramento de subestações - Requisitos
NBR15751 de 07/2013

Sistemas de aterramento de subestações - Requisitos