Text page

Norma fornece os requisitos para o aproveitamento da água de chuva

Com a poluição, muita água existente no Planeta precisa ser tratada e somente com o combate aos desperdícios e o aproveitamento da água da chuva o ser humano poderá evitar a sua escassez.


06/12/2011 - Equipe Target

Uma norma que ensina a aproveitar a água de chuva

Cerca de 98% da água da Terra que estão nos oceanos não são potáveis devido ao sal, portanto, somente 2% é própria para uso. Mas dessa porcentagem, 1,6% são as geleiras. Apenas 0,36% é encontrada no subsolo em aquíferos e poços e cerca de 0,036% está nos lagos e rios. Com a poluição, essa água precisa ser tratada e somente com o combate aos desperdícios e o aproveitamento da água da chuva o ser humano poderá evitar a escassez.

Porque faz miúdas as gotas das águas que, do seu vapor, derramam a chuva. (Jó 36:27)

A escassez de água no mundo agrava-se em virtude da desigualdade social, da falta de manejo e usos sustentáveis dos recursos naturais. De acordo com os números apresentados pela Organização das Nações Unidas (ONU), controlar o uso da água significa deter e poder, pois as diferenças registradas entre os países desenvolvidos e os em desenvolvimento chocam e evidenciam que a crise mundial dos recursos hídricos está diretamente ligada às desigualdades sociais. Em regiões onde a situação de falta d'água já atinge índices críticos de disponibilidade, como em alguns locais da África onde a média de consumo de água por pessoa é de dez a 15 litros/pessoa. Já em Nova York, há um consumo exagerado de água doce tratada e potável, onde um cidadão chega a gastar 2.000 litros/dia.

Aproximadamente 35% da população mundial não têm acesso à água tratada e 43% da população mundial não contam com serviços adequados de saneamento básico. Diante desses dados, constata-se que mais de dez milhões de pessoas morrem anualmente em decorrência de doenças intestinais transmitidas pela água. Numa economia mundial cada vez mais integrada, a escassez de água cruza fronteiras, podendo ser citado com exemplo o comércio internacional de grãos, onde são necessárias 1.000 toneladas de água para produzir 1 tonelada de grãos, sendo a importação de grãos a maneira mais eficiente para os países com déficit hídrico importarem água. Enfim, além do crescimento populacional, a urbanização e a industrialização também ampliam a demanda pelo produto. Conforme a população rural, tradicionalmente dependente do poço da aldeia, muda-se para prédios residenciais urbanos com água encanada, o consumo de água residencial pode facilmente triplicar. Além disso, a industrialização consome ainda mais água que a urbanização. A afluência (concentração populacional), também gera demanda adicional, à medida que as pessoas ascendem na cadeia alimentícia e passam a consumir mais carne bovina, suína, aves, ovos, laticínios e consomem mais grãos.

De acordo com o presidente da Target, Maurício Ferraz de Paiva, a norma NBR 15527 fornece os requisitos para o aproveitamento de água de chuva de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis, porém não se aplica a usos não potáveis em que as águas de chuva podem ser utilizadas após tratamento adequado como, por exemplo, descargas em bacias sanitárias, irrigação de gramados e plantas ornamentais, lavagem de veículos, limpeza de calçadas e ruas, limpeza de pátios, espelhos d'água e usos industriais. “A concepção do projeto do sistema de coleta de água de chuva deve atender as ABNT NBR 5626 e ABNT NBR 10844. No caso da ABNT NBR 10844, não deve ser utilizada caixa de areia e sim caixa de inspeção. No estudo devem constar o alcance do projeto, a população vai utilizar a água de chuva e a determinação da demanda a ser definida pelo projetista do sistema”, explica.

Somam-se a isso que no projeto deve ser incluídos estudos das séries históricas e sintéticas das precipitações da região onde ele estará localizado e as calhas e condutores horizontais e verticais devem atender a ABNT NBR 10844, devendo ser observados o período de retorno escolhido, a vazão de projeto e a intensidade pluviométrica. “Devem ser instalados dispositivos para remoção de detritos, que podem ser, por exemplo, grades e telas que atendam a ABNT NBR 1221 3. Também pode ser instalado no sistema de aproveitamento de água de chuva um dispositivo para o descarte da água de escoamento inicial, sendo recomendado que tal dispositivo seja automático. Por fim, devem ser considerados no projeto: extravasor, dispositivo de esgotamento, cobertura, inspeção, ventilação e segurança”, recomenda Paiva.

A norma descreve que o volume de água de chuva aproveitável depende do coeficiente de escoamento superficial da cobertura, bem como da eficiência do sistema de descarte do escoamento inicial, sendo calculado pela seguinte equação: V = P X A x C x qfator de captação, onde: V é o volume anual, mensal ou diário de água de chuva aproveitável; P é a precipitação media anual, mensal ou diária; A e a área de coleta; C é o coeficiente de escoamento superficial da cobertura; e qfator de captação é a eficiência do sistema de captação, levando em conta o dispositivo de descarte de sólidos e desvio de escoamento inicial, caso este último seja utilizado. No Anexo A (informativo), estão descritos os métodos de cálculos para dimensionamento dos reservatórios.

Para mais informações sobre a NBR 15527, clique no link:

NBR15527 - Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis - Requisitos


FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Sistemas prediais de água fria e água quente — Projeto, execução, operação e manutenção
NBR5626 de 06/2020

Sistemas prediais de água fria e água quente — Projeto, execução, operação e manutenção

Projeto de captação de água de superfície para abastecimento público - Procedimento
NBR12213 de 04/1992

Projeto de captação de água de superfície para abastecimento público - Procedimento

Instalações prediais de águas pluviais - Procedimento
NBR10844 de 12/1989

Instalações prediais de águas pluviais - Procedimento