Text page

Os parâmetros das válvulas empregadas em cilindros recarregáveis de cloro

Quais são as medidas de construção das conexões de entrada 3/4” – NGT(CL)-0 a 3/4” – NGT(CL)-4 utilizadas no Brasil? Quais são as medidas da rosca interna da tampa (cap)? Quais devem ser as marcações na haste das válvulas? Quais devem ser os ensaios de qualificação de um projeto de válvula? Essas dúvidas estão sendo esclarecidas na NBR 17016 de 03/2022 - Válvulas para cilindros de cloro - Especificação e ensaio de protótipo.

13/04/2022 - Equipe Target

NBR 17016 de 03/2022 - Válvulas para cilindros de cloro - Especificação e ensaio de protótipo

A NBR 17016 de 03/2022 - Válvulas para cilindros de cloro - Especificação e ensaio de protótipo se aplica às válvulas empregadas em cilindros recarregáveis de cloro, aos tubos coletores (manifolds) e às válvulas empregadas nos kits de emergência dos tipos A, B e C. Estabelece os requisitos para o projeto de válvulas para cilindros recarregáveis de cloro, incluindo dimensões, materiais de construção, conexões, qualificação do projeto e documentação. O cloro líquido é o cloro gás liquefeito por aplicação de pressão, caracterizado como um líquido claro, de cor âmbar e aproximadamente 1,5 vez mais pesado que a água.

Confira algumas dúvidas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais são as medidas de construção das conexões de entrada 3/4” – NGT(CL)-0 a 3/4” – NGT(CL)-4 utilizadas no Brasil?

Quais são as medidas da rosca interna da tampa (cap)?

Quais devem ser as marcações na haste das válvulas?

Quais devem ser os ensaios de qualificação de um projeto de válvula?

Os cilindros pequenos e grandes de cloro são utilizados por estações de tratamento de água, nas indústrias e outros consumidores do produto. As válvulas destes cilindros são peças de engenharia que precisam ser de alta confiabilidade, visto que sua falha pode levar a vazamentos significativos de cloro durante seu carregamento, uso e transporte.

O cloro é um produto tóxico, oxidante e corrosivo. No Brasil, ele é transportado como um produto da classe 2.3 (gás tóxico), com riscos subsidiários 5.1 (oxidante) e 8 (corrosivo), conforme a ANTT N° 5.232/2016. As válvulas em cilindros recarregáveis para cloro devem ter a qualidade e a resistência requeridas nessa norma para assegurar tanto o desempenho adequado como a segurança nas operações de envasamento, armazenamento, movimentação, transporte e esvaziamento dos cilindros.

As válvulas nacionais devem ser projetadas e manufaturadas em conformidade com esta norma. As válvulas importadas devem atender aos requisitos de desempenho, construção, qualificação e manufatura equivalentes aos desta norma, por exemplo, as válvulas manufaturadas conforme os requisitos da CGA V-9. Todas as marcações nas válvulas devem ser indeléveis.

As válvulas para cilindros de cloro devem ter um projeto elaborado e aprovado conforme os requisitos dessa norma. O projeto deve ser elaborado considerando os seguintes aspectos: as propriedades químicas e físicas e os perigos do cloro; as operações a que habitualmente os cilindros de cloro são submetidos, como preparação para o enchimento, armazenamento, transporte, esvaziamento e uso.

O projeto da válvula para cilindro de cloro deve atender aos requisitos específicos relacionados a: dimensões; materiais de construção e lubrificantes; corpo da válvula, mecanismo operacional e dispositivo operacional; conexão de entrada e saída da válvula; bujão fusível (somente na válvula para cilindro pequeno de cloro); e tampa (cap) da saída da válvula. O projeto deve prever as marcações mínimas requeridas na válvula e nos componentes, de acordo com essa norma.

Os protótipos do projeto da válvula devem ser submetidos aos ensaios relacionados nessa norma e atender aos requisitos descritos. O projeto deve ser documentado, incluindo as informações necessárias para a manufatura da válvula, de acordo com o projeto qualificado (aprovado), conforme os requisitos dessa norma. A documentação do projeto, incluindo as suas modificações, deve ser conservada por até dez anos após o encerramento da manufatura da válvula.

As dimensões externas máximas da válvula devem estar de acordo com as figuras abaixo, para assegurar a sua compatibilidade com: a fixação do capacete de proteção da válvula colocado no cilindro pequeno ou grande; a operação dos equipamentos e a operação de enchimento e de esvaziamento dos cilindros; e a fixação dos dispositivos do kit de emergência do tipo A ou B nos cilindros pequenos ou grandes. O kit de emergência é um conjunto de peças, ferramentas e acessórios, destinado a conter vazamentos de cloro que podem ocorrer nas válvulas ou no corpo do cilindro de cloro líquido.


Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

O orifício de passagem do fluxo de gás da válvula deve ter dimensões adequadas para atender à vazão requerida sem que haja comprometimento da resistência mecânica da válvula. A seleção de materiais construtivos deve ser conforme os critérios estabelecidos nas ISO 11114-1 (materiais metálicos) e ISO 11114-2 (materiais não metálicos), demonstrando sua compatibilidade química com o cloro.

Isto inclui, no caso de materiais metálicos, a resistência à corrosão em condições secas e úmidas, a corrosão por impurezas, as reações violentas e de trincas devido à corrosão sob tensão (stress corrosion cracking), e, no caso de materiais não metálicos, as condições relacionadas a reações violentas, a perda de massa por extração ou por ataque químico, o inchaço, a perda das propriedades mecânicas, a reação de formação de substâncias indesejáveis e o envelhecimento. Para a determinação da suscetibilidade da formação de trinca devido à corrosão sob tensão (stress corrosion cracking) de ligas de cobre, podem ser utilizados os métodos das ISO 6957, ASTM B858, e ASTM B154.

Os materiais metálicos já ensaiados e aprovados, que habitualmente são utilizados na manufatura de válvulas para cilindros de cloro, estão relacionados no Anexo C. Os lubrificantes não podem ser empregados nas válvulas para cilindros de cloro. Os materiais metálicos e não metálicos devem atender aos requisitos dos ensaios requeridos, conforme descritos nessa norma. O material do corpo da válvula deve ser forjado ou laminado.

O material do corpo da válvula deve atender às especificações de dureza, resistência à tração, escoamento e alongamento, comprovadas por ensaios estabelecidos na ASTM B16. No descritivo e/ou nos desenhos de projeto, devem estar claramente relacionados e especificados os materiais construtivos do corpo e os demais componentes da válvula.

O fechamento da válvula deve ocorrer no sentido horário. As válvulas para cilindros de cloro não podem empregar volantes. Para sua abertura e seu fechamento, deve ser empregada uma chave especial com um comprimento não superior a 20 cm e com bocal quadrado na extremidade que se encaixe na haste da válvula.

A haste da válvula deve ter, na sua extremidade superior, uma seção quadrada de 9,525 mm (3/8”), para encaixar a chave utilizada para a abertura e o fechamento da válvula. A abertura e o fechamento da válvula devem ser possíveis na pressão de projeto de 3 450 kPa (500 psig). O mecanismo de operação da válvula deve ser projetado de modo que seja evitada a alteração inadvertida na sua montagem.

A elevação da extremidade da haste deve estar limitada a 3,175 mm (1/8”) para 360º de rotação. Não podem ser utilizados lubrificantes no mecanismo de operação da válvula. A conexão de entrada das válvulas de cilindros novos pequenos e grandes, em uso no Brasil, deve ser uma conexão 3/4” – NGT(CL)-0 (ver o Anexo D).

A conexão de entrada das válvulas de cilindros pequenos e grandes, em uso no Brasil, deve ser uma das conexões da série 3/4” - NGT(CL)-0 à série 3/4” – NGT(CL)-4 (ver o Anexo D). As medidas de construção das conexões 3/4” – NGT(CL) devem estar de acordo com essa norma. A válvula também pode ser projetada com a conexão de entrada no padrão 25E da ISO 11363-1, para fins de exportação.

O uso da conexão 25E (ISO 11363-1) também é possível, porém podem ocorrer vazamentos de cloro, caso ocorra troca de válvulas na conexão com os cilindros, como, por exemplo, válvula com conexão 3/4” – NGT (CL) conectada em cilindros com conexão 25E. O projeto de uma válvula para uso em cilindro de cloro deve ser documentado, incluindo as suas eventuais modificações e revisões.

A documentação do projeto deve referenciar essa norma. O projeto deve possuir um número e/ou uma denominação para distingui-lo de outros projetos. A documentação deve ser suficiente para a reprodução fidedigna do protótipo de válvula aprovada conforme os requisitos dessa norma, contendo: um desenho da válvula com suas partes, suas dimensões relevantes e suas modificações, se for o caso, ver o exemplo no Anexo A; um desenho das partes com as medidas e suas tolerâncias, bem como as marcações na válvula e na haste.

Também, devem constar, na documentação, no desenho ou em uma lista separada, as especificações dos materiais utilizados em cada parte da válvula (ver o exemplo no Anexo B) e o nome do responsável pela aprovação do projeto da válvula para uso em cilindros de cloro, ou do responsável pela aprovação da variante da válvula para este uso. A documentação do projeto deve permitir a rastreabilidade do processo empregado para sua qualificação, incluindo: a seleção de materiais que atendam aos requisitos dessa norma, ou aqueles listados no Anexo C, sejam novos materiais que foram ensaiados e aprovados; os registros de todos os ensaios de qualificação da válvula para uso em cilindros de cloro, incluindo o nome do executante dos ensaios, os resultados e a avaliação e aprovação da válvula pelo responsável do projeto.

FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Soda cáustica líquida - Determinação de ferro - Método espectrofotométrico visível com ortofenantrolina (método A) e tiocianato de potássio (método B) -
NBR8076 de 02/2004

Soda cáustica líquida - Determinação de ferro - Método espectrofotométrico visível com ortofenantrolina (método A) e tiocianato de potássio (método B) -

Hipoclorito de sódio - Determinação de cloro ativo - Método volumétrico
NBR9425 de 04/2005

Hipoclorito de sódio - Determinação de cloro ativo - Método volumétrico

Soda Cáustica líquida - Determinação de sulfato - Método gravimétrico
NBR8077 de 08/2004

Soda Cáustica líquida - Determinação de sulfato - Método gravimétrico

Soda cáustica líquida - Determinação de clorato - Método volumétrico
NBR9851 de 02/2004

Soda cáustica líquida - Determinação de clorato - Método volumétrico

Soda cáustica líquida - Determinação de carbonato - Método potenciométrico (método A) e volumétrico (método B)
NBR15211 de 04/2005

Soda cáustica líquida - Determinação de carbonato - Método potenciométrico (método A) e volumétrico (método B)

Soda cáustica líquida - Determinação de sulfato - Método espectrofotométrico visível com cloreto de bário
NBR15132 de 08/2004

Soda cáustica líquida - Determinação de sulfato - Método espectrofotométrico visível com cloreto de bário

Ácido clorídrico - Determinação de ferro - Método espectrofotométrico visível com ortofenantrolina (método A) e tiocianato de potássio (método B)
NBR8079 de 12/2005

Ácido clorídrico - Determinação de ferro - Método espectrofotométrico visível com ortofenantrolina (método A) e tiocianato de potássio (método B)

Válvulas para cilindros de cloro - Especificação e ensaio de protótipo
NBR17016 de 03/2022

Válvulas para cilindros de cloro - Especificação e ensaio de protótipo

Hipoclorito de sódio - Determinação de clorato - Método volumétrico
NBR9432 de 07/2005

Hipoclorito de sódio - Determinação de clorato - Método volumétrico

Soda cáustica líquida - Determinação de cloreto - Método argentométrico (médtodo A) e mercurimétrico (método B)
NBR15016 de 03/2004

Soda cáustica líquida - Determinação de cloreto - Método argentométrico (médtodo A) e mercurimétrico (método B)

Embalagens plásticas para água sanitária e alvejantes à base de cloro - Requisitos e métodos de ensaio
NBR13390 de 11/2006

Embalagens plásticas para água sanitária e alvejantes à base de cloro - Requisitos e métodos de ensaio

Soda cáustica líquida - Determinação de sílica - Método espectrofotométrico visível com molibdato de amônio
NBR9848 de 08/2004

Soda cáustica líquida - Determinação de sílica - Método espectrofotométrico visível com molibdato de amônio

Soda cáustica líquida - Determinação da alcalinidade total - Método potenciométrico/volumétrico
NBR8140 de 09/2017

Soda cáustica líquida - Determinação da alcalinidade total - Método potenciométrico/volumétrico

Soda cáustica líquida - Determinação de cloreto - Método turbidimétrico
NBR15131 de 08/2004

Soda cáustica líquida - Determinação de cloreto - Método turbidimétrico

Desinfecção de tubulações de sistema público de abastecimento de água - Procedimento
NBR10156 de 12/1987

Desinfecção de tubulações de sistema público de abastecimento de água - Procedimento

Ácido clorídrico - Determinação de cloro livre - Método espectrofotométrico visível com ortotolidina
NBR9413 de 04/2006

Ácido clorídrico - Determinação de cloro livre - Método espectrofotométrico visível com ortotolidina

Ácido clorídrico - Determinação da acidez - Método potenciométrico (método A) e volumétrico (método B)
NBR8771 de 08/2005

Ácido clorídrico - Determinação da acidez - Método potenciométrico (método A) e volumétrico (método B)

Soda cáustica líquida - Determinação de mercúrio - Método de absorção atômica sem chama
NBR9847 de 03/2004

Soda cáustica líquida - Determinação de mercúrio - Método de absorção atômica sem chama

Ácido clorídrico - Determinação de sulfato - Método gravimétrico
NBR8144 de 04/2006

Ácido clorídrico - Determinação de sulfato - Método gravimétrico

Hipoclorito de sódio - Determinação da alcalinidade hidróxida e carbonato - Método potenciométrico (método A) e volumétrico (método B)
NBR9559 de 05/2005

Hipoclorito de sódio - Determinação da alcalinidade hidróxida e carbonato - Método potenciométrico (método A) e volumétrico (método B)

Expedição, transporte rodoviário e recebimento de hidróxido de sódio (soda cáustica) em solução a granel
NBR16310 de 09/2014

Expedição, transporte rodoviário e recebimento de hidróxido de sódio (soda cáustica) em solução a granel

Hipoclorito de sódio - Determinação de ferro - Método espectrofotométrico visível com ortofenantrolina (método A) e tiocianato de potássio (método B)
NBR9414 de 05/2005

Hipoclorito de sódio - Determinação de ferro - Método espectrofotométrico visível com ortofenantrolina (método A) e tiocianato de potássio (método B)

Ácido clorídrico - Determinação de cinzas sulfatadas - Método gravimétrico
NBR8078 de 10/2006

Ácido clorídrico - Determinação de cinzas sulfatadas - Método gravimétrico

Hipoclorito de sódio - Determinação de materiais insolúveis - Método de filtração a vácuo constante
NBR9852 de 08/2005

Hipoclorito de sódio - Determinação de materiais insolúveis - Método de filtração a vácuo constante

Ácido clorídrico - Determinação de arsênio - método espectrofotométrico visível com dietilditiocarbamato de prata
NBR9850 de 02/2008

Ácido clorídrico - Determinação de arsênio - método espectrofotométrico visível com dietilditiocarbamato de prata

Pasta celulósica, papel e cartão - Determinação de cloro total e cloro ligado organicamente (ou ligado a materiais orgânicos)
NBR14661 de 04/2001

Pasta celulósica, papel e cartão - Determinação de cloro total e cloro ligado organicamente (ou ligado a materiais orgânicos)

Hipoclorito de sódio - Determinação da taxa de evolução de gases - Método gasométrico
NBR9433 de 12/2005

Hipoclorito de sódio - Determinação da taxa de evolução de gases - Método gasométrico

Ácido clorídrico - Determinação da cor na escala Pt-Co (APHA) - Método espectrofotométrico visível
NBR9849 de 04/2006

Ácido clorídrico - Determinação da cor na escala Pt-Co (APHA) - Método espectrofotométrico visível

Cloro liquefeito (líquido) — Distribuição, manuseio e transporte a granel e em cilindros
NBR13295 de 07/2021

Cloro liquefeito (líquido) — Distribuição, manuseio e transporte a granel e em cilindros