Text page

A conformidade dos tanques, lavatórios, bidês e mictórios

Quais são as regiões críticas de lavatórios, tanques, colunas e bidês? Quais são as dimensões para a fixação dos metais sanitários em tanques, lavatórios e bidês? Quais são as dimensões para a saída d’água de tanques, lavatórios e bidês do tipo I? Para a fixação de bidê suspenso, quais as dimensões padronizadas? Quais os limites máximos de incidência de defeitos superficiais em função da localização dos mictórios? Essas interrogações estão sendo exibidas na NBR 16728-1 de 10/2021 - Tanques, lavatórios e bidês - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio e NBR 16731-1 de 10/2021 - Mictórios - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio.

03/11/2021 - Equipe Target

NBR 16728-1 de 10/2021 - Tanques, lavatórios e bidês - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio e NBR 16731-1 de 10/2021 - Mictórios - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio

A NBR 16728-1 de 10/2021 - Tanques, lavatórios e bidês - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio especifica os requisitos e métodos de ensaio para tanques (com ou sem coluna), lavatórios (com ou sem coluna) e bidês destinados à instalação em sistema hidráulico predial de água potável. A NBR 16731-1 de 10/2021 - Mictórios - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio especifica os requisitos para mictórios destinados à instalação em sistema hidráulico predial de água potável.

Confira algumas perguntas relacionadas a essas normas GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais são as regiões críticas de lavatórios, tanques, colunas e bidês?

Quais são as dimensões para a fixação dos metais sanitários em tanques, lavatórios e bidês?

Quais são as dimensões para a saída d’água de tanques, lavatórios e bidês do tipo I?

Para a fixação de bidê suspenso, quais as dimensões padronizadas?

Quais os limites máximos de incidência de defeitos superficiais em função da localização dos mictórios?

O acabamento das superfícies dos tanques, lavatórios e bidês deve atender aos requisitos deste documento. Os defeitos superficiais devem ser avaliados levando-se em consideração as seguintes diretrizes: não apresentar risco de segurança sanitária ou física do instalador ou usuário; não afetar a utilidade da peça; maior dimensão do defeito; quantidade de defeitos por região; quantidade de defeitos em uma mesma janela de inspeção; capacidade de visualizar o defeito a uma determinada distância da superfície da peça.

A iluminação ambiental para observação dos defeitos superficiais deve ser parcialmente difusa, proveniente da luz do dia, suplementada, se necessário, com luz artificial também difusa, de modo que, próximo da superfície a ser inspecionada, haja um iluminamento de pelo menos 1,0 klx no nível de transbordamento. Os tanques, lavatórios e bidês devem ser examinados na posição de instalação por um observador em pé e com uma altura de observação de (1,60 ± 0,10) m, no perímetro estabelecido por um semicírculo de inspeção de raio igual a 1,50 m, como ilustrado na figura abaixo.

Após a constatação de um defeito superficial, anotar a sua localização, verificando em qual região da superfície da peça está localizado o defeito. Os defeitos superficiais não observados desta posição são considera dos imperceptíveis. Recomenda-se que a preparação da peça a ser avaliada (limpeza, remoção da fita, desembalagem, etc.) não seja feita pela pessoa que irá realizar a avaliação do acabamento superficial.

 

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

Após a anotação de todos os defeitos verificados, estes devem ser avaliados para verificação de sua aceitabilidade. A tabela abaixo apresenta os limites máximos aceitáveis para a incidência de defeitos superficiais nas peças, levando-se em consideração as regiões críticas.

 

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

Nos aparelhos sanitários, devem ser marcados, de forma legível e permanente, em região visível após a instalação, a marca ou o nome do fabricante. Devem ser fornecidas, junto com a peça ou em folheto atualizado e amplamente divulgado, as instruções sobre a instalação do produto, inclusive indicando os elementos de fixação adequados. Além disso, devem ser indicadas as instruções de regulagem e manutenção.

Uma forma típica de divulgação ampla é por meio eletrônico. O aparelho sanitário deve conter, de forma legível, a data de fabricação, com no mínimo mês e ano. É desejável que a informação seja de forma permanente. Também pode ser utilizada etiqueta adesiva.

O valor do empenamento no plano de transbordamento de bidês deve ser no máximo 10 mm. O ensaio deve ser realizado conforme o Anexo A. O valor do empenamento na superfície de assentamento dos aparelhos sanitários deve ser de no máximo 3 mm. O ensaio deve ser realizado conforme o Anexo A.

Os aparelhos sanitários dotados de furos para instalação de metais ou plásticos sanitários devem obedecer aos valores constantes na tabela 2 na norma, referentes às dimensões indicadas nessa norma. Os lavatórios destinados à instalação de metais sanitários fixos devem possuir dimensão A2 igual a (80 ± 5) mm para A1 igual a (160 ± 10) mm ou A2 igual a (100 ± 5) mm para A1 igual a (200 ± 10) mm.

As dimensões A5 e A6 estabelecem, para cada furo de fixação de torneiras e misturadores, duas circunferências concêntricas, que limitam as áreas em torno do furo que devem ser livres de ressaltos e obstruções, para permitir o bom assentamento da torneira e do misturador. A dimensão A7 estabelece uma área livre para manobra de torneiras e misturadores. Esta dimensão pode ser assegurada tanto na instalação do produto quanto na dimensão do produto.

Para bidês, deve existir uma circunferência concêntrica de 50 mm no mínimo com o furo da ducha vertical A9, na parte inferior, livre de ressaltos e obstruções, que permita o bom assentamento do elemento de fixação da ducha. Para os bidês, o valor máximo da absorção de água obtido a partir da média de três resultados deve ser de até 0,50%. O ensaio deve ser realizado conforme o Anexo B.

Para os tanques e lavatórios, o valor máximo da absorção de água obtido a partir da média de três resultados deve ser de até 15 %. Quando o valor da absorção for entre 0,50% e 15%, todas as partes dos tanques e lavatórios que podem ter contato com a água devem possuir tratamento superficial impermeabilizante permanente.

A esmaltação é um exemplo de tratamento superficial impermeabilizante permanente, utilizado em materiais cerâmicos. A superfície acabada dos aparelhos sanitários não pode apresentar qualquer sinal de gretamento. O ensaio deve ser realizado conforme o Anexo C. Estão dispensados deste ensaio os produtos 100% em plástico ou metal.

Para a resistência mecânica, os aparelhos sanitários devem resistir à carga apresentada nessa norma sem apresentar fissuras, rachaduras, deformações visíveis a olho nu e outros sinais que indiquem que a resistência mecânica da peça seja insuficiente para suportar a carga aplicada. Adicionalmente, para aparelhos sanitários do tipo II, a deflexão residual máxima após a retirada da carga não pode ser maior que 10 mm. O ensaio deve ser realizado conforme o Anexo D.

Para a resistência após envelhecimento acelerado, os corpos de prova moldados a partir do composto empregado na fabricação do aparelho sanitário devem apresentar resistência após o envelhecimento em câmara ultravioleta de condensação (C-UV) por 500 h. O valor da resistência obtido no ensaio de impacto de Charpy deve ser igual ou superior a 70% do valor obtido antes do envelhecimento. O ensaio deve ser realizado conforme o Anexo G. Este requisito é aplicável apenas aos aparelhos sanitários do tipo II.

Já o acabamento das superfícies de mictórios deve atender aos requisitos da norma. Os defeitos superficiais devem ser avaliados levando-se em consideração as seguintes diretrizes: não apresentar risco de segurança sanitária ou física ao instalador ou usuário; não afetar a utilidade da peça; maior dimensão do defeito; quantidade de defeitos por região; quantidade de defeitos em uma mesma janela de inspeção; capacidade de visualizar o defeito a uma determinada distância da superfície da peça.

A iluminação ambiental para observação dos defeitos superficiais deve ser parcialmente difusa, proveniente da luz do dia, suplementada, se necessário, com luz artificial também difusa, de modo que, próximo da superfície a ser inspecionada, resulte em um iluminamento de pelo menos 1,0 klx no nível de transbordamento. Os mictórios devem ser examinados na posição de instalação.

Para mictórios suspensos, considerar a altura de (0,60 ± 0,10) m por um observador em pé e com altura de observação de (1,60 ± 0,10) m, no perímetro estabelecido por um semicírculo de inspeção de raio igual a 1,50 m, conforme a figura abaixo. Após a constatação de um defeito superficial, deve-se anotar a sua localização, verificando em qual região da superfície da peça ele está localizado.

Os defeitos superficiais não observados nesta posição são considera dos imperceptíveis. Recomenda-se que a preparação da peça a ser avaliada (limpeza, remoção da fita, desembalagem etc.) não seja feita pela pessoa que vai realizar a avaliação do acabamento superficial. Após a anotação de todos os defeitos verificados, estes devem ser avaliados para verificação de sua aceitabilidade.

 

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

Os mictórios devem ser marcados, de forma legível e permanente, em região visível após a instalação, com a marca ou o nome do fabricante. As instruções para instalação e operação devem ser fornecidas, junto com a peça ou por meio de folheto atualizado e amplamente divulgado, instruções sobre a instalação do produto, inclusive indicando os elementos de fixação adequados.

Além disso, devem ser indicadas as instruções de regulagem e manutenção. Caso o produto não possua um desconector incorporado, deve ser informada a necessidade de instalar um desconector junto à sua saída. Uma forma típica de divulgação ampla é por meio eletrônico.

Deve-se verificar se o fecho hídrico do desconector do mictório tem altura mínima de 50 mm. Caso não seja possível medir a altura do fecho hídrico, ou se esta for menor que 50 mm, deve-se realizar o ensaio de capacidade de retenção do fecho hídrico, conforme o Anexo D.

A amostra é considerada aprovada se apresentar a altura mínima do fecho hídrico de 50 mm ou se o fecho hídrico não romper no ensaio de capacidade de retenção do fecho hídrico (ver Anexo D). Esta verificação deve ser realizada apenas em mictórios que possuam o desconector incorporado ou fornecido junto ao produto.

FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Mictórios - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio
NBR16731-1 de 10/2021

Mictórios - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio

Ligações flexíveis para aparelhos hidráulicos sanitários - Requisitos e métodos de ensaio
NBR14878 de 11/2020

Ligações flexíveis para aparelhos hidráulicos sanitários - Requisitos e métodos de ensaio

Aparelhos sanitários - Misturadores - Requisitos e métodos de ensaio
NBR16749 de 05/2019

Aparelhos sanitários - Misturadores - Requisitos e métodos de ensaio

Mictórios - Parte 2: Procedimento para instalação
NBR16731-2 de 05/2019

Mictórios - Parte 2: Procedimento para instalação

Esquadrias — Guarda-corpos para edificação — Requisitos, procedimentos e métodos de ensaio
NBR14718 de 08/2019

Esquadrias — Guarda-corpos para edificação — Requisitos, procedimentos e métodos de ensaio

Válvulas de escoamento - Requisitos e métodos de ensaio
NBR15423 de 10/2006

Válvulas de escoamento - Requisitos e métodos de ensaio

Tanques, lavatórios e bidês - Parte 2: Procedimento para instalação
NBR16728-2 de 05/2019

Tanques, lavatórios e bidês - Parte 2: Procedimento para instalação

Caixa de descarga para limpeza de bacias sanitárias - Requisitos e métodos de ensaio
NBR15491 de 11/2010

Caixa de descarga para limpeza de bacias sanitárias - Requisitos e métodos de ensaio

Desempenho térmico de edificações - Parte 2 – Componentes e elementos construtivos das edificações — Resistência e transmitância térmica — Métodos de cálculo (ISO 6946:2017 MOD)
NBR15220-2 de 02/2022

Desempenho térmico de edificações - Parte 2 – Componentes e elementos construtivos das edificações — Resistência e transmitância térmica — Métodos de cálculo (ISO 6946:2017 MOD)

Desempenho térmico de edificações - Parte 4: Medição da resistência térmica e da condutividade térmica pelo princípio da placa quente protegida
NBR15220-4 de 04/2005

Desempenho térmico de edificações - Parte 4: Medição da resistência térmica e da condutividade térmica pelo princípio da placa quente protegida

Registro — Requisitos e métodos de ensaio - Parte 2: Registros com mecanismos de vedação não compressíveis
NBR15704-2 de 08/2015

Registro — Requisitos e métodos de ensaio - Parte 2: Registros com mecanismos de vedação não compressíveis

Avaliação de custos unitários de construção para incorporação imobiliária e outras disposições para condomínios edifícios - Procedimento
NBR12721 de 08/2006

Avaliação de custos unitários de construção para incorporação imobiliária e outras disposições para condomínios edifícios - Procedimento

Bacia sanitária - Parte 2: Procedimento para instalação
NBR16727-2 de 05/2019

Bacia sanitária - Parte 2: Procedimento para instalação

Instalações hidráulicas prediais - Aparelhos automáticos acionados mecanicamente e com ciclo de fechamento automático - Requisitos e métodos de ensaio
NBR13713 de 06/2009

Instalações hidráulicas prediais - Aparelhos automáticos acionados mecanicamente e com ciclo de fechamento automático - Requisitos e métodos de ensaio

Qualificação de pessoas no processo construtivo de edificações — Perfil profissional do instalador hidráulico predial
NBR15932 de 03/2011

Qualificação de pessoas no processo construtivo de edificações — Perfil profissional do instalador hidráulico predial

Desempenho térmico de edificações - Parte 5: Medição da resistência térmica e da condutividade térmica pelo método fluximétrico
NBR15220-5 de 04/2005

Desempenho térmico de edificações - Parte 5: Medição da resistência térmica e da condutividade térmica pelo método fluximétrico

Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos
NBR9050 de 08/2020

Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos

Registro de PVC rígido para ramal predial - Verificação da estanqueidade à pressão hidrostática
NBR11308 de 06/2016

Registro de PVC rígido para ramal predial - Verificação da estanqueidade à pressão hidrostática

Tanques, lavatórios e bidês - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio
NBR16728-1 de 10/2021

Tanques, lavatórios e bidês - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio

Manutenção de edificações — Requisitos para o sistema de gestão de manutenção
NBR5674 de 07/2012

Manutenção de edificações — Requisitos para o sistema de gestão de manutenção

Registro - Requisitos e métodos de ensaio - Parte 1: Registros de pressão
NBR15704-1 de 03/2011

Registro - Requisitos e métodos de ensaio - Parte 1: Registros de pressão

Misturadores monocomando para lavatório - Requisitos e métodos de ensaio
NBR15267 de 06/2017

Misturadores monocomando para lavatório - Requisitos e métodos de ensaio

Aparelhos sanitários - Sifão - Requisitos e métodos de ensaio
NBR14162 de 06/2017

Aparelhos sanitários - Sifão - Requisitos e métodos de ensaio

Reforma em edificações — Sistema de gestão de reformas — Requisitos
NBR16280 de 12/2020

Reforma em edificações — Sistema de gestão de reformas — Requisitos

Registro de PVC rígido, para ramal predial - Especificação
NBR11306 de 03/1990

Registro de PVC rígido, para ramal predial - Especificação

Aparelhos sanitários — Tubo extensível para escoamento — Requisitos e métodos de ensaio
NBR16750 de 05/2019

Aparelhos sanitários — Tubo extensível para escoamento — Requisitos e métodos de ensaio

Desempenho térmico de edificações - Parte 1: Definições, símbolos e unidades
NBR15220-1 de 04/2005

Desempenho térmico de edificações - Parte 1: Definições, símbolos e unidades

Sistemas prediais de água fria e água quente — Projeto, execução, operação e manutenção
NBR5626 de 06/2020

Sistemas prediais de água fria e água quente — Projeto, execução, operação e manutenção

Desempenho térmico de edificações - Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social
NBR15220-3 de 04/2005

Desempenho térmico de edificações - Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social

Bacia sanitária - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio
NBR16727-1 de 05/2019

Bacia sanitária - Parte 1: Requisitos e métodos de ensaio