Text page

O projeto de estações de armazenamento de gás natural liquefeito (GNL)

O que deve ser feito em relação ao impacto ambiental nas estações? Quais são as distâncias de segurança? Como deve ser executado o projeto do tanque de armazenamento de GNL? Qual deve ser a instrumentação dos tanques de armazenamento de GNL? Essas indagações estão sendo apresentadas na NBR 16934 de 03/2021 - Estação de armazenamento e vaporização de gás natural liquefeito (GNL) para suprimento de gás natural - Requisitos.

07/04/2021 - Equipe Target

NBR 16934 de 03/2021 - Estação de armazenamento e vaporização de gás natural liquefeito (GNL) para suprimento de gás natural – Requisitos

A NBR 16934 de 03/2021 - Estação de armazenamento e vaporização de gás natural liquefeito (GNL) para suprimento de gás natural - Requisitos estabelece os requisitos mínimos para projeto, montagem, comissionamento, operação, manutenção e inspeção da estação de armazenamento e vaporização de gás natural liquefeito para suprimento de gás natural, incluindo equipamentos, segurança e dispositivos de controle. Aplica-se às seguintes situações: para o suprimento de gás natural às redes e ramais de distribuição das concessionárias de gás natural canalizado; para o suprimento de gás natural à instalação não residencial.

Não se aplica ao seguinte: plantas de produção de GNL; estações com armazenamento subterrâneo; uso residencial; estações de abastecimento de veículos com gás natural comprimido (GNC) e GNL; suprimento de gás natural para gasodutos de transporte e escoamento da produção. Não se aplica às estações já existentes à data de sua publicação, a menos que haja determinação por regulamentação legal.

Acesse algumas indagações relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

O que deve ser feito em relação ao impacto ambiental nas estações?

Quais são as distâncias de segurança?

Como deve ser executado o projeto do tanque de armazenamento de GNL?

Qual deve ser a instrumentação dos tanques de armazenamento de GNL?

O gás natural liquefeito (GNL) é submetido a processo de liquefação, por resfriamento, para estocagem e transporte, passível de regaseificação em unidades próprias. É composto predominantemente de metano e pode conter quantidades mínimas de etano, propano, nitrogênio ou outros componentes normalmente encontrados no gás natural.

A segurança e os riscos ambientais e tecnológicos devem ser gerenciados durante todo o ciclo de vida da estação por meio da adoção de um plano de gestão de riscos, que sistematicamente, identifica, analisa e avalia os riscos relacionados às pessoas, ao meio ambiente e aos equipamentos. As medidas de tratamento de risco adequadas podem ser identificadas e implementadas para reduzir os riscos aos níveis toleráveis. As diretrizes das NBR ISO 31000 e ISO 12100 devem ser seguidas no desenvolvimento de uma política e de uma estrutura de gestão de riscos.

Uma ou mais técnicas de análise de risco descritas na NBR ISO/IEC 31010 devem ser utilizadas para conduzir a análise de risco. A redução do risco pode ser alcançada por meio de medidas para reduzir a probabilidade e/ou as consequências de um cenário de risco.

Estas medidas incluem: o uso de tecnologias e modelos intrinsecamente seguros; o uso de dispositivos e sistemas de proteção; a adoção de procedimentos operacionais e de manutenção específicas; o uso de equipamentos de proteção individual; o fornecimento de informação e treinamento; a adoção de planos de emergência e de procedimentos de emergência. Devem ser consideradas medidas para mitigação de riscos referentes à sobrepressão, vazamentos de GNL, liberação de gás natural, incêndio e explosão.

As estações devem ser equipadas com dispositivos de segurança que previnam: a sobrepressão em qualquer parte da instalação; a liberação descontrolada de GNL ou de gás vaporizado pressurizado. Os dispositivos de segurança devem: ser independentes de outras funções, desde que a segurança não seja afetada; atender adequadamente aos princípios do projeto, a fim de obter uma proteção confiável; atender aos requisitos da ISO 4126-1.

Os dispositivos de segurança auxiliar devem incluir pelo menos: as válvulas de emergência com atuação automática para bloqueio e isolamento do tanque de GNL do restante da estação; uma ou mais botoeiras de parada de emergência. Medidas preventivas devem ser tomadas para evitar o risco causado por eletricidade estática, de acordo com as normas aplicáveis.

A classificação de área deve ser elaborada de acordo com a NBR IEC 60079-10-1 para identificar a localização das fontes de energia elétrica e outras fontes de ignição. Deve ser dada atenção especial aos equipamentos existentes, tal como o isolamento e a proteção dos cabos de alta-tensão. O Anexo A apresenta recomendações para o dimensionamento das zonas classificadas das principais unidades da estação.

Os tanques de GNL, equipamentos associados e a área de segurança não podem estar localizados ou expostos à falha das redes elétricas aéreas, que operam com tensão superior a 480 volts, conforme distâncias indicadas na tabela abaixo. As áreas da estação devem ser protegidas contra eventual presença de outros combustíveis ou líquidos perigosos.

Os equipamentos a combustão e/ou aquecidos com chama direta devem ser instalados fora da área classificada. A área classificada deve atender ao limite da estação dentro das distâncias de segurança, conforme estabelecido na tabela abaixo. Se uma análise de risco complementar for realizada e os resultados das distâncias de segurança forem inferiores ao da tabela abaixo, estas não podem ser consideradas no projeto das estações.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

Não são permitidas fontes de ignição durante a operação normal da estação. Não é permitido o armazenamento de materiais e produtos combustíveis nas áreas classificadas da estação. Os equipamentos de combate a incêndio devem estar disponíveis para operação na estação de acordo com o exigido pelas autoridades locais e atender à legislação pertinente.

As vias de acesso devem estar livres para a circulação das equipes de combate a incêndio. Os procedimentos de combate a incêndio aprovados pelas autoridades competentes locais devem estar disponíveis na estação. Uma versão simplificada do procedimento de combate a incêndio da estação deve ser exibida em um local de fácil visualização e acesso, devendo conter a indicação da posição das botoeiras de ESD ou parada de emergência (emergency shut down) um sistema projetado para minimizar as consequências das situações de emergência, interrompendo fluxos, desenergizando circuitos, isolando equipamentos ou áreas, despressurizando linhas e vasos, etc.

As medidas de proteção contra explosão devem ser conduzidas de acordo com as partes aplicáveis da NBR IEC 60079. Todos os equipamentos e componentes elétricos e não elétricos previstos para uso em atmosferas potencialmente explosivas (áreas perigosas) devem ser projetados e fabricados de acordo com as boas práticas de engenharia e em conformidade com as categorias requeridas para os equipamentos do grupo II, de forma a garantir a ausência de qualquer fonte de ignição, conforme estabelecido na NBR IEC 60079.

Os equipamentos e componentes elétricos devem no mínimo ser adequados para grupo de explosão IIA e classe de temperatura T1, conforme estabelecido na NBR IEC 60079-0. A ignição em atmosferas explosivas deve ser prevenida pelo uso de sistemas de proteção estabelecidos nas partes aplicáveis da NBR IEC 60079. As zonas de risco aplicáveis são estabelecidas na NBR IEC 60079-10-1.

Deve ser efetuada uma avaliação do local e do solo para determinar as condições adequadas da instalação, conforme Anexo B. Todos os equipamentos, componentes, tubulações, acessórios e materiais da estação devem ser montados de forma adequada ao uso a que se destinam, devendo ser instalados e utilizados de acordo com as instruções do fabricante. As regulamentações (leis, decretos, portarias no âmbito federal, estadual ou municipal) aplicáveis ao projeto, construção e instalação da estação devem ser consideradas.

As referências normativas vigentes para equipamentos criogênicos devem ser consideradas para o projeto de tubulação e vasos de pressão. Devem ser previstos válvulas e manômetros na estação de maneira a permitir o processo de despressurização dos componentes para uma intervenção segura. Um exemplo informativo do fluxograma de processo da estação é apresentado no Anexo C.

A estação deve ser projetada e construída de forma a assegurar fácil acesso e que a operação e a manutenção sejam realizadas com segurança. O sistema de iluminação deve ser projetado de forma fixa e redundante para garantir que as atividades de operação, manutenção e emergência sejam realizadas de maneira segura e ininterrupta.

Os sistemas da estação devem ser operados e supervisionados por pessoal capacitado na atividade-fim. Sempre que houver modificação de projeto, construção e montagem na estação, ou alteração no ambiente (novas construções, linhas de transmissão, rodovias, densidade demográfica) esta deve ser avaliada e validada considerando o seguinte: análise de segurança dos processos e estudo de riscos e operacionalidade (HAZOP); medidas de mitigação para riscos de incêndios; localização e posicionamento dos tanques e da própria estação; análise do sistema de ESD; sistemas de detecção de incêndio e de gás; ventilação; sistema de drenagem e contenção; outras características pertinentes da instalação e sua vizinhança.

A documentação técnica deve ser submetida à (s) autoridade (s) competente (s) para validação e deve estar disponível no local da estação. Deve ser efetuada uma revisão “como construído” no projeto do posicionamento e caminhamento de toda a tubulação, e uma cópia deve estar disponível na estação de GNL.

A aplicação de bombas e/ou compressores em estações de GNL para suprimento de redes de distribuição de gás com pressão de serviço superior à de serviço do tanque de armazenamento deve atender ao estabelecido na Seção 7. O projeto e a operação da estação devem prever medidas para mitigar a liberação de gás (boil-off) para a atmosfera. O alívio de gás de outras partes da estação pode ser retornado para acumulação no tanque de armazenamento e/ou ser tratado por outros meios adequados.

A escolha da localização e o projeto do leiaute da estação devem estar de acordo com as distâncias mínimas de segurança e requisitos de áreas perigosas. A localização de equipamentos que contenham GNL deve atender aos requisitos de segurança, ser ao ar livre e em ambiente ventilado. As distâncias de segurança dos tanques de armazenamento de GNL devem ser especificadas de acordo com a capacidade hidráulica destes.

A capacidade em massa dos tanques pode ser calculada multiplicando-se a capacidade hidráulica do tanque pela massa específica de GNL previsto, a qual deve ser expressa em kgf/m³. As instruções de segurança relativas à descarga do caminhão-tanque, da operação da estação, dos dispositivos de emergência e de combate a incêndio devem ser afixadas em local visível e de fácil acesso.

No leiaute da estação deve ser previsto espaço suficiente para serviços de inspeção e de manutenção. Os componentes da estação de GNL devem estar adequadamente protegidos contra colisões de veículos, por exemplo, utilizando guarda-corpos ou postes de aço preenchidos com concreto, ou uma proteção equivalente destinada a suportar a força de colisão esperada. Deve ser dada especial atenção à proteção contra a colisão no tanque de armazenamento de GNL.

As vias de entrada e de saída para a área de carregamento do tanque de armazenamento de GNL devem ser desobstruídas e proporcionar um acesso fácil ao caminhão-tanque, com um mínimo de manobra. Recomenda-se que o leiaute da estação em caso de emergência, permita que o caminhão-tanque seja capaz de seguir em direção à frente.

Devem ser consideradas no projeto medidas mitigadoras contra colisões devidas à possibilidade de fluxo de veículos externos nas proximidades da estação (ver Anexo D). O ponto de descarga de GNL deve ser protegido para sustentar a força da colisão de veículos, usando bate-roda, postes de aço preenchidos com concreto, ou proteção equivalente. Uma atenção especial deve ser dada também à proteção contra colisão ao tanque de armazenamento de GNL e ao tanque de odoração.

O caminhão-tanque de GNL deve ter fácil acesso ao ponto de transferência do produto para a estação. O bocal de abastecimento da estação deve ser localizado de modo a permitir o fácil acesso, por pessoa autorizada, para realizar a operação de descarga do caminhão-tanque para o tanque de armazenamento de GNL.

O tipo de conector do mangote deve ser compatível com o bocal de abastecimento. Devem ser fornecidos meios adequados de controle de acesso de pessoas não autorizadas às instalações, de modo a garantir segurança de operacional. Sempre que forem utilizadas cercas de segurança ou proteção semelhante, devem ser previstas pelo menos duas saídas de emergência, localizadas de forma a facilitar a evacuação da área.

Os vaporizadores atmosféricos devem estar localizados de modo que a circulação de ar em torno destes não seja restringida. Os vaporizadores devem ser separados das áreas de tráfego para que a neblina gerada pelo arrefecimento do ar em torno do vaporizador, não afete a segurança dos veículos das pessoas e instalações em geral.

Os equipamentos elétricos e não elétricos capazes de produzir ignição devem ser projetados para uso em áreas classificadas, conforme determinado por análise de risco. Devem ser fornecidos meios de acessos seguros e espaço suficiente para inspeção, manutenção e assistência a todos os equipamentos que necessitem de manutenção ou de intervenção local.

Não pode haver presença de entulho, detritos, ou outros materiais que possam apresentar risco de incêndio na área de instalação da estação de GNL. Materiais combustíveis não podem ser estocados ou deixados sem controle nas áreas classificadas da estação. Devem ser removidas as vegetações de áreas não pavimentadas e entorno, antes que sequem.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Atmosferas explosivas - Parte 10-2: Classificação de áreas — Atmosferas de poeiras explosivas
NBRIEC60079-10-2 de 06/2016

Atmosferas explosivas - Parte 10-2: Classificação de áreas — Atmosferas de poeiras explosivas

Projeto de sistemas de transmissão e distribuição de gás combustível
NBR12712 de 04/2002

Projeto de sistemas de transmissão e distribuição de gás combustível

Rinologia - Análise olfativa no gás natural
NBR15614 de 09/2008

Rinologia - Análise olfativa no gás natural

Atmosferas explosivas - Parte 32-1: Riscos eletrostáticos, orientações
ABNT IEC/TS60079-32-1 de 01/2020

Atmosferas explosivas - Parte 32-1: Riscos eletrostáticos, orientações

Conjunto de equipamentos para emergências no transporte terrestre de produtos perigosos
NBR9735 de 03/2020

Conjunto de equipamentos para emergências no transporte terrestre de produtos perigosos

Instalações elétricas de baixa tensão
NBR5410 de 09/2004

Instalações elétricas de baixa tensão

Gestão de riscos - Diretrizes
NBRISO31000 de 03/2018

Gestão de riscos - Diretrizes

Estação de armazenamento e vaporização de gás natural liquefeito (GNL) para suprimento de gás natural - Requisitos
NBR16934 de 03/2021

Estação de armazenamento e vaporização de gás natural liquefeito (GNL) para suprimento de gás natural - Requisitos

Atmosferas explosivas - Parte 0: Equipamentos - Requisitos gerais
NBRIEC60079-0 de 11/2020

Atmosferas explosivas - Parte 0: Equipamentos - Requisitos gerais

Critérios de projeto, montagem e operação de postos de gás combustível comprimido - Procedimento
NBR12236 de 02/1994

Critérios de projeto, montagem e operação de postos de gás combustível comprimido - Procedimento

Atmosferas explosivas - Parte 14: Projeto, seleção e montagem de instalações elétricas
NBRIEC60079-14 de 11/2016

Atmosferas explosivas - Parte 14: Projeto, seleção e montagem de instalações elétricas

Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas. - Parte 16: Ventilação artificial para a proteção de casa de analisadores
ABNT IEC/TR60079-16 de 02/2009

Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas. - Parte 16: Ventilação artificial para a proteção de casa de analisadores

Atmosferas explosivas - Parte 17: Inspeção e manutenção de instalações elétricas
NBRIEC60079-17 de 10/2014

Atmosferas explosivas - Parte 17: Inspeção e manutenção de instalações elétricas

Atmosferas explosivas - Parte 10-1: Classificação de áreas - Atmosferas explosivas de gás
NBRIEC60079-10-1 de 11/2018

Atmosferas explosivas - Parte 10-1: Classificação de áreas - Atmosferas explosivas de gás

Odoração do gás natural canalizado
NBR15616 de 09/2008

Odoração do gás natural canalizado

Gestão de riscos — Guia para implementação da ABNT NBR ISO 31000
ABNT ISO/TR31004 de 10/2015

Gestão de riscos — Guia para implementação da ABNT NBR ISO 31000

Gestão de riscos - Técnicas para o processo de avaliação de riscos
NBRISO/IEC31010 de 08/2021

Gestão de riscos - Técnicas para o processo de avaliação de riscos