Text page

A conformidade dos vidros termoendurecidos planos

Quais são as tolerâncias na largura B e no comprimento H? Qual a diferença máxima entre as diagonais? O que são as ondas de roletes (roller wave), apenas para vidro termoendurecido horizontalmente? Quais são os valores máximos permitidos para elevação de borda? Essas questões estão sendo exibidas na NBR 16918 de 11/2020 - Vidro termoendurecido.

25/11/2020 - Equipe Target

NBR 16918 de 11/2020 - Vidro termoendurecido

A NBR 16918 de 11/2020 - Vidro termoendurecido especifica os requisitos gerais, métodos de ensaio e precauções necessárias para assegurar a segurança, durabilidade e qualidade do vidro termoendurecido plano. Outros requisitos, não especificados nesta Norma, podem ser aplicáveis ao vidro termoendurecido que é incorporado em conjuntos, por exemplo, o vidro laminado ou insulado, ou vidros revestidos para controle solar. Estes requisitos adicionais são especificados nas normas dos respectivos produtos. O vidro termoendurecido é aquele que, mediante um processo controlado de aquecimento e resfriamento, tem suas resistências mecânica e térmica aumentadas. As resistências mecânica e térmica são geradas pelo nível de compressão superficial. Estas propriedades não dependem das dimensões da peça.

Acesse algumas questões relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais são as tolerâncias na largura B e no comprimento H?

Qual a diferença máxima entre as diagonais?

O que são as ondas de roletes (roller wave), apenas para vidro termoendurecido horizontalmente?

Quais são os valores máximos permitidos para elevação de borda?

O vidro termoendurecido deve atingir uma tensão de superfície residual entre 3.500 psi e 7.500 psi. Possui maior resistência às tensões térmica e mecânica em comparação com o vidro comum, mas não pode ser considerado um vidro de segurança. O vidro termoendurecido é desenvolvido a partir de um vidro monolítico que atende aos requisitos de uma das seguintes normas: vidro float, de acordo com a NBR NM 294; vidro impresso, de acordo com a NBR NM 297; vidro revestido de controle solar, de acordo com a NBR 16023.

No caso de quebra, o vidro termoendurecido possui características similares às do vidro float. A fragmentação pode ser realizada em amostras de ensaio sem retenção mecânica em suas bordas. A fragmentação do vidro instalado pode não corresponder à do vidro termoendurecido no ensaio de fragmentação, devido ao tipo de fixação, às dimensões da peça e ao processamento, por exemplo, laminação.

As características da quebra do vidro não são afetadas por temperaturas entre – 50 °C a +100 °C. As distorções ópticas em vidros float, ainda que pouco perceptíveis, podem ser oriundas do seu processo de fabricação, e podem também ser geradas ou acentuadas nos procedimentos de laminação, insulamento, tratamentos térmicos (têmpera, curvação e termoendurecimento), fixação dos vidros nas esquadrias e na instalação das esquadrias nas fachadas. Esta característica não é um defeito e sim uma propriedade do material, todavia, torna-se um defeito quando não controlada e limitada.

Nenhum vidro é isento de apresentar algum nível de distorção óptica, inclusive os vidros produzidos pelo processo float, sejam eles incolores, coloridos e/ou de controle solar. Pequenas variações de planicidade na superfície dos vidros são imperceptíveis quando estes são observados de perto, mas assumem proporções visíveis quando a distância do observador é aumentada. Fatores como ângulo de observação, iluminância, tipo de vidro e o clima podem influenciar na visualização.

Quanto à anisotropia, pode dizer que o procedimento de termoendurecimento produz áreas com tensões diferentes na sessão transversal do vidro. Estas áreas de tensão produzem um efeito de dupla reflexão no vidro que é visível sob luz polarizada. Este efeito se manifesta sob a forma de manchas coloridas. A luz polarizada ocorre durante o dia e sua quantidade depende da estação climática do ano e do ângulo da luz solar.

A anisotropia também pode ser observada em função da umidade do ar e até da espessura do vidro. O efeito de dupla reflexão é mais evidente sob um determinado ângulo de visão ou com lentes polarizadas. A anisotropia não é um defeito e sim um efeito visível, inerente ao processo de fabricação.

As propriedades mecânicas do vidro termoendurecido não variam quando instaladas, com temperaturas até 200 °C, e não são afetadas por temperaturas inferiores a 0 °C. O vidro termoendurecido é capaz de resistir tanto às variações repentinas de temperatura como às diferenças de temperaturas de até 100 °C. Esta propriedade não tem relação com a capacidade de resistência ao fogo. A tabela abaixo apresenta os valores das tensões máximas admissíveis para vidros termoendurecidos, de acordo com o apoio do painel e a duração da carga, por exemplo, 3 s para rajadas de vento e acima de um ano para cargas permanentes, como objetos sobre pisos ou pressão de água em piscinas e aquários.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

O processo de termoendurecimento não modifica a espessura da peça, portanto as tolerâncias de espessura devem atender aos requisitos das normas referentes ao vidro utilizado, sendo a NBR NM 294, para o vidro float, e a NBR NM 297 para vidro impresso. Quando as dimensões do vidro termoendurecido são especificadas para peças retangulares, a primeira dimensão deve ser a largura, B, e a segunda dimensão, o comprimento, H. Deve-se indicar que a dimensão para a largura é representada como B, e que o comprimento é representado como H, quando se refere a sua posição para instalação.

Em função da natureza do procedimento de termoendurecimento, pode não ser possível obter um vidro tão plano como o float. Esta diferença de planicidade depende do tipo de vidro (como revestido, impresso etc.), das medidas do vidro como a espessura nominal, a largura e o comprimento, a proporção entre as dimensões, e também do processo de termoendurecimento utilizado (forno vertical ou horizontal).

Os vidros tratados termicamente podem ter a sua planicidade alterada, resultando assim em distorções ópticas e estas podem se tornar mais perceptíveis pelos tipos de alteração na planicidade. As pinças utilizadas para suspender o vidro durante o termoendurecimento produzem depressões na superfície do vidro, denominadas como marcas de pinças. Os centros das marcas de pinças são situados até um máximo de 20 mm a partir da borda.

Uma deformação da borda menor que 2 mm pode ser produzida na região da marca de pinça e também pode haver uma região de distorções ópticas com raio máximo de 100 mm. Após o processo de termoendurecimento, o vidro não pode ser cortado, serrado, perfurado, nem sofrer acabamento de borda ou abrasão superficial. Todos esses procedimentos só podem ser realizados antes do processo de termoendurecimento.

Todo vidro a ser submetido ao processo de termoendurecimento deve ter sua borda trabalhada antes do processo, sendo no mínimo lixado com lixa umedecida, de forma a eliminar qualquer defeito de borda. Os fornecedores do vidro termoendurecido devem ser consultados sobre os diversos tipos de acabamento de bordas existentes, que podem variar em função das exigências do projeto e da tecnologia empregada por cada processador.

Toda chapa de vidro termoendurecido deve ser marcada de forma indelével e permanente com as seguintes informações: logomarca do fabricante e/ou nome do fabricante do vidro; identificação do tipo de vidro com o texto “Vidro Termoendurecido” ou “VTE” – abreviação da expressão em português ou “HS” – abreviação da expressão em inglês. A marcação de identificação permanente deve ser aplicada nas peças de vidro próxima a um dos cantos, onde deve estar totalmente visível e legível quando o vidro for instalado.

Se houver solicitação do cliente para que a marcação seja aplicada em local não visível, isso deve ser acordado previamente entre as partes. As informações adicionais também podem ser gravadas, desde que previamente acordada entre o fabricante e o consumidor.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Vidros de segurança com impressão cerâmica decorativa, para veículos rodoviários- Especificação
NBR12667 de 08/1992

Vidros de segurança com impressão cerâmica decorativa, para veículos rodoviários- Especificação

Vidros de segurança - Determinação da resistência ao impacto com esfera
NBR9494 de 11/2015

Vidros de segurança - Determinação da resistência ao impacto com esfera

Espelhos de prata - Beneficiamento e instalação
NBR15198 de 03/2005

Espelhos de prata - Beneficiamento e instalação

Vidros de segurança para veículos rodoviários — Requisitos
NBR9491 de 11/2015

Vidros de segurança para veículos rodoviários — Requisitos

Vidros de segurança - Determinação da separação da imagem secundária
NBR9497 de 11/2015

Vidros de segurança - Determinação da separação da imagem secundária

Vidros revestidos para controle solar — Requisitos, classificação e métodos de ensaio
NBR16023 de 01/2020

Vidros revestidos para controle solar — Requisitos, classificação e métodos de ensaio

Vidros de segurança — Método de ensaio de abrasão
NBR9498 de 11/2015

Vidros de segurança — Método de ensaio de abrasão

Vidros na construção civil — Projeto, execução e aplicações
NBR7199 de 07/2016

Vidros na construção civil — Projeto, execução e aplicações

Vidros de segurança resistentes a impactos balísticos para veículos rodoviários blindados — Aspectos visuais e ópticos — Requisitos e métodos de ensaio
NBR16218 de 10/2013

Vidros de segurança resistentes a impactos balísticos para veículos rodoviários blindados — Aspectos visuais e ópticos — Requisitos e métodos de ensaio

Vidros de segurança — Ensaio de ruptura — Segurança contra estilhaços
NBR9492 de 03/2014

Vidros de segurança — Ensaio de ruptura — Segurança contra estilhaços

Veículos rodoviários automotores em manutenção - Remoção e instalação de vidros
NBR14777 de 11/2001

Veículos rodoviários automotores em manutenção - Remoção e instalação de vidros

Vidros de segurança - Ensaio de resistência à umidade
NBR9502 de 11/2015

Vidros de segurança - Ensaio de resistência à umidade

Vidros de segurança - Determinação da distorção óptica
NBR9504 de 11/2015

Vidros de segurança - Determinação da distorção óptica

Vidro insulado — Características, requisitos e métodos de ensaio
NBR16015 de 03/2012

Vidro insulado — Características, requisitos e métodos de ensaio

Vidros de segurança - Ensaio de radiação
NBR9501 de 11/2015

Vidros de segurança - Ensaio de radiação

Vidro temperado para aparelhos domésticos da linha branca
NBR13866 de 04/2004

Vidro temperado para aparelhos domésticos da linha branca

Vidro termoendurecido
NBR16918 de 11/2020

Vidro termoendurecido

Vidros automotivos - Sistemas de reparo de pára-brisas - Métodos de ensaio -
NBR15673 de 01/2009

Vidros automotivos - Sistemas de reparo de pára-brisas - Métodos de ensaio -

Vidros para sistemas de prateleiras - Requisitos e métodos de ensaio
NBR14564 de 02/2017

Vidros para sistemas de prateleiras - Requisitos e métodos de ensaio

Vidro plano — Determinação da resistência à tração na flexão
NBR12067 de 05/2017

Vidro plano — Determinação da resistência à tração na flexão

Terminologia de vidros planos e dos componentes acessórios a sua aplicação
NBRNM293 de 05/2004

Terminologia de vidros planos e dos componentes acessórios a sua aplicação

Vidros de segurança - Ensaio de resistência à alta temperatura
NBR9499 de 11/2015

Vidros de segurança - Ensaio de resistência à alta temperatura

Vidros revestidos para controle solar - Requisitos de processamento e manuseio
NBR16673 de 01/2018

Vidros revestidos para controle solar - Requisitos de processamento e manuseio

Vidros de segurança - Determinação da transmissão luminosa
NBR9503 de 11/2015

Vidros de segurança - Determinação da transmissão luminosa

Vidros automotivos - Requisitos para reparação de pára-brisas - Classificação
NBR15672 de 01/2009

Vidros automotivos - Requisitos para reparação de pára-brisas - Classificação

Vidros de segurança — Determinação dos afastamentos quando submetidos à verificação dimensional e suas tolerâncias — Método de ensaio
NBR7334 de 12/2011

Vidros de segurança — Determinação dos afastamentos quando submetidos à verificação dimensional e suas tolerâncias — Método de ensaio

Boxes de banheiro fabricados com vidros de segurança
NBR14207 de 01/2009

Boxes de banheiro fabricados com vidros de segurança

Vidros de segurança - Determinação da resistência ao impacto com phanton
NBR9493 de 11/2015

Vidros de segurança - Determinação da resistência ao impacto com phanton

Adesivos - Sistema de colagem estrutural na reposição de vidros automotivos - Requisitos e métodos de ensaio
NBR15725 de 06/2022

Adesivos - Sistema de colagem estrutural na reposição de vidros automotivos - Requisitos e métodos de ensaio

Vidros para auxílios visuais luminosos de uso aeronáutico
NBR11482 de 09/2017

Vidros para auxílios visuais luminosos de uso aeronáutico