Text page

A análise sensorial no controle da qualidade

Como escolher os avaliadores para avaliação de produtos em processamento? O que é um teste dentro ou fora do padrão? Como aplicar o método de análise sensorial descritiva? O que é um gráfico de médias ou X? Essas indagações estão sendo solucionadas na NBR ISO 20613 de 08/2020 - Análise sensorial — Guia geral para a aplicação da análise sensorial no controle da qualidade.

23/09/2020 - Equipe Target

NBR ISO 20613 de 08/2020 - Análise sensorial — Guia geral para a aplicação da análise sensorial no controle da qualidade

A NBR ISO 20613 de 08/2020 - Análise sensorial — Guia geral para a aplicação da análise sensorial no controle da qualidade fornece diretrizes para a implementação de um programa de análise sensorial em controle da qualidade (CQ), incluindo elementos e procedimentos gerais. É aplicável a indústrias de alimentos e não alimentos. Está limitado à análise sensorial durante o CQ na unidade produtora/fábrica.

Acesse algumas questões relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Como escolher os avaliadores para avaliação de produtos em processamento?

O que é um teste dentro ou fora do padrão?

Como aplicar o método de análise sensorial descritiva?

O que é um gráfico de médias ou X?

Durante a sua configuração e implementação, recomenda-se que um programa de CQ sensorial seja avaliado por meio de várias perspectivas, como as práticas de garantia da qualidade (GQ)/CQ existentes; os registros de qualidade do produto e fatores que influenciam a qualidade sensorial requerida dos produtos acabados; a capacidade de executar testes sensoriais; o nível técnico do responsável pela produção; o custo e o benefício econômico; a aceitação do consumidor; e o feedback do mercado. Recomenda-se que um programa de CQ sensorial cubra todas as fases do processo de produção.

É indicado que a análise sensorial de ingredientes/matéria-prima, assim como durante o processamento e de produtos acabados, seja levada em consideração. Recomenda-se que os procedimentos de avaliação sigam as regras das boas práticas sensoriais, como avaliadores capacitados e métodos sensoriais adequados, quando possível com as mesmas condições de preparação e avaliação para cada amostra, ambiente adequado, procedimentos controlados e delineamentos balanceados.

Recomenda-se que as contribuições dos consumidores-alvo auxiliem no estabelecimento de especificações sensoriais dos produtos. É indicado que os principais atributos sensoriais e seus limites aceitáveis sejam estabelecidos pelo reconhecimento e aceitação de consumidores-alvo para assegurar que o programa de CQ sensorial atenda às necessidades dos consumidores e permita o monitoramento da qualidade atual dos produtos (incluindo produtos competitivos no mercado). Recomenda-se que os exemplos de produtos fora de padrão sejam mantidos para auxiliar na resolução de problemas de produção ou reclamações de consumidores.

A análise sensorial e a análise instrumental são ferramentas poderosas que podem ser usadas no controle da qualidade. A relação entre dados sensoriais e instrumentais é necessária para explorar e validar as técnicas instrumentais, a fim de medir ou fornecer informações sobre os principais atributos sensoriais do produto. A análise sensorial é a única maneira de obter medidas diretas dos atributos percebidos.

Ajuda a entender melhor e a satisfazer as necessidades dos consumidores. Recomenda-se que todos os dispositivos instrumentais ou medidas analíticas utilizados para estimar a qualidade sensorial sejam testados com os produtos da empresa e as faixas de variabilidade de produção, e validados com as respostas sensoriais coletadas pela análise sensorial. Recomenda-se que os requisitos de monitoramento para CQ sensorial e sua inspeção sejam totalmente documentados e registrados.

É indicado que os registros sejam preenchidos e detalhados de tal forma que sejam fáceis de entender, de forma conveniente e eficaz. Recomenda-se que eles expliquem claramente a condição da qualidade do produto e forneçam razões confiáveis para a rejeição de produtos que não atendam à qualidade especificada. Eles podem fornecer orientação sobre as ações específicas a serem tomadas.

Para realizar um programa de CQ sensorial, é importante primeiro, estabelecer a especificação sensorial impressa e/ou padrões físicos, segundo, coletar dados de qualidade, incluindo o estabelecimento de um painel sensorial, as instalações com equipamento apropriado, a seleção de métodos de análise sensorial e a análise e interpretação estatística dos resultados, e, finalmente, tomar decisões por meio da análise estatística dos dados. A figura abaixo apresenta um delineamento para um programa completo de CQ sensorial.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

Ao definir as especificações/padrões sensoriais, recomenda-se que vários fatores sejam considerados, como objetivos de marketing, variabilidade de produção, atributos que impulsionam a aceitação do consumidor, natureza do produto, condições de fabricação e recursos disponíveis. Também se recomenda que os objetivos específicos do programa de CQ sejam levados em conta. Quando o objetivo é projetar um programa de CQ sensorial para evitar defeitos sensoriais, os padrões de qualidade sensorial incluirão uma descrição dos defeitos mais comuns no produto, incluindo defeitos resultantes de características inadequadas das matérias primas utilizadas ou das condições do processo.

Os defeitos também podem resultar de armazenamento incorreto ou prolongado ou de causas acidentais. Quando o objetivo do programa CQ é controlar a qualidade sensorial apresentada em uma determinada denominação de origem ou comparar a qualidade de um produto industrial com concorrentes no mercado, recomenda-se que os padrões de qualidade sensorial incluam não apenas os atributos que definem seus perfis sensoriais, mas também aqueles que afetam a aceitabilidade.

Recomenda-se que a elaboração de um padrão impresso inclua definições para todos os principais atributos, especialmente aqueles que impulsionam a aceitação do consumidor e variações perceptíveis com limites aceitáveis, dependendo das matérias primas e/ou processo de fabricação. Os principais atributos referem-se aos atributos que variam na produção e que provavelmente causam rejeição do consumidor.

Recomenda-se que os profissionais de análise sensorial e/ou equipe gerencial determinem os principais atributos com base em análises descritivas e testes de consumidor. Fotografias também podem ser usadas como suplementos de padrões impressos, especialmente para as exigências de aparência de matérias-primas em processo e produtos acabados. O padrão físico ou o produto acabado pode ser preparado de acordo com a fórmula e o processo determinados pelo setor de desenvolvimento de produtos, e pode ser armazenado nas condições exigidas.

Também pode ser preparado selecionando produtos de qualidade requerida a partir da produção prática em condições normais. Recomenda-se que os padrões de controle físico das matérias primas sejam determinados conjuntamente pelo fabricante e fornecedor, e contratados por um protocolo preliminar. A validade dos padrões físicos pode variar com o tempo. Recomenda-se que os padrões físicos sejam periodicamente renovados para serem sensorialmente idênticos aos anteriores e/ou atualizados e adaptados às variações do mercado, conforme as especificações sensoriais derivadas do consumidor.

Uma vez que um padrão físico tenha sido identificado, recomenda-se que as condições ótimas de armazenamento e um suprimento adequado do padrão em armazenamento sejam determinados e documentados para referência futura. Recomenda-se que uma quantidade apropriada do padrão de controle em condições adequadas de embalagem e armazenamento seja preservada para garantir que a mudança de sua qualidade sensorial seja mínima. Recomenda-se que o padrão físico seja substituído quando estiver esgotado ou quando as propriedades sensoriais tiverem mudado.

Recomenda-se estabelecer um protocolo bem descrito para substituir o produto-padrão, quando necessário. Recomenda-se que o novo produto padrão tenha características sensoriais idênticas às anteriores. Recomenda-se que essa similaridade seja verificada por meio de um teste sensorial discriminativo, por exemplo, o teste triangular definido na NBR ISO 4120. Os avaliadores envolvidos no CQ sensorial são selecionados entre funcionários da empresa e/ou avaliadores experientes externos.

A seleção, treinamento e monitoramento são realizados de acordo com a NBR ISO 8586. Recomenda-se que as referências de calibração e especificações sensoriais de produtos acabados, produtos em processamento e ingredientes recebidos sejam usadas nas sessões de treinamento. Avaliadores aptos, quer sejam iniciados, selecionados ou especialistas/experts, são recrutados segundo as NBR ISO 8586 e NBR ISO 13300 (todas as partes), de acordo com os requisitos do avaliador para os métodos de análise sensorial.

Os avaliadores para avaliação de produtos acabados podem ser selecionados de um grande número de fontes (por exemplo, painéis externos ou painéis de funcionários da empresa com avaliadores selecionados ou avaliadores especialistas/experts), dependendo dos requisitos para o método selecionado. Sua tarefa principal é realizar os testes sensoriais para o CQ (exceto na avaliação em processamento e no teste com consumidor) do produto acabado.

Além disso, eles podem fornecer orientação ou auxiliar no ajuste do programa de CQ sensorial. Recomenda-se que eles sejam treinados para estar familiarizados com os padrões sensoriais relevantes dos produtos e seus limites de variação aceitáveis, fornecer informações de diagnóstico sobre defeitos, se houver referências que tipifiquem esses problemas e fornecer resultados sensoriais válidos com reprodutibilidade e repetibilidade. O teste de diferença do controle é usado para indicar a magnitude das diferenças entre uma amostra teste e o padrão de controle.

Neste método, é essencial que seja viável manter um padrão constante para comparação. Também é adequado para comparar produtos onde exista um único atributo sensorial ou apenas alguns atributos sensoriais que variam. Existem várias maneiras de realizar o teste: uma é avaliar o grau geral de diferença usando uma simples escala de categoria de intensidade; outra é avaliar as diferenças dos principais atributos em relação ao padrão com uma escala bipolar e um ponto central correspondente ao padrão de controle. Este último permite a avaliação da magnitude e a direção das diferenças nos atributos sensoriais.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Análise sensorial — Metodologia — Teste triangular
NBRISO4120 de 04/2013

Análise sensorial — Metodologia — Teste triangular

Análise sensorial — Metodologia — Teste duo-trio
NBRISO10399 de 06/2019

Análise sensorial — Metodologia — Teste duo-trio

Análise sensorial - Metodologia - Iniciação e treinamento de avaliadores para a detecção e reconhecimento de odores
NBRISO5496 de 06/2019

Análise sensorial - Metodologia - Iniciação e treinamento de avaliadores para a detecção e reconhecimento de odores

Análise sensorial — Café — Vocabulário
NBRISO18794 de 08/2019

Análise sensorial — Café — Vocabulário

Análise sensorial — Metodologia — Guia geral para condução de testes hedônicos com consumidores em ambientes controlados
NBRISO11136 de 11/2016

Análise sensorial — Metodologia — Guia geral para condução de testes hedônicos com consumidores em ambientes controlados

Análise sensorial - Metodologia - Teste de comparação pareada
NBRISO5495 de 03/2017

Análise sensorial - Metodologia - Teste de comparação pareada

Análise sensorial - Guia geral para o grupo de trabalho de um laboratório de avaliação sensorial - Parte 2: Recrutamento e treinamento de líderes de painel sensorial
NBRISO13300-2 de 09/2015

Análise sensorial - Guia geral para o grupo de trabalho de um laboratório de avaliação sensorial - Parte 2: Recrutamento e treinamento de líderes de painel sensorial

Análise sensorial — Metodologia — Perfil de textura
NBRISO11036 de 10/2021

Análise sensorial — Metodologia — Perfil de textura

Análise sensorial — Guia geral para o projeto de ambientes de teste
NBRISO8589 de 08/2015

Análise sensorial — Guia geral para o projeto de ambientes de teste

Análise sensorial — Guia geral para a aplicação da análise sensorial no controle da qualidade
NBRISO20613 de 08/2020

Análise sensorial — Guia geral para a aplicação da análise sensorial no controle da qualidade

Análise sensorial — Metodologia — Análise sequencial
NBRISO16820 de 06/2020

Análise sensorial — Metodologia — Análise sequencial

Análise sensorial - Metodologia - Orientações gerais
NBRISO6658 de 02/2019

Análise sensorial - Metodologia - Orientações gerais

Análise sensorial — Vocabulário
NBRISO5492 de 06/2017

Análise sensorial — Vocabulário

Análise sensorial — Metodologia — Guia para monitorar o desempenho de um painel sensorial quantitativo
NBRISO11132 de 04/2016

Análise sensorial — Metodologia — Guia para monitorar o desempenho de um painel sensorial quantitativo

Análise sensorial — Diretrizes de substanciação de alegações sensoriais
NBR16871 de 06/2020

Análise sensorial — Diretrizes de substanciação de alegações sensoriais

Análise sensorial — Guia geral para a seleção, treinamento e monitoramento de avaliadores selecionados e de especialistas ou experts
NBRISO8586 de 04/2016

Análise sensorial — Guia geral para a seleção, treinamento e monitoramento de avaliadores selecionados e de especialistas ou experts

Análise sensorial — Avaliação (determinação e verificação) da vida útil dos alimentos
NBRISO16779 de 03/2019

Análise sensorial — Avaliação (determinação e verificação) da vida útil dos alimentos

Análise Sensorial - Metodologia - Ordenação
NBRISO8587 de 01/2015

Análise Sensorial - Metodologia - Ordenação

Teste de sensibilidade em análise sensorial - Procedimento
NBR13172 de 08/2021

Teste de sensibilidade em análise sensorial - Procedimento

Análise sensorial — Metodologia — Orientação geral para o estabelecimento de um perfil sensorial
NBRISO13299 de 07/2017

Análise sensorial — Metodologia — Orientação geral para o estabelecimento de um perfil sensorial

Teste "A" ou "Não A" em análise sensorial - Procedimento
NBR13171 de 01/2022

Teste "A" ou "Não A" em análise sensorial - Procedimento

Análise sensorial - Guia geral para o grupo de trabalho de um laboratório de avaliação sensorial - Parte 1: Responsabilidades do grupo de trabalho
NBRISO13300-1 de 09/2015

Análise sensorial - Guia geral para o grupo de trabalho de um laboratório de avaliação sensorial - Parte 1: Responsabilidades do grupo de trabalho

Análise sensorial - Guia geral para o uso de escalas de respostas quantitativas
NBRISO4121 de 04/2018

Análise sensorial - Guia geral para o uso de escalas de respostas quantitativas