Text page

Os princípios para o gerenciamento de riscos em projetos

O que se deve fazer em termos de liderança e comprometimento? Como articular o comprometimento com o gerenciamento de riscos em projetos? Como executar a implementação do gerenciamento de riscos? Como fazer a comunicação e consulta do processo de gerenciamento de riscos? Essas indagações estão sendo apresentadas na NBR 16337 de 04/2020 - Gerenciamento de riscos em projetos — Princípios e diretrizes gerais.

29/04/2020 - Equipe Target

NBR 16337 de 04/2020 - Gerenciamento de riscos em projetos — Princípios e diretrizes gerais

A NBR 16337 de 04/2020 - Gerenciamento de riscos em projetos — Princípios e diretrizes gerais fornece princípios e diretrizes gerais para o gerenciamento de riscos em projetos. Pode ser utilizada por qualquer empresa pública, privada ou comunitária, associação, grupo ou indivíduo, entidades de ensino e para qualquer tipo de projeto, independentemente da complexidade, tamanho e duração. Esta norma descreve conceitos e processos que são considerados boas práticas em gerenciamento de riscos em projetos. Apesar de muitos conceitos desta norma serem amplamente utilizados por organizações que gerenciam projetos, programas e portfólios, esta Norma não se aplica ao gerenciamento de riscos em programas e portfólios e em negócios.

Acesse algumas questões relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

O que se deve fazer em termos de liderança e comprometimento?

Como articular o comprometimento com o gerenciamento de riscos em projetos?

Como executar a implementação do gerenciamento de riscos?

Como fazer a comunicação e consulta do processo de gerenciamento de riscos?

Esta norma fornece orientação sobre conceitos, estrutura e processos para o gerenciamento de riscos em projetos que têm impacto na realização de seus objetivos. Contempla o seguinte público-alvo: gerentes seniores e patrocinadores de projeto, de forma que possam compreender melhor os princípios e práticas do gerenciamento de riscos em projetos, prover apoio apropriado e orientação para seus gerentes de projeto, gerentes de riscos em projetos, equipes de gerenciamento de projetos e suas equipes de projetos; gerentes de projeto, de programa e de portfólio com atuação no gerenciamento de projetos, gerentes de riscos em projetos, profissionais de controle em projetos, equipes de gerenciamento de projetos e membros das equipes de projetos, de forma que possam ter uma base comum sobre a qual comparem suas normas e práticas de gerenciamento de riscos em projetos em relação às dos outros.

Essa norma pode ser usada pelos elaboradores das normas nacionais ou organizacionais para uso no desenvolvimento de normas de gerenciamento de riscos em projetos, as quais são consistentes em um nível mais profundo com as dos outros; elaboradores de procedimentos internos organizacionais, grupos de interesse específico no tema, estudantes da área e demais partes interessadas. O relacionamento entre as normas sobre gerenciamento de riscos, gerenciamento de projetos e entre os princípios para gerenciar riscos em projetos, a estrutura destes e o processo descritos nesta norma são mostrados nas figuras abaixo.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

 

O ambiente do projeto pode impactar o desempenho e o sucesso do projeto. Convém que a equipe do projeto considere o seguinte: fatores externos à organização como socioeconômicos, geográficos, climáticos, políticos, regulamentação, tecnológicos e ecológicos; fatores internos à organização como estratégia, tecnologia, maturidade no gerenciamento de projetos e disponibilidade de recursos, cultura e estrutura organizacional.

O gerenciamento de projetos é a aplicação de métodos, ferramentas, técnicas e competências com o intuito de atingir os objetivos do projeto. O gerenciamento de projetos inclui a integração entre planejamento e controle durante todas as fases do ciclo de vida do projeto. O gerenciamento de projetos é realizado por meio dos processos.

Convém que os processos para desenvolver um projeto estejam alinhados com uma visão sistêmica. Convém que cada fase do ciclo de vida do projeto tenha entregas específicas. Convém que estas entregas sejam regulares e analisadas criticamente durante o projeto para atender aos requisitos do patrocinador, dos clientes e das outras partes interessadas. A governança de projeto estabelece a estrutura de direção, o controle e o incentivo do projeto.

Esta inclui, mas não está limitada a, as áreas de governança organizacional que são especificamente relacionadas às atividades de projeto. A governança de projeto pode incluir aspectos como os seguintes: estrutura do gerenciamento; políticas, processos e metodologias a serem usados; responsabilidades e limites de autoridade para tomada de decisão; transparência e prestação de contas às partes interessadas; interações como reportar e escalonar questões ou riscos; critérios para aprovação, mudança, reprovação, cancelamento, descontinuidade ou suspensão temporária de projetos em andamento.

A responsabilidade para manter uma governança apropriada de um projeto é comumente atribuída ao patrocinador do projeto ou ao comitê executivo. A realização dos benefícios do projeto é geralmente de responsabilidade da gerência organizacional, que pode usar as entregas de projeto para alcançar os benefícios de alinhamento com a estratégia organizacional. Convém que o gerente do projeto considere os benefícios e as realizações dele à medida que estes influenciam na tomada de decisão ao longo do ciclo de vida do projeto.

O ambiente em que os projetos são executados são envoltos de fatores que representam riscos em suas mais diversas magnitudes. A materialização destes riscos pode gerar efeitos positivos e negativos sobre uma ou mais variáveis de controle do projeto, como por exemplo, escopo, prazo, orçamento, qualidade, negócio, imagem, relação com partes interessadas e outros.

O propósito do gerenciamento de riscos em projetos é a criação e a proteção de valor, de forma alinhada com os objetivos da organização. Isto melhora o desempenho e encoraja a inovação, o alcance dos objetivos e o atendimento de requisitos legais. Os princípios descritos na figura abaixo fornecem orientações sobre as características do gerenciamento de riscos em projetos eficaz e eficiente, comunicando seu valor e explicando sua intenção e propósito.

Os princípios são a base para gerenciar riscos e convém que sejam considerados quando a estrutura e os processos de gerenciamento de riscos em projetos da organização forem estabelecidos. Convém que estes princípios possibilitem uma organização a gerenciar os efeitos da incerteza nos seus objetivos.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

 

Para que o gerenciamento de riscos de projeto seja eficaz, convém que uma organização, em todos os níveis, atenda aos princípios descritos a seguir: integração: o gerenciamento de riscos em projetos é parte integrante de todas as atividades da organização de projetos; estrutura e abrangência: uma abordagem estruturada e abrangente para o gerenciamento de riscos em projetos contribui para resultados consistentes e comparáveis; personalização: a estrutura e o processo de gerenciamento de riscos em projetos são personalizados e proporcionais aos contextos externo e interno da organização relacionados aos seus objetivos; inclusão: o envolvimento apropriado e oportuno das partes interessadas possibilita que os conhecimentos, pontos de vista e percepções destas sejam considerados.

Isto resulta em melhor conscientização e gerenciamento de riscos em projetos fundamentado, Dinamismo: os riscos podem emergir, mudar ou desaparecer à medida que os contextos externo e interno de uma organização e/ou do projeto mudem.

O gerenciamento de riscos em projetos antecipa, detecta, reconhece e responde a estas mudanças e eventos de uma maneira apropriada e oportuna. A melhor informação disponível: entende-se como melhor informação disponível aquela mais atual e rastreável a fontes confiáveis.

As entradas para o gerenciamento de riscos em projetos são baseadas em informações históricas e considera quaisquer limitações e incertezas associadas a estas informações e expectativas. Convém que a informação seja oportuna, clara e disponível para as partes interessadas pertinentes; fatores humanos e culturais: o comportamento humano e a cultura influenciam significativamente todos os aspectos do gerenciamento de riscos em projetos em cada nível e estágio.

A melhoria contínua: o gerenciamento de riscos em projetos é melhorado continuamente por meio do aprendizado e experiências. Convém que as organizações desenvolvam e implementem estratégias para melhorar a sua maturidade no gerenciamento de riscos em projetos, bem como dos processos de gestão internos, juntamente com todos os demais aspectos da sua organização.

O gerenciamento de riscos é um dos principais fornecedores de lições aprendidas, contribuindo significativamente para o enriquecimento dos ativos de processos organizacionais. O propósito da estrutura do gerenciamento de riscos em projetos é apoiar a organização na integração do gerenciamento de riscos em atividades significativas e funções do gerenciamento de projetos.

A eficácia do gerenciamento de riscos em projetos depende da sua integração com a governança e com o gerenciamento dos projetos e da organização, incluindo a tomada de decisão. Isto requer apoio das partes interessadas, em particular da Alta Direção. A integração do gerenciamento de riscos em projetos é baseada em uma compreensão das estruturas e do contexto organizacional do gerenciamento dos projetos.

O risco é gerenciado em todas as partes da estrutura da organização do projeto. Todos na organização têm responsabilidade por gerenciar riscos. A governança orienta o rumo da organização do projeto, suas relações externas e internas, e as regras, processos e práticas necessárias para alcançar o seu propósito.

As estruturas do gerenciamento de projetos traduzem a direção da governança para a estratégia e os objetivos associados requeridos para alcançar níveis desejados de desempenho sustentável e viabilidade a longo prazo. Determinar a responsabilização pelo gerenciamento de riscos e os papéis de supervisão no âmbito de uma organização de projetos é parte integrante da governança de projetos.

Integrar o gerenciamento de riscos ao gerenciamento de projetos é um processo dinâmico e iterativo, e convém que seja personalizado para as necessidades e cultura da organização. Convém que o gerenciamento de riscos seja uma parte, e não separada, do propósito da organização do gerenciamento de projetos, governança, liderança e comprometimento, estratégia, objetivos e operações.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Versão comentada da Norma para Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos, com mais de 91 páginas de comentários elaborados pelo engenheiro Eduardo Daniel
NBRISO9001 - COMENTADA de 09/2015

Versão comentada da Norma para Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos, com mais de 91 páginas de comentários elaborados pelo engenheiro Eduardo Daniel

Sistemas de gestão da qualidade - Fundamentos e vocabulário
NBRISO9000 de 09/2015

Sistemas de gestão da qualidade - Fundamentos e vocabulário

Robôs e dispositivos robóticos — Requisitos de segurança para robôs industriais - Parte 2: Sistemas robotizados e integração
NBRISO10218-2 de 05/2018

Robôs e dispositivos robóticos — Requisitos de segurança para robôs industriais - Parte 2: Sistemas robotizados e integração

Produtos para saúde — Aplicação de gerenciamento de risco a produtos para saúde
NBRISO14971 de 07/2020

Produtos para saúde — Aplicação de gerenciamento de risco a produtos para saúde

Gerenciamento de riscos em projetos — Princípios e diretrizes gerais
NBR16337 de 04/2020

Gerenciamento de riscos em projetos — Princípios e diretrizes gerais

Sistemas de prevenção e proteção contra explosão - Gerenciamento de riscos de explosões
NBR15662 de 01/2009

Sistemas de prevenção e proteção contra explosão - Gerenciamento de riscos de explosões

Segurança de máquinas - Redução dos riscos à saúde resultantes de substâncias perigosas emitidas por máquinas - Parte 1: Princípios e especificações para fabricantes de máquinas
NBR14191-1 de 10/1998

Segurança de máquinas - Redução dos riscos à saúde resultantes de substâncias perigosas emitidas por máquinas - Parte 1: Princípios e especificações para fabricantes de máquinas

Segurança de produto de consumo — Diretrizes para fornecedores
NBRISO10377 de 07/2014

Segurança de produto de consumo — Diretrizes para fornecedores

Gestão de riscos - Técnicas para o processo de avaliação de riscos
NBRISO/IEC31010 de 08/2021

Gestão de riscos - Técnicas para o processo de avaliação de riscos

Transporte rodoviário de produtos perigosos - Programa de gerenciamento de risco e plano de ação de emergência
NBR15480 de 04/2021

Transporte rodoviário de produtos perigosos - Programa de gerenciamento de risco e plano de ação de emergência

Avaliação de risco a saúde humana para fins de gerenciamento de áreas contaminadas
NBR16209 de 09/2013

Avaliação de risco a saúde humana para fins de gerenciamento de áreas contaminadas

Gestão de riscos - Diretrizes
NBRISO31000 de 03/2018

Gestão de riscos - Diretrizes

Robôs e dispositivos robóticos — Requisitos de segurança para robôs industriais - Parte 1: Robôs
NBRISO10218-1 de 05/2018

Robôs e dispositivos robóticos — Requisitos de segurança para robôs industriais - Parte 1: Robôs

Gestão de riscos — Guia para implementação da ABNT NBR ISO 31000
ABNT ISO/TR31004 de 10/2015

Gestão de riscos — Guia para implementação da ABNT NBR ISO 31000