Text page

O projeto de estruturas de edificações

Quais os símbolos usados nessa norma? Quais são as forças horizontais em guarda-corpos e outras barreiras destinadas à proteção de pessoas? Quais são as cargas variáveis em coberturas? Quais são as ações em garagens e demais áreas de circulação de veículos? Essas dúvidas estão sendo dirimidas na NBR 6120 de 09/2019 - Ações para o cálculo de estruturas de edificações.

23/10/2019 - Equipe Target

NBR 6120 de 09/2019: as ações para o cálculo de estruturas de edificações

A NBR 6120 de 09/2019 - Ações para o cálculo de estruturas de edificações estabelece as ações mínimas a serem consideradas no projeto de estruturas de edificações, qualquer que seja sua classe e destino, salvo os casos previstos em Normas Brasileiras específicas (NBR 6123, NBR 15421, NBR 14323 e NBR 15200).

Acesse alguns questionamentos relacionados a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais os símbolos usados nessa norma?

Quais são as forças horizontais em guarda-corpos e outras barreiras destinadas à proteção de pessoas?

Quais são as cargas variáveis em coberturas?

Quais são as ações em garagens e demais áreas de circulação de veículos?

A simbologia adotada nesta norma é constituída por símbolos-base (mesmo tamanho e no mesmo nível do texto corrente) e símbolos subscritos. Os símbolos-base utilizados com mais frequência encontram-se estabelecidos em 4.2 e os símbolos subscritos em 4.3. A simbologia geral encontra-se estabelecida nesta seção e a simbologia mais específica de algumas partes desta norma é apresentada nas seções pertinentes, de forma a simplificar a compreensão e, portanto, a aplicação dos conceitos estabelecidos.

As grandezas e expressões desta norma estão em conformidade com o Sistema Internacional de Unidades (SI). Admite-se g = 10 m/s² = 1 MPa. As unidades de força são 10 kN = 1 tf = 1.000 kgf, e para tensão 1 MPa = 10 kgf/cm² = 100 tf/m². Na falta de determinação experimental mais rigorosa, as ações permanentes devem estar de acordo com os valores característicos nominais mínimos indicados nesta Seção. As ações permanentes advindas de materiais não especificados nesta Seção devem ser definidas caso a caso e registradas nos documentos do projeto.

Os valores de peso próprio da estrutura devem ser calculados com as dimensões nominais dos elementos e com o valor médio do peso específico do material considerado. Na falta de determinação experimental mais rigorosa, pode ser utilizada a tabela abaixo para os valores característicos nominais mínimos do peso específico aparente dos materiais de construção. Para os valores indicados por uma faixa de variação, na falta de determinação experimental mais rigorosa, pode-se considerar o valor médio (entre parênteses na tabela abaixo).

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

 

 

Na falta de determinação experimental mais rigorosa, podem ser utilizadas as Tabelas 2 a 9 (disponíveis na norma) para os valores característicos nominais mínimos dos pesos de componentes construtivos, além do peso próprio da estrutura. Para os valores indicados por uma faixa de variação, na falta de determinação experimental mais rigorosa, pode-se considerar o valor médio (indicado entre parênteses). Dependendo da probabilidade de atuação das ações permanentes, estas podem ser consideradas como ações variáveis em casos específicos (por exemplo, forros e instalações cuja instalação seja incerta).

Na falta de determinação experimental mais rigorosa, podem ser utilizados os valores indicados no Anexo A para o peso específico aparente médio dos materiais de armazenagem. Devido à variabilidade do peso específico destes materiais, recomenda-se validação cuidadosa dos valores para as condições específicas do projeto em questão. Para o projeto de silos, funis e outros equipamentos similares para armazenamento de materiais a granel, recomenda-se consultar o Eurocode 1 Part 4, Silos and Tanks e AS 3774, Loads on bulk solids containers.

O nível d’água adotado para o cálculo de reservatórios, tanques, decantadores, piscinas e outros deve ser igual ao máximo possível compatível com o sistema de extravasão. A carga pode ser considerada permanente ou variável, de acordo com o tempo de atuação em relação à vida da edificação (conforme as definições da Seção 3). Os coeficientes de ponderação correspondentes devem ser considerados conforme a NBR 8681.

Nas estruturas em que a água possa ficar retida, no caso de entupimento do sistema principal de drenagem, deve-se considerar as ações devidas ao nível d’água extra, limitando-se a lâmina d’água ao nível máximo admitido pelos extravasores. Em caso de inexistência de extravasores, a lâmina d’água considerada será correspondente ao nível de drenagem efetivamente garantida pela construção. Em ambos os casos, essa ação extra pode ser considerada como especial, considerando os coeficientes de ponderação indicados na NBR 8681.

No projeto de estruturas enterradas, devem ser consideradas as pressões atuantes na estrutura devido ao empuxo do solo, empuxo hidrostático e eventuais sobrecargas sobre o terreno adjacente. Os diagramas desses esforços solicitantes devem ser fornecidos pelo projetista de fundações, conforme as recomendações da NBR 6122. Em certos casos, empuxos e pressões hidrostáticas menores podem resultar em esforços mais críticos.

Por isso, recomenda-se que a atuação de empuxos e pressões hidrostáticas com seus valores favoráveis sejam avaliados, com os coeficientes de ponderação conforme a NBR 8681. No caso da possibilidade de atuação de subpressão, esta deve ser considerada com seu valor total aplicado sobre toda a área. O valor da subpressão deve ser tomado a partir da face inferior da estrutura. Outras forças ascendentes devem ser consideradas no projeto, se existirem.

De maneira geral, os valores das ações são verificados caso a caso, conforme as particularidades do projeto. As ações variáveis devem respeitar os valores característicos nominais mínimos indicados nesta Seção, considerando as reduções permitidas em 6.12, reduções estas que devem ser registradas nos documentos do projeto. As ações variáveis são classificadas, de modo geral, como ações variáveis normais. As ações variáveis especiais ocorrem em casos específicos indicados nesta Seção.

As estruturas devem ser projetadas para suportar as cargas variáveis. Áreas sujeitas a várias categorias de utilização devem ser calculadas para a categoria que produzir os efeitos mais desfavoráveis. Exceto onde especificado, os pavimentos devem ser projetados para as cargas uniformemente distribuídas e verificados para a atuação isolada das cargas concentradas, o que for mais desfavorável.

Exceto onde especificado, as cargas concentradas indicadas são assumidas atuando uniformemente distribuídas em uma área de 75 cm × 75 cm e localizadas de modo a produzir os efeitos mais desfavoráveis. O valor característico nominal das cargas de projeto de fábricas e armazéns deve ser o mais desfavorável que tenha probabilidade de ocorrer durante o período de vida útil da estrutura. Na ausência de dados estatísticos, o valor característico nominal das cargas pode ser adotado em função das condições de uso (definidas ou esperadas) da edificação.

As cargas devem ser consideradas nas posições mais desfavoráveis para o projeto da estrutura, de modo a cobrir possíveis incertezas sobre a sua posição efetiva durante a vida útil da edificação. A influência de forças dinâmicas devido à operação de máquinas e equipamentos desbalanceados, levantamento e transporte de cargas ou queda acidental de materiais deve ser considerada por meio de análise dinâmica específica ou pelo uso de coeficientes de majoração dinâmicos definidos caso a caso.

As forças aplicadas por máquinas e equipamentos devem incluir os valores, direções ou diagramas de aplicação das reações de apoio (podendo ser forças uniformemente distribuídas, forças e momentos concentrados, forças estáticas ou dinâmicas), dimensões e posição do equipamento, modo de fixação e outras características relevantes para o projeto estrutural. As forças devem incluir o peso do equipamento em operação (incluindo o peso de fontes de energia, fluidos etc.), suas bases e fixações e o peso do material sendo processado.

Se for necessário considerar forças devido à montagem do equipamento, seus valores e posições críticas devem ser determinados. Em todos os casos, as forças e suas características devem ser fornecidas pelo fabricante ou fornecedor do equipamento. O projeto deve considerar as forças decorrentes da manutenção e movimentação das máquinas e equipamentos. Nas áreas livres ao redor de máquinas e equipamentos, devem ser consideradas cargas devido aos operadores, produtos acabados ou semiacabados armazenados temporariamente, rejeitos etc.

FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Bloco sílico-calcário para alvenaria - Parte 2: Procedimentos para execução de alvenaria
NBR14974-2 de 08/2003

Bloco sílico-calcário para alvenaria - Parte 2: Procedimentos para execução de alvenaria

Blocos de concreto celular autoclavado — Requisitos
NBR13438 de 11/2021

Blocos de concreto celular autoclavado — Requisitos

Parede de concreto moldada no local para a construção de edificações — Requisitos e procedimentos
NBR16055 de 04/2012

Parede de concreto moldada no local para a construção de edificações — Requisitos e procedimentos

Instalações prediais de águas pluviais - Procedimento
NBR10844 de 12/1989

Instalações prediais de águas pluviais - Procedimento

Elevadores elétricos de passageiros - Requisitos de segurança para construção e instalação - Com a finalidade de atender o prazo de não exigência esta Norma continua sendo válida até 02.07.2022
NBRNM207 de 12/2020

Elevadores elétricos de passageiros - Requisitos de segurança para construção e instalação - Com a finalidade de atender o prazo de não exigência esta Norma continua sendo válida até 02.07.2022

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 6: Requisitos para os sistemas hidrossanitários
NBR15575-6 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 6: Requisitos para os sistemas hidrossanitários

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 1: Requisitos gerais
NBR15575-1 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 1: Requisitos gerais

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 2: Requisitos para os sistemas estruturais
NBR15575-2 de 02/2013

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 2: Requisitos para os sistemas estruturais

Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios
NBR8800 de 08/2008

Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios

Carga móvel rodoviária e de pedestres em pontes, viadutos, passarelas e outras estruturas
NBR7188 de 10/2013

Carga móvel rodoviária e de pedestres em pontes, viadutos, passarelas e outras estruturas

Projeto de estruturas de concreto — Procedimento
NBR6118 de 04/2014

Projeto de estruturas de concreto — Procedimento

Ações para o cálculo de estruturas de edificações
NBR6120 de 09/2019

Ações para o cálculo de estruturas de edificações

Projeto de estruturas resistentes a sismos - Procedimento
NBR15421 de 10/2006

Projeto de estruturas resistentes a sismos - Procedimento

Tubos de aço-carbono com ou sem solda longitudinal, pretos ou galvanizados — Requisitos
NBR5590 de 10/2015

Tubos de aço-carbono com ou sem solda longitudinal, pretos ou galvanizados — Requisitos

Projeto de estruturas de concreto em situação de incêndio
NBR15200 de 04/2012

Projeto de estruturas de concreto em situação de incêndio

Execução de estruturas de concreto - Procedimento
NBR14931 de 04/2004

Execução de estruturas de concreto - Procedimento

Ações e segurança nas estruturas - Procedimento
NBR8681 de 03/2003

Ações e segurança nas estruturas - Procedimento

Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios em situação de incêndio
NBR14323 de 08/2013

Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios em situação de incêndio

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 4: Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas — SVVIE
NBR15575-4 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 4: Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas — SVVIE

Projeto de estruturas de madeira
NBR7190 de 06/2022

Projeto de estruturas de madeira

Blocos vazados de concreto simples para alvenaria — Requisitos
NBR6136 de 11/2016

Blocos vazados de concreto simples para alvenaria — Requisitos

Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado
NBR9062 de 03/2017

Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado

Componentes cerâmicos - Blocos e tijolos para alvenaria - Parte 2: Métodos de ensaios
NBR15270-2 de 11/2017

Componentes cerâmicos - Blocos e tijolos para alvenaria - Parte 2: Métodos de ensaios

Projeto e execução de fundações
NBR6122 de 03/2022

Projeto e execução de fundações

Bloco sílico-calcário para alvenaria - Parte 1: Requisitos, dimensões e métodos de ensaio
NBR14974-1 de 08/2003

Bloco sílico-calcário para alvenaria - Parte 1: Requisitos, dimensões e métodos de ensaio

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 3: Requisitos para os sistemas de pisos
NBR15575-3 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 3: Requisitos para os sistemas de pisos

Componentes cerâmicos - Blocos e tijolos para alvenaria - Parte 1: Requisitos
NBR15270-1 de 11/2017

Componentes cerâmicos - Blocos e tijolos para alvenaria - Parte 1: Requisitos

Forças devidas ao vento em edificações
NBR6123 de 06/1988

Forças devidas ao vento em edificações

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 5: Requisitos para os sistemas de coberturas
NBR15575-5 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 5: Requisitos para os sistemas de coberturas