Text page

IEC 60068-3-3: os métodos de ensaios sísmicos para equipamentos

Essa norma internacional, editada em 2019 pela International Electrotechnical Commission (IEC), se aplica principalmente a equipamentos eletrotécnicos, mas sua aplicação pode ser estendida a outros equipamentos e componentes. Além disso, se sempre for realizado algum tipo de análise ao fazer uma qualificação sísmica, por exemplo, para a escolha da amostra representativa a ser ensaiada ou para a extensão da qualificação sísmica da amostra ensaiada para amostras semelhantes, a verificação do desempenho de um equipamento por análise ou por uma combinação de ensaio e análise pode ser aceitável.

11/09/2019 - Equipe Target

Os ensaios sísmicos em equipamentos

A IEC 60068-3-3:2019 - Environmental testing - Part 3-3: Supporting documentation and guidance - Seismic test methods for equipment se aplica principalmente a equipamentos eletrotécnicos, mas sua aplicação pode ser estendida a outros equipamentos e componentes. Além disso, se sempre for realizado algum tipo de análise ao fazer uma qualificação sísmica, por exemplo, para a escolha da amostra representativa a ser ensaiada ou para a extensão da qualificação sísmica da amostra ensaiada para amostras semelhantes, a verificação do desempenho de um equipamento por análise ou por uma combinação de ensaio e análise pode ser aceitável, mas está fora do escopo deste documento, que é restrito à verificação com base inteiramente em dados de ensaios dinâmicos.

Esta segunda edição cancela e substitui a primeira edição publicada em 1991. Esta edição constitui uma revisão técnica. O objetivo principal desta revisão foi conectar o nível de ensaio ao nível de atividade sísmica da zona onde o equipamento pode ser instalado. Também é dada uma forma padrão para o espectro de resposta necessário para a classe sísmica geral pela qual o ambiente sísmico não é conhecido ou é imprecisamente conhecido.

As cláusulas 11 a 15 foram renumeradas e alguns ajustes foram feitos, pois seu conteúdo é muito geral e os requisitos podem ser aplicados tanto à classe sísmica geral quanto à classe sísmica específica. A palavra envelope foi substituída por dominância e para envolver por dominar, a fim de fornecer um significado mais preciso do ponto de vista matemático.

As orientações foram incluídas em cada um dos dois métodos de ensaio mencionados neste documento, mas é específico para um método de ensaio. As orientações neste documento são direcionadas para a escolha do método apropriado e aplicá-lo ao ensaio sísmico.

Conteúdo da norma

PREFÁCIO.............. ....................... 5

INTRODUÇÃO............. .................. 7

1 Escopo.......... ............................ 8

2 Referências normativas................ ..... 8

3 Termos e definições....................... ...... 9

4 Considerações gerais e de qualificação................. 14

4.1 Classe sísmica geral e classe sísmica específica.................. ........ 14

4.2 Condições de serviço................................... 14

4.3 Critérios de mau funcionamento....................... 15

4.4 Critérios de qualificação.............................. 15

5 Procedimentos de ensaio...................... ....... 15

5.1 Geral....................................... ............... 15

5.2 Montagem.......................... ............. 15

5.3 Medições.................................. .... 15

5.3.1 Medições de vibração na mesa de vibração.... ...... 15

5.3.2 Medições de vibração no equipamento.... .......... 16

5.3.3 Monitoramento funcional do equipamento.. ............... 16

5.4 Faixa de frequência....................................... .. 16

6 Condicionamento............................ ................ 16

7 Seleção de ondas de ensaio.......................... ....... 16

7.1 Geral................................... ............... 16

7.2 Ondas multifrequências.................................... 16

7.3 Ondas de frequência única.................... 17

8 Ondas de ensaio............... ................... 17

8.1 Geral...................................... ............... 17

8.1.1 Especificação das ondas de ensaio..................... 17

8.1.2 Simulação com uma margem de segurança dos efeitos de um terremoto........... 17

8.2 Ensaio de ondas multifrequências................................. 18

8.2.1 Requisitos gerais. ....................................... 18

8.2.2 Ensaio de histórico de tempo......................... 18

8.2.3 Outros ensaios multifrequências........................ 18

8.3 Ensaio de frequência única................................ 19

8.3.1 Requisitos gerais.. ....................................... 19

8.3.2 Ensaio de varredura sinusoidal.................... 19

8.3.3 Ensaio senoidal..................... ... 19

8.3.4 Ensaio senoidal contínuo.......................... 20

8.4 Outras formas de onda de ensaio.................. 20

9 Condições de ensaio................................. .......20

9.1 Geral...................................... ............... 20

9.2 Investigação da resposta à vibração................... 21

9.3 Métodos de ensaio............................... ....... 21

9.3.1 Método de ensaio para equipamentos sem frequências críticas................. 21

9.3.2 Método de ensaio para equipamentos com frequências críticas............................ 22

9.4 Seleção de amortecimento............................. 22

9.5 Ensaio de terremoto S1 e terremoto S2........... 23

9.6 Ensaio de aplicação específica........................ 23

9.7 Ensaio de montagem.................................. .. 23

9.8 Ensaio de componentes................................... 23

10 Ensaio de eixo único e multieixo................................ 24

10.1 Geral...................................... ............... 24

10.2 Ensaio de eixo único................................ 24

10.3 Ensaio biaxial............................. ...... 24

10.3.1 Requisitos gerais......................... 24

10.3.2 Dois eixos horizontais....................... 24

10.3.3 Um eixo horizontal e um eixo vertical.. ............... 24

10.4 Ensaio triaxial............................................ ..... 25

10.4.1 Geral....................................... ......... 25

10.4.2 Instalação triaxial................................... 25

10.4.3 Instalação biaxial (um eixo horizontal, um eixo vertical)............ 26

11 Condicionamento para a classe sísmica geral..................... 26

11.1 Seleção do tipo de ensaio..................................... 26

11.2 Método de ensaio................................. ......... 26

12 Método de ensaio de amplitude calculado para a classe sísmica geral....................... 27

12.1 Aplicação............................ .......... 27

12.2 Condições de ensaio............................. 27

12.2.1 Geral............................... ......... 27

12.2.2 Nível de desempenho..................... 27

12.2.3 Seleção da onda de ensaio................... 27

12.2.4 Relação de amortecimento............................ 27

12.2.5 Aceleração do solo (ag)................................ 27

12.2.6 Fator de superelevação (K) ......................... 29

12.2.7 Fator de direção (D).................................. 29

12.2.8 Aceleração de piso (af)............................... 30

13 Parâmetros de ensaio para a classe sísmica geral.................. 30

13.1 Duração do ensaio.................................... ..... 30

13.2 Aceleração de ensaio (at)............................ 30

13.2.1 Geral........................................... ......... 30

13.2.2 Fator de onda (α).................................... .. 31

13.2.3 Fator geométrico (G)................................... 31

14 Espectro de resposta necessário para a classe sísmica geral....... ... 31

15 Procedimentos de ensaio para a classe sísmica geral...... ................. 32

15.1 Investigação de resposta à vibração (VRI)...................... 32

15.2 Tipos de ensaio............................. ......... 33

15.2.1 Ensaio de seno-batida.............................. ... 33

15.2.2 Ensaio de varredura sinusoidal.............................. 33

15.2.3 Ensaio de histórico de tempo............................. 33

15.2.4 Outras formas de onda de ensaio......................... 33

16 Condicionamento para a classe sísmica específica...................... 33

17 Seleção de ondas de ensaio para a classe sísmica específica................. 34

17.1 Geral........................................ ............... 34

17.2 Ondas multifrequências................................. 34

17.3 Ondas de frequência única....................................... 34

18 Ondas de ensaio para a classe sísmica específica......................... 34

18.1 Geral............................................ ............... 34

18.2 Ensaio de frequência única.................................. 34

18.2.1 Geral.................................................. ......... 34

18.2.2 Ensaio de varredura sinusoidal............................. 34

18.2.3 Ensaio senoidal........................................... ... 34

18.2.4 Ensaio senoidal contínuo......................... 35

18.3 Outras formas de onda de ensaio...................... 35

19 Condições de ensaio para a classe sísmica específica.............. 35

20 Ensaio de eixo único e multieixo para a classe sísmica específica ....... 35

Anexo A (informativo) Fluxogramas para seleção de ensaios................... 43

A.1 Seleção do tipo de ensaio............................................. 43

A.2 Classe sísmica geral - Ensaio de amplitude calculada.......... ........ 44

A.3 Classe sísmica específica - Ensaio de eixo único..... ................... 45

A.4 Classe sísmica específica - Ensaio multieixos.................. 46

Bibliografia................................... ....................... 47

Além disso, se algum tipo de análise é sempre realizada ao fazer uma qualificação sísmica, por exemplo, para a escolha da amostra representativa a ser ensaiada ou para a extensão de a qualificação sísmica do espécime ensaiado para espécimes similares, a verificação do desempenho de um equipamento por análise ou por uma combinação de ensaio e análise pode ser aceitável, mas está fora do escopo deste documento, restrito à verificação com base em inteiramente com dados de ensaios dinâmicos. Este documento trata apenas do ensaio sísmico de um equipamento de tamanho normal que pode ser ensaiado em uma mesa de vibração.

O ensaio sísmico de um equipamento tem como objetivo demonstrar sua capacidade de desempenhar a função necessária durante e/ou após o tempo em que é submetido a tensões e deslocamentos resultantes de um terremoto. O objetivo deste documento é apresentar uma variedade de métodos de ensaio que, quando especificados pela especificação relevante, pode ser aplicado para demonstrar o desempenho do equipamento para quais ensaios sísmicos são necessários com o objetivo principal de obter qualificação.

A qualificação pelo chamado ensaio de fragilidade não é considerada dentro do escopo deste documento, que foi preparado para fornecer orientações geralmente aplicáveis sobre ensaios sísmicos e especificamente sobre o uso de Métodos de ensaio da IEC 60068-2. A escolha do método de ensaio pode ser feita de acordo com os critérios descritos neste documento. Os métodos são baseados em métodos de ensaio publicados pela IEC. Este documento destina-se ao uso dos fabricantes para comprovar ou pelos usuários para avaliar e verificar o desempenho de um equipamento.

FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Máquinas de movimentação de solo - Avaliação em laboratório da vibração transmitida pelo assento do operador
NBRISO7096 de 03/2022

Máquinas de movimentação de solo - Avaliação em laboratório da vibração transmitida pelo assento do operador

Máquinas elétricas girantes - Parte 7: Classificação dos tipos de construção, arranjos de montagem e posição da caixa de terminais (Código IM)
NBRIEC60034-7 de 09/2013

Máquinas elétricas girantes - Parte 7: Classificação dos tipos de construção, arranjos de montagem e posição da caixa de terminais (Código IM)

Tratores agrícolas de rodas - Assento do operador - Medição em laboratório da vibração transmitida
NBRISO5007 de 05/2017

Tratores agrícolas de rodas - Assento do operador - Medição em laboratório da vibração transmitida

Mancais de rolamentos - Métodos de medição da vibração - Parte 4: Rolamentos de rolos cilíndricos radiais com furo cilíndrico e superfície externa
NBRISO15242-4 de 03/2010

Mancais de rolamentos - Métodos de medição da vibração - Parte 4: Rolamentos de rolos cilíndricos radiais com furo cilíndrico e superfície externa

Ensaios não destrutivos — Análise de vibrações — Medição e avaliação da severidade das vibrações mecânicas de máquinas elétricas rotativas
NBR10272 de 06/2013

Ensaios não destrutivos — Análise de vibrações — Medição e avaliação da severidade das vibrações mecânicas de máquinas elétricas rotativas

Cabos ópticos — Vibração — Método de ensaio
NBR13515 de 06/2011

Cabos ópticos — Vibração — Método de ensaio

Mancais de rolamentos - Métodos de medição da vibração Parte 3: Rolamentos radiais autocompesadores de rolos esféricos e rolamentos cônicos com furo cilíndrico e superfície externa
NBRISO15242-3 de 03/2010

Mancais de rolamentos - Métodos de medição da vibração Parte 3: Rolamentos radiais autocompesadores de rolos esféricos e rolamentos cônicos com furo cilíndrico e superfície externa

Vibrações mecânicas e choque - Vibração no sistema mão-braço - Método para medição da transmissibilidade da vibração em materiais resilientes sob preensão pelo sistema mão-braço
NBRISO13753 de 03/2015

Vibrações mecânicas e choque - Vibração no sistema mão-braço - Método para medição da transmissibilidade da vibração em materiais resilientes sob preensão pelo sistema mão-braço

Mancais de rolamentos - Métodos de medição da vibração - Parte 2: Rolamentos de esferas radiais com furo cilíndrico e superfície externa
NBRISO15242-2 de 03/2010

Mancais de rolamentos - Métodos de medição da vibração - Parte 2: Rolamentos de esferas radiais com furo cilíndrico e superfície externa

Máquinas elétricas girantes - Parte 9: Limites de ruído
NBRIEC60034-9 de 12/2011

Máquinas elétricas girantes - Parte 9: Limites de ruído

Máquinas florestais e de jardinagem - Código de ensaio de vibração para máquinas manuais portáteis com motor de combustão interna - Vibração nas empunhaduras
NBRISO22867 de 04/2018

Máquinas florestais e de jardinagem - Código de ensaio de vibração para máquinas manuais portáteis com motor de combustão interna - Vibração nas empunhaduras

Máquinas elétricas girantes - Parte 5: Graus de proteção proporcionados pelo projeto completo de máquinas elétricas girantes (Código IP) - Classificação
NBRIEC60034-5 de 02/2009

Máquinas elétricas girantes - Parte 5: Graus de proteção proporcionados pelo projeto completo de máquinas elétricas girantes (Código IP) - Classificação

Ensaios não destrutivos — Análise de vibrações — Avaliação da vibração mecânica de máquinas com velocidades de operação de 600 r/min a 5 000 r/min
NBR10082 de 12/2021

Ensaios não destrutivos — Análise de vibrações — Avaliação da vibração mecânica de máquinas com velocidades de operação de 600 r/min a 5 000 r/min

Mancais de rolamentos - Métodos de medição da vibração - Parte 1: Fundamentos
NBRISO15242-1 de 03/2010

Mancais de rolamentos - Métodos de medição da vibração - Parte 1: Fundamentos

Ensaios não destrutivos - Provas de cargas dinâmicas em grandes estruturas - Procedimento
NBR15307 de 12/2005

Ensaios não destrutivos - Provas de cargas dinâmicas em grandes estruturas - Procedimento

Máquinas rodoviárias - Diretrizes para avaliação da exposição à vibração transmitida ao corpo humano por máquinas que transportam o operador - Utilização de dados harmonizados medidos por institutos internacionais, organizações e fabricantes
ABNT ISO/TR25398 de 06/2008

Máquinas rodoviárias - Diretrizes para avaliação da exposição à vibração transmitida ao corpo humano por máquinas que transportam o operador - Utilização de dados harmonizados medidos por institutos internacionais, organizações e fabricantes

Embalagem e acondicionamento — Determinação do desempenho em vibração vertical
NBR9461 de 06/2011

Embalagem e acondicionamento — Determinação do desempenho em vibração vertical

Cabo óptico subterrâneo - Determinação do desempenho, quando submetido à vibração - Método de ensaio
NBR13990 de 10/1997

Cabo óptico subterrâneo - Determinação do desempenho, quando submetido à vibração - Método de ensaio

Ensaios não destrutivos — Análise de vibrações — Requisitos para instrumentos de medição de severidade de vibração de máquinas
NBR10273 de 09/2013

Ensaios não destrutivos — Análise de vibrações — Requisitos para instrumentos de medição de severidade de vibração de máquinas

Conjunto de emenda para cabos ópticos aéreo e subterrâneo — Vibração — Método de ensaio
NBR14408 de 07/2016

Conjunto de emenda para cabos ópticos aéreo e subterrâneo — Vibração — Método de ensaio

Máquinas elétricas girantes - Parte 14: Medição, avaliação e limites da severidade de vibração mecânica de máquinas de altura de eixo igual ou superior a 56 mm
NBRIEC60034-14 de 05/2011

Máquinas elétricas girantes - Parte 14: Medição, avaliação e limites da severidade de vibração mecânica de máquinas de altura de eixo igual ou superior a 56 mm

Máquinas elétricas girantes - Parte 6: Métodos de resfriamento (Código IC)
NBRIEC60034-6 de 09/2013

Máquinas elétricas girantes - Parte 6: Métodos de resfriamento (Código IC)

Tratores agrícolas de rodas e máquinas de campo - Medição da vibração transmitida ao corpo inteiro do operador
NBRISO5008 de 04/2015

Tratores agrícolas de rodas e máquinas de campo - Medição da vibração transmitida ao corpo inteiro do operador

Conectores montados em mídias ópticas e adaptadores — Determinação da vibração — Método de ensaio
NBR16157 de 03/2013

Conectores montados em mídias ópticas e adaptadores — Determinação da vibração — Método de ensaio