Text page

A eficiência dos filtros de ar para a ventilação

Quais os símbolos e termos abreviados usados nessa norma? Quais são as definições da distribuição padronizada do tamanho de partículas no ar ambiente? Como deve ser feito o cálculo da eficiência para o material particulado (ePM)? Como pode ser feito um resumo do relatório de desempenho? Como pode ser executado o ensaio do efeito de desprendimento? Essas questões estão sendo exibidas no texto sobre a eficiência dos filtros de ar para a ventilação.

21/11/2018 - Equipe Target

NBR ISO 16890-1 de 10/2018: a eficiência dos filtros de ar para a ventilação

A NBR ISO 16890-1 de 10/2018 - Filtros de ar para ventilação em geral - Parte 1: Especificações técnicas, requisitos e sistema de classificação baseado na eficiência do material particulado (ePM) estabelece um sistema de classificação de eficiência dos filtros de ar para a ventilação geral baseado no material particulado (PM). Também fornece uma visão geral dos procedimentos de ensaios e especifica os requisitos gerais para avaliação e identificação dos filtros, bem como para documentar os resultados dos ensaios. É destinada ao uso em conjunto com as ISO 16890-2, ISO 16890-3 e ISO16890-4. O método de ensaio descrito nesta Parte é aplicável às vazões de ar entre 0,25 m³/s (900 m³/h, 530 ft³/min) e 1,5 m³/s (5 400 m³/h, 3178 ft³/min), referindo-se a um equipamento de ensaio com uma área de face nominal de 610 mm x 610 mm (24 polegadas x 24 polegadas).

A ISO 16890 (todas as partes) refere-se aos filtros de ar para partículas para ventilação geral com uma eficiência de ePM1 inferior ou igual a 99 %, quando ensaiados de acordo com os procedimentos estabelecidos nas Partes 1 a 4 da ISO 16890. Elementos de filtro de ar com maior eficiência inicial são avaliados por outros métodos de ensaio aplicáveis (ver NBR ISO 29463-1, ISO 29463-2, ISO 29463-3, ISO 29463-4 e ABNT NBR ISO 29463- 5). Os filtros utilizados em aparelhos portáteis de limpeza de ambientes estão excluídos do escopo desta Parte. Os resultados de desempenho obtidos de acordo com esta série de normas não podem, por si só, ser quantitativamente aplicados para prever o desempenho em serviço em termos de eficiência e de tempo de vida. Outros fatores a serem levados em conta que influenciam o desempenho são descritos no Anexo A.

Conheça algumas questões relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais os símbolos e termos abreviados usados nessa norma?

Quais são as definições da distribuição padronizada do tamanho de partículas no ar ambiente?

Como deve ser feito o cálculo da eficiência para o material particulado (ePM)?

Como pode ser feito um resumo do relatório de desempenho?

Como pode ser executado o ensaio do efeito de desprendimento?

Os efeitos do material particulado (PM) na saúde humana têm sido extensivamente estudados nas últimas décadas. Os resultados mostram que partículas finas podem causar sérios danos à saúde, contribuindo para, ou mesmo causando, doenças respiratórias e/ou cardiovasculares. Diferentes classes de material particulado podem ser estabelecidas de acordo com a faixa de tamanho das partículas. As mais importantes são PM10, PM2,5 e PM1. A U.S. Environmental Protection Agency (EPA), a World Health Organization (WHO) e a European Union estabelecem o PM10 como um material particulado que atravessa uma entrada seletiva de tamanho com corte de eficiência de 50 %, com diâmetro aerodinâmico de 10 μm.

Os PM2,5 e PM1 são definidos de forma similar. No entanto, esta definição não é acurada o suficiente até que o método de amostragem e a curva do dispositivo de separação sejam claramente definidos. Na Europa, o método de referência para amostragem e medição de PM10 é o descrito na EN 12341. O princípio de medição baseia-se na coleta da fração PM10 do material particulado dos ambientes, em um filtro, e na sua determinação por método gravimétrico; ver EU Council Directive 1999/30/EC of 22 April 1999.

Como a definição precisa de PM10, PM2,5 e PM1 é um tanto complexa e de medição não tão simples, as autoridades públicas, como US EPA ou German Federal Environmental Agency (Umweltbundesamt), têm usado cada vez mais em suas publicações a denotação mais simples de PM10 como sendo a fração de tamanho de partícula menor ou igual a 10 μm. Uma vez que o desvio entre a definição “oficial” complexa e a denotação acima mencionada não tem um impacto significativo na eficiência de remoção de partículas de elementos filtrantes, a série ISO 16890 refere-se a esta definição simplificada de PM10, PM2,5 e PM1.

O material particulado no contexto desta norma descreve uma fração de tamanho do aerossol natural (partículas líquidas e sólidas) suspenso no ar ambiente. O símbolo ePMx descreve a eficiência de um dispositivo de limpeza de ar para partículas com um diâmetro óptico entre 0,3 μm e x μm. As faixas de tamanho de partícula são apresentadas na tabela, são usadas na série ISO 16890 para os valores de eficiência listados.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

Os filtros de ar usados para ventilação geral são amplamente utilizados em aplicações de aquecimento, ventilação e ar-condicionado de edificações. Nesta aplicação os filtros de ar influenciam significativamente na qualidade do ar interno e, consequentemente, na saúde das pessoas, pela redução da concentração de material particulado. Para possibilitar que os engenheiros, projetistas e profissionais de manutenção escolham os tipos de filtros corretos, há um interesse do comércio internacional e dos fabricantes por um método bem definido e comum de ensaio e classificação de filtros de ar, de acordo com a eficiência na remoção de material particulado.

As normas regionais atuais aplicam métodos de ensaio e classificação totalmente diferentes, que não permitem quaisquer comparações entre elas, dificultando o comércio global com produtos semelhantes. Além disso, os padrões atuais da indústria conhecem limitações, gerando resultados que muitas vezes estão longe do desempenho do filtro no serviço, ou seja, exagerando a eficiência de remoção de partículas de muitos produtos. Com esta nova série ISO 16890, uma abordagem completamente nova para um sistema de classificação é adotada, o que fornece resultados melhores e mais significativos em comparação com os padrões existentes.

A ISO 16890 (todas as partes) descreve o equipamento, os materiais, as especificações técnicas, os requisitos, as qualificações e os procedimentos para produzir dados de desempenho de laboratório e classificação de eficiência com base na eficiência fracionada medida, convertida em um sistema de relatório de eficiência de material particulado (ePM). Os elementos filtrantes de ar de acordo com a série ISO 16890 são avaliados em laboratório por sua capacidade de remover partículas de aerossol expressas como os valores de eficiência para ePM1, ePM2,5 e ePM10 e, em seguida, os elementos filtrantes de ar podem ser classificados de acordo com os procedimentos estabelecidos nesta Parte.

A eficiência para a remoção de partículas do elemento filtrante é medida em função do tamanho de partícula, na faixa de 0,3 μm a 10 μm do elemento filtrante sem carga de pó e não condicionado (antes da descarga eletrostática), de acordo com os procedimentos estabelecidos na ISO 16890-2. Após o ensaio inicial de eficiência de remoção de partículas, o elemento filtrante de ar é condicionado (descarregado eletrostaticamente) pelos procedimentos estabelecidos na ISO 16890-4 e a eficiência de remoção de partículas é repetida no elemento filtrante condicionado (descarregado eletrostaticamente). Isso é feito para fornecer informações sobre a intensidade de qualquer mecanismo de remoção eletrostática que possa ou não estar presente com o elemento filtrante para ensaio.

A eficiência média do filtro é determinada pelo cálculo da média entre a eficiência inicial e a eficiência condicionada para cada escala de tamanho. A eficiência média é usada para calcular as eficiências de ePMx, ponderando estes valores para a distribuição de tamanho de partícula padronizada e normalizada da fração de aerossol ambiente relacionada. Ao comparar os filtros ensaiados de acordo com a série ISO 16890, os valores de eficiência fracionada devem sempre ser comparados entre a mesma classe ePMx (por exemplo, ePM1 do filtro A com ePM1 do filtro B).

O ensaio da capacidade de retenção do pó e a arrestância inicial de um elemento filtrante são determinados de acordo com os procedimentos de ensaio estabelecidos na ISO 16890-3. O filtro deve ser projetado com identificação do sentido do fluxo de ar, de forma a evitar uma montagem incorreta. O filtro deve ser projetado de modo que não ocorram vazamentos ao longo do perímetro de vedação, quando corretamente montado no túnel de ensaio.

Se, por qualquer razão, as dimensões não permitirem o ensaio de um filtro em condições de ensaio padrão, é permitida a montagem de dois ou mais filtros do mesmo tipo ou modelo, desde que não haja vazamentos na configuração do filtro resultante. O filtro deve ser fabricado com material adequado para suportar o uso normal e exposições a estas temperaturas, umidades e ambientes corrosivos que são suscetíveis de serem encontrados. O filtro deve ser projetado para suportar esforços mecânicos que possam ocorrer durante o uso normal.

O filtro deve ser ensaiado na vazão nominal de ar para o qual foi projetado pelo fabricante. No entanto, muitos organismos e associações nacionais usam 0,944 m³/s (2 000 ft³/min ou 3.400 m³/h) como vazão nominal de ar para classificação ou avaliação de filtros de ar com área de face de 610 mm x 610 mm (24 polegadas x 24 polegadas). Portanto, se o fabricante não especificar uma vazão nominal de ar, o filtro deve ser ensaiado a 0,944 m³/s. A velocidade de fluxo de ar associada a esta vazão de ar é de 2,54 m/s (500 ft/min).

A curva de eficiência fracionária inicial Ei do filtro não carregado e não condicionado (antes da descarga eletrostática), em função do tamanho de partícula, é traçada na vazão de ar do ensaio, de acordo com a ISO 16890-2. A curva de eficiência fracionária ED,i do filtro, após uma etapa de condicionamento artificial estabelecida na ISO 16890-4, é traçada em função do tamanho de partícula, de acordo com a ISO 16890-2.

A arrestância inicial, a resistência ao fluxo de ar versus a massa de pó de ensaio captada e a capacidade do pó de ensaio são determinadas de acordo com a ISO 16890-3, utilizando o pó de ensaio L2, como especificado na ISO 15957. As especificações técnicas do (s) dispositivo (s) de ensaio, as respectivas condições de ensaio, aerossóis e pós de ensaio utilizados para esta Parte da são descritos em detalhes nas ISO 16890-2, ISO 16890-3 e ISO 16890-4.

O ensaio completo, de acordo com esta Parte, consiste nos seguintes passos, que devem ser realizados com a mesma amostra do filtro de ensaio, nas mesmas condições de ensaio e com a mesma vazão de ar: medir a perda de pressão em função da vazão de ar, de acordo com a ISO 16890-2; medir a eficiência fracionária inicial, Ei, e traçar a curva de eficiência em função do tamanho de partícula, do filtro sem carga de pó e não condicionado, de acordo com a ISO 16890-2; executar uma etapa de condicionamento artificial (descarregado eletrostaticamente) da amostra, conforme a ISO 16890-4; medir a eficiência fracionária, ED,i, e traçar a curva de eficiência em função do tamanho de partícula, do filtro condicionado (descarregado eletrostaticamente), de acordo com a ISO 16890-2, que é igual à eficiência fracionária mínima do ensaio; calcular as eficiências ePM conforme estabelecido na Seção 7; carregar o filtro com pó de ensaio sintético L2, especificado na ISO 15957, de acordo com os procedimentos descritos na ISO 16890-3, para determinar à arrestância inicial a perda de pressão em função da massa do pó retido e a capacidade de retenção de pó (este passo é opcional para os filtros do grupo ePM10, ePM2,5 ou ePM1).

FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Instalações de ar-condicionado para salas de computadores - Procedimento
NBR10080 de 11/1987

Instalações de ar-condicionado para salas de computadores - Procedimento

Instalação de sistemas residenciais de ar-condicionado - Split e compacto - Parte 1: Projeto e instalação
NBR16655-1 de 02/2018

Instalação de sistemas residenciais de ar-condicionado - Split e compacto - Parte 1: Projeto e instalação

Sistemas de condicionamento de ar e ventilação — Execução de serviços de higienização
NBR14679 de 06/2012

Sistemas de condicionamento de ar e ventilação — Execução de serviços de higienização

Resfriadores de ar para refrigeração - Métodos de ensaio
NBR15372 de 07/2006

Resfriadores de ar para refrigeração - Métodos de ensaio

Sistemas de ar condicionado e ventilação – Procedimentos e requisitos relativos às atividades de construção, reformas, operação e manutenção das instalações que afetam a qualidade do ar interior (QAI)
NBR15848 de 06/2010

Sistemas de ar condicionado e ventilação – Procedimentos e requisitos relativos às atividades de construção, reformas, operação e manutenção das instalações que afetam a qualidade do ar interior (QAI)

Instalações de ar-condicionado - Sistemas centrais e unitários - Parte 1: Projetos das instalações
NBR16401-1 de 08/2008

Instalações de ar-condicionado - Sistemas centrais e unitários - Parte 1: Projetos das instalações

Filtros de alta eficiência e meios filtrantes para remoção de partículas no ar - Parte 5: Métodos de ensaio de elementos filtrantes
NBRISO29463-5 de 12/2014

Filtros de alta eficiência e meios filtrantes para remoção de partículas no ar - Parte 5: Métodos de ensaio de elementos filtrantes

Compressores para refrigeração - Métodos de ensaio
NBR15826 de 01/2017

Compressores para refrigeração - Métodos de ensaio

Instalações de ar-condicionado - Sistemas centrais e unitários - Parte 2: Parâmetros de conforto térmico
NBR16401-2 de 08/2008

Instalações de ar-condicionado - Sistemas centrais e unitários - Parte 2: Parâmetros de conforto térmico

Sistemas de refrigeração, condicionamento de ar, ventilação e aquecimento — Manutenção programada
NBR13971 de 01/2014

Sistemas de refrigeração, condicionamento de ar, ventilação e aquecimento — Manutenção programada

Instalação de sistemas residenciais de ar-condicionado - Split e compacto - Parte 3: Método de cálculo da carga térmica residencial
NBR16655-3 de 07/2019

Instalação de sistemas residenciais de ar-condicionado - Split e compacto - Parte 3: Método de cálculo da carga térmica residencial

Filtros para partículas em suspensão no ar — Determinação da eficiência para filtros grossos, médios e finos
NBR16101 de 08/2012

Filtros para partículas em suspensão no ar — Determinação da eficiência para filtros grossos, médios e finos

Medição de temperatura em condicionamento de ar - Procedimento
NBR10085 de 11/1987

Medição de temperatura em condicionamento de ar - Procedimento

Instalação de sistemas residenciais de ar-condicionado - Split e compacto - Parte 2: Procedimento para ensaio de estanqueidade, desidratação e carga de fluido frigorífico
NBR16655-2 de 02/2018

Instalação de sistemas residenciais de ar-condicionado - Split e compacto - Parte 2: Procedimento para ensaio de estanqueidade, desidratação e carga de fluido frigorífico

Filtros de ar para ventilação em geral - Parte 1: Especificações técnicas, requisitos e sistema de classificação baseado na eficiência do material particulado (ePM)
NBRISO16890-1 de 10/2018

Filtros de ar para ventilação em geral - Parte 1: Especificações técnicas, requisitos e sistema de classificação baseado na eficiência do material particulado (ePM)

Instalações de ar-condicionado - Sistemas centrais e unitários - Parte 3: Qualidade do ar interior
NBR16401-3 de 08/2008

Instalações de ar-condicionado - Sistemas centrais e unitários - Parte 3: Qualidade do ar interior

Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais
NBR14518 de 05/2020

Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais

Tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde (EAS) - Requisitos para projeto e execução das instalações
NBR7256 de 08/2021

Tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde (EAS) - Requisitos para projeto e execução das instalações

Filtros e meios filtrantes de alta eficiência para remoção de partículas ar - Parte 1: Classificação, ensaio de desempenho e identificação
NBRISO29463-1 de 11/2021

Filtros e meios filtrantes de alta eficiência para remoção de partículas ar - Parte 1: Classificação, ensaio de desempenho e identificação