Text page

O desempenho das edificações habitacionais

Quais os parâmetros de qualidade de água para usos restritivos não potáveis? Quais os métodos de medição de propriedades térmicas de materiais e elementos construtivos? Quais os níveis de iluminância geral para iluminação natural? Quais os níveis de iluminamento geral para iluminação artificial? Como fazer a avaliação do desempenho térmico de edificações por meio de medição? Essas dúvidas estão sendo atendidas no texto sobre o desempenho das edificações habitacionais.

16/05/2018 - Equipe Target

NBR15575-1 de 02/2013: os critérios de desempenho das edificações habitacionais

A NBR15575-1 de 02/2013 - Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 1: Requisitos gerais estabelece os requisitos e critérios de desempenho aplicáveis às edificações habitacionais, como um todo integrado, bem como a serem avaliados de forma isolada para um ou mais sistemas específicos. Não se aplica a: obras já concluídas, obras em andamento na data da entrada em vigor desta norma, projetos protocolados nos órgãos competentes até a data da entrada em vigor desta norma, obras de reformas, retrofit de edifícios e edificações provisórias. É utilizada como um procedimento de avaliação do desempenho de sistemas construtivos. Os requisitos estabelecidos nesta parte são complementados pelos estabelecidos nas NBR 15575-1 a NBR 15575-6.

Os sistemas elétricos das edificações habitacionais fazem parte de um conjunto mais amplo de normas com base na NBR 5410 e, portanto, os requisitos de desempenho para esses sistemas não são estabelecidos nesta parte. Esta parte estabelece critérios relativos ao desempenho térmico, acústico, lumínico e de segurança ao fogo, que devem ser atendidos individual e isoladamente pela própria natureza conflitante dos critérios de medições, por exemplo, desempenho acústico (janela fechada) versus desempenho de ventilação (janela aberta). Os requisitos aplicáveis somente para edificações de até cinco pavimentos são especificados em suas respectivas seções.

Acesse algumas perguntas relacionadas a essas normas GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais os parâmetros de qualidade de água para usos restritivos não potáveis?

Quais os métodos de medição de propriedades térmicas de materiais e elementos construtivos

Quais os níveis de iluminância geral para iluminação natural?

Quais os níveis de iluminamento geral para iluminação artificial?

Como fazer a avaliação do desempenho térmico de edificações por meio de medição?

Pode-se dizer que as normas de desempenho são estabelecidas buscando atender aos requisitos dos usuários, que, no caso, referem-se aos sistemas que compõem as edificações habitacionais, independentemente dos seus materiais constituintes e do sistema construtivo utilizado. O seu foco está nos requisitos dos usuários para o edifício habitacional e seus sistemas, quanto ao seu comportamento em uso e não na prescrição de como os sistemas são construídos. A forma de estabelecimento do desempenho é comum e internacionalmente pensada por meio da definição de requisitos (qualitativos), critérios (quantitativos ou premissas) e métodos de avaliação, os quais permitem a mensuração clara do seu atendimento.

As normas prescritivas estabelecem requisitos com base no uso consagrado de produtos ou procedimentos, buscando o atendimento aos requisitos dos usuários de forma indireta. Por sua vez, as normas de desempenho traduzem os requisitos dos usuários em requisitos e critérios, e são consideradas complementares às prescritivas, sem substituí-las. A utilização simultânea delas visa atender aos requisitos do usuário com soluções tecnicamente adequadas.

No caso de conflito ou diferença de critérios ou métodos entre as normas requeridas e esta norma, deve-se atender aos critérios mais exigentes. A sua abordagem explora os conceitos que muitas vezes não são considerados em normas prescritivas específicas, por exemplo, a durabilidade dos sistemas, a manutenibilidade da edificação e o conforto tátil e antropodinâmico dos usuários.

Todas as disposições contidas nesta norma aplicam–se aos sistemas que compõem edificações habitacionais, projetados, construídos, operados e submetidos a intervenções de manutenção que atendam às instruções específicas do respectivo manual de uso, operação e manutenção. Os projetistas devem estabelecer a vida útil de projeto (VUP) de cada sistema que compõe esta parte, com base na Seção 14.

Cabe ao projetista o papel de especificar os materiais, produtos e processos que atendam ao desempenho mínimo estabelecido nesta parte com base nas normas prescritivas e no desempenho declarado pelos fabricantes dos produtos a serem empregados em projeto. Quando as normas específicas de produtos não caracterizam desempenho, ou quando não existem normas específicas, ou quando o fabricante não publica o desempenho de seu produto, é recomendável ao projetista solicitar informações ao fabricante para balizar as decisões de especificação.

Quando forem considerados valores de VUP maiores que os mínimos estabelecidos nesta norma, estes devem constar nos projetos e/ou memorial de cálculo. Salvo convenção escrita, é da incumbência do incorporador, de seus prepostos e/ou dos projetistas envolvidos, dentro de suas respectivas competências, e não da empresa construtora, a identificação dos riscos previsíveis na época do projeto, devendo o incorporador, neste caso, providenciar os estudos técnicos requeridos e prover aos diferentes projetistas as informações necessárias.

Como riscos previsíveis, exemplifica-se: presença de aterro sanitário na área de implantação do empreendimento, contaminação do lençol freático, presença de agentes agressivos no solo e outros riscos ambientais. Ao construtor ou incorporador cabe elaborar o manual de uso, o de manutenção, ou documento similar, atendendo à NBR 14037. O manual deve ser entregue ao proprietário da unidade quando da disponibilização da edificação para uso.

Deve também ser elaborado o manual das áreas comuns, que deve ser entregue ao condomínio. O manual de uso, operação e manutenção da edificação deve atender ao disposto na NBR 14037, com explicitação pelo menos dos prazos de garantia aplicáveis ao caso, previstos pelo construtor ou pelo incorporador, e citados no Anexo D. Recomenda-se que os prazos de garantia estabelecidos no manual de uso, operação e manutenção, ou documento similar, sejam iguais ou maiores aos apresentados no Anexo D.

Ao usuário ou seu preposto cabe realizar a manutenção, de acordo com o estabelecido na NBR 5674 e o manual de uso, operação e manutenção, ou documento similar. O usuário não pode efetuar modificações que prejudiquem o desempenho original entregue pela construtora, sendo esta última não responsável pelas modificações realizadas pelo usuário. Convém que, para atendimento aos prazos de garantia indicados na garantia contratual, os responsáveis legais mantenham prontamente disponíveis, quando solicitados pelo construtor ou incorporador, conforme descrito na NBR 5674.

A avaliação de desempenho busca analisar a adequação ao uso de um sistema ou de um processo construtivo destinado a atender a uma função, independentemente da solução técnica adotada. Para atingir esta finalidade, na avaliação do desempenho é realizada uma investigação sistemática baseada em métodos consistentes, capazes de produzir uma interpretação objetiva sobre o comportamento esperado do sistema nas condições de uso definidas.

Em função disso, a avaliação do desempenho requer o domínio de uma ampla base de conhecimentos científicos sobre cada aspecto funcional de uma edificação, sobre materiais e técnicas de construção, bem como sobre os diferentes requisitos dos usuários nas mais diversas condições de uso. Recomenda-se que os resultados desta investigação sistemática, que orientaram a realização do projeto, sejam documentados por meio de registro de imagens, memorial de cálculo, observações instrumentadas, catálogos técnicos dos produtos, registro de eventuais planos de expansão de serviços públicos ou outras formas, conforme conveniência.

Os requisitos de desempenho derivados de todos os requisitos dos usuários podem resultar em uma lista muito extensa. Neste sentido é conveniente limitar o número de requisitos a serem considerados em um contexto de uso definido. Dessa forma, nas Seções 7 a 17 são estabelecidos os requisitos e critérios que devem ser atendidos por edificações habitacionais. Os requisitos de desempenho previstos nesta norma devem ser verificados aplicando-se os respectivos métodos de avaliação explicitados nas suas diferentes partes.

Todas as verificações devem ser realizadas com base nas condições do meio físico na época do projeto e da execução do empreendimento. A avaliação do desempenho de edificações ou de sistemas, de acordo com esta norma, deve ser realizada considerando as premissas básicas estabelecidas nesta Seção. Recomenda-se que a avaliação do desempenho seja realizada por instituições de ensino ou pesquisa, laboratórios especializados, empresas de tecnologia, equipes multiprofissionais ou profissionais de reconhecida capacidade técnica.

Para edifícios ou conjuntos habitacionais com local de implantação definido, os projetos de arquitetura, da estrutura, das fundações, contenções e outras eventuais obras geotécnicas devem ser desenvolvidos com base nas características do local da obra (topográficas, geológicas, etc.), avaliando-se convenientemente os riscos de deslizamentos, enchentes, erosões, vibrações transmitidas por vias férreas, vibrações transmitidas por trabalhos de terraplenagem e compactação do solo, ocorrência de subsidência do solo, presença de crateras em camadas profundas, presença de solos expansíveis ou colapsíveis, presença de camadas profundas deformáveis e outros.

Devem ainda ser considerados riscos de explosões oriundas do confinamento de gases resultantes de aterros sanitários, solos contaminados, proximidade de pedreiras e outros, tomando-se as providências necessárias para que não ocorram prejuízos à segurança e à funcionalidade da obra. No entorno, os projetos devem ainda prever as interações entre construções próximas, considerando-se convenientemente as eventuais sobreposições de bulbos de pressão, efeitos de grupo de estacas, rebaixamento do lençol freático e desconfinamento do solo em função do corte do terreno.

Tais fenômenos também não podem prejudicar a segurança e a funcionalidade da obra, bem como de edificações vizinhas. Para a realização das simulações computacionais recomenda-se o emprego do programa EnergyPlus. Outros programas de simulação podem ser utilizados, desde que permitam a determinação do comportamento térmico de edificações sob condições dinâmicas de exposição ao clima, sendo capazes de reproduzir os efeitos de inércia térmica e validados pela ASHRAE Standard 140.

Para a geometria do modelo de simulação, deve ser considerada a habitação como um todo, considerando cada ambiente como uma zona térmica. Na composição de materiais para a simulação, deve-se utilizar dados das propriedades térmicas dos materiais e/ou componentes construtivos obtidos em laboratório, através de método de ensaio normalizado. Para os ensaios de laboratório, recomenda-se a utilização dos métodos apresentados na tabela abaixo. Na ausência destes dados ou na impossibilidade de obtê-los junto aos fabricantes, é permitido utilizar os dados disponibilizados na NBR 15220-2 como referência.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

Para as edificações em fase de projeto, a avaliação deve ser feita para um dia típico de projeto, de verão e de inverno. Para unidades habitacionais isoladas, seguir o procedimento estabelecido em 11.5.1 e 11.5.2. Para conjuntos habitacionais ou edifícios multipiso, selecionar unidades habitacionais representativas, conforme estabelecido a seguir. Para um conjunto habitacional de edificações térreas, selecionar uma unidade habitacional com o maior número de paredes expostas e seguir o procedimento estabelecido em 11.5.1 e 11.5.2.

Para um edifício multipiso, selecionar uma unidade do último andar, com cobertura exposta, e seguir o procedimento estabelecido em 11.5.1 e 11.5.2. Simular todos os recintos da unidade habitacional, considerando as trocas térmicas entre os seus ambientes e avaliar os resultados dos recintos, dormitórios e salas, considerando as condições apresentadas abaixo.

Na entrada de dados, considerar que os recintos adjacentes, de outras unidades habitacionais, separados, portanto, por paredes de geminação ou entrepisos, apresentem a mesma condição térmica do ambiente que está sendo simulado. A edificação deve ser orientada conforme a implantação. A unidade habitacional desta edificação escolhida para a simulação deve ser a mais crítica do ponto de vista térmico.

Caso esta orientação da edificação não esteja definida, esta deve ser posicionada de tal forma que a unidade a ser avaliada tenha a condição mais crítica do ponto de vista térmico. Como condição crítica do ponto de vista térmico, adotar no verão: janela do dormitório ou da sala voltada para oeste e a outra parede exposta voltada para norte. Caso não seja possível, o ambiente deve ter pelo menos uma janela voltada para oeste. No inverno: janela do dormitório ou da sala de estar voltada para o sul e a outra parede exposta voltada para leste. Caso não seja possível, o ambiente deve ter pelo menos uma janela voltada para o sul.

Para a obstrução no entorno: considerar que as paredes expostas e as janelas estão desobstruídas, ou seja, sem a presença de edificações ou vegetação nas proximidades que modifiquem a incidência de sol e/ou vento. Edificações de um mesmo complexo, por exemplo um condomínio, podem ser consideradas, desde que previstas para habitação no mesmo período.

Esta informação deve constar na documentação de comprovação de desempenho. Para a obstrução por elementos construtivos previstos na edificação: dispositivos de sombreamento (por exemplo, para-sóis, marquises, beirais) devem ser considerados na simulação. Adotar uma taxa de ventilação do ambiente de 1 ren/h. A taxa de renovação da cobertura deve ser a mesma, de 1 ren/h.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Dimensionamento de estruturas de aço constituídas por perfis formados a frio
NBR14762 de 07/2010

Dimensionamento de estruturas de aço constituídas por perfis formados a frio

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 3: Danos físicos a estruturas e perigos à vida
NBR5419-3 de 05/2015

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 3: Danos físicos a estruturas e perigos à vida

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 1: Requisitos gerais
NBR15575-1 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 1: Requisitos gerais

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 4: Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura
NBR5419-4 de 05/2015

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 4: Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura

Telhas de concreto - Parte 1: Projeto e execução de telhados
NBR13858-1 de 04/1997

Telhas de concreto - Parte 1: Projeto e execução de telhados

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 4: Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas — SVVIE
NBR15575-4 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 4: Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas — SVVIE

Alvenaria estrutural — Blocos de concreto - Parte 2: Execução e controle de obras
NBR15961-2 de 08/2020

Alvenaria estrutural — Blocos de concreto - Parte 2: Execução e controle de obras

Esquadrias — Guarda-corpos para edificação — Requisitos, procedimentos e métodos de ensaio
NBR14718 de 08/2019

Esquadrias — Guarda-corpos para edificação — Requisitos, procedimentos e métodos de ensaio

Estabilidade de encostas
NBR11682 de 08/2009

Estabilidade de encostas

Projeto de estruturas de concreto em situação de incêndio
NBR15200 de 04/2012

Projeto de estruturas de concreto em situação de incêndio

Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios em situação de incêndio
NBR14323 de 08/2013

Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios em situação de incêndio

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 2: Gerenciamento de risco
NBR5419-2 de 05/2015

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 2: Gerenciamento de risco

Iluminação natural - Parte 4: Verificação experimental das condições de iluminação interna de edificações - Método de medição
NBR15215-4 de 03/2005

Iluminação natural - Parte 4: Verificação experimental das condições de iluminação interna de edificações - Método de medição

Telhas de concreto - Parte 2: Requisitos e métodos de ensaio
NBR13858-2 de 01/2009

Telhas de concreto - Parte 2: Requisitos e métodos de ensaio

Projeto e execução de fundações
NBR6122 de 03/2022

Projeto e execução de fundações

Alvenaria estrutural — Blocos de concreto - Parte 1: Projeto
NBR15961-1 de 08/2020

Alvenaria estrutural — Blocos de concreto - Parte 1: Projeto

Saídas de emergência em edifícios
NBR9077 de 12/2001

Saídas de emergência em edifícios

Desempenho térmico de edificações - Parte 2 – Componentes e elementos construtivos das edificações — Resistência e transmitância térmica — Métodos de cálculo (ISO 6946:2017 MOD)
NBR15220-2 de 02/2022

Desempenho térmico de edificações - Parte 2 – Componentes e elementos construtivos das edificações — Resistência e transmitância térmica — Métodos de cálculo (ISO 6946:2017 MOD)

Bloco de solo-cimento sem função estrutural — Requisitos
NBR10834 de 12/2012

Bloco de solo-cimento sem função estrutural — Requisitos

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 6: Requisitos para os sistemas hidrossanitários
NBR15575-6 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 6: Requisitos para os sistemas hidrossanitários

Manutenção de edificações — Requisitos para o sistema de gestão de manutenção
NBR5674 de 07/2012

Manutenção de edificações — Requisitos para o sistema de gestão de manutenção

Exigências de resistência ao fogo de elementos construtivos de edificações - Procedimento
NBR14432 de 11/2001

Exigências de resistência ao fogo de elementos construtivos de edificações - Procedimento

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 1: Princípios gerais
NBR5419-1 de 05/2015

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 1: Princípios gerais

Blocos de concreto celular autoclavado — Requisitos
NBR13438 de 11/2021

Blocos de concreto celular autoclavado — Requisitos

Reforma em edificações — Sistema de gestão de reformas — Requisitos
NBR16280 de 12/2020

Reforma em edificações — Sistema de gestão de reformas — Requisitos

Iluminação natural - Parte 2 - Procedimentos de cálculo para a estimativa da disponibilidade de luz natural e para a distribuição espacial da luz natural
NBR15215-2 de 06/2022

Iluminação natural - Parte 2 - Procedimentos de cálculo para a estimativa da disponibilidade de luz natural e para a distribuição espacial da luz natural

Iluminação natural - Parte 1: Conceitos básicos e definições
NBR15215-1 de 03/2005

Iluminação natural - Parte 1: Conceitos básicos e definições

Projeto de estruturas de madeira
NBR7190 de 06/2022

Projeto de estruturas de madeira

Instalações elétricas de baixa tensão
NBR5410 de 09/2004

Instalações elétricas de baixa tensão

Desempenho térmico de edificações - Parte 4: Medição da resistência térmica e da condutividade térmica pelo princípio da placa quente protegida
NBR15220-4 de 04/2005

Desempenho térmico de edificações - Parte 4: Medição da resistência térmica e da condutividade térmica pelo princípio da placa quente protegida

Desempenho térmico de edificações - Parte 1: Definições, símbolos e unidades
NBR15220-1 de 04/2005

Desempenho térmico de edificações - Parte 1: Definições, símbolos e unidades

Desempenho térmico de edificações - Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social
NBR15220-3 de 04/2005

Desempenho térmico de edificações - Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social

Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos - Requisitos
NBR13281 de 09/2005

Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos - Requisitos

Diretrizes para elaboração de manuais de uso, operação e manutenção das edificações — Requisitos para elaboração e apresentação dos conteúdos
NBR14037 de 07/2011

Diretrizes para elaboração de manuais de uso, operação e manutenção das edificações — Requisitos para elaboração e apresentação dos conteúdos

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 1: Princípios de projeto
NBR13434-1 de 09/2020

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 1: Princípios de projeto

Projeto de estruturas de concreto — Procedimento
NBR6118 de 04/2014

Projeto de estruturas de concreto — Procedimento

Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado
NBR9062 de 03/2017

Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado

Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios
NBR8800 de 08/2008

Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 3: Requisitos para os sistemas de pisos
NBR15575-3 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 3: Requisitos para os sistemas de pisos

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores
NBR13434-2 de 09/2020

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 3: Requisitos e métodos de ensaio
NBR13434-3 de 09/2020

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 3: Requisitos e métodos de ensaio

Acústica - Medição e avaliação de níveis de pressão sonora em áreas habitadas - Aplicação de uso geral
NBR10151 de 05/2019

Acústica - Medição e avaliação de níveis de pressão sonora em áreas habitadas - Aplicação de uso geral

Tirantes ancorados no terreno — Projeto e execução
NBR5629 de 10/2018

Tirantes ancorados no terreno — Projeto e execução

Desempenho térmico de edificações - Parte 5: Medição da resistência térmica e da condutividade térmica pelo método fluximétrico
NBR15220-5 de 04/2005

Desempenho térmico de edificações - Parte 5: Medição da resistência térmica e da condutividade térmica pelo método fluximétrico

Projeto e execução de argamassa armada - Procedimento
NBR11173 de 06/1990

Projeto e execução de argamassa armada - Procedimento

Projeto geotécnico - Procedimento
NBR8044 de 11/2018

Projeto geotécnico - Procedimento

Acústica — Níveis de pressão sonora em ambientes internos a edificações
NBR10152 de 11/2017

Acústica — Níveis de pressão sonora em ambientes internos a edificações

Sistema de iluminação de emergência
NBR10898 de 03/2013

Sistema de iluminação de emergência

Discriminação de serviços para construção de edifícios - Procedimento
NBR12722 de 08/1992

Discriminação de serviços para construção de edifícios - Procedimento

Iluminação natural - Parte 3: Procedimento de cálculo para a determinação da iluminação natural em ambientes internos
NBR15215-3 de 03/2005

Iluminação natural - Parte 3: Procedimento de cálculo para a determinação da iluminação natural em ambientes internos

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 2: Requisitos para os sistemas estruturais
NBR15575-2 de 02/2013

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 2: Requisitos para os sistemas estruturais

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 5: Requisitos para os sistemas de coberturas
NBR15575-5 de 09/2021

Edificações habitacionais — Desempenho - Parte 5: Requisitos para os sistemas de coberturas

Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos
NBR9050 de 08/2020

Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos