Text page

Os ensaios de tração de materiais metálicos

Qual o método de fixação dos corpos de prova? Como deve ser executado a determinação da resistência ao escoamento inferior? Qual deve ser a frequência de amostragem de dados? Qual a precisão do ensaio de tração como resultados de programas interlaboratoriais? Como deve ser escrito o relatório de ensaio? Qual seria a incerteza de medição? Essas perguntas estão sendo respondidas no texto sobre os métodos de ensaios de tração de materiais metálicos.

11/04/2018 - Equipe Target

NBR ISO 6892, partes 1 e 2, de 04/2013: os métodos de ensaios de tração de materiais metálicos

A NBR ISO 6892-1 de 04/2013 - Materiais metálicos - Ensaio de Tração - Parte 1: Método de ensaio à temperatura ambiente especifica o método de ensaio de tração de materiais metálicos e define as propriedades mecânicas que podem ser determinadas à temperatura ambiente. O Anexo A apresenta recomendações complementares para máquinas de ensaio controladas por computador. A NBR ISO 6892-2 de 10/2013 - Materiais metálicos - Ensaio de tração - Parte 2: Método de ensaio à temperatura elevada especifica um método de ensaio de tração de materiais metálicos a temperaturas mais altas que à temperatura ambiente.

Confira algumas dúvidas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Qual o método de fixação dos corpos de prova?

Como deve ser executado a determinação da resistência ao escoamento inferior?

Qual deve ser a frequência de amostragem de dados?

Qual a precisão do ensaio de tração como resultados de programas interlaboratoriais?

Como deve ser escrito o relatório de ensaio?

Qual seria a incerteza de medição?

Durante as discussões acerca da velocidade de ensaio na preparação da NBR ISO 6892, decidiu-se recomendar o emprego do controle da taxa de deformação nas futuras revisões da norma. Na parte 1 da NBR ISO 6892, há disponíveis dois métodos de velocidades de ensaio. O primeiro, método A, é baseado nas taxas de deformação (inclusive a velocidade de separação do travessão) e o segundo, método B, é baseado em taxas de tensão.

O Método A tem por objetivo minimizar a variação das velocidades de ensaio no momento em que são determinados os parâmetros sensíveis à taxa de deformação e, também, minimizar a incerteza de medição dos resultados do ensaio. Na parte 2 da NBR ISO 6892 são descritos dois métodos de velocidade de ensaio. O primeiro, o Método A, é baseado em taxas de deformação (incluindo a taxa de separação do travessão) com tolerâncias apertadas (+- 20%), ao passo que o segundo, o Método B, é baseado em faixas e tolerâncias de taxa de deformação.

O Método A tem por objetivo minimizar a variação das taxas de ensaio no momento em que são determinados os parâmetros sensíveis à taxa de deformação e, também, minimizar a incerteza de medição dos resultados do ensaio. A influência da velocidade de ensaio nas propriedades mecânicas, determinada pelo ensaio de tração, é normalmente maior em uma temperatura elevada que à temperatura ambiente.

Tradicionalmente, as propriedades mecânicas determinadas por ensaios de tração em temperaturas elevadas têm sido determinadas a uma taxa de deformação ou tensão menor do que à temperatura ambiente. A parte 1 recomenda o uso de taxas de deformação pequenas, mas, além disso, são permitidas taxas de deformação maiores para aplicações específicas, como comparação com propriedades à temperatura ambiente na mesma taxa de deformação.

Na preparação da parte 2, houve decisão, durante as discussões relativas à velocidade de ensaio, de se considerar a eliminação do método de taxa de tensão em revisões futuras. O ensaio consiste em deformar um corpo de prova por força de tração, geralmente até a fratura, para a determinação de uma ou mais propriedades mecânicas definidas no item 3. O ensaio deve ser realizado à temperatura ambiente, entre 10°C e 35°C, salvo se especificado de outra maneira.

Os ensaios realizados sob condições controladas devem ser realizados à temperatura de 23 °C +- 5 °C. A forma e as dimensões dos corpos de prova podem ser condicionadas pela forma e dimensões dos produtos metálicos dos quais são extraídos esses corpos de prova. Em geral, o corpo de prova é obtido por usinagem de uma amostra do produto, por estampagem, ou ainda por fundição.

Produtos de seção transversal uniforme (perfis, barras, fios etc.), bem como os corpos de prova fundidos (por exemplo, de ferro fundido ou de ferros-ligas), podem ser ensaiados sem serem usinados. A seção transversal do corpo de prova pode ser circular, quadrada, retangular, anular, ou, em casos especiais, o corpo de prova pode apresentar outro tipo de seção transversal uniforme.

Os corpos de prova devem, preferencialmente, apresentar relação entre o comprimento de medida inicial, Lo, e a área da seção transversal inicial do comprimento paralelo, So, tal que Lo = k So, em que k é um coeficiente de proporcionalidade. Esses são os denominados corpos de prova proporcionais. O valor internacionalmente adotado para k é 5,65. O comprimento de medida inicial não pode ser inferior a 15 mm.

Quando a seção transversal do corpo de prova for muito pequena para que este requisito se aplique com k = 5,65, um valor mais alto (preferencialmente 11,3) ou um corpo de prova não proporcional pode ser usado. Os corpos de prova usinados devem incorporar um raio de transição entre as cabeças e o comprimento paralelo, se esses elementos apresentarem dimensões diferentes.

As dimensões do raio de transição são importantes e é recomendado que sejam definidas na especificação do material, desde que não estejam dadas no anexo apropriado (ver. 6.2). As cabeças podem ser de qualquer tipo, para se adaptarem às garras da máquina de ensaio. O eixo do corpo de prova deve coincidir com o eixo de aplicação da força.

O comprimento paralelo, Lc, ou, no caso de o corpo de prova não apresentar raios de transição, o comprimento livre entre garras deve ser sempre maior que o comprimento de medida inicial, Lo. Nos casos em que o corpo de prova consista de um segmento não usinado do produto ou de uma barra de ensaio não usinada, o comprimento livre entre garras deve ser suficiente para que as marcações do comprimento de medida estejam a uma distância razoável das garras (ver Anexos B a E).

Os corpos de prova fundidos devem incorporar um raio de transição entre as cabeças e o comprimento paralelo. As dimensões desse raio de transição são importantes e é recomendado que sejam definidas na especificação do produto. As cabeças podem ser de qualquer tipo, para se adaptarem às garras da máquina de ensaio.

O comprimento paralelo, Lc, deve ser sempre maior que o comprimento de medida inicial, Lo. Os principais tipos de corpos de prova estão definidos nos Anexos B a E, de acordo com a forma e o tipo do produto, conforme a tabela abaixo. Outros tipos de corpos de prova podem ser especificados nas normas de produto.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

As dimensões relevantes do corpo de prova devem ser medidas em um número suficiente de seções transversais, perpendicularmente ao eixo longitudinal, na porção central do comprimento paralelo do corpo de prova. Recomenda-se um número mínimo de três seções transversais. A área da seção transversal inicial, So, é a área média da seção transversal, que deve ser calculada a partir das medições das dimensões apropriadas.

A exatidão deste cálculo depende da natureza e do tipo de corpo de prova. Os Anexos B a E descrevem métodos para a determinação de So para diferentes tipos de corpos de prova e contêm especificações relativas à exatidão da medição. Para a marcação do comprimento de medida inicial, as extremidades do comprimento de medida inicial, Lo, devem ser levemente marcadas com traços ou linhas, mas não com riscos que possam resultar em uma ruptura prematura.

Para corpos de prova proporcionais, o valor calculado do comprimento de medida inicial pode ser arredondado para o múltiplo de 5 mm mais próximo, desde que a diferença entre o comprimento marcado e o calculado seja menor que 10% de Lo. O comprimento de medida inicial deve ser marcado com exatidão de +-1%. Se o comprimento paralelo, Lc, for muito maior que o comprimento de medida inicial, como por exemplo, em corpos de prova não usinados, podem ser marcados vários comprimentos de medida originais parcialmente sobrepostos.

Em alguns casos, pode ser útil traçar, na superfície do corpo de prova, uma linha paralela ao eixo longitudinal, ao longo da qual se marcam os comprimentos de medida originais. Para a determinação da resistência de prova (extensão plástica ou total), o extensômetro utilizado deve estar de acordo com a NBR ISO 9513, classe 1 ou melhor, na faixa pertinente.

Para outras propriedades (com maior extensão), pode ser utilizado na faixa pertinente um extensômetro classe 2 pela NBR ISO 9513. O comprimento de medida extensométrica não pode ser menor que 10 mm e deve corresponder à porção central do comprimento paralelo.

Qualquer parte do extensômetro que se projete além do forno deve ser projetada ou protegida de correntes de ar, de modo que as flutuações na temperatura ambiente tenham apenas efeito mínimo nas leituras. É aconselhável a manutenção de estabilidade térmica razoável da temperatura e da velocidade do ar ao redor da máquina de ensaio.

O dispositivo de aquecimento para o corpo de prova deve ser tal que o corpo de prova possa ser aquecido à temperatura especificada T. As temperaturas indicadas Ti são as temperaturas medidas na superfície do comprimento paralelo do corpo de prova, com correções aplicadas para quaisquer erros sistemáticos conhecidos, mas sem consideração da incerteza do equipamento de medição da temperatura.

Os desvios admitidos entre a temperatura especificada T e as temperaturas indicadas Ti, e a variação de temperatura admissível máxima ao longo do corpo de prova, são dados na tabela abaixo. Para temperaturas especificadas maiores que 1.100 °C, os desvios admitidos devem ser definidos por meio de acordo prévio entre as partes envolvidas.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

Quando o comprimento de medida é menor que 50 mm, um sensor de temperatura deve medir a temperatura em cada extremidade do comprimento paralelo diretamente. Quando o comprimento de medida é igual ou maior que 50 mm, um terceiro sensor de temperatura deve medir próximo ao centro do comprimento paralelo. Este número pode ser reduzido se o arranjo geral do forno e do corpo de prova for tal que, a partir da experiência, sabe-se que a variação na temperatura do corpo de prova não excede o desvio admitido especificado em 9.3.1.

Contudo, ao menos um sensor deve estar medindo a temperatura do corpo de prova diretamente. As junções do sensor de temperatura devem fazer contato térmico com a superfície do corpo de prova e estar convenientemente abrigadas da radiação direta da parede do forno.

O sistema de medição de temperatura deve ter uma resolução igual ou melhor que 1°C e uma exatidão de +- 0,004 T °C ou +- 2 °C, o que for maior. O sistema de medição de temperatura inclui todos os componentes da cadeia de medição (sensor, cabos, dispositivo indicador e junção de referência).

Todos os componentes do sistema de medição de temperatura devem ser verificados e calibrados sobre a faixa de trabalho em intervalos que não excedam um ano. Os erros devem ser registrados no relatório de verificação. Os componentes do sistema de medição de temperatura devem ser verificados por métodos rastreáveis à unidade internacional (unidade SI) de temperatura.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Materiais metálicos - Ensaio de impacto por pêndulo Charpy - Parte 2: Verificação de máquinas de ensaios
NBRISO148-2 de 04/2021

Materiais metálicos - Ensaio de impacto por pêndulo Charpy - Parte 2: Verificação de máquinas de ensaios

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Vickers - Parte 4: Tabelas de valores de dureza
NBRNM-ISO6507-4 de 06/2019

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Vickers - Parte 4: Tabelas de valores de dureza

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Brinell - Parte 3: Calibração de blocos de referência (ISO 6506-3:2005, IDT)
NBRNM-ISO6506-3 de 01/2019

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Brinell - Parte 3: Calibração de blocos de referência (ISO 6506-3:2005, IDT)

Material metálico revestido e não revestido - Corrosão por exposição à atmosfera úmida saturada - Método de ensaio
NBR8095 de 11/2015

Material metálico revestido e não revestido - Corrosão por exposição à atmosfera úmida saturada - Método de ensaio

Materiais metálicos - Calibração da força dinâmica no ensaio de fadiga uniaxial - Parte 2: Instrumentação do dispositivo de calibração dinâmica (DCD)
NBRISO4965-2 de 03/2016

Materiais metálicos - Calibração da força dinâmica no ensaio de fadiga uniaxial - Parte 2: Instrumentação do dispositivo de calibração dinâmica (DCD)

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Rockwell- Parte 1: Método de ensaio (escalas A, B, C, D, E, F, G, H, K, N, T)
NBRNM-ISO6508-1 de 06/2019

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Rockwell- Parte 1: Método de ensaio (escalas A, B, C, D, E, F, G, H, K, N, T)

Materiais metálicos — Calibração de instrumentos de medição de força utilizados para a verificação de máquinas de ensaio uniaxiais
NBRISO376 de 04/2012

Materiais metálicos — Calibração de instrumentos de medição de força utilizados para a verificação de máquinas de ensaio uniaxiais

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Vickers - Parte 2: Verificação e calibração de máquinas de ensaio
NBRNM-ISO6507-2 de 06/2019

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Vickers - Parte 2: Verificação e calibração de máquinas de ensaio

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Brinell - Parte 1: Método de ensaio (ISO 6506-1:2005, IDT)
NBRNM-ISO6506-1 de 01/2019

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Brinell - Parte 1: Método de ensaio (ISO 6506-1:2005, IDT)

Materiais metálicos - Calibração da força dinâmica no ensaio de fadiga uniaxial - Parte 1: Sistemas de ensaio
NBRISO4965-1 de 03/2016

Materiais metálicos - Calibração da força dinâmica no ensaio de fadiga uniaxial - Parte 1: Sistemas de ensaio

Materiais metálicos — Ensaio de dobramento
NBRISO7438 de 01/2022

Materiais metálicos — Ensaio de dobramento

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Vickers - Parte 3: Calibração de blocos de referência
NBRNM-ISO6507-3 de 06/2019

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Vickers - Parte 3: Calibração de blocos de referência

Materiais metálicos — Ensaio de Tração - Parte 1: Método de ensaio à temperatura ambiente
NBRISO6892-1 de 04/2013

Materiais metálicos — Ensaio de Tração - Parte 1: Método de ensaio à temperatura ambiente

Materiais metálicos - Calibração de instrumentos de medição de força de uso geral
NBR8197 de 04/2021

Materiais metálicos - Calibração de instrumentos de medição de força de uso geral

Materiais metálicos revestidos e não-revestidos - Corrosão por exposição à névoa salina cuproacética - Método de ensaio
NBR8824 de 04/1985

Materiais metálicos revestidos e não-revestidos - Corrosão por exposição à névoa salina cuproacética - Método de ensaio

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Rockwell - Parte 2: Verificação e calibração de máquinas de ensaio (escalas A, B, C, D, E, F, G, H, K, N, T)
NBRNM-ISO6508-2 de 06/2019

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Rockwell - Parte 2: Verificação e calibração de máquinas de ensaio (escalas A, B, C, D, E, F, G, H, K, N, T)

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Rockwell - Parte 3: Calibração de blocos de referência (escalas A, B, C, D, E, F, G, H, K, N, T)
NBRNM-ISO6508-3 de 06/2019

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Rockwell - Parte 3: Calibração de blocos de referência (escalas A, B, C, D, E, F, G, H, K, N, T)

Materiais metálicos - Ensaio de tração - Parte 2: Método de ensaio à temperatura elevada
NBRISO6892-2 de 10/2013

Materiais metálicos - Ensaio de tração - Parte 2: Método de ensaio à temperatura elevada

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Brinell - Parte 2: Verificação e calibração de máquinas de ensaio (ISO 6506-2:2005, IDT)
NBRNM-ISO6506-2 de 01/2019

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Brinell - Parte 2: Verificação e calibração de máquinas de ensaio (ISO 6506-2:2005, IDT)

Materiais metálicos - Determinação do tamanho de grão
NBR11568 de 08/2016

Materiais metálicos - Determinação do tamanho de grão

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Vickers - Parte 1: Método de Ensaio
NBRNM-ISO6507-1 de 06/2019

Materiais metálicos - Ensaio de dureza Vickers - Parte 1: Método de Ensaio

Materiais metálicos - Ensaio de impacto por pêndulo Charpy - Parte 1: Método de ensaio
NBRISO148-1 de 04/2021

Materiais metálicos - Ensaio de impacto por pêndulo Charpy - Parte 1: Método de ensaio

Materiais metálicos — Calibração de sistemas extensométricos usados em ensaios uniaxiais
NBRISO9513 de 10/2013

Materiais metálicos — Calibração de sistemas extensométricos usados em ensaios uniaxiais