Text page

A qualidade dos sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos

Quais os limites de temperatura, classificação e código de cores dos chuveiros automáticos? Como deve funcionar os alarmes de fluxo de água? Qual a distância máxima entre chuveiros automáticos da ponta de ramais e suportes? Qual o tempo de descarga em sistemas de ação prévia com bloqueio duplo? Quais as áreas de cobertura máxima por chuveiro automático e distância máxima entre chuveiros automáticos? Essas questões estão sendo mostradas no texto sobre os requisitos dos sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos.

14/02/2018 - Equipe Target

NBR 10897 (NB1135) de 07/2014: os requisitos dos sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos

A NBR 10897 (NB1135) de 07/2014 - Sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos - Requisitos estabelece os requisitos mínimos para o projeto e a instalação de sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos, incluindo as características de suprimento de água, seleção de chuveiros automáticos, conexões, tubos, válvulas e todos os materiais e acessórios envolvidos em instalações prediais. Não tem a intenção de restringir o desenvolvimento ou a utilização de novas tecnologias ou medidas alternativas, desde que estas não diminuam o nível de segurança proporcionado pelos sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos, nem eliminem ou reduzam os requisitos nela estabelecidos.

Confira algumas dúvidas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais os limites de temperatura, classificação e código de cores dos chuveiros automáticos?

Como deve funcionar os alarmes de fluxo de água?

Qual a distância máxima entre chuveiros automáticos da ponta de ramais e suportes?

Qual o tempo de descarga em sistemas de ação prévia com bloqueio duplo?

Quais as áreas de cobertura máxima por chuveiro automático e distância máxima entre chuveiros automáticos?

A tabela apresenta exemplos de ocupações aplicáveis a esta norma. As ocupações de risco leve são compreendidas as ocupações ou parte das ocupações onde a quantidade e/ou a combustibilidade do conteúdo (carga incêndio) é baixa, tendendo à moderada, e onde é esperada uma taxa de liberação de calor de baixa a média.

As ocupações de risco ordinário do Grupo I são compreendidas as ocupações ou parte de ocupações onde a combustibilidade do conteúdo é baixa e a quantidade de materiais combustíveis é moderada. A altura de armazenamento não pode exceder 2,4 m. São esperados incêndios com moderada taxa de liberação de calor.

As do Grupo II são compreendidas as ocupações ou parte de ocupações onde a quantidade e a combustibilidade do conteúdo é de moderada a alta. A altura de armazenamento não pode exceder 3,7 m. São esperados incêndios com alta taxa de liberação de calor. As ocupações de risco extra ou extraordinário do Grupo I são compreendidas as ocupações ou parte de ocupações onde a quantidade e a combustibilidade do conteúdo são muito altas, podendo haver a presença de pós e outros materiais que provocam incêndios de rápido desenvolvimento, produzindo alta taxa de liberação de calor.

Neste grupo as ocupações não podem possuir líquidos combustíveis e inflamáveis. As do Grupo II compreendem as ocupações com moderada ou substancial quantidade de líquidos combustíveis ou inflamáveis. As áreas de armazenamento ocupações devem ser protegidas de acordo com a NBR 13792.

Clique na imagem acima para uma melhor visualização

Os componentes do sistema devem estar em conformidade com as normas brasileiras aplicáveis ou, na falta destas, com as normas internacionalmente reconhecidas. Recomenda-se que os componentes dos sistemas de chuveiros automáticos sejam avaliados com relação à conformidade aos requisitos estabelecidos nas normas brasileiras aplicáveis. Os componentes do sistema devem estar classificados para a máxima pressão de trabalho à qual serão empregados, porém nunca inferior a 1 200 kPa.

Os trechos aparentes da instalação do sistema de chuveiros automáticos devem ser identificados com a cor vermelha-segurança, correspondente à classificação 5 R 4/14 do sistema Munsell, de acordo com a NBR 6493. Opcionalmente, a tubulação pode ser identificada com anéis pintados em vermelho, com 0,20 m de largura, a cada 5 m de distância.

Chuveiros automáticos devem possuir revestimentos especiais, resistentes à corrosão, quando instalados em locais onde haja a presença de vapores corrosivos, umidade ou outras condições ambientais capazes de provocar danos. Os revestimentos anticorrosivos devem ser aplicados exclusivamente pelos fabricantes dos chuveiros automáticos. A menos que indicado pelo fabricante, o chuveiro automático não pode ser pintado e qualquer chuveiro revestido só pode ser substituído por outro de mesmas características.

Qualquer acabamento ornamental do chuveiro automático deve ser executado pelo fabricante. As canoplas e os invólucros não metálicos devem ser fornecidos pelo fabricante do chuveiro automático. Canoplas e invólucros usados com chuveiros automáticos embutidos ou não aparentes devem ser fornecidos em conjunto com os chuveiros automáticos.

Os chuveiros automáticos instalados em locais sujeitos a danos mecânicos devem ser providos com proteções. Devem ser mantidos chuveiros automáticos sobressalentes para substituição imediata em caso de operação ou danos. Esses chuveiros automáticos devem possuir as mesmas características dos que se encontram instalados e devem ser mantidos em local cuja temperatura não supere 38 °C.

Uma chave especial para retirada e instalação dos chuveiros automáticos deve estar disponível junto aos chuveiros sobressalentes. O estoque de chuveiros automáticos sobressalentes deve incluir todos os modelos instalados, devendo ser composto da seguinte forma: seis chuveiros, no mínimo, para sistemas com até 300 chuveiros automáticos; 12 chuveiros, no mínimo, para sistemas com 301 a 1 000 chuveiros automáticos; 24 chuveiros no mínimo, para sistemas com mais de 1 000 chuveiros automáticos.

Os tubos utilizados nos sistemas de chuveiros automáticos devem atender ou exceder os requisitos estabelecidos. O tipo e a classe de tubos, bem como as proteções adicionais para uma instalação específica, devem ser determinados considerando-se sua resistência ao fogo, pressão máxima de serviço, etc.

Os tubos de condução enterrados, utilizados em sistemas de chuveiros automáticos, devem atender aos requisitos estabelecidos a seguir: tubos de aço (com ou sem costura): conforme NBR 5580 e NBR 5590; tubos de ferro dúctil: conforme NBR 7675 e ISO 2531; tubos de PVC: conforme NBR 5647-1, NBR 5647-2, NBR 5647-3 e NBR 5647-4; tubos de cobre (sem costura): conforme NBR 13206; e tubos em polietileno (PEAD) conforme NBR 15561.

As conexões utilizadas nos sistemas de chuveiros automáticos devem atender aos requisitos estabelecidos a seguir: ferro fundido maleável: NBR 6943 e NBR 6925; aço para solda: ANSI B16.9; junta elástica para tubos e conexões: NBR 7674; cobre: NBR 11720; flanges de aço: ANSI B 16.1; PEAD por termofusão ou eletrofusão: NBR 15593; policloreto de vinila clorado (CPVC) conforme as NBR 15647 e NBR 15648, para utilização em sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos para ocupações de risco leve até pressões de 1,21 MPa e em temperaturas ambientes até 65 °C; outros tipos de conexões podem ser utilizadas, desde que comprovadamente testadas por laboratórios de entidades ou instituições de reconhecida competência técnica, atendendo aos requisitos quanto à sua aplicabilidade em sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos, especificando condições de uso e ocupação (classificação de risco), pressão máxima de trabalho do sistema e temperatura ambiente máxima de instalação.

Todas as válvulas de bloqueio que controlam as ligações entre sistemas de alimentação de água para combate a incêndio e tubulações de sistemas de chuveiros automáticos devem ser do tipo indicadoras da posição de abertura/fechamento. Essas válvulas devem ser construídas de tal maneira que não possam ser fechadas, desde a posição totalmente aberta, em menos de 5 s, considerando a máxima velocidade possível de operação.

Todas as válvulas de teste, dreno e controle de vazão devem ser providas de placas de identificação de plástico rígido ou metal à prova de corrosão ou intempéries. Estas placas de identificação devem ser fixadas por meio de fios ou correntes resistentes à corrosão ou outro meio aprovado. Cada sistema de chuveiros automáticos deve ser provido de uma conexão de teste de alarme, cuja principal função é testar o funcionamento dos alarmes de fluxo de água (gongo, chave de fluxo).

A conexão deve ser composta por uma tubulação de diâmetro nominal mínimo de 25 mm, dotada de válvula-globo e de um bocal com orifício não corrosivo, de diâmetro nominal igual ao do chuveiro automático de menor orifício utilizado no sistema, obedecendo ainda às condições descritas a seguir: o orifício pode ser obtido com um chuveiro automático cujo defletor tenha sido removido; a conexão deve ser instalada em qualquer ponto da rede, desde que esteja situada após o sistema de alarme de fluxo de água; e a conexão deve ser situada em local de fácil acesso, onde possa ser observada a descarga de água.

FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Sistemas de detecção e alarme de incêndio Parte 13: Avaliação da compatibilidade dos componentes do sistema
NBRISO7240-13 de 06/2017

Sistemas de detecção e alarme de incêndio Parte 13: Avaliação da compatibilidade dos componentes do sistema

Proteção contra incêndio em depósitos de combustíveis de aviação - Procedimento
NBR12285 de 04/1992

Proteção contra incêndio em depósitos de combustíveis de aviação - Procedimento

Execução de sistemas fixos automáticos de proteção contra incêndio com gás carbônico (CO2) em transformadores e reatores de potência contendo óleo isolante
NBR12232 de 01/2015

Execução de sistemas fixos automáticos de proteção contra incêndio com gás carbônico (CO2) em transformadores e reatores de potência contendo óleo isolante

Sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos — Requisitos
NBR10897 de 09/2020

Sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos — Requisitos

Proteção contra incêndio - Símbolos gráficos para projetos
NBR14100 de 03/2022

Proteção contra incêndio - Símbolos gráficos para projetos

Proteção contra incêndio, por sistema de chuveiros automáticos, para áreas de armazenamento em geral - Procedimento
NBR13792 de 07/2021

Proteção contra incêndio, por sistema de chuveiros automáticos, para áreas de armazenamento em geral - Procedimento

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 3: Requisitos e métodos de ensaio
NBR13434-3 de 09/2020

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 3: Requisitos e métodos de ensaio

Proteção contra incêndio em subestações elétricas
NBR13231 de 06/2015

Proteção contra incêndio em subestações elétricas

Extintores de incêndio — Inspeção e manutenção
NBR12962 de 12/2016

Extintores de incêndio — Inspeção e manutenção

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 1: Princípios de projeto
NBR13434-1 de 09/2020

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 1: Princípios de projeto

Prevenção e proteção contra incêndio em instalações aeroportuárias - Procedimento
NBR10720 de 08/1989

Prevenção e proteção contra incêndio em instalações aeroportuárias - Procedimento

Sistemas de detecção e alarme de incêndio – Projeto, instalação, comissionamento e manutenção de sistemas de detecção e alarme de incêndio – Requisitos
NBR17240 de 10/2010

Sistemas de detecção e alarme de incêndio – Projeto, instalação, comissionamento e manutenção de sistemas de detecção e alarme de incêndio – Requisitos

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 20: Detectores de fumaça por aspiração
NBRISO7240-20 de 09/2016

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 20: Detectores de fumaça por aspiração

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 1: Generalidades e definições
NBRISO7240-1 de 11/2017

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 1: Generalidades e definições

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 23: Dispositivos de alarme visual
NBRISO7240-23 de 07/2016

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 23: Dispositivos de alarme visual

Chuveiros automáticos para controle e supressão de incêndios - Especificações e métodos de ensaio
NBR16400 de 04/2018

Chuveiros automáticos para controle e supressão de incêndios - Especificações e métodos de ensaio

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 2: Equipamentos de controle e de indicação de detecção de incêndio
NBRISO7240-2 de 10/2021

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 2: Equipamentos de controle e de indicação de detecção de incêndio

Sistema de combate a incêndio por espuma – Espuma de baixa expansão
NBR12615 de 02/2020

Sistema de combate a incêndio por espuma – Espuma de baixa expansão

Segurança contra incêndio para sistemas de transporte sobre trilhos — Requisitos
NBR16484 de 12/2020

Segurança contra incêndio para sistemas de transporte sobre trilhos — Requisitos

Elementos construtivos envidraçados resistentes ao fogo para compartimentação
NBR14925 de 03/2019

Elementos construtivos envidraçados resistentes ao fogo para compartimentação

Tubos e conexões de poli(cloreto de vinila) clorado (CPVC) para sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos - Requisitos e métodos de ensaio
NBR15647 de 12/2008

Tubos e conexões de poli(cloreto de vinila) clorado (CPVC) para sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos - Requisitos e métodos de ensaio

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores
NBR13434-2 de 09/2020

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores

Proteção contra incêndio em túneis rodoviários e urbanos
NBR15661 de 03/2021

Proteção contra incêndio em túneis rodoviários e urbanos

Tubos e conexões de poli(cloreto de vinila) clorado (CPVC) para sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos - Procedimentos de instalação
NBR15648 de 12/2008

Tubos e conexões de poli(cloreto de vinila) clorado (CPVC) para sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos - Procedimentos de instalação

Método de ensaio e de classificação da reação ao fogo de cortinas - Avaliação das características de ignitabilidade
NBR16625 de 10/2017

Método de ensaio e de classificação da reação ao fogo de cortinas - Avaliação das características de ignitabilidade

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 11: Acionadores manuais
NBRISO7240-11 de 05/2012

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 11: Acionadores manuais

Símbolos gráficos — Cores e sinais de segurança - Parte 1: Princípios de design para sinais e marcações de segurança
NBRISO3864-1 de 09/2013

Símbolos gráficos — Cores e sinais de segurança - Parte 1: Princípios de design para sinais e marcações de segurança

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Parte 7: Proteção contra incêndio para parques de armazenamento com tanques estacionários
NBR17505-7 de 03/2015

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Parte 7: Proteção contra incêndio para parques de armazenamento com tanques estacionários