Text page

BS 9991: a segurança contra incêndios no projeto, gestão e utilização de edifícios residenciais

Essa norma, editada pelo BSI em 2015, é um código de prática que oferece as recomendações e as orientações sobre o projeto, a gestão e a utilização dos edifícios residenciais para que eles atinjam padrões razoáveis de segurança contra incêndio para todas as pessoas que estão dentro e ao redor deles.

17/08/2016 - Equipe Target

A segurança contra incêndios

A BS 9991:2015 - Fire safety in the design, management and use of residential buildings. Code of practice existe para ajudar as pessoas a colocar as medidas adequadas de segurança contra incêndio em edifícios residenciais. Isso inclui a detecção do incêndio, sistemas de alarme e sistemas de combate ao fogo.

A revisão de 2015 forneceu uma atualização técnica completa, para ter em conta as normas novas e revistas publicadas desde a sua última publicação, em 2011. Assim, oferece as recomendações e orientações sobre o projeto, a gestão e a utilização dos edifícios residenciais para que eles atinjam padrões razoáveis de segurança contra incêndio para todas as pessoas que estão dentro e ao redor deles.

Inclui as habitações (casas unifamiliares de habitação, apartamentos independentes ou conjugados), blocos de alojamento residenciais (por exemplo, para estudantes ou funcionários do hospital), com quartos individuais e a prestação de cozinha/instalações sanitárias construídas dentro de um compartimento de incêndio e habitação especializada. A norma aplica-se ao projeto de novos edifícios e alterações relevantes, extensões e alterações materiais de uso em edifícios existentes.

Não abrange hotéis, reboques e trailers, hospitais, casas de repouso, locais de detenção legal ou albergues. Também fornece orientações sobre a gestão da segurança contra incêndio em um edifício durante todo o seu ciclo de vida.

Isso inclui orientação para os projetistas garantir que um melhor design geral de um edifício e melhora na sua gestão da segurança contra incêndios. As recomendações e orientações fornecidas destinam-se a salvaguardar a vida dos ocupantes do edifício e dos bombeiros.

A versão de 2015 apresenta algumas mudanças importantes, que incluem: mudança de "habitação abrigada ou extra de cuidado" para "habitação especializada" e expansão das recomendações relacionadas e esse tema; as recomendações expandidas para escapar de porões; a atualização das recomendações a respeito dos elevadores; novas recomendações para fontes de alimentação de fogo; novas recomendações para os conjuntos de alojamento; nova orientação sobre a gestão das necessidades e deficiências adicionais; e revisão geral levando-se em conta as novas normas revistas e publicadas desde 2011.

Esta norma foi escrita para arquitetos, engenheiros de segurança contra incêndio, serviço de incêndio e salvamento, avaliadores de risco de incêndio, síndicos, porteiros de edifícios e instaladores de alarmes de incêndio e fumaça e inspetores de esquemas de certificação e instalação. A BS 9991 complementa e se alinha com a BS 9999, que é um código de práticas para a segurança contra incêndios no projeto, gestão e utilização de edifícios não residenciais.

Segundo os especialistas o incêndio se apaga no projeto. Esta frase resume toda justificativa econômica e social que o tema reclama. A importância do planejamento nesta área é medida pelos sinistros evitados e não pelos incêndios extintos.

Neste processo preventivo os projetistas têm participação fundamental. Apesar disto, a criação arquitetônica, e muitos dos projetos derivados, ainda são feitos à margem do conhecimento da ciência da prevenção contra o fogo. Daí os estudos setoriais, como este capítulo, possibilitarem desdobramentos em desafios de cunho político, técnico e operacional que serão relatados adiante. A proteção da vida humana é essencial.

O negligenciamento neste aspecto do planejamento não pode ser admitido em qualquer hipótese. A proteção do patrimônio, por sua vez, é relativa e normalmente determinada segundo uma conjunção de interesses de ordem econômica.

Adicionalmente outros fatores podem ainda contribuir para definições de interesse como a preservação histórica ou cultural e manutenção de serviços essenciais. O incêndio é entendido como uma ocorrência indesejável. Como tal deve ser evitado ou controlado. Cabendo, na sua ocorrência, sanções econômicas ou jurídicas e atribuição de responsabilidades.

O governo, através dos códigos de obras e outras legislações correlatas, está voltado fundamentalmente para proteção da vida humana. Enquanto isto, a segurança patrimonial é influenciada pela postura das companhias seguradoras. Essa distinção, porém, não é absoluta. Os resultados quanto à proteção estão sempre superpostos não sendo possível a total dissociação entre eles.

A evolução do mundo civilizado e da vida nas cidades, especialmente intensa ao longo do nosso século, converteu o projeto de edificações em um processo complexo. Tal processo envolve conhecimentos especializados e o emprego de novos materiais e tecnologias. A importância das perdas econômicas e de vidas humanas, envolvidas em incêndios, possibilitou o incremento das pesquisas e investigações nesta área do conhecimento nas últimas décadas.

Assim, diante, das tendências mundiais, pode-se criticar a atitude do projetista que considera segurança contra incêndios um simples problema de atendimento a códigos e leis (atitude até compreensível, dentro da realidade brasileira). Outra questão seria a imposição legal do cumprimento de requisitos de segurança estrangeiros. Esta imposição deveria ser convertida em um perfeito domínio dos conceitos de segurança contra incêndio. Assim, seria possível projetar cada edifício com suas peculiaridades.

Por fim, algumas crenças, comuns entre empresários ou construtores, de que os incrementos do nível de segurança contra incêndio são investimentos sem retorno. Além disto, existe a ideia de que o incêndio é um risco a ser simplesmente coberto por um seguro.

Os transtornos sociais derivados dos incêndios são significativos. 20 % das organizações atingidas pelo fogo desaparecem definitivamente. A perda de mercado e o desemprego para muitas pessoas são outros efeitos derivados dos incêndios.

Além disto, o tratamento de queimados exige largos períodos de tempo. E ainda, as consequências das queimaduras restringem a vida social das vítimas. Na área patrimonial, a destruição de um objeto histórico, um marco moral ou espiritual para um país, é uma perda irreparável.

O conhecimento do valor econômico dos bens destruídos em incêndios é muito difícil. Os valores indenizados pelas companhias de seguro são mensurados com enormes variações de referências. As cifras aparentes são relativas.

Os danos ocasionados em atividades agrícolas, nas residências, nos bens públicos e privados que não foram segurados tornam os valores restritos a uma pequena fatia do todo. Os danos indiretos por sua vez, resultam em mais dificuldade de mensuração. Estes podem ser maiores que os danos diretos.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 11: Acionadores manuais
NBRISO7240-11 de 05/2012

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 11: Acionadores manuais

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 5: Detectores pontuais de temperatura
NBRISO7240-5 de 01/2014

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 5: Detectores pontuais de temperatura

Instalações e equipamentos para treinamentos de combate a incêndio e resgate técnico - Requisitos e procedimentos
NBR14277 de 02/2021

Instalações e equipamentos para treinamentos de combate a incêndio e resgate técnico - Requisitos e procedimentos

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 23: Dispositivos de alarme visual
NBRISO7240-23 de 07/2016

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 23: Dispositivos de alarme visual

Sistemas de detecção e alarme de incêndio – Projeto, instalação, comissionamento e manutenção de sistemas de detecção e alarme de incêndio – Requisitos
NBR17240 de 10/2010

Sistemas de detecção e alarme de incêndio – Projeto, instalação, comissionamento e manutenção de sistemas de detecção e alarme de incêndio – Requisitos

Manutenção de terceiro nível (vistoria) em extintores de incêndio
NBR13485 de 12/2016

Manutenção de terceiro nível (vistoria) em extintores de incêndio

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores
NBR13434-2 de 09/2020

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 1: Princípios de projeto
NBR13434-1 de 09/2020

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 1: Princípios de projeto

Extintores de incêndio sobre rodas
NBR15809 de 02/2017

Extintores de incêndio sobre rodas

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 3: Requisitos e métodos de ensaio
NBR13434-3 de 09/2020

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 3: Requisitos e métodos de ensaio

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 2: Equipamentos de controle e de indicação de detecção de incêndio
NBRISO7240-2 de 10/2021

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 2: Equipamentos de controle e de indicação de detecção de incêndio

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 3: Dispositivos de alarme sonoro
NBRISO7240-3 de 01/2022

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 3: Dispositivos de alarme sonoro

Viaturas de combate a incêndio — Requisitos de desempenho, fabricação e métodos de ensaio
NBR14096 de 04/2016

Viaturas de combate a incêndio — Requisitos de desempenho, fabricação e métodos de ensaio

Esguicho para combate a incêndio - Parte 1: Esguicho básico de jato regulável
NBR14870-1 de 01/2013

Esguicho para combate a incêndio - Parte 1: Esguicho básico de jato regulável

Extintores de incêndio — Inspeção e manutenção
NBR12962 de 12/2016

Extintores de incêndio — Inspeção e manutenção

Execução de sistemas fixos automáticos de proteção contra incêndio com gás carbônico (CO2) em transformadores e reatores de potência contendo óleo isolante
NBR12232 de 01/2015

Execução de sistemas fixos automáticos de proteção contra incêndio com gás carbônico (CO2) em transformadores e reatores de potência contendo óleo isolante

Extintores de incêndio portáteis
NBR15808 de 02/2017

Extintores de incêndio portáteis

Sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos — Requisitos
NBR10897 de 09/2020

Sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos — Requisitos

Sistemas de proteção por extintores de incêndio
NBR12693 de 01/2021

Sistemas de proteção por extintores de incêndio

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 1: Generalidades e definições
NBRISO7240-1 de 11/2017

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 1: Generalidades e definições

Proteção contra incêndio - Símbolos gráficos para projetos
NBR14100 de 03/2022

Proteção contra incêndio - Símbolos gráficos para projetos

Pó para extinção de incêndio
NBR9695 de 01/2012

Pó para extinção de incêndio

Brigada de incêndio e emergência - Requisitos e procedimentos
NBR14276 de 04/2020

Brigada de incêndio e emergência - Requisitos e procedimentos

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 4: Fontes de alimentação
NBRISO7240-4 de 05/2022

Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 4: Fontes de alimentação

Sistema de combate a incêndio por espuma – Espuma de baixa expansão
NBR12615 de 02/2020

Sistema de combate a incêndio por espuma – Espuma de baixa expansão