Text page

NBR 11215 (MB1306) de 07/2016: resfriamento e aquecimento de equipamentos unitários de ar-condicionado e bomba de calor

Quais os métodos de ensaio padrão para os equipamentos unitários de ar-condicionado e bomba de calor? Quais os métodos de ensaio de aquecimento ou de resfriamento? Qual o arranjo do túnel para o método de ensaio da entalpia do ar? Qual o arranjo da sala do método de ensaio da entalpia do ar? Essas questões estão sendo apresentadas no texto sobre os equipamentos unitários de ar-condicionado e bomba de calor.

10/08/2016 - Equipe Target

Os equipamentos unitários de ar-condicionado e bomba de calor

A NBR 11215 (MB1306) de 07/2016 - Equipamentos unitários de ar-condicionado e bomba de calor - Determinação da capacidade de resfriamento e aquecimento especifica o método para determinação da capacidade de resfriamento do equipamento unitário de condicionamento de ar e as capacidades de resfriamento e aquecimento do equipamento unitário de bomba de calor. Aplica-se a equipamentos unitários de condicionamento de ar e de bomba de calor, dotados de compressão mecânica, acionados eletricamente. Não se aplica a métodos que envolvam fatores como tolerâncias de fabricação e procedimento de controle de qualidade.

Acesse algumas perguntas relacionadas com essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais os métodos de ensaio padrão para os equipamentos unitários de ar-condicionado e bomba de calor?

Quais os métodos de ensaio de aquecimento ou de resfriamento?

Qual o arranjo do túnel para o método de ensaio da entalpia do ar?

Qual o arranjo da sala do método de ensaio da entalpia do ar?

Deve-se dizer que um equipamento unitário equipamento consiste em uma ou mais partes que incluem uma serpentina de ar interna, um compressor, uma serpentina externa e um dispositivo de expansão. Normalmente os equipamentos do tipo unitário podem ser classificados como a seguir: arranjo dos componentes: unidade com o compressor, a serpentina de ar interna e a serpentina externa agrupados em um único gabinete; unidade com o compressor e a serpentina interna agrupados em um único gabinete e a serpentina externa em outro; unidade com a serpentina interna em um gabinete e a serpentina externa e o compressor em outro.

Tenha um método de troca de calor da serpentina externa: ar; água; condensação com resfriamento evaporativo. Estas partes estabelecem, quer sozinhas ou em combinação com outros equipamentos, as funções de circulação e limpeza, desumidificação, resfriamento e aquecimento com temperatura controlada do ar. Quando o equipamento é dividido, as partes separadas são projetadas para serem usadas em conjunto.

Para aplicação desta norma, recomenda-se a seguinte sequência: selecionar as condições a serem empregadas no ensaio; selecionar os métodos de ensaio (ver Seção 5) e respectivos roteiros (ver Seção 6); selecionar os aparelhos e instrumentos (ver Seções 7 a 10); conduzir o ensaio (ver Seção 11); calcular os resultados (ver Seção 12) e os parágrafos aplicáveis (ver Seção 6).

Os equipamentos unitários devem ser ensaiados pelos métodos descritos na Tabela 1, respeitando as limitações da Seção 6. Para equipamentos que tenham a capacidade de resfriamento menor que 40.000 W, nas condições de ensaio, devem ser realizados ensaios simultâneos pelo método da entalpia do ar, lado interno (ensaio A), e por outro método-padrão.

Os equipamentos de capacidade de resfriamento igual ou superior a 40.000 W podem ser ensaiados por apenas um dos métodos descritos, mas, no ciclo de resfriamento, quando o método da entalpia do ar, lado interno, não for empregado, a vazão interna e a capacidade de resfriamento latente (desumidificação) devem ser determinadas simultaneamente conforme especificado nas Seções 7 e 9.

No método da entalpia do ar, as capacidades são determinadas pelas medidas das temperaturas de bulbo seco e bulbo úmido do ar, na entrada e saída da serpentina, e pela vazão do ar. Este método deve ser empregado em ensaios internos, de equipamentos com capacidade total de resfriamento menor do que 40.000 W, e pode ser usado para ensaios internos de equipamentos de igual ou maior capacidade.

Quando for usado para esta finalidade, deve ser designado como ensaio A. Sujeito aos requisitos adicionais em 6.1.6, esse método pode ser usado para ensaios externos de equipamentos resfriados a ar ou evaporativamente, com capacidades menores do que 40.000 W na parte de resfriamento, desde que não usem resfriadores de líquido remotos.

Os ensaios externos do método da entalpia do ar estão, adicionalmente, sujeitos às limitações do arranjo dos aparelhos descritos em 6.1.6.2, se o compressor for ventilado independentemente, e ao ajuste da perda na linha permitido por 6.1.7.3 e 6.1.8.3, e se o equipamento emprega serpentinas externas localizadas em gabinetes independentes.

São recomendados alguns arranjos para ensaios. No arranjo do túnel (Figura 1), o equipamento a ser ensaiado é colocado adequadamente na sala ou salas de ensaio (ver Seção 11). Um dispositivo de medição da vazão do ar é colocado na descarga do equipamento (interna ou externamente à sala de ensaio).

Este dispositivo descarrega o ar diretamente na sala de ensaios, a qual é provida de meios adequados para manter o ar que entra na unidade nas temperaturas de bulbo úmido e seco desejadas. São providos os meios adequados para medição da queda de pressão e das temperaturas de bulbo seco e úmido do ar, na entrada e na saída do equipamento;

No arranjo do circuito (Figura 2), que difere do arranjo do túnel, visto que a descarga do dispositivo de medição da vazão de ar é conectada ao aparelho de condicionamento, o qual é por sua vez conectado à entrada do equipamento. O circuito deve ser vedado de tal modo que as perdas de ar não tenham influência superior a 1 % da vazão. A temperatura de bulbo seco do ar em torno do equipamento deve ser mantida em ± 3 °C em relação à temperatura de bulbo seco de entrada, desejada no ensaio.

No arranjo do calorímetro (Figura 3), o equipamento, ou a parte apropriada dele, é colocado em um invólucro. Esse invólucro deve ser bem vedado e isolado. Deve ser suficientemente amplo para permitir a livre circulação de ar entre o equipamento e o invólucro e, em nenhum caso, a distância entre o invólucro e o equipamento deve ser inferior a 150 mm.

A entrada do invólucro deve ser oposta à entrada do equipamento para provocar a circulação de ar através de todo o espaço coberto. Um dispositivo de medição da vazão do ar é conectado à descarga do equipamento. Este dispositivo deve ser bem isolado na parte onde atravessa o invólucro. As temperaturas dos bulbos seco e úmido do ar, na entrada do equipamento, devem ser medidas na entrada do invólucro.

No arranjo da sala (Figura 4), o equipamento a ser ensaiado é adequadamente colocado na sala de ensaio. Um dispositivo de medição do ar é colocado na descarga do ar do equipamento e no retorno ligado a um equipamento de condicionamento de ar. O ar saindo do aparelho de condicionamento fornece as temperaturas de bulbo seco e úmido desejadas, e termômetros e manômetros podem medir as temperaturas dos bulbos seco e úmido e a queda de pressão conforme exigido.

Nos arranjos mostrados nas Figuras 1, 2, 3 e 4, que são para ilustrar as várias possibilidades disponíveis e não podem ser interpretados como aplicação específica ou exclusiva para os tipos de equipamentos com os quais são mostrados. Entretanto, um invólucro como mostrado na Figura 3, deve ser usado quando o compressor está na parte interna e ventilado separadamente.

Outros meios de controle do ar, na saída e na entrada, podem ser empregados desde que não interfiram com a quantidade de ar, temperatura e queda de pressão, nem produzam condições anormais em torno do equipamento. As medições de temperatura no interior do duto devem ser feitas no mínimo em três pontos, nos centros de partes iguais da área de passagem, ou tiradas em amostra adequada, ou com dispositivos de mistura dando resultados equivalentes.

Dispositivos típicos de misturas e amostragem são apresentados na NBR 10085. As conexões para o equipamento devem ser isoladas entre o local da medição e o equipamento para que a perda de calor através das conexões não exceda 1 % da capacidade.

A temperatura interna na entrada deve ser medida no mínimo em três pontos igualmente espaçados na área de entrada do equipamento ou fornecida por um meio equivalente de amostragem. Para unidades sem conexões de dutos ou invólucro, o instrumento de medição de temperatura ou dispositivos de amostragem devem ficar localizados a aproximadamente 150 mm da abertura ou aberturas da entrada do equipamento.

As temperaturas externas na entrada devem ser medidas em locais tais que as seguintes condições sejam totalmente atendidas: as temperaturas medidas devem ser representativas da temperatura em torno da seção externa e simular as condições encontradas na aplicação real; no ponto de medição, a temperatura do ar não pode ser afetada pela descarga do ar da seção externa. É obrigatório que as temperaturas sejam a montante de qualquer recirculação produzida.

É claro que a temperatura de ensaio, especificada nas proximidades da seção externa, deve simular tão próximo quanto possível uma instalação normal, operando com condições do ar ambiente idênticas às temperaturas especificadas de ensaio. As velocidades do ar nos instrumentos de medição da temperatura de bulbo úmido devem estar próximas de 5 m/s. Recomenda-se o mesmo valor para as medidas na entrada e saída. As medições de bulbo úmido acima ou abaixo de 5 m/s devem ser corrigidas de acordo com a NBR 10085.

Quando o método de entalpia do ar for empregado para ensaios do lado externo, é necessário determinar se o acoplamento do dispositivo da medida de vazão do ar altera o desempenho do equipamento ensaiado e, se isto ocorrer, deve ser corrigido. Para conseguir isto, o equipamento deve possuir pares termoelétricos fixados nos pontos médios de cada curva de circuito da serpentina interna ou externa.

Um equipamento não sensível à carga de refrigerante pode alternativamente ser colocado com manômetros conectados às válvulas de serviço ou às linhas de descarga e sucção. O equipamento deve ser operado nas condições desejadas com o aparelho de ensaio do lado interno conectado; nunca do lado externo.

Os dados devem ser registrados em intervalos de 10 min em um período mínimo de 1 h após ser obtido o equilíbrio. O aparelho de ensaio do lado externo pode então ser conectado ao equipamento, e as pressões ou temperaturas indicadas pelos manômetros ou pares termoelétricos citados anteriormente são anotadas; após a obtenção do novo equilíbrio, a diferença das médias não pode exceder ± 3 °C, caso contrário, a vazão do ar exterior deve ser ajustada até que o valor desejado seja obtido.

O ensaio deve continuar por um período de 1 h após a obtenção do equilíbrio nas condições apropriadas com o aparelho de ensaio externo conectado, e os resultados dos ensaios do lado interno durante este intervalo devem situar-se em ± 2 % com os resultados obtidos durante o período de ensaio preliminar. Isto se aplica aos ciclos de resfriamento e de aquecimento, mas deve ser feito para cada um com qualquer condição.

O equipamento deve ser operado nas condições desejadas de ensaio. Medições de temperatura e pressão do refrigerante, na entrada e na saída da seção ou do lado interno do equipamento e na sucção e descarga do compressor, devem ser tomadas a intervalos de 10 min até que se consigam sete conjuntos de leituras dentro das tolerâncias fixadas em 11.6.2 e 11.6.3.

Quando for necessário um ensaio da entalpia do ar interno, essas leituras devem ser obtidas durante este ensaio. Em equipamento não sensível à carga de refrigerante, podem-se adaptar manômetros nas linhas de refrigerante. No equipamento sensível à carga de refrigerante, é necessário determinar as pressões do refrigerante após esse ensaio, uma vez que a ligação de manômetros de pressão pode resultar em perda de carga.

Para se conseguir isso, medem-se as temperaturas durante o ensaio por meio de pares termoelétricos fixados às curvas, nos pontos médios nos circuitos de cada serpentina interior e exterior, ou em pontos não afetados pelo superaquecimento do vapor ou pelo sub-resfriamento do líquido refrigerante. Prosseguindo-se o ensaio, conectam-se manômetros às linhas e o equipamento é evacuado e carregado com o tipo e quantidade de refrigerante especificado pelo fabricante. O equipamento é, então, colocado novamente em funcionamento nas condições de ensaio e, se necessário, adiciona-se ou retira-se refrigerante até que as medições do par termoelétrico, referentes ao vapor refrigerante que entra e sai do compressor, estejam entre ± 1,6 °C dos seus valores originais e a temperatura do líquido que entra na válvula de expansão seja reproduzida entre ± 0,5 °C.

As pressões de funcionamento devem então ser observadas. As temperaturas do refrigerante devem ser medidas por meio de pares termoelétricos fixados às linhas, em locais apropriados. Nenhum par termoelétrico deve ser retirado, substituído ou, de qualquer outra forma, alterado durante qualquer parte de um ensaio completo de capacidade.

As temperaturas e as pressões do vapor refrigerante na sucção e descarga do compressor devem ser tomadas a aproximadamente 250 mm da sucção e da descarga do compressor, ao longo das linhas do refrigerante. Se a válvula de reversão estiver incluída na calibração, esses dados devem ser tomados nas linhas para a serpentina e a aproximadamente 250 mm da válvula.

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde (EAS) - Requisitos para projeto e execução das instalações
NBR7256 de 08/2021

Tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde (EAS) - Requisitos para projeto e execução das instalações

Sistemas de condicionamento de ar e ventilação — Execução de serviços de higienização
NBR14679 de 06/2012

Sistemas de condicionamento de ar e ventilação — Execução de serviços de higienização

Instalações de ar-condicionado para salas de computadores - Procedimento
NBR10080 de 11/1987

Instalações de ar-condicionado para salas de computadores - Procedimento

Instalações de ar-condicionado - Sistemas centrais e unitários - Parte 3: Qualidade do ar interior
NBR16401-3 de 08/2008

Instalações de ar-condicionado - Sistemas centrais e unitários - Parte 3: Qualidade do ar interior

Sistemas de ar condicionado e ventilação – Procedimentos e requisitos relativos às atividades de construção, reformas, operação e manutenção das instalações que afetam a qualidade do ar interior (QAI)
NBR15848 de 06/2010

Sistemas de ar condicionado e ventilação – Procedimentos e requisitos relativos às atividades de construção, reformas, operação e manutenção das instalações que afetam a qualidade do ar interior (QAI)

Instalações de ar-condicionado - Sistemas centrais e unitários - Parte 1: Projetos das instalações
NBR16401-1 de 08/2008

Instalações de ar-condicionado - Sistemas centrais e unitários - Parte 1: Projetos das instalações

Equipamentos unitários de ar-condicionado e bomba de calor - Determinação da capacidade de resfriamento e aquecimento
NBR11215 de 07/2016

Equipamentos unitários de ar-condicionado e bomba de calor - Determinação da capacidade de resfriamento e aquecimento

Medição de temperatura em condicionamento de ar - Procedimento
NBR10085 de 11/1987

Medição de temperatura em condicionamento de ar - Procedimento

Sistemas de refrigeração, condicionamento de ar, ventilação e aquecimento — Manutenção programada
NBR13971 de 01/2014

Sistemas de refrigeração, condicionamento de ar, ventilação e aquecimento — Manutenção programada

Instalações de ar-condicionado - Sistemas centrais e unitários - Parte 2: Parâmetros de conforto térmico
NBR16401-2 de 08/2008

Instalações de ar-condicionado - Sistemas centrais e unitários - Parte 2: Parâmetros de conforto térmico

Instalação de condicionadores de ar de uso doméstico (tipo monobloco ou modular)
NBR6675 de 07/1993

Instalação de condicionadores de ar de uso doméstico (tipo monobloco ou modular)

Tubo de cobre sem costura para refrigeração e ar-condicionado - Requisitos
NBR7541 de 07/2004

Tubo de cobre sem costura para refrigeração e ar-condicionado - Requisitos