Text page

NR 17: as condições de trabalho nos teleatendimentos e telemarketings

Entende-se como trabalho de teleatendimento/telemarketing aquele cuja comunicação com interlocutores clientes e usuários é realizada à distância por intermédio da voz e/ou mensagens eletrônicas. Pelo fato desse tipo de trabalho afetar os trabalhadores, foi aprovado o Anexo II da Norma Regulamentadora nº 17 - Trabalho em Teleatendimento/Telemarketing.

22/06/2016 - Equipe Target

Os trabalhadores em teleatendimento/telemarketing podem sofrer distúrbios osteomusculares

Mauricio Ferraz de Paiva

A ergonomia pode ser definida como o estudo do relacionamento entre o homem e seu trabalho, equipamento e ambiente e, particularmente, a aplicação dos conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos desse relacionamento. Ela busca instituir os métodos que ajustem e melhorem as condições de trabalho, ocasionando conforto aos trabalhadores, além de trazer segurança e eficiência para a realização das atividades a serem desempenhadas.

Os trabalhadores em teleatendimento/telemarketing podem sofrer distúrbios osteomusculares que são causadas por posturas incorretas, exigência de posturas estáticas prolongadas, proibição de saída do posto de trabalho, digitação repetida, mobiliário desconfortável, posto de trabalho em condições inadequadas (posição e tamanho dos equipamentos, iluminação e temperatura, etc.). O punho, a mão, a coluna lombar e os membros inferiores são atingidos, geralmente, por tendinites, sinovites, hérnias de disco e edemas.

Além disso, a sensibilidade visual é afetada e a fadiga visual é acentuada dependendo do tipo de tela e da iluminação do posto de trabalho. Por isso, eles apresentam dores nos dedos, formigamento, perda de força motora, redução dos movimentos, dores nos ombros, dores nas costas, inchaços, formigamento das pernas, dos pés, inchaços dos membros inferiores, fadiga visual, perda auditiva, labirintite e, ainda, após longos períodos, acúmulo de gordura no abdômen.

Quanto aos distúrbios emocionais estão relacionados a gestões organizacionais e psicossociais da política administrativa da empresa. A intensidade das sobrecargas emocional e mental está relacionada à organização de volume escalonado de trabalho, à carga cognitiva, ao ritmo exigido pelas tarefas prescritas, ao nível de participação pessoal, ao planejamento laboral e mais, a forte pressão por produtividade através de metas de vendas e obtenção de resultados.

Dessa forma, podem apresentar desconforto emocional com ansiedade e insegurança, sendo elevado o número de estresse, síndrome do pânico, depressão, e doenças de base emocional como alergias, gripes, dores de estômago, dores de cabeça, irritabilidade, anemias e até fibromialgias. Algumas ações simples como pequenas paradas na jornada de trabalho, movimentação, descontração e hidratação não resolvem totalmente o problema, mas auxiliam de maneira significativa a minimizar os problemas, enquanto todas as adequações se estabelecem.

A Norma Regulamentadora Nº 17 (NR 17) foi publicada com dois anexos, visando a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente. As condições de trabalho incluem aspectos relacionados ao levantamento, transporte e descarga de materiais, ao mobiliário, aos equipamentos e às condições ambientais do posto de trabalho e à própria organização do trabalho. Um deles objetiva o trabalho em teleatendimento/telemarketing.

Entende-se como trabalho de teleatendimento/telemarketing aquele cuja comunicação com interlocutores clientes e usuários é realizada à distância por intermédio da voz e/ou mensagens eletrônicas, com a utilização simultânea de equipamentos de audição/escuta e fala telefônica e sistemas informatizados ou manuais de processamento de dados. Os operadores de teleatendimento/ telemarketing exercem uma atividade necessária e que expõe o seus trabalhadores a sérios riscos físicos e emocionais sendo necessária uma política integrada de gestão para dar as melhores condições de trabalho a esse tão importante profissional.

A empresa contratante precisa atentar a alguns parâmetros. O monitor de vídeo e o teclado devem estar apoiados em superfícies com mecanismos de regulagem independentes, sendo aceita uma superfície regulável única para teclado e monitor quando este for dotado de regulagem independente de, no mínimo, 26 centímetros no plano vertical.

A bancada sem material de consulta deve ter, no mínimo, profundidade de 75 centímetros medidos a partir de sua borda frontal e largura de 90 centímetros que proporcionem zonas de alcance manual de, no máximo, 65 (sessenta e cinco) centímetros de raio em cada lado, medidas centradas nos ombros do operador em posição de trabalho. Já a bancada com material de consulta deve ter, no mínimo, profundidade de 90 centímetros a partir de sua borda frontal e largura de 100 centímetros que proporcionem zonas de alcance manual de, no máximo, 65 centímetros de raio em cada lado, medidas centradas nos ombros do operador em posição de trabalho, para livre utilização e acesso de documentos.

Somam-se a isso que o plano de trabalho deve ter bordas arredondadas, as superfícies de trabalho devem ser reguláveis em altura em um intervalo mínimo de 13 centímetros, medidos de sua face superior, permitindo o apoio das plantas dos pés no piso. O dispositivo de apontamento na tela (mouse) deve estar apoiado na mesma superfície do teclado, colocado em área de fácil alcance e com espaço suficiente para sua livre utilização e o espaço sob a superfície de trabalho deve ter profundidade livre mínima de 45 centímetros ao nível dos joelhos e de 70 centímetros ao nível dos pés, medidos de sua borda frontal.

Nos casos em que os pés do operador não alcançarem o piso, mesmo após a regulagem do assento, deverá ser fornecido apoio para os pés que se adapte ao comprimento das pernas do trabalhador, permitindo o apoio das plantas dos pés, com inclinação ajustável e superfície revestida de material antiderrapante.

Fundamental que os assentos devem ser dotados de apoio em cinco pés, com rodízios cuja resistência evite deslocamentos involuntários e que não comprometam a estabilidade do assento, superfícies onde ocorre contato corporal estofadas e revestidas de material que permita a perspiração, base estofada com material de densidade entre 40 a 50 kg/m³ e a altura da superfície superior ajustável, em relação ao piso, entre 37 e 50 centímetros, podendo ser adotados até três tipos de cadeiras com alturas diferentes, de forma a atender as necessidades de todos os operadores, profundidade útil de 38 a 46 centímetros, borda frontal arredondada, características de pouca ou nenhuma conformação na base e encosto ajustável em altura e em sentido antero-posterior, com forma levemente adaptada ao corpo para proteção da região lombar.

Não se pode esquecer-se do apoio de braços, regulável em altura de 20 a 25 centímetros a partir do assento, sendo que seu comprimento não deve interferir no movimento de aproximação da cadeira em relação à mesa, nem com os movimentos inerentes à execução da tarefa. Os locais de trabalho devem ser dotados de condições acústicas adequadas à comunicação telefônica, adotando-se medidas tais como o arranjo físico geral e dos postos de trabalho, pisos e paredes, isolamento acústico do ruído externo, tamanho, forma, revestimento e distribuição das divisórias entre os postos.

Os ambientes de trabalho devem atender aos seguintes parâmetros: níveis de ruído de acordo com o estabelecido na NBR 10152 (NB95) de 12/1987 - Níveis de ruído para conforto acústico que fixa níveis de ruído compatíveis com o conforto acústico em ambientes diversos, observando o nível de ruído aceitável para efeito de conforto de até 65 dB (A) e a curva de avaliação de ruído (NC) de valor não superior a 60 dB; índice de temperatura efetiva entre 20 º e 23 ºC; velocidade do ar não superior a 0,75 m/s; e umidade relativa do ar não inferior a 40 %. Para alcançar tais propósitos faz-se necessário que os equipamentos sejam adaptados às características físicas e psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho que será realizado.

Para o cálculo do tempo efetivo em atividade de teleatendimento/telemarketing devem ser computados os períodos em que o operador encontra-se no posto de trabalho, os intervalos entre os ciclos laborais e os deslocamentos para solução de questões relacionadas ao trabalho. Para prevenir sobrecarga psíquica, muscular estática de pescoço, ombros, dorso e membros superiores, as empresas devem permitir a fruição de pausas de descanso e intervalos para repouso e alimentação aos trabalhadores.

Com o fim de permitir a satisfação das necessidades fisiológicas, as empresas devem permitir que os operadores saiam de seus postos de trabalho a qualquer momento da jornada, sem repercussões sobre suas avaliações e remunerações. Nos locais de trabalho deve ser permitida a alternância de postura pelo trabalhador, de acordo com suas conveniência e necessidade.

Importante: os mecanismos de monitoramento da produtividade, tais como mensagens nos monitores de vídeo, sinais luminosos, cromáticos, sonoros, ou indicações do tempo utilizado nas ligações ou de filas de clientes em espera, não podem ser utilizados para aceleração do trabalho e, quando existentes, deverão estar disponíveis para consulta pelo operador, a seu critério.

Mauricio Ferraz de Paiva é engenheiro eletricista, especialista em desenvolvimento em sistemas, presidente do Instituto Tecnológico de Estudos para a Normalização e Avaliação de Conformidade (Itenac) e presidente da Target Engenharia e Consultoria - mauricio.paiva@target.com.br

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Ergonomia da interação humano-sistema - Parte 210: Projeto centrado no ser humano para sistemas interativos
NBRISO9241-210 de 08/2011

Ergonomia da interação humano-sistema - Parte 210: Projeto centrado no ser humano para sistemas interativos

Ergonomia da interação humano-sistema - Parte 11: Usabilidade: Definições e conceitos
NBRISO9241-11 de 07/2021

Ergonomia da interação humano-sistema - Parte 11: Usabilidade: Definições e conceitos

Ergonomia da interação humano-sistema - Parte 143: Formulários
NBRISO9241-143 de 02/2014

Ergonomia da interação humano-sistema - Parte 143: Formulários

Requisitos ergonômicos para o trabalho com dispositivos de Interação Visual - Parte 12: Apresentação da informação
NBRISO9241-12 de 01/2011

Requisitos ergonômicos para o trabalho com dispositivos de Interação Visual - Parte 12: Apresentação da informação

Requisitos gerais para o estabelecimento de bases de dados antropométricos
NBRISO15535 de 08/2015

Requisitos gerais para o estabelecimento de bases de dados antropométricos

Ergonomia da interação humano-sistema - Parte 151: Orientações para interfaces de usuários da World Wide Web
NBRISO9241-151 de 06/2021

Ergonomia da interação humano-sistema - Parte 151: Orientações para interfaces de usuários da World Wide Web

Acústica — Níveis de pressão sonora em ambientes internos a edificações
NBR10152 de 11/2017

Acústica — Níveis de pressão sonora em ambientes internos a edificações

Facilidade de operação de produtos de uso diário - Parte 1: Requisitos de projeto para o contexto de uso e as características do usuário
NBRISO20282-1 de 01/2016

Facilidade de operação de produtos de uso diário - Parte 1: Requisitos de projeto para o contexto de uso e as características do usuário

Ergonomia — Movimentação manual - Parte 3: Movimentação de cargas leves em alta frequência de repetição
NBRISO11228-3 de 04/2014

Ergonomia — Movimentação manual - Parte 3: Movimentação de cargas leves em alta frequência de repetição

Tratamento acústico em recintos fechados - Procedimento
NBR12179 de 04/1992

Tratamento acústico em recintos fechados - Procedimento

Ergonomia da interação humano-sistema — Métodos de usabilidade que apoiam o projeto centrado no usuário
ABNT ISO/TR16982 de 03/2014

Ergonomia da interação humano-sistema — Métodos de usabilidade que apoiam o projeto centrado no usuário

Ergonomia — Avaliação de posturas estáticas de trabalho
NBRISO11226 de 10/2013

Ergonomia — Avaliação de posturas estáticas de trabalho

Ergonomia da interação humano-sistema - Parte 100: Introdução às normas relacionadas à ergonomia de software
ABNT ISO/TR9241-100 de 06/2012

Ergonomia da interação humano-sistema - Parte 100: Introdução às normas relacionadas à ergonomia de software

Ergonomia da interação humano-sistema - Parte 110: Princípios de diálogo
NBRISO9241-110 de 07/2012

Ergonomia da interação humano-sistema - Parte 110: Princípios de diálogo