Text page

NBR 5123 (EB783) de 04/2016: as especificações do relé fotocontrolador intercambiável e tomada para iluminação

Qual a carga da lâmpada de descarga? Quais são as características construtivas, requisitos e ensaios de um relé fotocontrolador? Quais as identificações que devem ser gravadas no chassi do relé fotocontrolador? Qual deve ser o código de identificação das características do relé fotocontrolador? Quais os condutores elétricos da tomada? Essas questões estão sendo respondidas no texto sobre o relé fotocontrolador intercambiável e tomada para iluminação.

04/05/2016 - Equipe Target

Relé fotocontrolador intercambiável e tomada para iluminação

A NBR 5123 (EB783) de 04/2016 - Relé fotocontrolador intercambiável e tomada para iluminação — Especificação e ensaios especifica os requisitos de construção e desempenho e os procedimentos de ensaios aplicáveis ao relé fotocontrolador intercambiável, tomada embutida, tomada externa, capa isolada e capa ligada, para uso ao tempo, e destinados ao comando de iluminação em circuitos de baixa tensão de corrente alternada de 60 Hz (60 Hz e/ou 50 Hz). Os relés fotocontroladores são os dispositivos destinados ao controle de equipamento de iluminação em função do nível de iluminamento. A tomada é um dispositivo destinado à fixação intercambiável do relé fotocontrolador, provendo conexão ao circuito externo.

Acesse algumas perguntas relacionadas com essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Qual a carga da lâmpada de descarga?

Quais são as características construtivas, requisitos e ensaios de um relé fotocontrolador?

Quais as identificações que devem ser gravadas no chassi do relé fotocontrolador?

Qual deve ser o código de identificação das características do relé fotocontrolador?

Quais os condutores elétricos da tomada?

As cargas utilizadas nos ensaios desta norma são padronizadas para as tensões nominais de 127 V e 220 V e devem estar conforme 4.1 e 4.2. Deve ser utilizada preferencialmente a carga para 220 V e, para relés fotocontroladores que não operam neste valor, deve ser utilizado um autotransformador com relação de redução ou elevação adequada ou um transformador variador de tensão, tipo “variac”, com capacidade mínima de 0,5 kVA, ligado conforme a Figura 1 (disponível na norma), de forma que o relé fotocontrolador opere em sua tensão nominal ou dentro da faixa de tensão especificada.

Devem ser utilizadas lâmpadas do tipo incandescência (incandescentes ou halógenas) com tensão nominal de 127 V ou 220 V, associadas, para obter-se uma potência de (1000 ± 30) W, não podendo ser utilizados resistores ou indutores na composição da carga. O relé fotocontrolador deve ter as dimensões conforme a Figura 3 (disponível na norma), sendo que todo o material termoplástico empregado em componente exposto diretamente aos raios solares deve possuir aditivo protetor contra radiação ultravioleta e todo componente metálico deve ter proteção contra corrosão.

O relé fotocontrolador deve operar em temperatura ambiente variando de –5 °C a +50 °C, nas tensões nominais, e capacidades de carga dadas na Seção 4. Os relés fotocontroladores são classificados por tipo, conforme a Tabela 3. O chassi do relé fotocontrolador, capa isolada e capa ligada devem ser de material eletricamente isolante, e devem ter as dimensões conforme a Figura 4 (disponível na norma), onde os contatos devem estar rigidamente fixados.

Os contatos devem ser de latão estanhado eletroliticamente, com exceção para capa isolada, onde os contatos podem ser de termoplástico com resistência mecânica adequada. As dimensões da gaxeta utilizada em relé fotocontrolador, capa ligada e capa isolada devem estar conforme a Figura 3, e o material utilizado deve ter um grau de elasticidade adequado, de modo a prover a força de retenção que evite o deslocamento indevido do relé fotocontrolador ou capa, e garanta vedação para impedir a penetração de umidade e poeira no interior da tomada, relé fotocontrolador ou capas isoladas e ligadas.

O material empregado na gaxeta e o sistema de fixação ou aderência ao chassi devem suportar uma temperatura de (100 ± 2) °C, por 72 h. A gaxeta deve ser considerada aprovada se não se soltar do chassi e se não forem encontrados sinais de deterioração, amolecimento, endurecimento ou trincas.

O relé fotocontrolador, capa isolada ou capa ligada são colocados suspensos em uma estufa (sem estarem conectados na tomada), à temperatura de (100 ± 2) °C, por 72 h. Após o ensaio, a fixação da gaxeta deve ser avaliada e deve ser considerada adequada se não desprender parcial ou totalmente do chassi e se não houver evidências de deslocamento ou mudança da posição original.

A tampa deve ser de material eletricamente isolante, estabilizado contra efeito de radiação ultravioleta e resistente ao impacto e às intempéries. Na embalagem, devem constar as informações demandadas por legislação específica e aquelas destinadas à identificação do produto, fabricante, modelo, tensão, frequência, grau de proteção (IP) e impulso de tensão.

O código gravado na tampa do relé fotocontrolador que identifica algumas das características daquele produto não precisa constar na embalagem, mas a embalagem deve ter a tabela que possibilite a compreensão daquele código, conforme a Tabela 5 (disponível na norma). O relé fotocontrolador deve ter robustez adequada para suportar os impactos decorrentes da manipulação que ocorre em uso normal.

O relé fotocontrolador deve ser submetido a cinco rotações no tambor, conforme a Figura 8 (disponível na norma), sem sofrer alterações em suas características. A verificação das características deve ser feita pelo ensaio de operação.

O relé fotocontrolador deve ser colocado no interior do tambor rotativo, que deve ser girado à frequência de cinco rotações por minuto. A altura da queda é de 500 mm, sobre uma placa de aço de 3 mm de espessura, sendo o número de quedas igual a 10. No tambor, é ensaiada uma amostra de cada vez.

Após o ensaio, as amostras não podem apresentar qualquer deterioração, dentro do conceito estabelecido nesta norma. Em especial: nenhuma parte deve ter se soltado ou desapertado; os contatos de encaixe não podem estar deformados de tal modo que o relé fotocontrolador não possa ser introduzido na tomada; a relação de operação deve permanecer dentro dos limites especificados.

A tomada deve ser de material eletricamente isolante, com os contatos internos em latão estanhado eletroliticamente, com as dimensões indicadas na Figura 9 (disponível na norma). Os contatos de encaixe da tomada devem ser de latão estanhado eletroliticamente e próprios para suportar no mínimo uma corrente nominal (In) de 10 A.

A tomada sem o relé fotocontrolador inserido deve suportar, por 72 h, uma temperatura de (70 ± 2) °C, sem apresentar dano ou deformação permanente em seus componentes, mantendo as características operacionais. Para o método de ensaio de comportamento a 70 °C, a tomada é colocada em uma câmara térmica, a uma temperatura de (70 ± 2) °C, mantida constante durante um período de 72 h.

Após a tomada ser retirada e mantida à temperatura ambiente de (25 ± 5) °C durante 1 h, o relé fotocontrolador deve ser inserido para verificar se as características da tomada não foram alteradas. A tomada externa deve apresentar um grau mínimo de proteção IP44, conforme a NBR IEC 60529, sendo a conformidade do segundo numeral verificada com a tomada fixada na posição normal de operação e com um relé fotocontrolador, capa ligada ou capa isolada montada.

Todo componente metálico utilizado na tomada ou na fixação desta deve ter proteção contra corrosão. A tomada externa deve apresentar um grau mínimo de proteção IP33, conforme a NBR IEC 60529, sendo a conformidade do segundo numeral verificada com a tomada fixada na posição normal de operação e com um relé fotocontrolador, capa ligada ou capa isolada montada.

Todo componente metálico utilizado na tomada ou na fixação desta deve ter proteção contra corrosão. Os três condutores de ligação devem suportar, individualmente, por 1 min, uma força de 5 daN, aplicada sem impacto, na direção de inserção do relé fotocontrolador.

A tomada deve ser fixada e, a seguir, deve-se aplicar a tração mecânica especificada em cada condutor, individualmente, e sem impacto. Ao ser atingido o valor de 5 daN, a força deve ser mantida por 1 min.

Após o ensaio, a tomada deve permanecer operacional e os condutores não podem se soltar ou apresentar danos que impeçam o uso posterior da tomada. Quanto à capacidade de condução de corrente dos contatos da tomada, os contatos internos devem ser dimensionados para uma corrente nominal de 10 A e os contatos fase e carga da tomada devem apresentar uma elevação de temperatura inferior a 30 °C, durante 15 ciclos de 20 h, com uma corrente de 15 A, e 4 h desenergizado, na temperatura ambiente de (25 ± 5) °C.

A tomada deve estar fixada à alça na posição normal de operação e, para interligar os contatos fase e carga, deve ser utilizada uma capa ligada, inserida cinco vezes e removida quatro vezes, com o circuito desenergizado, e permanecendo acoplada após a última inserção até o final do ensaio. A temperatura deve ser monitorada por meio de termopares, acoplados às lâminas internas dos contatos da tomada, e registrada ao final de cada ciclo, antes de cessar a circulação de corrente.

FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Cabos isolados com policloreto de vinila (PVC) ou isolados com composto termofixo elastomérico, para tensões nominais até 450/750 V, inclusive – Inspeção e recebimento
NBRNM243 de 04/2009

Cabos isolados com policloreto de vinila (PVC) ou isolados com composto termofixo elastomérico, para tensões nominais até 450/750 V, inclusive – Inspeção e recebimento

Condutores isolados flexíveis para ligações internas com isolação de borracha etilenopropileno (EPR) para 130 °C e tensões até 750 V – Especificação
NBR9114 de 12/2010

Condutores isolados flexíveis para ligações internas com isolação de borracha etilenopropileno (EPR) para 130 °C e tensões até 750 V – Especificação

Relé fotocontrolador intercambiável e tomada para iluminação — Especificação e ensaios
NBR5123 de 04/2016

Relé fotocontrolador intercambiável e tomada para iluminação — Especificação e ensaios

Lâmpadas a vapor de sódio a alta pressão
NBRIEC60662 de 04/1997

Lâmpadas a vapor de sódio a alta pressão

Produto de aço e ferro fundido galvanizado por imersão a quente — Determinação da massa do revestimento por unidade de área — Método de ensaio
NBR7397 de 05/2016

Produto de aço e ferro fundido galvanizado por imersão a quente — Determinação da massa do revestimento por unidade de área — Método de ensaio

Conjunto de emenda subterrâneo para cabos ópticos - Compressão - Método de ensaio
NBR14409 de 05/2016

Conjunto de emenda subterrâneo para cabos ópticos - Compressão - Método de ensaio

Galvanização de produtos de aço e ferro fundido por imersão a quente - Verificação da uniformidade do revestimento - Método de ensaio
NBR7400 de 11/2015

Galvanização de produtos de aço e ferro fundido por imersão a quente - Verificação da uniformidade do revestimento - Método de ensaio

Cabos isolados com policloreto de vinila (PVC) para tensões nominais até 450/750V, inclusive  - Parte 3: Condutores isolados (sem cobertura) para instalações fixas (IEC 60227-3, MOD)
NBRNM247-3 de 02/2002

Cabos isolados com policloreto de vinila (PVC) para tensões nominais até 450/750V, inclusive - Parte 3: Condutores isolados (sem cobertura) para instalações fixas (IEC 60227-3, MOD)

Luminárias - Parte 2: Requisitos particulares - Capítulo 1: Luminárias fixas para uso em iluminação geral
NBRIEC60598-2-1 de 07/2012

Luminárias - Parte 2: Requisitos particulares - Capítulo 1: Luminárias fixas para uso em iluminação geral

Reator e ignitor para lâmpada a vapor de sódio a alta pressão — Especificação e ensaios
NBR13593 de 01/2011

Reator e ignitor para lâmpada a vapor de sódio a alta pressão — Especificação e ensaios

Produto de aço e ferro fundido galvanizado por imersão a quente - Verificação da aderência do revestimento - Método de ensaio
NBR7398 de 11/2015

Produto de aço e ferro fundido galvanizado por imersão a quente - Verificação da aderência do revestimento - Método de ensaio

Graus de proteção providos por invólucros (Códigos IP)
NBRIEC60529 de 04/2017

Graus de proteção providos por invólucros (Códigos IP)

Galvanização por imersão a quente de produtos de aço e ferro fundido - Especificação
NBR6323 de 07/2016

Galvanização por imersão a quente de produtos de aço e ferro fundido - Especificação

Conjunto de emenda aéreo para cabos ópticos - Intemperismo acelerado - Método de ensaio
NBR14414 de 05/2016

Conjunto de emenda aéreo para cabos ópticos - Intemperismo acelerado - Método de ensaio

Desempenho de luminárias - Parte 2-1: Requisitos particulares para luminárias LED
NBRIEC62722-2-1 de 05/2016

Desempenho de luminárias - Parte 2-1: Requisitos particulares para luminárias LED

Conjunto de emenda para cabos ópticos aéreo e subterrâneo - Tração - Método de ensaio
NBR14412 de 05/2016

Conjunto de emenda para cabos ópticos aéreo e subterrâneo - Tração - Método de ensaio

Luminárias - Parte 1: Requisitos gerais e ensaios
NBRIEC60598-1 de 11/2010

Luminárias - Parte 1: Requisitos gerais e ensaios

Material metálico revestido e não revestido - Corrosão por exposição à névoa salina - Método de ensaio
NBR8094 de 07/1983

Material metálico revestido e não revestido - Corrosão por exposição à névoa salina - Método de ensaio

Cabos de potência com isolação extrudada de polietileno termofixo (XLPE) para tensão de 0,6/1 kV - Sem cobertura - Requisitos de desempenho
NBR7285 de 03/2016

Cabos de potência com isolação extrudada de polietileno termofixo (XLPE) para tensão de 0,6/1 kV - Sem cobertura - Requisitos de desempenho

Conjunto de emenda subterrâneo para cabos ópticos - Resistência ao ataque químico - Método de ensaio
NBR14411 de 05/2016

Conjunto de emenda subterrâneo para cabos ópticos - Resistência ao ataque químico - Método de ensaio

Luminárias - Parte 2: Requisitos particulares - Seção 6: Luminárias com transformadores incorporados ou conversores para lâmpadas de filamento de tungstênio
NBRIEC60598-2-6 de 12/2017

Luminárias - Parte 2: Requisitos particulares - Seção 6: Luminárias com transformadores incorporados ou conversores para lâmpadas de filamento de tungstênio

Luminárias - Parte 2: Requisitos Particulares - Capítulo 19: Luminárias para sistemas de ar-condicionado (requisitos de segurança)
NBRIEC60598-2-19 de 12/1999

Luminárias - Parte 2: Requisitos Particulares - Capítulo 19: Luminárias para sistemas de ar-condicionado (requisitos de segurança)