Text page

Como evitar tragédias com curtos-circuitos como a do Museu da Língua Portuguesa

Os especialistas acreditam que um curto-circuito causou o incêndio que destruiu o Museu da Língua Portuguesa, na Estação da Luz, em São Paulo. As chamas surgiram em uma das torres do prédio, pois os funcionários que trabalhavam no local disseram que tiraram uma luminária e quando foram colocar a outra que já estava pegando fogo.

06/01/2016 - Equipe Target

Os riscos dos curtos-circuitos

Um curto-circuito na hora de trocar uma luminária no segundo andar é a hipótese mais provável para o incêndio que destruiu o Museu da Língua Portuguesa. Como o prédio é muito antigo, tem bastante madeira e material combustível, o fogo se alastrou rapidamente.

No Museu da Língua Portuguesa, em seu primeiro andar, ficavam uma sala para as exposições temporárias, uma sala de aula para 50 pessoas e a administração. No segundo andar, a grande galeria, totens, painéis e três áreas com atividades interativas. O auditório e a Praça da Língua ficavam no terceiro andar.

Para garantir uma instalação elétrica segura e dentro das diretrizes da NBR 5410 de 09/2004 - Instalações elétricas de baixa tensão, que estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações elétricas de baixa tensão, a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens, é necessária a utilização de dispositivos de segurança para a proteção dos circuitos da residência, tanto contra choques quanto sobreaquecimento ou surtos de corrente ou tensão.

Quando um circuito elétrico é submetido a uma carga excessiva por um período prolongado de tempo, ocorre um sobreaquecimento dos condutores envolvidos, que pode se propagar inclusive para condutores próximos. Do mesmo modo, um curto-circuito gera um pico de corrente capaz de aquecer os condutores muito mais rapidamente.

Para evitar o desgaste ou mesmo a queima dos condutores da instalação, todo circuito residencial deve ser protegido com um disjuntor termomagnético (DTM), responsável por interromper o funcionamento de circuitos assim que eles apresentarem picos muito altos de corrente ou sinais de sobreaquecimento

A proteção contra curto-circuito se deve a uma bobina instalada nesse tipo de disjuntor. Com a variação brusca da corrente elétrica, característica de uma situação de curto-circuito, há também uma forte variação do campo magnético. Se essa variação for suficiente para mover o núcleo de ferro do disjuntor, haverá interrupção mecânica do circuito.

A proteção contra sobrecarga é possível graças a um segundo mecanismo, composto por um atuador bimetálico. Esse atuador é composto por duas placas metálicas em contato, que se deformam e abrem o circuito caso sofram sobreaquecimento.

A proteção contra o choque elétrico é também indispensável numa instalação que segue as normas da NBR 5410. Para esse fim, é necessário o uso de um interruptor diferencial residual (IDR), capaz de detectar fugas de correntes (também chamadas de faltas), ou seja, diferenças entre a corrente que entra e a corrente que sai do dispositivo. Essa diferença significa que uma parte da corrente que deveria circular pelo circuito foi desviada de sua trajetória e volta para o dispositivo com essa parte faltando. Isso pode ocorrer devido a um choque elétrico ou falhas de isolação.

O ideal é que além do DTM haja também um IDR para cada circuito elétrico do quadro de força. No entanto o custo desse dispositivo é consideravelmente alto e usar vários deles encarece bastante o projeto. Uma solução também prevista em norma é a utilização de um único IDR na proteção geral, que apesar de ser mais barato, conta com a inconveniência de desarmar toda a instalação no caso da detecção de uma falta.

Além da proteção contra excesso e a detecção de falta de corrente, há também dispositivos especializados na detecção de variações bruscas da tensão elétrica. Os picos de tensão podem ocorrer na presença de descargas atmosféricas, durante chuvas muito fortes, e tendem a danificar os dispositivos eletrônicos da residência. Para prevenir a queima desses equipamentos, é aconselhável a instalação de um dispositivo de proteção contra surtos, capaz de limitar as sobretensões e enviar para a terra os surtos de corrente que ocorrem caso uma descarga atmosférica entre em contato com a rede elétrica.

Um único DPS é capaz de proteger toda a instalação elétrica, no entanto, há também a opção de proteção individual dos aparelhos com o uso de estabilizadores de tensão, feitos também para evitar a queima de dispositivos eletrônicos em situações de descarga atmosférica. Já a NBR 13570 de 02/1996 - Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos fixa os requisitos específicos exigíveis às instalações elétricas em locais de afluência de público, a fim de garantir o seu funcionamento adequado, a segurança de pessoas e de animais domésticos e a conservação dos bens.

Importante saber identificar um curto-circuito elétrico que, na maioria das vezes, começa com um cheiro de queimado que não se sabe de onde vem. Este é um forte indício de curto-circuito elétrico. Para identificar outros sinais, preste atenção em tomadas com manchas pretas (que podem estar queimadas) ou fios desencapados e com aspecto de velhos. Também dá para perceber que o local está próximo de sofrer um curto-circuito quando as lâmpadas queimam frequentemente em um mesmo ponto ou quando há uma brusca interrupção de energia sem qualquer motivo externo (como tempestades, raios ou apagões).

O curto-circuito é um dos principais causadores de incêndios em instalações elétricas mal construídas ou mal conservadas, que possuem constante movimentação elétrica. Normalmente, os erros de dimensionamento e fios desencapados são os maiores provocadores de curtos-circuitos em ambientes residenciais, comerciais e industriais.

A instalação de fusíveis e de disjuntores em locais com corrente elétrica elevada é uma prática comum para evitar um curto-circuito em casas, apartamentos, lojas e indústrias. Os disjuntores merecem destaque por possuir papel importante na detecção de falhas na corrente elétrica, funcionando basicamente como interruptores automáticos que evitam curtos-circuitos. Os fusíveis, por sua vez, ficam inutilizáveis quando ocorre uma brusca interrupção, e devem ser trocados imediatamente. Um disjuntor pode ser religado automaticamente.

Uma maneira bem simples de evitar um curto-circuito é não sobrecarregar uma tomada. Ligar a televisão, o rádio, o computador, o carregador de um celular e diversos outros aparelhos no mesmo ponto não é uma boa ideia, pois o risco de um curto-circuito aumenta consideravelmente e pode até mesmo danificar os dispositivos.

Uma boa dica é realizar manutenções periódicas de toda a parte elétrica. Técnicos especializados podem identificar com facilidade os pontos sobrecarregados, falhas não perceptíveis, além de toda a fiação, tomadas desgastadas e as melhores soluções para resolver os problemas. Com o tempo os fios acabam se deteriorando também.

Por isso, caso consiga ver algum fio amassado, corroído, ou qualquer alteração que não julgar saudável, saiba que está na hora de serem substituídos. Outro detalhe importante é a temperatura dos fios dos aparelhos. Caso se perceba um aquecimento fora do normal é necessário chamar um especialista para fazer uma análise mais precisa.

Com a grande demanda de aparelhos eletrônicos é normal que não haja tantas tomadas para eles em uma casa. Por isso, muitas pessoas optam pelo famoso T ou benjamim. Porém, saiba que ligar vários aparelhos em um só local pode causar curto-circuito e até um incêndio.

Portanto, o melhor é usar um aparelho de cada vez na tomada. Uma boa opção para este tipo de situação é comprar uma régua com várias tomadas; elas nada mais são que uma extensão da tomada, só que a maioria contém também um fuzível - que desliga a tensão caso haja um pico de energia, evitando que os equipamentos se danifiquem.

O disjuntor é um dispositivo de proteção usado em circuito elétrico. Assim, quando o desarmamento de disjuntores ocorre com frequência na sua casa significa que a instalação elétrica está sobrecarregada. Outro sinal de sobrecarga na rede é a queima de fusíveis com frequência.

FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Dispositivos-fusíveis de baixa tensão - Parte 3-1: Requisitos suplementares para dispositivos-fusíveis para uso por pessoas não qualificadas (dispositivos-fusíveis para uso principalmente doméstico e similares) - Seções I a IV
NBRIEC60269-3-1 de 12/2017

Dispositivos-fusíveis de baixa tensão - Parte 3-1: Requisitos suplementares para dispositivos-fusíveis para uso por pessoas não qualificadas (dispositivos-fusíveis para uso principalmente doméstico e similares) - Seções I a IV

Emendas para cabos de potência isolados para tensões até 750 V — Requisitos e métodos de ensaio
NBR9513 de 11/2010

Emendas para cabos de potência isolados para tensões até 750 V — Requisitos e métodos de ensaio

Instalações elétricas em locais de afluência de público — Requisitos específicos
NBR13570 de 12/2021

Instalações elétricas em locais de afluência de público — Requisitos específicos

Dispositivo de manobra e comando de baixa tensão - Parte 1: Regras gerais
NBRIEC60947-1 de 06/2013

Dispositivo de manobra e comando de baixa tensão - Parte 1: Regras gerais

Cabos de formato plano com isolação extrudada de cloreto de polivinila (PVC) para tensão até 750V - Especificação
NBR8661 de 08/1997

Cabos de formato plano com isolação extrudada de cloreto de polivinila (PVC) para tensão até 750V - Especificação

Dispositivo de manobra e comando de baixa tensão - Parte 2: Disjuntores
NBRIEC60947-2 de 11/2013

Dispositivo de manobra e comando de baixa tensão - Parte 2: Disjuntores

Cabos de potência e condutores isolados sem cobertura, não halogenados e com baixa emissão de fumaça, para tensões até 1 kV - Requisitos de desempenho
NBR13248 de 09/2014

Cabos de potência e condutores isolados sem cobertura, não halogenados e com baixa emissão de fumaça, para tensões até 1 kV - Requisitos de desempenho

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 2: Gerenciamento de risco
NBR5419-2 de 05/2015

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 2: Gerenciamento de risco

Instalações elétricas de baixa tensão
NBR5410 de 09/2004

Instalações elétricas de baixa tensão

Eletroduto rígido de aço-carbono, com costura, com revestimento protetor e rosca ABNT NBR 8133 — Requisitos
NBR5624 de 12/2011

Eletroduto rígido de aço-carbono, com costura, com revestimento protetor e rosca ABNT NBR 8133 — Requisitos

Dispositivos de manobra e comando de baixa tensão - Parte 4-2: Contatores e partida de motores - Controladores de partida de motores c.a. a semicondutores
NBRIEC60947-4-2 de 03/2011

Dispositivos de manobra e comando de baixa tensão - Parte 4-2: Contatores e partida de motores - Controladores de partida de motores c.a. a semicondutores

Cabos de potência com isolação extrudada de polietileno termofixo (XLPE) para tensão de 0,6/1 kV - Sem cobertura - Requisitos de desempenho
NBR7285 de 03/2016

Cabos de potência com isolação extrudada de polietileno termofixo (XLPE) para tensão de 0,6/1 kV - Sem cobertura - Requisitos de desempenho

Eletroduto de aço-carbono e acessórios, com revestimento protetor e rosca BSP — Requisitos
NBR5598 de 09/2013

Eletroduto de aço-carbono e acessórios, com revestimento protetor e rosca BSP — Requisitos

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 3: Danos físicos a estruturas e perigos à vida
NBR5419-3 de 05/2015

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 3: Danos físicos a estruturas e perigos à vida

Dispositivo de manobra e comando de baixa tensão - Parte 4-1: Contatores e chaves de partidas de motores - Contatores e chaves de partidas de motores eletromecânicos
NBRIEC60947-4-1 de 02/2018

Dispositivo de manobra e comando de baixa tensão - Parte 4-1: Contatores e chaves de partidas de motores - Contatores e chaves de partidas de motores eletromecânicos

Dispositivos de manobra e controle de baixa tensão - Parte 3: Interruptores, seccionadores, interruptores-seccionadores e unidades combinadas com fusíveis
NBRIEC60947-3 de 02/2014

Dispositivos de manobra e controle de baixa tensão - Parte 3: Interruptores, seccionadores, interruptores-seccionadores e unidades combinadas com fusíveis

Instalações elétricas de baixa tensão - Requisitos específicos para instalação em estabelecimentos assistenciais de saúde
NBR13534 de 01/2008

Instalações elétricas de baixa tensão - Requisitos específicos para instalação em estabelecimentos assistenciais de saúde

Conectores para cabos de potência - Ensaios de ciclos térmicos e curtos-circuitos
NBR9326 de 10/2014

Conectores para cabos de potência - Ensaios de ciclos térmicos e curtos-circuitos

Cabos de potência com isolação extrudada de polietileno reticulado (XLPE) para tensões de 1 kV a 35 kV — Requisitos de desempenho
NBR7287 de 01/2019

Cabos de potência com isolação extrudada de polietileno reticulado (XLPE) para tensões de 1 kV a 35 kV — Requisitos de desempenho

Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo até 20 A/250 V em corrente alternada - Padronização
NBR14136 de 09/2012

Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo até 20 A/250 V em corrente alternada - Padronização

Fios e cabos de cobre duro e meio duro com ou sem cobertura protetora para instalações aéreas
NBR6524 de 10/1998

Fios e cabos de cobre duro e meio duro com ou sem cobertura protetora para instalações aéreas

Cabos de potência com isolação sólida extrudada de cloreto de polivinila (PVC) ou polietileno (PE) para tensões de 1 kV a 6 kV - Especificação
NBR7288 de 10/2018

Cabos de potência com isolação sólida extrudada de cloreto de polivinila (PVC) ou polietileno (PE) para tensões de 1 kV a 6 kV - Especificação

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 4: Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura
NBR5419-4 de 05/2015

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 4: Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura

Eletroduto de aço-carbono e acessórios, com revestimento protetor e rosca NPT — Requisitos
NBR5597 de 09/2013

Eletroduto de aço-carbono e acessórios, com revestimento protetor e rosca NPT — Requisitos

Cálculo da capacidade de condução de corrente de cabos isolados em regime permanente (fator de carga 100%) - Procedimento
NBR11301 de 09/1990

Cálculo da capacidade de condução de corrente de cabos isolados em regime permanente (fator de carga 100%) - Procedimento

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 1: Princípios gerais
NBR5419-1 de 05/2015

Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 1: Princípios gerais