Text page

Ensaios em concreto conforme as normas garantem a segurança das estruturas

Para a execução de uma estrutura, é necessário a realização de testes no concreto que será usado na obra, pois, para garantir a segurança das estruturas de concreto, é necessário averiguar sua condição com um nível elevado de precisão e detalhe.

30/09/2015 - Equipe Target

A importância dos ensaios em concreto

Normalmente, nos laboratórios, a preparação do traço do concreto começa na balança, pesando a proporção de pedra ou brita que será misturada. Depois, as pedras são depositadas na betoneira. A mesma medição é feita com a água. Na sequência, ela é despejada na betoneira, que faz uma primeira lavagem da brita.

Enquanto isso, são pesados na balança a areia e o cimento, nas proporções indicadas para o traço do concreto. Primeiro, é despejada a areia e, depois, a proporção já pesada de cimento; a betoneira fica em funcionamento até que a mistura se torne bem homogênea.

No piso nivelado e regular, são colocadas as formas cilíndricas de aço para moldagem. Cada forma é preenchida até a metade e recebe 12 golpes de bastão padronizado para que a mistura se assente no fundo do molde. Depois, despeja-se a segunda camada de concreto, que recebe mais 12 golpes.

O acabamento é padronizado e etiquetado, com data e número de série. A mistura descansa sobre o piso por 24 horas. O próximo passo é armazenar o corpo de prova na câmara úmida - onde ele deverá descansar (curar) sob condições controladas de umidade por sete, 14, 28 ou até mesmo 63 dias, dependendo do pedido do cliente.

Passado o tempo de cura estipulado para o ensaio, a peça sai da câmara úmida e vai para a retífica, onde terá suas superfícies de apoio polidas e niveladas. Outra forma de nivelar é com o uso de enxofre quente. O corpo de prova é depositado sobre uma peça cheia de enxofre em estado líquido que, ao esfriar, forma uma capa lisa e regular.

Por fim, o corpo de prova é colocado na máquina de compressão axial, para o chamado rompimento - a máquina exerce pressão vertical sobre a peça até que se rompa. Assim, verifica-se a resistência máxima padronizada pelo traço de concreto ensaiado.

Para ensaiar concreto, existem algumas normas técnicas que devem obrigatoriamente serem cumpridas. A NBR 12655 de 01/2015 - Concreto de cimento Portland - Preparo, controle, recebimento e aceitação – Procedimento é aplicável a concreto de cimento Portland para estruturas moldadas na obra, estruturas pré-moldadas e componentes estruturais pré-fabricados para edificações e estruturas de engenharia. O concreto pode ser misturado na obra, pré-misturado ou produzido em usina de pré-moldados.

Esta norma estabelece os requisitos para: propriedades do concreto fresco e endurecido e suas verificações; composição, preparo e controle do concreto; e aceitação e recebimento do concreto. Não se aplica a concretos normais, pesados e leves. Não se aplica a concreto massa, concretos aerados, espumosos e com estrutura aberta (sem finos).

Exigências adicionais, estabelecidas em normas nacionais vigentes, podem ser necessárias para: estruturas especiais, como: certos viadutos, vasos sob pressão para usinas nucleares, estruturas marítimas e estradas; uso de outros materiais (como fibras); tecnologias especiais (processos de produção) ou tecnologias inovadoras no processo de construção; concreto leve; concreto projetado; concreto pré-moldado; pavimentos e pisos de concreto.

A NBR 7680-1 de 01/2015 - Concreto - Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto - Parte 1: Resistência à compressão axial, em todas as suas partes, estabelece os requisitos exigíveis para os processos de extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto. Esta Parte 1 trata especificamente das operações relativas à resistência à compressão axial de corpos de prova cilíndricos de concreto.

Os resultados obtidos pelo procedimento estabelecido nesta Parte 1 podem ser utilizados: para aceitação definitiva do concreto, em casos de não conformidade da resistência à compressão do concreto com os critérios da NBR 12655; para avaliação da segurança estrutural de obras em andamento, nos casos de não conformidade da resistência à compressão do concreto com os critérios da NBR 12655; para verificação da segurança estrutural em obras existentes, tendo em vista a execução de obras de retrofit, reforma, mudança de uso, incêndio, acidentes, colapsos parciais e outras situações em que a resistência à compressão do concreto deva ser conhecida.

A NBR 7680-2 de 02/2015 - Concreto - Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto - Parte 2: Resistência à tração na flexão, em todas as suas as partes, estabelece os requisitos exigíveis para os processos de extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto. Esta Parte 2 trata especificamente das operações relativas à resistência à tração na flexão de testemunhos prismáticos de pavimentos de concreto.

A NBR 5738 de 01/2015 - Concreto - Procedimento para moldagem e cura de corpos de prova prescreve o procedimento para moldagem e cura de corpos de prova cilíndricos e prismáticos de concreto. Não se aplica a concretos com abatimento igual a zero ou misturas relativamente secas, como as empregadas para a produção de tubos e blocos, para a preparação de concreto para barragens, e concreto compactado com rolo.

Enfim, para garantir a segurança das estruturas de concreto é necessário averiguar sua condição com um nível elevado de precisão e detalhe. A maneira usual de se inspecionar e fazer diagnósticos do desempenho das estruturas de concreto está relacionada com os ensaios de resistência à compressão em testemunhos extraídos da própria estrutura. Porém, esse procedimento nem sempre é recomendado devido à geometria dos elementos estruturais, que muitas vezes não permite extrair testemunhos com as dimensões padronizadas para os ensaios, bem como os próprios riscos e danos que o seccionamento de estruturas pode causar.

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Concreto compactado com rolo - Parte 1: Terminologia
NBR16312-1 de 10/2014

Concreto compactado com rolo - Parte 1: Terminologia

Concreto autoadensável - Parte 3: Determinação da habilidade passante - Método do anel J
NBR15823-3 de 08/2017

Concreto autoadensável - Parte 3: Determinação da habilidade passante - Método do anel J

Concreto autoadensável - Parte 6: Determinação da resistência à segregação - Métodos da coluna de segregação e da peneira
NBR15823-6 de 08/2017

Concreto autoadensável - Parte 6: Determinação da resistência à segregação - Métodos da coluna de segregação e da peneira

Concreto compactado com rolo - Parte 3: Ensaios de laboratório em concreto fresco
NBR16312-3 de 05/2015

Concreto compactado com rolo - Parte 3: Ensaios de laboratório em concreto fresco

Concreto autoadensável - Parte 4: Determinação da habilidade passante - Métodos da caixa L e da caixa U
NBR15823-4 de 08/2017

Concreto autoadensável - Parte 4: Determinação da habilidade passante - Métodos da caixa L e da caixa U

Concreto - Extração, preparação e ensaio de testemunhos de estruturas de concreto
NM69 de 01/1996

Concreto - Extração, preparação e ensaio de testemunhos de estruturas de concreto

Concreto de cimento Portland - Preparo, controle, recebimento e aceitação - Procedimento
NBR12655 de 02/2022

Concreto de cimento Portland - Preparo, controle, recebimento e aceitação - Procedimento

Concreto - Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto - Parte 1: Resistência à compressão axial
NBR7680-1 de 01/2015

Concreto - Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto - Parte 1: Resistência à compressão axial

Concreto - Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto - Parte 2: Resistência à tração na flexão
NBR7680-2 de 02/2015

Concreto - Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto - Parte 2: Resistência à tração na flexão

Concreto compactado com rolo - Parte 2: Preparação em laboratório
NBR16312-2 de 05/2015

Concreto compactado com rolo - Parte 2: Preparação em laboratório

Agregados para concreto - Especificação
NBR7211 de 04/2009

Agregados para concreto - Especificação

Concreto - Procedimento para moldagem e cura de corpos de prova
NBR5738 de 01/2015

Concreto - Procedimento para moldagem e cura de corpos de prova

Concreto autoadensável - Parte 1: Classificação, controle e recebimento no estado fresco
NBR15823-1 de 08/2017

Concreto autoadensável - Parte 1: Classificação, controle e recebimento no estado fresco

Concreto autoadensável - Parte 5: Determinação da viscosidade - Método do funil V
NBR15823-5 de 08/2017

Concreto autoadensável - Parte 5: Determinação da viscosidade - Método do funil V

Projeto de estruturas de concreto — Procedimento
NBR6118 de 04/2014

Projeto de estruturas de concreto — Procedimento

Concreto autoadensável - Parte 2: Determinação do espalhamento, do tempo de escoamento e do índice de estabilidade visual - Método do cone de Abrams
NBR15823-2 de 08/2017

Concreto autoadensável - Parte 2: Determinação do espalhamento, do tempo de escoamento e do índice de estabilidade visual - Método do cone de Abrams